CONTRA A FRUSTRAÇÃO DA PANDEMIA E OUTROS DESENCANTOS

Com o prolongar-se da situação pandémica, passamos a questionr-nos mais sobre o sentido de muito que se faz ou se tem feito.

Uma das estratégias que uso, para não me sentir reduzido à própria inércia, é refugiar-me na escrita como campo aberto; todos nós gravitamos em torno de algo embora mais ou menos conscientes de que fazemos parte mais do que de um sistema (fazemos parte não só do sistema solar de um universo que, por sua vez, faz parte do sistema divino: a energia solar e divina encontram-se também reunidas sob a forma de vida)! Na escrita sinto, por vezes, o calor que me dá alento para momentos sombrios ou frios do sistema social.

Como encaro a vida com espírito positivo, torna-se mais fácil observar situações que de uma perspectiva pessimista levariam a  um verdadeiro tormento.

Todos somos diferentes e, como tal, torna-se importante uma elaboração equilibrada do próprio “orçamento” psicológico, relacional e social.

O mundo e o que nos rodeia serve enquanto se serve. Uma visão espiritual poderá ajudar-nos a sair desse impasse desde que, também ela, não se torne apenas num circuito de serviço a si mesmo.

Dado muitas das medidas contra o vírus não encontrarem compreensão acabada, cada um, para não cair em depressão terá de aprender a andar com os pés na terra que temos e a recompensar-se a si mesmo.

Quando a esperança diminui aumenta a frustração. Como pessoas sociais que somos precisamos de ligações e relações para nos mantermos física e psiquicamente saudáveis.

Para se não cair no trato rotineiro dos poucos contactos habituais que nos é dado ter, seria de compensar o distanciamento corporal com outros contactos sociais através de actividades criativas ao alcance, online, etc. Confesso que embora pense assim não consigo, muitas vezes, realizar aquilo que acho que seria bom para mim e para outros.

O optimismo ajuda a ver-se no negativo também  uma perspectiva positiva facilitando a iniciativa para se poder tentar novas experiências onde se possa ter ou sentir sucesso.

Nós somos o encontro de todas as energias e como tal núcleos de interacção e inter-relacionamento e, como tal, não podemos ficar-nos apenas pelas energias ou forças de atracção ou de repulsão!

Gratidão e agradecimento  pelas coisas pequenas do dia-a-dia ajudam-nos a abençoar a vida!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA A LEMBRAR O MODELO DA VIDA

O Futuro e o Passado no Presente a acontecer

Festa da Sagrada Família é uma comemoração de caracter modelar que tem muito a dizer tanto a crentes como a não crentes..

A relação mãe-pai-filhos está sinalizada na relação Jesus-Maria-José. O ponto da Relação é fidelidade; a fidelidade do ser pai-mãe que gera o filho que se perpetualizam no amor (uma verdadeira terceira individualidade que dá sustentalidade aos dois!). Na Sagrada Família temos a dita de ver num só lugar o espelho, a dinâmica de toda a realidade, a Realidade humano-divina; isto é, de  poder ver a parte e o todo (relação trinitária), numa só imagem que expressa o abraço de toda a realidade material e espiritual.

Para lá da obediência está a correspondência equilibrada. Na sagrada família espelha-se a terra e o céu, matéria e espírito, numa realidade processo que se podia expressar na imagem de ventre que tudo gera e encerra.

A família é ao mesmo tempo a fórmula concretizada da relação expressa no mistério da santissima trindade (a verdadeira Fórmula de toda a realidade), a Relação de toda a relação. A força que tudo sustenta é o amor, a bondade, a dedicação que tudo eleva.

Em Jesus cristo, expressa-se, a nível terreno,  a concretização e perene realização da relação trinitária que supera toda a dualidade, o fenomenologicamente contraditório.

Tudo em processo, em processo há caminho há meta a atingir, há o caminhar histórico que no sentido sagrado se submete às normas próprias de cada tempo e de cada sociedade, tal como Maria e José se submeteram à ordem de recenseamento dada pelo imperador Augusto. (A nossa caminhada e de toda a criação encontra-se em processo de realização já concretizada no tempo em Jesus Cristo, o protótipo de tudo e todos).

Assim a terra e a humanidade toram-se no presépio, na gruta, onde se alberga a espiritualidade, o amor divino sempre presente como verdadeiro sustentáculo de todo o ser (recorde-se a fórmula-mistério trinitário). A matéria, aquilo que muitas vezes é superficialmente desprezada é ao mesmo tempo lugar e acontecer.

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

Pegadas do Tempo

BOAS FESTAS DE NATAL 2020

 

A história de Jesus, Maria e José assemelha-se à situação extrema em que nos encontramos hoje: muitos obstáculos para onde quer que se olhe. Maria, Jesus e José resumem a história da humanidade e as histórias de cada um de nós.

Em Jesus, Deus vem revelar-se, de carne e osso como nós, no silêncio… Deus não se tem nem se pensa, Ele encontra-se (é encontrado!); Deus é o encontro e o presépio pode ser o nosso coração!

Imagine-se a situação de Maria numa pequena aldeia, ainda muito jovem e já grávida; o noivo José a acompanhá-la; a longa caminhada para Belém para se registarem e que ficava a mais de 160 km; a procura de alojamento e a recusa a quem é pobre e necessitado e o nascimento em condições adversas e estranhas numa gruta de animais.

Os pastores pobres são os primeiros a ouvir a boa nova do nascimento de Jesus. ( Bem-aventurados os pobres de espírito (os não orgulhosos), porque deles é o reino dos céus” Mateus 5:1-3.)  Eles são os trabalhadores de hoje em condições precárias de emprego; são os refugiados de uma sociedade que os não quer; são as pessoas com amarguras psicológicas por não encontrarem guarida no coração de quem esperam.

Na realidade cristã, a história da vinda de Deus é especialmente para aqueles que não estão bem: os humildes, aqueles que têm de recordar sozinhos, aqueles que de boa vontade esperam por uma chance que não lhes é dada, aqueles que têm medo do seu futuro.

O stress também faz parte do Natal; Jesus não veio nascer num mundo perfeito nem no mundo dos ricos de bens materiais nem nos de espírito autossuficiente!

Não há que ter medo de um Natal com tensões emocionais nem recear o ambiente natalício devido a uma afectividade que se desconhece. Deus torna-se humano para satisfazer as pessoas nas suas necessidades. Ele é o lugar do encontro, o lugar da relação e do encontro com e nas pessoas. Deus não quer conhecer ideias ou imaginações, mas sim as pessoas de qualquer lado e aceitá-las como elas são.

Jesus só precisa da abertura do coração para uma pequena manjedoura onde a relação possa acontecer.

Jesus não está à procura de um mundo perfeito, de um mundo ideal porque o mundo dos ideais é aquele que frequentemente nos divide.

A luzência ofuscante da crise pode torna-nos cegos para um horizonte cheio de maravilhas que nos podem esperar se não nos colocarmos entre Deus e as pessoas, se não nos colocarmos entre nós e as imagens que, por vezes, fazemos do próximo.

É Natal e o presépio encontra-se em cada um de nós! Nele pode surgir o Reino de Deus; Nele jesus quer nascer! Natal é relação universal,  paz e amor a acontecer!

A  fé e a esperança já brilham na estrela natalícia.

Boas Festas

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

EDUCAÇÃO PARA UM PROLETARIADO GLOBALIZADO

Os novos Deuses castigam quem seja solidário com a Humanidade (1)

António Justo

Um povo que pensa serve o bem comum, mas torna-se numa ameaça para a classe dominante. Por isso é de todo interesse desta (especialmente da classe política) que o povo frequente muitos anos a escola, mas sem aprender a pensar nem a discutir o que se encontra por trás da chamada liberdade e livre arbítrio.

Em questões do saber Olímpico, Prometeu é castigado pelos deuses do Olimpo sempre que tente levar o saber dos deuses ao povo!

A lição do velho mito é: o saber quer-se só nas mãos de poucos oligarcas conscientes de que saber não só faria doer como também se tornaria perigoso para quem desgoverna!!!…

Esta premissa que já vem dos Gregos, em tempos de globalismo, tornou-se mais que certa! Sim, porque se nas calendas gregas ainda havia uma sociedade média pensante com muitas figuras Prometeu no seu meio, hoje assistimos a uma sociedade em que a classe média se encontra em processo de transformação no sentido dependente-proletário.

Quanto ao processo educativo e informativo a que estamos votados recomendo a leitura do texto em nota (1) que é muito atual, embora falhe um pouco no que toca às “tias de Cascais”! O texto sobre educação, de Desidério Murcho, aponta no sentido do que o povo português deveria saber: aprender a pensar para abandonar o estado da “Bela Adormecida”.

A nível político-social quer-se um saber descritivo (feito de factos alternativos que embalem o sentimento) e não analítico! A interpretação serviçal é que vale; a competência complicaria.

Antigamente o aluno aprendia, na escola, a tirar a prova dos nove para saber se os cálculos das contas que fazia estavam certos ou errados. Hoje não aprende isso porque a prova dos nove foi substituída, democraticamente, pela opinião!

Tem uma vantagem: o aluno cidadão (3), ao ficar no estado de indecisão, qualifica-se para andar de cócoras!!!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

  • (1) Prometeu foi um Titã defensor da humanidade, responsável por roubar o fogo dos Deuses e dá-lo aos mortais. O pai dos deuses, Zeus, que temia que com isso os mortais ficassem tão poderosos como os próprios deuses, puniu Prometeu por esse crime, deixando-o amarrado a uma rocha por toda a eternidade enquanto uma grande águia comia todo dia seu fígado — que se regenerava no dia seguinte. Por vezes tem-se a impressão que, hoje como ontem em sociedade,  o povo é esse Prometeu em que as águias (os grandes) se alimentam do seu fígado! 
  • (2) “A tia do eduquês”, de Desidério Murcho – Sobre a filosofia nas escolas: https://dererummundi.blogspot.com/2007/07/tia-do-eduqus.html
  • (3) Nova Cidadania: https://antonio-justo.eu/?p=6238

 

ADVENTO É O TEMPO DA ESPERANÇA

Advento é o tempo de espera. Este ano com a característica de continuar a praticar a paciência e a reflectir sobre a esperança que nos conduz e nos faz confiar.

Faz-nos lembrar o tempo de César Augusto que determinou que todos se pusessem a caminho de Belém, como fez José e Maria,  para se recensearem.

Este ano torna-se mais difícil a realização de encontros pessoais devido às regras do Covid 19 mas a maior parte de nós pode viver com saúde e alegria de sentirmos algo juntos. O Corona junta-nos nas preocupações e fraquezas e o Advento junta-nos para lá das preocupações e cuidados  na esperança que a luz domine sobre as trevas.

Adventus significa chegada. Para os cristãos, é o tempo de preparação para a chegada de Jesus, que é celebrada no Natal. Na liturgia são lidos, frequentemente, textos do Antigo Testamento que anunciam a vinda do Salvador.

Durante este tempo são especialmente abordados os temas da penitência, perdão e reflexão.

A cor violeta litúrgica (símbolo de penitência e conversão), que  é utilizada durante a Quaresma, também é a cor dos paramentos usados na liturgia do tempo de Advento.

O Advento começa no quarto domingo antes de 25 de dezembro. A generalidade das famílias na Alemanha tem como tradição colocar na mesa, no primeiro domingo de advento, a Coroa de Advento: uma grinalda com ramos de abeto, enfeites e quatro velas para lembrar  Jesus, como a luz do mundo, que trará luz na escuridão.

As 4 velas são para se irem acendendo nos domingos de advento. O verde é interpretado como sinal de esperança e de vida…

Se bem vemos, o futuro já cá está, no retorno da experiência. Esta encontra-se na linha que leva a uma meta. Nesse sentido Jesus está sempre a chegar! Na expectativa se gera o mistério e nele acontece o milagre.

Alguns textos sobre o assunto em (1)

Um bom advento para todos

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

A imagem pode conter: mesa e interiores, texto que diz "ம 2020/11/29 19:20"