A MODO DE BALANÇO ENTRE A ERA DA ENERGIA FÓSSIL E A ERA DA ENERGIA RENOVÁVEL

Na Passagem da Era do Petróleo e do Carvão para a Era das Energias renováveis

Por António Justo

Com 2020 iniciamos um ano redondo de fim de década, o que convida a fazer uma tentativa de balanço sobre o passado e o que nos espera no futuro.

Como pontos relevantes de referência básica temos a primeira guerra mundial que iniciou o fim das nações na qualidade de potências individuais. Temos o comunismo a tornar-se no elo de ligação e coerência que deu expressão mundial à União Soviética como grande potência que hoje se prolonga na influência ideológica; por outro lado os USA com o capitalismo que deixaram de ser apenas um país para se tornarem na superpotência mundial, a partir da sua intervenção na I e II Guerra mundial. Ficaram assim a atuar no subconsciente dos povos e nos bastidores do palco mundial, de um lado, o capitalismo americano e do outro, o socialismo facetado.

A uma Europa enfraquecida pelas guerras e reduzida ao mero âmbito de nações, para poder sobreviver em relação aos USA, à Rússia, às potências surgentes da Ásia só lhe resta a alternativa de se organizar através de convenções e contratos na União Europeia.

À II Guerra Mundial seguiu-se o grande crescimento económico europeu, tendo dado origem ao maior período de paz na História da Europa e consequentemente houve um grande desenvolvimento no que se refere aos direitos humanos, responsabilidade social, espírito democrático, liberdade de imprensa e de mercado e à revolução tecnológica em via.

Temos pela frente o grande dilema climático e a necessidade de produção de energia sem base no carvão e no petróleo (grande problema tecnológico a solucionar será o do armazenamento de energia em baterias) para apostar certamente no desenvolvimento e construção de reatores de fusão à base de hidrogênio, como os ingleses já procuram fazer.

Como a vida social e política costuma andar atrelada à económica, tudo dá a entender que, no futuro, as zonas geradoras de riqueza e de conflitos passarão do Ocidente para o Oriente, como se observa na afirmação mundial da China em relação aos USA. As tempestades económicas são sempre acompanhadas por devastações sociopolíticas.

A destruição do Globo não tem que acontecer, talvez as nossas esperanças se encontram mais flutuantes nesta era muito caracterizada pela mudança e pelo receio do domínio de “dinossauros „económico-políticos.

Já não serão as políticas nacionais a determinar o desenvolvimento das regiões, mas sim grandes empresas anónimas (Google, Apple, Facebook, Amazon, Tencent, Alibaba, Visa, AT&T e outros que surgirão, chamarão a si as atenções e os interesses); estas concorrerão entre elas na tentativa de concentração de capitais e de poder ao lado do poder ideológico político na disputa comum pelo domínio das grandes massas.

A inovação tecnológica necessária, se acompanhada por uma cultura do senso comum e da honestidade, prometerá um futuro melhor e ainda mais agradável do que o de hoje. Para isso seria necessário que os valores surgidos da civilização judaico-cristã e greco-romana (baseados em relações pessoais humanas) não sejam substituídos por relações individuais baseadas no útil comercial (influência asiática).

A vida é contínua mudança e a plataforma que lhe dará consistência e sustentabilidade é a fé/esperança que nos acompanha no caminho, não nos deixando ficar sozinhos! Um povo, que não cultive a fé e a esperança, patina em si mesmo e não avança.

A esperança assemelha-se ao nadador que, para se afirmar em frente, se apoia na resistência que lhe oferece a fragilidade da própria água que o sustem.

A atitude da classe política europeia ao transpor para o povo o peso das dívidas e ao reservar para as elites o luxo descomunal, fomenta assim a chamada reação do “populismo” e dos ‘coletes amarelos’; estes são muito sensíveis à mudança axial que paira no ar e de que muitos ainda se não deram conta e por isso se limitam, por vezes, a discursos do medo do medo!

O Brexit pode ser interpretado como uma reação de medo no mesmo contexto e também um sinal da falta de coesão de uma Europa envelhecida incapaz de dar respostas de caracter orientador e de sentido para o tipo de nova sociedade que vai surgindo (O Papa Francisco poderia servir de modelo para o novo homo politicus que urge criar – as peias ideológicas impedem, porém, os políticos de reagir aos sinais do tempo. A mentalidade extremista e exclusivista de uma esquerda ativista e de extremistas da direita mais não são que a continuação do fanatismo das antigas guerras de religião só que encoberto com indumentárias de democracia e de luta em nome de algum bem desgarrado.

Pelo seu lado, o mundo do operariado do sector produtivo sente-se inseguro perante a inteligência artificial que o vai arrumando pouco a pouco. O capital que o trabalhador possuía era a energia do seu trabalho manual sublimado no Dinheiro. Atendendo à dicotomia entre economia produtiva e a economia financeira e correspondente anulação dos juros, desvaloriza-se também a energia laboral do trabalhador em benefício da energia das máquinas e do anónimo. As inovações tecnológicas já se fazem sentir também no clima dos trabalhadores e seus receios em relação ao futuro; cada vez se torna mais seu anseio serem funcionários do aparelho estatal.

Por seu lado, as elites já incluem no seu agir a instabilidade social e o incómodo social; elas vão dando um passo de cada vez, tendo assim já abdicado da História.

Embora a pobreza mundial diminua, nunca houve uma época com tão grandes desigualdades sociais como a de hoje: regentes e oligarcas permitem-se a nível de salários e de gestão da vida (energia desviada) o que não se permitiam reis em relação aos seus súbditos: hoje estamos a ser cada vez mais burilados, através também do pensamento politicamente correto, como massa súbdita e anónima na grande máquina da anonimidade económica e política, que vê o seu trabalho simplificado através do controlo total de tecnologias e cabecilhas.

Estamos a passar do século do petróleo para a era das energias renováveis… O expansionismo económico chinês em rivalidade com o americano obrigar-nos-á, pouco a pouco, a desquitarmo-nos do domínio americano e também de muitos dos valores da sociedade ocidental. A não ser que o poder asiático se torne tão forte que provoque a união dos povos do ocidente com a Rússia.

Por enquanto a sociedade ocidental encontra-se numa fase de desconstrução não só por fraqueza própria, mas pela concorrência de novos protagonistas mundiais e por interesses estratégicos da ONU, interessada em desvalorizar a influência cristã no mundo no sentido de adquirir o controlo total sobre as sociedades para ir substituindo a concepção cristã da pessoa pela de indivíduo da China (relação mais de serviço). Se olharmos para os dados estatísticos do desenvolvimento económico dos países neste século, será de esperar que depois dos anos 70 já não será relevante a problemática política e económica entre a China e os USA, mas sim entre a China e outros países asiáticos.

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

 

NATAL É OFERTA

25 de Dezembro – a Celebração litúrgica do Nascimento de Jesus

António Justo

Para os cristãos o Natal recorda o evento em que Deus se oferece por amor à humanidade; por seu lado as pessoas rejubilam de alegria e em boas festas de gratidão oferecendo também elas presentes umas às outras.

Dar e ofertar é uma tradição antiga, moldada por diferentes épocas e diferentes culturas. Faz também parte da espiritualidade cristã e indiana.

Para os cristãos, o Natal é o início do tempo da reconciliação de Deus com o mundo.

Uma origem do hábito das ofertas de Natal vem da realidade de Deus amar tanto a humanidade que lhe entrega Seu Filho, como diz o versículo bíblico ao referir-se ao Natal: “Assim amou Deus o mundo”!

A tradição das ofertas no Natal representa e presencializa a verdadeira prenda de Natal:  Deus dá-se por amor e graça sem esperar nada em troca.

O simbolismo do dar e oferecer recorda-nos também a origem da história do Natal, onde os três Reis Magos vieram ao encontro do nascimento de Jesus para o honrar, oferecendo-lhe ouro, incenso e mirra como expressão de amor, reconhecimento e amizade.

No final do ano, os romanos também celebravam a chamada Saturnalia (festa em honra do Deus Saturno). Nesta festa os ricos davam presentes aos pobres.

Exatamente no dia 25 de dezembro, a partir do ano 274 começou a ser celebrado também o aniversário do deus Mitra (Dies solis invicti). Esta festividade foi introduzida como feriado pelo Imperador Aureliano.

Antes de ser fixado o nascimento de Jesus em 25 de dezembro, era inicialmente celebrado em diferentes datas conforme os métodos optados pelas diferentes igrejas cristãs para a determinação do seu nascimento (recenseamento romano ou a partir dos acontecimentos da Páscoa). Desde 336 o Natal encontra-se documentado em Roma como feriado litúrgico (1).

O objetivo da Igreja sempre foi ganhar pagãos para o Cristianismo e segundo alguns autores, a Igreja decidiu dedicar a festa litúrgica do aniversário de Jesus a 25 de dezembro, em vez do solstício de Inverno.

Há muito a dizer e que explica o facto de os Padres da Igreja terem organizado a celebração do nascimento de Jesus nestas celebrações; isto tem a ver não só com a inculturação, mas também com a aculturação em relação a hábitos e tradições dos povos e à necessidade das diferentes interpretações também relativas aos dados históricos.

