IMPORTÂNCIA DO BEIJO – ALIMENTO ENERGÉTICO E REMÉDIO EFICAZ

Em Tempos de Distanciamento e decorrentes Carências

António Justo

Celebrar o dia do beijo em tempos de coronavírus, onde o cumprimento do regulamento implica que se mantenham as distâncias, pode colidir com os positivos aspectos fisiológicos, sociais e culturais da proximidade e do beijo.

Há muitas espécies de beijos: beijo de saudação, beijo romântico, “beijo de boa noite”, “beijo aéreo”, “beijo francês”, “beijo íntimo”, “beijo socialista”, “beijo de Judas“, etc.

De acordo com a Wikipédia, o beijo fortalecerá o coração e o sistema imunitário, (também há riscos, como transmissão de herpes, etc.). Até hoje, o beijo recorde registado no Guinness durou 33 horas.

Acho importante falar aqui do beijo como manifestação e fomento de relação (expressão de amor, amizade e reverência).

Em psicologia costuma dizer-se que o hábito de beijar é uma imagem-espelho da relação. Com ele pode também avivar-se o estado da relação.

Um beijo mais prolongado relaxa todo o sistema nervoso e estimula um verdadeiro cocktail hormonal que flui através do corpo inteiro. A este propósito, referem os especialistas que 34 músculos faciais são ativados e também milhões de bactérias iniciam o seu intercâmbio. Para alguns o beijo é apenas a chave da porta de entrada para o sexo. Mas não, o beijo não implica tal e é muito mais que isso!

O beijo é como que as asas da relação. Imagine-se uma relação sem asas; por muito sexo que haja ela não chega às alturas da amizade nem às profundezas da intimidade.

O beijo implica um andar de mãos dadas, um acertar o passo e, num ritmo adequado, possibilitar a abertura de todos os sentidos para, sem perder a própria individualidade, se possibilitar um evento a dois, uma dança tipo tango que envolve a sintonia também do ambiente.

O exercício do beijo poderia ser no início uma espécie de tirocínio, um exame de aprovação para uma vida comum bem beijada e também, segundo a circunstância, ser uma oportunidade para colocar os problemas no cabide, ou um motor de arranque para nova subida. No exercício do beijo se poderá notar se há vocação comum e capacidade de aumento.

Beijos em geral, beijos românticos, ou melhor, aquilo a que alguns chamam “fazer marmelada” acontecerão duas ou três vezes ao dia. Li no HNA que, segundo estatísticas, uma pessoa que atingiu os 70 anos de idade ” já passou cerca de 76 dias da sua vida a beijar-se”.

Segundo um estudo na Alemanha, homens que se despedem com um beijo, quando vão para o trabalho, aumentam cinco anos a sua longevidade.

Uma outra vantagem dos beijos quilométricos é conseguir que a paixão bloqueie o exagero de uma vida mental de ideias fixas. Sim porque a fixação em ideias pode impedir o encontro gratificante de uma relação a dois a transcender-se: uma maneira de ser e estar em relação eu-tu-nós!

No sentido da felicidade deixo à consideração a seguinte frase de Fernando Pessoa: “Ser feliz é encontrar força no perdão, esperanças nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros. É agradecer a Deus a cada minuto pelo milagre da vida.”

A antiga Igreja cristã conhecia o beijo da paz como um sinal de reconciliação completa: “Saudai-vos uns aos outros com o beijo sagrado”(2 Cor 13:11). Com o tempo passou a chamar-se-lhe ósculo da paz.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

PORTUGAL É UMA VIAGEM QUE FAZEMOS JUNTOS HÁ QUASE NOVE SÉCULOS

PORTUGAL É UMA VIAGEM QUE FAZEMOS JUNTOS HÁ QUASE NOVE SÉCULOS

Gostei muito destas e doutra palavras do Cardeal D. José Tolentino de Mendonça proferidas na celebração do dia de Portugal 10 de Junho . O cardeal português enobrece a presença portuguesa no Vaticano e no mundo cultural!
Cito aqui frases do seu discurso que me impressionaram muito:

Desconfinar
… “Desconfinar é sentir-se protagonista e participante de um projeto mais amplo e em construção, que a todos diz respeito. É não conformar-se com os limites da linguagem, das ideias, dos modelos e do próprio tempo.”

Empobrecimento e Imigrantes
… “Não podemos esquecer a multidão dos nossos concidadãos para quem o Covid19 ficará como sinónimo de desemprego, de diminuição de condições de vida, de empobrecimento radical e mesmo de fome. Esta tem de ser uma hora de solidariedade. No contexto do surto pandémico, foi, por exemplo, um sinal humanitário importante a regularização dos imigrantes com pedidos de autorização de residência, pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. O desafio da integração é, porém, como sabemos, imenso, porque se trata de ajudar a construir raízes. E essas não se improvisam: são lentas, requerem tempo, políticas apropriadas e uma participação do conjunto da sociedade. Lembro-me de um diálogo do filme do cineasta Pedro Costa, «Vitalina Varela», onde se diz a alguém que chega ao nosso país: «chegaste atrasada, aqui em Portugal não há nada para ti». Sem compaixão e fraternidade fortalecem-se apenas os muros e aliena-se a possibilidade de lançar raízes.”

Minha avó materna

“…minha avó materna, uma mulher analfabeta, mas que foi para mim a primeira biblioteca. Quando era criança, pensava que as histórias que ela contava, ou as cantilenas com que entretinha os netos, eram coisas de circunstância, inventadas por ela. Depois descobri que faziam parte do romanceiro oral da tradição portuguesa. E que afinal aquela avó analfabeta estava, sem que nós soubéssemos, e provavelmente sem que ela própria o soubesse, a mediar o nosso primeiro encontro com os tesouros da nossa cultura.”

Comunidade aberta onde todos são necessários

… “Camões n’Os Lusíadas não apenas documentou um país em viagem, mas foi mais longe: representou o próprio país como viagem. Portugal é uma viagem que fazemos juntos há quase nove séculos. E o maior tesouro que esta nos tem dado é a possibilidade de ser-em-comum, esta tarefa apaixonante e sempre inacabada de plasmar uma comunidade aberta e justa, de mulheres e homens livres, onde todos são necessários, onde todos se sentem – e efetivamente são – corresponsáveis pelo incessante trânsito que liga a multiplicidade das raízes à composição ampla e esperançosa do futuro. Portugal é e será, por isso, uma viagem que fazemos juntos.”…
Cardeal José Tolentino de Mendonça
Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa, 10 de junho de 2020
Texto completo em https://agencia.ecclesia.pt/…/o-que-e-amar-um-pais-cardeal…/

CENSURA DO FILME “E TUDO O VENTO LEVOU”

Grandes plataformas ameaçam a liberdade e a democracia

A distribuidora de filmes HBO Max cedeu à ideologia atual do politicamente correcto, retirando, ontem do seu catálogo nos Estados Unidos, o clássico filme americano de 1939 “E Tudo o Vento Levou”. Este filme é considerado por muitos como o melhor filme do século XX. A razão pretexto da censura é que o filme poderá transmitir um racismo adocicado.

A pressão do medo e o intuito de educar são tão fortes que consideram o público em geral como incapacitado (só capaz do mal) e como mero objecto de formação.  Por alegadas razões de evitar o racismo, retira-se a possibilidade de verificar a mentalidade de uma época histórica e o espírito desse tempo. Corre-se aqui o perigo de se usar uma suspeita como argumento que tudo justifica.

Tal atitude é tão racista como o racismo que dizem querer combater! Cada vez nos encontramos numa situação mais primária de uma discriminação inconsiderada.

A arrogância encimada tornou-se intolerante e como tal contribui para o aumento do caudal do racismo!

A censura continua hoje como ontem, mas com outros meios interesses e pretextos! Parte-se do princípio que o povo em geral, hoje como ontem, não nota!

A gravidade vem do facto de grandes plataformas estarem a assumir o direito de determinar o que o povo deve ou não deve ver ou saber. Hoje o controlo é cada vez mais globalizado e centrado em cada vez, menos mãos.

Porque não contribuir para que as pessoas respeitem os direitos humanos pela positiva, com argumentações eficazes em vez de se recorrer aos mesmos meios de repressão, censura e proibição dos governantes de outrora?

Hoje ainda mais agravante se torna a questão uma vez que os próprios meios de comunicação (HUBO, Netflix, o Hulo,Facebook, Twitter, etc,) justificam  a censura com a argumentação de serem privados e como tal se arrogarem esse direito! Atendendo a que têm utentes a nível planetário, com as suas decisões,  podem até servir de acólitos de políticas globais passando por cima dos políticos regionais.

Neste sentido assiste-se também a uma “Concentração da Informação a Pretexto das Fake News” (1)

O que está aqui em causa é o espírito e o perigo que assiste a tais decisões que cada vez acurralam mais o cidadão  constituindo verdadeiras ameaças à liberdade e à democracia.

O que se pretende pouco a pouco é a demolição da cultura ocidental numa estratégia de demonização do seu passado e com o estratagema de colocar outros povos como vítimas! Que se reconheçam os males e que se reparem, mas seria ingénuo não se dar conta da formação de um novo imperialismo globalista em via.

António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo

(1) “Concentração da Informação a Pretexto das Fake News”  https://antonio-justo.eu/?p=5923

POR QUE RAZÃO NOS MANTEMOS CALADOS?

O Respeito ao Medo legitima o Poder sobre o Rebanho

António Justo

 
Ao fazer o meu passeio habitual nos parques junto a minha casa, vi, de novo, o rebanho cujas fotos aqui coloco!
De repente senti-me ser um da gadaria! Ao observar o rebanho mais de dentro, reparei que as ovelhas eram tão ordeiras e caladas porque só estavam interessadas no pasto e só por isso guardavam respeito ao barulho dos cães de guarda. Pensando um pouco mais notei que não era o respeito mas sim o medo que conseguia a beleza de tanta ovelha alinhada! Na altura nem sequer pastor se encontrava lá! Apenas vislumbrei uma samarra ensebada e um cajado sob uma árvore, onde só os cães de guarda repousavam como que a saborear a sombra do respeito ao dono e o seu poder sobre o rebanho!
Não me atrevi mais a continuar um pensamento que pendia para a nefasta emoção de que também eu me atemorizava por constatar que o medo e a ração continuam a ser o alimento de quem obedece e o instrumento de quem quer poder e principalmente de quem manda!
Reconheci também que, se não fosse a disciplina e a ordem e outros males menores, o rebanho passaria a deixar de existir porque ovelha isolada seria reduzida a só carne em dentes de lobos!
A propósito de pastores ou governantes, o facto de eu não ter avistado nenhum pastor, é mais que natural! Eles sabem que o medo e o respeito se complementam e se dobram um ao outro, de maneira que quem governa não precisa mais de se preocupar com eles. Eles estão cinicamente conscientes que o medo é a sua segurança no sistema de medo instalado!
O instrumento do medo funciona no rebanho de forma semelhante como funciona qualquer sociedade e governo, seja ele democrático ou ditatorial. Os governantes só têm um tipo de medo: o medo que o povo chegue a não ter medo!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

A imagem pode conter: céu, nuvem, ar livre e natureza

9 DE MAIO É O DIA DA EUROPA

Hoje comemora-se o 70° aniversário do nascimento da União Europeia.

Depois da Guerra em 1946 Winston Churchill tinha-se declarado a favor da ideia dos “Estados Unidos da Europa”.

Com aço e carvão tinham sido forjadas as armas que destruíram grande parte da Alemanha e de outros países. Acabada a guerra tratava-se agora de colocar estes sectores industriais sob um controlo conjunto da Alemanha, França e países aderentes para se evitar uma futura guerra.

Robert Schuman elaborou um plano no sentido de integrar os estados europeus. Este plano contou com o apoio do chanceler alemão, Adenauer. Segundo o plano, o carvão e o aço da Alemanha e da França e dos países que aderissem teriam uma administração conjunta.

Assim se impulsionou a criação da primeira Comunidade Europeia: a Comunidade do Carvão e do Aço, liderada por Jean Monnet. Este é o início da União Europeia.
Como vemos, o princípio da União Europeia e possíveis desavenças situam-se na economia!

De momento, o vírus está a complicar a renovação da EU, passando as desavenças a serem menos entre os países mas mais entre os países e Bruxelas (EU).

António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo