A CAMINHO DA DESCONSTRUCÇÃO DA IDENTIDADE PORTUGUESA?

Camões desfigurado a Pretexto do Grelo da Batata global

 

Comemorar a batata grelada em moeda como símbolo da globalização num rosto desfigurado de Camões e a pretexto da comemoração dos 500 anos em que a batata foi trazida pelos navegadores portugueses para a Europa, é juntar-se demasiados conteúdos numa figura simbólica degradada contra o belo para promoção da doutrina do modernismo actualmente continuado no marxismo/maoismo antieuropeu e no capitalismo liberalista, apadrinhados pelo globalismo!

Se iniciativas descontructivas tais como a moeda da comemoração saíssem da cabeça dos portugueses ainda vá lá. O pior é que vêm de fora e não são bem-intencionadas como se pode observar em ONGs com activistas nos diversos ramos sublevadores culturais por todos os lados e subvencionadas pelo capital global.

Quanto ao Camões, os modernistas já lhe tiraram o tapete a nível do currículo de Ensino escolar.

Isto é apenas um pequeno sinal do que está a ser efectuado a grande escala através da implementação de agendas globalistas também através da burocracia administrativa da ONU. Vamo-nos habituando a ser fritos na sertã do modernismo marxista que usa como óleo o que é tradicional.

Enfim não haveria nada a dizer contra um globalismo humano, se o globalismo em via não fosse colonialista e nem pretendesse tornar-nos javardos sem mãe. (Para se ter uma pequena ideia de como a geringonça  funciona bastaria fazer-se um estudo sobre a conexão dos bancos nacionais a nível mundial e quem se encontra por trás deles e o porquê de os países terem de recorrer à divida soberana à custa de máquinas nas mãos de bancos centrais que imprimem notas sem valor real).

Forças globalistas pretendem desfazer a boa imagem de personalidades históricas que expressem a identidade cultural dos países (aproveitam-se de toda a ocasião para desfigurarem a imagem delas: o que fica a trabalhar no inconsciente são as imagens) no sentido de degradar a tradição europeia.

O globalismo quer estabelecer um novo pavimento cultural que arrase todas as culturas e a tradição para assim poder erguer o seu prédio cultural artificial onde uma pequeníssima elite mundial (capital + ideólogos) possa dirigir o mundo com facilidade reduzindo-o, para isso, a um teatro de fantoches em suas mãos.

A elite global directamente presente em todos os bancos nacionais e a nível de governos, cada vez mais transformados em administradores, faz uso do seu poder determinante através da economia, da arte e das mais diversificadas instituições.

Este tema não mereceria atenção se não fosse mais um sinal do que está a acontecer nos Bastidores da sociedade.

Figura da moeda em nota (1); pelos vistos a casa da moeda já retirou do seu site a imagem!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

(1) https://scontent-fra5-1.xx.fbcdn.net/v/t39.30808-6/447523390_26469063536026464_1876210741255305494_n.jpg?_nc_cat=100&ccb=1-7&_nc_sid=5f2048&_nc_eui2=AeFngWoZwc5jtCTb9mQ_oMjg_M0EFX3VkIT8zQQVfdWQhDL_0lzXFf1mOQz3YG1ExDg&_nc_ohc=zB-JA765AIEQ7kNvgG8PGXi&_nc_ht=scontent-fra5-1.xx&oh=00_AYADBcrgMJGIC3fPL-h_YSVolR8-0fQx2Sk3TRpMHqqVzQ&oe=66650128

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *