NA SEQUELA DE ELITES CRIADORAS DE INSPIRAÇÕES SUBMISSAS

A Emoção social instrumentalizada está a substituir a Razão e a destruir o Senso crítico

As democracias estão a ser desmioladas devido à prepotência de grandes poderios e falham por serem obrigadas a orientar-se por princípios imediatos que as reduzem, cada vez mais, ao papel de reagentes e não de agentes. Esta situação torna-se evidente ao constatarmos como os interesses dos EUA e da Rússia utilizam a Ucrânia e condicionam os governantes da Europa a reagirem de maneira a prejudicarem substancialmente a vida das populações que ficam longe da Ucrânia e a contribuírem para a divisão do mundo e dos povos. Os governantes europeus que foram eleitos para defenderem os interesses do povo que os elegeu atraiçoam os eleitores e a democracia dado os seus interesses de elites estarem conectados aos das elites das grandes potências que são contrários a uma política do bem-comum; reduzem a sua governação aos negócios miúdos da aclimatada população e criam nela a impressão de se preocuparem com ela.

Destrói-se a personalidade consciente pessoal e cria-se uma personalidade inconsciente colectiva que interioriza o pensar politicamente correcto e do mainstream! A consciência individual é substituída por ideias comuns e ideologias criadas por “pais incógnitos” e dirigidas a um anonimato, tornado democraticamente irresponsável. As elites pretendentes a dominar radicalmente não só a pessoa como grupos e nações criam acontecimentos e sugerem contínuos planos que obrigam a sociedade a ter de andar sempre atrás do acontecimento ritualizado e celebrado insistentemente nos meios de comunicação social; por outro lado como estratégia de autodefesa criam impulsos sociais e ideias que destroem as ligações pessoais (fomento do egocentrismo) grupos como família, região ou nação para os poderem anonimizar e assim tornar massa manobrável (pessoa organizada tem poder e força e não se deixa tão facilmente manipular pelo poder, por isso há todo o interesse em desvinculá-la reduzindo-a a mero indivíduo).

Assim se cria um círculo de retorno em que personalidades ou programas socialmente invisíveis criam ideias no povo que este depois exprime no mainstream e assim conseguem indirectamente democratizar processos autoritários e manipuladores e dando a impressão de estarem a dar resposta à vontade popular. Este proceder ameaça cada vez mais o processo de formação da opinião democrática. Um exemplo acabado disto temo-lo na guerra da informação sobre o contencioso Rússia/OTAN; a informação igual e repetitiva em todos os canais de TV e de informação é tão insistente que cria em pessoas indefesas a ideia de possuírem verdades absolutas que as leva a considerar anátemas aqueles que ousem sequer levantar uma dúvida ao que a massa tem de pensar. A consciência pessoal-individual é substituída pelo sentimento gratificante de pertença ao caudal do mainstream. Cria-se assim uma irracionalidade grupal que tem um efeito de massas semelhante ao criado num estádio de futebol que age como um todo psicológico inconscientemente movido e até exaltado. Se observamos a reacção das massas à contenda entre Rússia e USA/OTAN nos media e nas atitudes dos beligerantes de um lado e do outro vê-se confirmado que mesmo em sociedades consideradas avançadas como a europeia, as pessoas são levadas pela emoção e por um ditado colectivo que no fim se revelará como servidor de quem tem intenções antidemocráticas. A democracia se continuar a ser minada desta maneira deixa de o ser e, o que é mais sínico e catastrófico, deixa de o ser mediante um processo democrático. O inconsciente colectivo torna-se tão transformador do caracter das pessoas que as leva a uma disponibilidade de até se alistarem voluntariamente em guerras distantes de que não conhecem os interesses que se escondem por trás delas. Assim um convencido pelos media é levado a alistar-se nos exércitos ucraniananos pensando que serve a Ucrânia quando, de facto poderá estar a defender os interesses da OTAN/EUA ou da Rússia. As democracias ocidentais não são bem vistas quer pelo socialismo ideológico quer pelo turbo-capitalismo que apostam no dirigismo anónimo. A inconsciência colectiva passa a substituir a consciência individual e a servir, deste modo, os inimigos da democracia.

A democracia estava mais adequada e bem guardada nos Estados-nação porque com a política democrática, as injustiças nos Estados-nação poderiam ser fundamentalmente eliminadas: direitos civis e humanos, estado de direito, liberdades individuais, saúde, etc.; com a formação de grandes conglomerados de nações corre-se grande perigo de se dificultar a proximidade ao cidadão e este não consegue abranger novas complexidades criadas. Facto é que da ideia nacionalista que nos regia estamos a passar para ideia imperialista de grandes conglomerados. A nossa tradição imperialista com a ideia de que outros povos são inferiores e ignorantes está agora a moldar o nosso comportamento passando num estádio intermédio a assumir o espírito guerreiro, bárbaro e tribal. Transferem a glória nacional para a luta competitiva internacional como sistema de dominação!

O novo conceito estratégico da Cimeira da OTAN em Madrid (1) salvaguarda também próximas aventuras globais numa atitude de defesa dos próprios valores intocáveis mesmo fora do próprio âmbito. Deste modo legitima-se a brutalidade do passado na relação entre países, o que impede o início de uma estratégia de elaboração de relações de paz. Assim se continua a legitimar as lutas pelo poder entre nações e blocos de nações. A maior potência mundial EUA não aproveita a oportunidade única de poder-se estabelecer uma relação amistosa entre blocos e nações possibilitadora da convivência na complementaridade de povos e culturas (em vez da estratégia da confrontação urge a colaboração na grande missão de fomentar o bem-comum entre todos os povos e o bem-estar de cada pessoa. Doutra maneira continuarão a ser sacrificadas as populações a meros interesses do poder e dos poderosos.

 

Nunca tivemos na história ocidental povo tão levianamente “crente” a ponto de as pessoas irem paulatinamente perdendo a consciência da razão. Nas sociedades europeias antigas, as elites políticas, culturais e económicas juntavam a crença à razão, o que as ajudava a manter um certo equilíbrio e um real espírito crítico. Hoje a emocionalização social dirigida torna-se tão forte e tão potente que desacredita qualquer tentativa crítica e de bom senso. Hoje a emocionalização social torna-se tão vigorosa e tão potente que desacredita qualquer tentativa crítica e de bom senso. Na “liturgia“ televisiva diária contínua não fica espaço para a autorreflexão e quando muito esta é orientada só no sentido de afirmação ou de negação. Os fomentadores da opinião pública estão conscientes da sua victória porque sabem que o que cada um tem de mais sagrado é a própria opinião e como tal o indivíduo identifica-se através dela mesmo quando ela lhe foi inconscientemente impingida. Deste modo estamos na iminência de criar uma democracia fantasiosa. As técnicas da propaganda e do posicionamento passaram a ser base do discurso público que psicologicamente forma mentalidades autoritárias e intolerantes de maneira a ter uma audição selectiva que já impede o registo de aspectos que conduziriam ao espírito crítico tornado impossível devido à intolerância que funciona como escudo protector do próprio autoritarismo aprendido; é triste observar-se, até de maneira evidente, o comportamento autoritário e altaneiro dos nossos governantes na EU, também ele indiferenciado como é próprio do rebanho. Isso leva ao seguidismo (do “Maria vai com as outras”) e ao consequente calor das massas (opinião pública republicada). Foi destruída sistematicamente a argumentação lógica e de modo tão eficiente que qualquer tentativa de argumentação é logo qualificada de se encontrar na posição oposta embora assim não seja.

Querem-se posições radicais que não permitam interpretações. A insegurança é tal que para se sentir seguro basta encostar-se a qualquer palha que sirva de âncora. Assim a fantasia colectiva, secundadadora dos timoneiros do poder, submete-se totalmente ao aliado considerado protector que é ainda fortalecido pelo medo do inimigo. Fomentam-se ídolos e inimigos catalisadores das emoções públicas que vão engrossar o caudal das massas que fornecem energia a outros moinhos que não os próprios.

Gustave Le Bom, no seu livro “A Multidão” afirma que “a acção inconsciente das massas que substitui a atividade consciente dos indivíduos é uma das principais características da era atual” (2).

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

 

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=7868

  • (1) Cimeira da OTAN em Madrid: https://antonio-justo.eu/?p=7672
  • (2) Para Gustave Le Bon, uma multidão não é um simples agregado de indivíduos; ela deve, ao contrário, ser percebida, a partir de uma perspectiva psicológica, como uma entidade única e indivisível, distinta da simples adição dos elementos isolados que a compõem. Portanto, o desaparecimento da personalidade consciente, a predominância da personalidade inconsciente, a orientação por sugestão Cimeira de Madrid e o contágio de sentimentos e ideias na mesma direção, a tendência a transformar imediatamente em ação as ideias sugeridas, tais são as principais características do indivíduo na multidão… A multidão aparece então como algo ameaçador, imprevisível e fundamentalmente irracional. Com Canetti, mudamos nosso ponto de vista. Canetti faz uma distinção fundamental na multidão, entre a multidão e a massa. Uma massa é uma matilha atingida por um fenómeno de emergência. Psychologie des foules (Le Bon):  https://www.infoamerica.org/documentos_pdf/lebon2.pdf 

 

A POLÓNIA QUER QUE A ALEMANHA PAGUE 1,3 BILIÃO (TRILHÃO) DE EUROS EM REPARAÇÕES PELOS DANOS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

A invasão alemã da Polónia foi há 83 anos, a 1 de setembro (início da Segunda Guerra Mundial). A gigantesca soma de 1,3 trilhão de euros é o resultado de um relatório de peritos polacos. A Polónia pretende exigir reparações. De acordo com o relatório, 5,2 milhões de pessoas perderam a vida durante a ocupação alemã e mais de 2,1 milhões de homens e mulheres foram deportados como trabalhadores forçados.

Segundo informação do HNA de 2.09, o 1,3 trilhão resulta das “perdas para a economia nacional causadas pelos rendimentos já não gerados pelos mortos e que a comissão de inquérito avalia em 919 mil milhões de euros”. A estes somam-se os “danos materiais causados pelo ataque e ocupação alemães avaliados em 170 mil milhões de euros. Além disso, há bens culturais e arte no valor de quatro mil milhões de euros que foram destruídos”.

Para o governo alemão, a questão já não é relevante e teria sido resolvida em 1990 com o Tratado 2+4. O Tratado 2+4 (1) é um tratado de estado entre a República Federal da Alemanha e a RDA, mas também entre as potências ocupantes França, EUA, Grã-Bretanha e a União Soviética. O tratado clarificou aspectos de política externa e condições internas para a reunificação da Alemanha.

O problema é que tudo tem sido combinado entre as potências ocupantes e estas decidiram por si sem a participação directa dos países vítimas; no caso do tratado 2+4 em que estavam presentes os dois estados alemães e os 4 ocupantes (USA, União Soviética, França e Reino Unido) não foi referida a questão das reparações (no caso da Alemanha unida). Facto é que estados ocupados pela Alemanha como a Grécia e a Polónia não foram envolvidos nas conversações!

A exigência actual da Polónia, embora atrasada, torna-se oportuna, precisamente, numa altura em que a Alemanha disponibiliza tantos milhares de milhões para o investimento na guerra. Uma Alemanha que até 2022 seguia uma política empenhada no fomento da faz quebra com o passado pós-guerra tornando-se em promotora de guerra.

Quem tem tanto dinheiro disponível para uma guerra fora de casa deveria ter maiores verbas disponíveis para reparar tantos prejuízos e mortes causadas por iniciativa própria.

O empenho no investimento em armamento e guerras reduz o empenho em medidas construtoras de paz!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

(1) Tratado 2+4: https://www.bundestag.de/resource/blob/579362/47b6ac2d55fcb4c12dfcce3cedc0e7d0/WD-2-149-07-pdf-data.pdf

A MAIORIA DOS JOVENS NÃO CONFIA NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

De acordo com um inquérito (estudo da Universidade de Bielefeld) na Alemanha, a maioria dos jovens não confia nos meios de comunicação social.

75,8% não confiam nos jornais e 71,6% não confiam nos jornalistas.

37,9% suspeitam que os meios de comunicação social retêm deliberadamente informações importantes.

32,8% pensam que os profissionais dos media apenas difundem a sua própria opinião.

Entre os adolescentes, apenas 53,9% confiam no governo federal e 54% nas Nações Unidas.

Manifestam mais confiança nos cientistas com 76,1% e na polícia com 79,9%.

Este é um sinal de alarme que deveria levar a um exame de consciência dos Instituições dos meios de comunicação social, difusoras de notícias e jornalistas.

Em vez de se colocar o problema nos jovens já vai sendo tempo de as agências noticiosas se examinarem e mudarem de rumo.

Através do acesso à internet hoje há maior possibilidade de observar e questionar o que se encontra por trás dos grupos de influência.

A juventude pode ter uma ideia mais diferenciada do espectro noticioso porque faz uso da Internet não se limitando ao saber transmitido pelas notícias e telejornal como acontece a muitos condicionados a tais praxes. Os novos meios permitem maior troca de informações, mas não necessariamente saber mais profundo.

De facto, a nível social somos o resultado da informação biológica genética e da informação do meio em que vivemos e não temos tempo suficiente para nos questionarmos sobre isto.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

PARA DESENFASTIAR!

Recebi, enviado por e-mail  este texto de que não conheço o autor:

TENHO SAUDADES DOS TEMPOS EM QUE HAVIA GORDOS

“Tenho saudades dos tempos em que no Liceu havia ‘burros’, ‘gordos’, ‘caixa de óculos’, ‘sem sal’, ‘pretos’, ‘chineses’, ‘indianos’, ‘artolas’, ‘maricas’, etc. Os ‘burros’ chumbavam, não se tornavam doutores como hoje em dia. Mas a fasquia era definida pelo marrão da turma, não era nivelada por baixo como agora. Somos todos iguais diz-se.

Antes não parecia que fossemos, mas o ‘gordo’ também tinha notas brutais e ninguém sabia como, talvez porque não jogasse à bola, o ‘caixa de óculos’ tinha um sentido de humor inigualável mas não fazia corridas pois tinha medo de cair, o ‘preto’ jogava à bola como ninguém e fazia umas fintas inimagináveis, tinha um físico fora do comum, o ‘chinês’ tinha vindo de outra escola sabia à brava inglês, e tinha histórias que não lembravam a ninguém. Cada um tinha um «defeito», até uma alcunha, mas tinha ou lutava por ter também outras qualidades. Hoje não. Dizem que somos todos iguais. Agora, tudo ou é bullying, ou racismo, ou xenofobia, ou opressão, ou assédio, ou violência. Antigamente quando se era mesmo racista, levava-se um chapadão na tromba e aprendia-se logo que o ‘preto’ era como nós outros, apenas tinha côr diferente. E não era bullying. Era ‘aprendizagem on job’. Aprender assim era duro pois dói e não se esquece mais. E às vezes em casa com os pais também se ‘aprendia’.

O menino ou menina ‘sem sal’ passava despercebido(a) e sentia-se sozinho(a). Ter uma alcunha diferente era fixe. A diferença era vista com bons olhos.

E aprendia-se uma coisa importante: rirmos de nós próprios. E não chorarmos porque alguém nos chamou isto ou aquilo. Assumia-se a gordura, o ‘esquelético’, a ‘caixa de óculos’ e tudo o mais que viesse. Mas quando não se estava bem, quando não se gostava da alcunha, fazia-se uma coisa importante: mudava-se, lutava-se por acabar com ela. Não se culpava os outros nem a sociedade. Não se faziam ‘queixinhas’. E falhava-se. Muitas vezes. Mas cada vez que se falhava ficava-se mais forte. E sabíamos que era assim. Que havia uns que conseguiam, outros ficavam para trás, que havia quem vencia e quem falhava.

Agora não.

Todos somos iguais, há mesmo a chamada igualdade de género, todos somos bons, todos merecemos, todos temos as mesmas oportunidades, todos devemos até ganhar o mesmo, todos somos vítimas, todos somos oprimidos e todos somos parvos …. porque aceitamos este ambiente do ‘politicamente correcto’ sem dizer nada….. e até devemos dizer que somos ‘normais’.

Segundo o novo paradigma social, devem ter muito cuidado comigo, porque:

– Sou velho, tenho mais de 70 anos, o que faz de mim um tolo, improdutivo, que gasta estupidamente os recursos do Estado;

– Nasci branco, o que me torna racista;

– Não voto na esquerda radical, o que me torna fascista;

– Sou hetero, o que me torna um homofóbico;

– Possuo casa própria, o que me torna um proprietário rico (ou talvez mesmo um latifundiário);

– Amo foie gras, carne de caça, peixe do mar e cordeiro de leite, o que me torna um abusador de animais;

– Sou cristão, e embora não praticante, sou um infiel aos olhos de milhões de muçulmanos;

– Não concordo com tudo o que o Governo faz, o que me torna um reaccionário;

– Gosto de ver mulheres bonitas bem vestidas (ou despidas), ou super decotadas, o que me torna um tipo capaz de assediar;

– Valorizo a minha identidade portuguesa e a minha cultura europeia e ocidental, o que me torna um xenófobo;

– Gostaria de viver em segurança e ver os infractores na prisão, o que me torna um desrespeitador dos direitos “fundamentais” protegidos;

– Conduzo um carro a diesel, o que me torna um poluidor, contribuindo para o aumento de CO2;

Apesar de estes defeitos todos, acho que ainda sou feliz …era mais antes da pandemia…. mas mesmo assim e considero-me um ‘gajo normal’!!…”