Com o nascimento de Jesus, o dar de presente ganhou um novo significado. É a redenção que se manifesta no facto de que Deus se torna um de nós e um para nós. Os presentes de Natal simbolizam este presente de Deus. De acordo com a fé cristã, as pessoas já participam do Reino de Deus na terra.

O filósofo Josef Pieper disse uma vez: “O amor é o dom original. Tudo o que de outra forma nos pode ser dado imerecidamente torna-se um dom apenas através dele (amor) (2)”.

Dar e receber cultiva a relação e influencia o vínculo social; move sentimentos positivos entre aqueles que dão e aqueles que recebem os dons. É um modo de se mostrar amor e apreço uns pelos outros.

A festa da Alegria e da família depara com muitos críticos que encontram em tudo pretextos para criticar, não aceitam o que é gratuito passando tudo pelo crivo da sua razão como se lhes incomodasse tudo o que é festa, aquilo que vem do coração!

No Natal encontra-se um garante da nossa cultura ocidental; muita gente azeda não aguenta com a alegria dos cristãos, dedicam-se ao combate da cultura religiosa cristã para melhor propagarem uma cultura materialista e fria.

As pessoas felizes tendem a dar mais, e em geral pensam positivamente, cultivando o bom humor; mostram através da sua alegria, a radiação do reino de Deus na terra (4)…

Um estudo da Harvard Business School (3) descobriu que “pessoas felizes dão mais do que pessoas infelizes e que dar leva realmente a mais felicidade e que esses dois relacionamentos podem funcionar de forma circular”. “Altruísmo” é uma palavra-chave importante neste contexto.

Gratidão é também sentir-se trazido nos braços de Alguém sem saber porquê.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo

(Este Texto é parte de uma palestra que fiz na Sociedade Alemã-Indiana)

Notas em Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5751

 

  • (1)  Tertuliano (200 d.C.), equiparou o 14º Nissan do calendário lunissolar judeu com o 25º de março do calendário solar romano, tido pelos cristãos, como o primeiro dia da criação. Hipólito de Roma, (170-235) coloca o nascimento de Jesus no dia de sua morte, o dia 14 de Nissan ou seja o dia 25 de março. Clemente de Alexandria relata (no início do século III) várias datas em que o nascimento de Jesus Cristo era celebrado. Alguns celebraram a festa no dia ,25 de Pachon (20 de maio do calendário romano), outros no dia 25 de abril (20 de abril), outros ainda celebraram o batismo de Cristo no dia 15 ou 11 de janeiro, ou seja, no dia 10 ou 6 de janeiro (cf. Vikipedia). Ainda hoje os arménios celebram o nascimento a 5 e 6 de janeiro, na Igreja georgiana de 25 e 26 de dezembro. A cópia de uma antiga liturgia palestiniana enumera a liturgia de Natal de 16 a 28 de maio. Evangelho:  “Naqueles dias, o Imperador Augusto emitiu a ordem para colocar todos os habitantes do império em listas de impostos no tempo em que Quirino era governador da Síria. Todos foram à sua cidade para se registarem. / Assim também José subiu da cidade de Nazaré, na Galileia, à Judeia, na cidade de David, chamada Belém, porque era da casa e da família de David. Ele queria ser registrado com Maria, sua noiva, que esperava uma criança. Quando lá chegaram, chegou a hora de Maria dar à luz, e ela deu à luz seu filho, o primogênito. Envolveu-o em fraldas e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para ela na estalagem.”(Lc 2,1-7)
  • (2)  Das Geburt Jesus: http://www.weihnachten-ist-geburtstag.de/weihnachten-ist-geburtstag/weihnachten/
  • (3)  Studie: http://www.hbs.edu/faculty/Publication%20Files/10-012_0350a55d-585b-419d-89e7-91833a612fb5.pdf
  • (4)  Leia também: https://www.opinantes.pt/negacao-da-celebracao-do-natal-o-suicidio-da-nossa-cultura/
  • (5) https://antoniojusto.wordpress.com/2019/12/08/gott-schenkt-sich-aus-liebe-den-menschen-und-die-menschen-beschenken-sich-gegenseitig-aus-dankbarkeit/

 

BOM ADVENTO! HOJE COMEÇA O ADVENTO

Com o advento começa a preparação para as festas natalícias e com o primeiro Domingo de Advento inicia-se também o novo ano litúrgico.

O Natal inicia, para os cristãos a época da reconciliação de Deus com o mundo.

No breu da noite brilham já as luzes do tempo de natal.

Os supermercados para nos adoçarem a boca para o Natal já começaram há mais tempo a vender os bolos enchocolatados do natal; para quem anda mais atento já notará nas suas prateleiras de baixo os Coelhinhos de Páscoa… O ritmo imposto pelo mudo moderno não suporta pausas porque perturbam o consumo!!!

O cristão pelo contrário vive na tensão litúrgica de esperança e paz. Por isso o ano litúrgico não é contado por anos porque nele não se trata de substituir o velho pelo novo; por isso hoje começa de novo o tempo velho e novo, o tempo sempre presente.

O Advento convida à meditação /oração e a refletir nos pontos altos do tempo: natal, páscoa, tempos também de espectativa, penitência e agradecimento.

Paulo dizia : “Chegou a hora de nos levantarmos do sono, porque a salvação está mais perto de nós…”

O evangelista Lucas limita-se a dizer que, tendo-se completado os dias de Maria dar à luz, «teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoura (presépio), por não haver lugar para eles na hospedaria» (2, 7).

O Papa Fracisco explica muito bem o Presépio na sua Carta Apostólica (1)

Um outro artigo em Pegadas do Tempo sobre o Advento em nota (2)

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

PARABÉNS BRASIL – PARABÉNS PORTUGAL

O emigrante português Jorge Jesus elevou o Brasil a campeão sul-americano
 
No final da Copa Libertadores, (23.11.2019) no Estádio Monumental de Lima, no Peru, o treinador português do Flamengo conseguiu que a sua equipa brasileira ganhasse à equipe argentina River Plate, por 2-1. Com esta vitória o Brasil garantiu o direito de participar da Copa do Mundo de Clubes da FIFA no Catar.
Muitos portugueses no Brasil estão felizes com o sucesso do seu conterrâneo. Os 40 milhões de adeptos do Flamengo também.
Jorge Jesus na Libertadores é à semelhança de outros portugueses um emigrante de sucesso e a dar sucesso onde atuam.
O emigrante português Jorge Jesus elevou o Brasil a campeão sul-americano! Seria esta mais uma oportunidade para muitos brasileiros com complexo de inferioridade começarem a olhar para os portugueses com mais carinho e reconhecimento. Os portugueses, de uma maneira geral têm muito carinho pelos brasileiros!
Imagine-se o que seria de Portugal se produzisse a nível político e económico personalidades do timbre de Jorge Jesus! Certamente ultrapassávamos a Suiça em bem-estar!
Parabéns Brasil, parabéns Portugal
António da Cunha Duarte Justo
in Pegadas do Tempo

O ABUSO DA EMOÇÃO ESTÁ A DESTRUIR A NOSSA CULTURA OCIDENTAL

«Viva a Emoção. Abaixo a Razão»

Li um texto do Prof. Dr. António Bento que é muito oportuno e esclarecedor de muita baixeza moral que se passa na comunicação social. Ele explica o porquê do abuso sistemático da emotividade usada por “profissionais” da opinião.
São usados títulos de notícias ou fotos emocionais com a intenção de levar as pessoas a chafurdar só nos sentimentos e de maneira a excluírem a própria razão.
A mensagem apelativa é dirigida apenas à parte instintiva ou emotiva da pessoa.
Todos os domínios da sociedade e da pessoa são intencionalmente abordados e apresentados de maneira a produzir reacções emocionais que se reduzem a duas tomadas de posição: agrado ou desagrado. O mecanismo é tão eficiente que muitas pessoas até ficam com a impressão que têm opinião fundamentada!
António Bento diz: “Na verdade, qualquer um dos variados âmbitos da actividade humana tende hoje a ser abordado a partir de uma perspectiva fundamentalmente ou exclusivamente emocional. Um slogan simplificador capaz de dar conta desta nova situação moral crítica em que nos encontramos poderia ser o seguinte: «Viva a Emoção. Abaixo a Razão». O seu pressuposto obscurantista é mais ou menos o seguinte: “Se as próprias neurociências nos permitiram recentemente descobrir que as emoções comandam tanto a vida privada como a vida pública, e se a razão é efectivamente escrava das paixões, então abandonemo-nos inteiramente às emoções e entreguemo-nos a todo o tipo de experiências garantidas pelo grande mercado político das emoções. Active-se, em cada indivíduo, a sua fibra mais passional. Abandone-se o raciocínio. Vá-se directamente ao coração. Emocionarmo-nos é bom. Raciocinarmos é mau”.
Uma sociedade em que se menospreze a razão passa a ser decadente porque produz um desequilíbrio entre inteligência emocional e inteligência racional em desfavor desta prevalecendo uma emocionalidade orientadora do agir que  proporciona uma moral de costumes doentia.
António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo