HÁ ROUBAR E ROUBAR

MUITO ACTUAL E OPORTUNO!
“Basta, senhor, que eu, porque roubo em uma barca, sou ladrão, e vós, porque roubais em uma armada, sois imperador?
Assim é. O roubar pouco é culpa, o roubar muito é grandeza; o roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muito, os Alexandres.”
Pe António Vieira, in ‘Sermão do Bom Ladrão’
Pelos vistos e observando o exemplo da operação Marquês do caso de Sócrates e consórcios a justiça assume um caracter de sustentabilidade perene, através de todos tempos, como anpotava já então o Pe. António Vieira!
António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do tempo

MORREU HANS KÜNG HANS KÜNG – UM CRÍTICO CONTROVERSO NA IGREJA CATÓLICA

O teólogo Hans Küng morreu hoje com 93 anos em Tübingen. Ele tinha opiniões fortes e ao mesmo tempo foi um dos mais importantes lutadores pelo entendimento entre as religiões. Segundo ele, sem a paz entre as religiões não haverá paz no mundo. Nesse sentido empenhou-se muito com o seu conceito do  ethos global.

Tematicamente lutou muito em defesa de uma Igreja empenhada nas suas raízes e na modernidade: queria uma Igreja voltada para a reforma. Ele desejava “mais Jesus e menos Papa”.

Junto com Ratzinger, Küng foi nomeado conselheiro do Concílio Vaticano II 1962-1965 e, mais tarde, tornar-se-ia num oponente forte do Papa João Paulo II e de Bento XVI; ele era contra o centralismo de Roma.

Como relata a HNA, há um episódio dos anos 60 que até hoje se conta em Tübingen: “Küng e Razinger eram colegas como docentes  da universidade católica de Tübingen. Mas, enquanto Ratzinger vinha silenciosamente para a universidade de bicicleta, Küng vinha com o seu ruidoso Alfa Romeo. Enquanto Ratzinger fazia carreira em Roma, Küng tornar-se-ia o seu crítico mais ruidoso. ”

Sobre a sua ética escrevi o artigo: UMA ÉTICA MUNDIAL PARA A CULTURA DA PAZ – Mudança do paradigma institucional para o individual” que pode ser consultado em https://www.gentedeopiniao.com.br/opiniao/uma-etica-mundial-para-a-cultura-da-paz ; Sobre a Eutanásia Hans Küng tinha uma posição própria; sobre a sua opinião escrevi o artigo A EUTANÁSIA E A MORTE ORGANIZADA em https://antonio-justo.eu/?p=3112

A Küng liga-me o seu empenho pela aplicação do Vaticano II e a Bento XVI a profundidade da sua teologia cristã: num compreendi o significado da modernidade e noutro o significado e importância da tradição.

Com Hans Küng cheguei a ter uma correspondência nos finais dos anos 70, tendo-me ele apoiado e oferecido alguns livros seus em português.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

PÁSCOA EM 2021

Esta é a segunda Páscoa confinada, com limitações e com inconvenientes fundamentais.

Vive-se prolongadamente a História da Paixão, na experiência da vida ameaçada e na espera de uma luz que se atrasa ou parece não querer chegar. A Páscoa traz uma dose de confiança como o Sol no amanhecer depois de uma noite talvez de insónias.

A falta de relacionamento com as pessoas e com a natureza leva à falta da ressonância do coração e do calor humano característio desta época, que muitas vezes se expressava no adro da vida na experiência especial do “Boas Festas Aleluia”!

É verdade que, com esta e com outras epidemias, surgem novos hábitos mas a bênção divina continuará.

Páscoa é vida na Esperança,  é a vitória da vida sobre a morte, sobre o transitório, é a victória da luz sobre as trevas.

A ressurreição não é a continuação da vida anterior, mas uma transformação e mudança radical.

A Bíblia expressa essa experiência em imagens.

Temos a imagem do grão de trigo, da lagarta que se transforma em borboleta, temos a imagem das estações do ano, da alta e a baixa pressão atmosférica e psicológica que circunscrevem a vida e o clima.

Isto enquadra-se nas imagens que Paulo usava quando falava aos Coríntios constatando:

“Mas alguém pode perguntar: “Como ressuscitam os mortos? Com que espécie de corpo virão? ”

“Insensato! O que você semeia não nasce a não ser que morra.

Quando você semeia, não semeia o corpo que virá a ser, mas apenas uma simples semente, como de trigo ou de alguma outra coisa.

Mas Deus lhe dá um corpo, como determinou, e a cada espécie de semente dá seu corpo apropriado.

Nem toda carne é a mesma: os homens têm uma espécie de carne, os animais têm outra, as aves outra, e os peixes outra.

Há corpos celestes e há também corpos terrestres; mas o esplendor dos corpos celestes é um, e o dos corpos terrestres é outro.

Um é o esplendor do sol, outro o da lua, e outro o das estrelas; e as estrelas diferem em esplendor umas das outras.

Assim será com a ressurreição dos mortos. O corpo que é semeado é perecível e ressuscita imperecível;

é semeado em desonra e ressuscita em glória; é semeado em fraqueza e ressuscita em poder;

é semeado um corpo natural e ressuscita um corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual.”(1 Coríntios 15:35-44)

Valerá a pena ousar a esperança na Ressurreição ou, pelo menos, no milagre da mutação na natureza, uns e outros juntos, numa caminhada comum, mesmo que esta pareça demasiado curta.

Desejo para todos nós a energia da esperança e da confiança.

Boas Festas para todos, Aleluia!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

O PAPA FOI AO IRAQUE COMO MENSAGEIRO DE PAZ

Hoje terminou a visita de três dias feita pelo Papa Francisco ao Iraque (5 a 8 de março).

Com a visita ao Iraque, o Papa tinha dois objetivos principais: fortalecer a comunidade religiosa, que foi prejudicada pela guerra e pela perseguição, e aprofundar as relações com o Islão.

É a primeira vez que um papa visita o Iraque. Para os cristãos da região, é um evento do século. A comunidade cristã que antes tinha um milhão de fiéis, hoje, tem entre 250.000 e 400.000 pessoas, em consequência da guerra e da perseguição feita pelo Estado Islâmico. Muitos cristãos foram mortos sob o governo do EI.

O Papa visitou a catedral Sajjidat al-Nadscha, onde há onze anos através de um atentado foram mortos 50 cristãos.

No segundo dia de sua viagem ao Iraque (1), teve um encontro na cidade de UR com representantes de cristãos, muçulmanos, judeus e Yazidis, minoria muito perseguida pelo EI.

“Não haverá paz sem povos que apertem a mão de outros povos”, disse o pontífice na antiga cidade de Ur, considerada o local de nascimento de Abraão, o pai ancestral dos judeus, dos cristãos e dos muçulmanos. Aí se encontrou com os representantes do judaísmo, do Islão e da comunidade Yazidi.

O Papa Francisco teve uma reunião com o Grande Aiatola e o mais alto clero xiita (Ali al-Sistani) no Iraque.

Francisco viajou como „Peregrino da Paz”, no espírito da encíclica “Fratelli tutti” (Todos Irmãos), tentando, como sempre estender as mãos na tentativa de que as religiões se irmanizem porque em tempos, já não das nações, mas das civilizações, as boas relações entre as religiões são decisivas para a paz universal.

Já em 2019, o Papa e o Grande Imame egípcio, Ahmed al-Tajjib, alto representante do Islão sunita, assinaram o acordo “A irmandade de todas as pessoas – Para uma coexistência pacífica no mundo” em Abu Dhabi.

Tendo na memória o destino comum de muitos cristãos e do povo Yazidi, lembrou que a comunidade Yazidi, “teve que lamentar a morte de muitos homens sob o governo do EI e teve que ver milhares de mulheres, meninas e crianças sequestradas, vendidas como escravas e submetidas à violência física e conversões forçadas”.

Francisco disse que aqueles que sobreviveram aos ataques terroristas precisam de perdoar.  “Perdão é uma palavra chave. O perdão é necessário para permanecer no amor, para permanecer cristãos».

A viagem do Papa, em tempo de Corona, presta-se como símbolo e testemunho de que o Covid-19 não tem a soberania total sobre a humanidade.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

(1) https://www.youtube.com/watch?v=Kxtv42fcCYM

 

O ELOGIO FAZ MILAGRES – DIA MUNDIAL DO ELOGIO

No dia 1 de Março celebrou-se o dia Mundial do Elogio.

Os elogios fazem-nos felizes, são um factor de autoestima e aumentam os sentimentos de felicidade.

Segundo um estudo japonês de 2012 os elogios chegam até a aumentar a competência e a eficiência.  Conheço uma artista que quando louvada na sua arte ganha forças e inspiração que se reflectem imediatamente na produção e qualidade de obras.

O sentimento de querer ser apreciado é natural e é geralmente aquilo que nos leva a empenhar-nos mais. O elogio não esperado mas merecido é como a música serena que dá paz e força nas adversidades.

Cumprimentos e elogios estimulam a hormona da felicidade oxitocina (dopamina ou seritonina) no cérebro fomentando a empatia (a ligação). Naturalmente também debelitm certos mecanismos de defesa!

Cumprimentos são as especiarias que adoçam a vida. Naturalmente também há cumprimentos interesseiros; importante é estar-se atento à  situção e ao contexto. Somos humanos e como tal não só ajuda o louvor de qualidades interiores mas também o de superficialidades.

O elogio fácil e a censura costumam beber da mesma fonte.

Por vezes um louvor pode causar embaraço. Modéstia e humildade são bons condimentos porque a necessidade de elogios pode levar a um estado de sofrimento no caso de críticas. A dependência de louvores de  levianos puxar-nos-ia para a imprudência; mais importantes são os elogios sinceros.

A satisfação de vida cresce no que louva e no que é louvado. Penso que uma psicologia positiva perante pessoas e uma atitude de análise crítica perante ideias e factos podem ajudar a levar-se uma vida equilibrada.

O exercício do louvor seria um bom exercício para aqueles que têm dificuldade de reconhecer algo positivo nos outros.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo