TWITTER-FACEBOOK OS ÁRBITROS DA VERDADE?

Concentração da Informação a Pretexto das Fake News

António Justo

As oligarquias, contam, cada vez mais, com o apoio de uma política globalista (centralização de todos os poderes), ao mostrarem-se muito preocupadas com as notícias falsas (Fake News) nas redes sociais porque podem levar as massas ao descontrolo total.

O Twitter ao considerar-se juiz da verdade, também no caso de algumas comunicações infelizes do presidente dos USA (Trump), aproveita-se da insatisfação popular em relação ao cujo dito, numa tentativa de se impor como árbitro da verdade.

O que está aqui em jogo é a regulação das redes sociais no sentido de alguns empresários mundiais; donos de redes sociais, quererem legitimar o direito à censura e para tal chamarem a si o privilégio de determinar  o que o utilizador pode ou não saber (o que é verdadeiro e o que é falso), roubando ao cidadão e à justiça (em casos de abuso) a responsabilidade do discernimento que só a eles pertence.

A arrogância oligárquica na luta pelo monopólio da informação e de seu controlo universal torna-se cada vez mais abrangente! Saber é poder; daí a razão porque quem tem algum poder querer reservá-lo só para si.

Mark Zuckerberg, logo se apressou a declarar que o seu Facebook não deve ser um “árbitro da verdade”. Bom seria, só que falta a confiança atendendo ao que o próprio Facebook já se atreve a censurar.

Os que falam do perigo das notícias falsas que infelizmente também circulam na Internet omitem falar do outro perigo, certamente maior, que é o facto de uma pequena oligarquia mundial poder vir a determinar (através da censura) o que é verdadeiro e o que é falso; deste modo podem controlar, impedir e mesmo apagar as diferentes mundivisões para imporem a sua. Sob este pretexto pequenas oligarquias interligadas conquistam, de maneira velada, o direito de controlar e decidir o que no Facebook e noutros meios sociais deve ou não ser publicado. Este poder é tal e de tal modo anónimo que se torna praticamente impossível contestá-lo ou apelar para alguém! Uma tal centralização do poder de decidir é anti democrático e ameaça qualquer biótopo cultural.

Quem tem o controlo da informação tem todo o poder na mão pois pode determinar o pensar e a opinião das pessoas. (Já no prólogo do evangelho de S. João, este referindo-se a Deus dizia, “no princípio era o verbo, a palavra, a informação”)!

O verdadeiro perigo em que nos encontramos é certamente o daqueles que se tornam em donos da informação. Em nome do ótimo instalam o mal, passando por cima da sabedoria popular que diz que o ótimo é inimigo do bom! Muitos utentes do Facebook já começam a sentir que o poder controlador das redes sociais lhes impede de falar livremente sobre certos temas.

Tiram a responsabilidade de julgamento ao utilizador para cinicamente se armarem em juízes do que é bom e do que é mau e ainda em nome do bem das massas!

O discernimento cada vez se torna mais difícil não só devido a uma realidade cada vez mais complexa, mas também porque os adversários da democracia alegam que só querem proteger as massas democratas! Vai sendo tempo de se deixar de continuar a dormir na forma! Para isso é necessário fomentar a discussão controversa.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:

DOMINGO DE PENTECOSTES

PENTECOSTES

Pentecostes quer dizer “o quinquagésimo dia” do tempo de Páscoa. Nele se comemora a descida do Espírito santo sobre o povo de Deus, sobre os apóstolos.

Este acontecimento marca assim o “aniversário” da igreja, que nele é convidada a levar a Palavra de Deus a todas as gentes : “Como o Pai me enviou, assim eu vos envio a vós; recebei o Espírito Santo”!

Neste dia os cristãos celebram o Espírito Santo, que na Bíblia é identificado como o respirar ou o “fôlego” de Deus.


Deus é como a mãe que durante a gravidez com o seu respirar alimenta a criança. Poder-se-ia fazer a analogia que a gente respira em Deus tal como a criança no ventre de sua mãe.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:

INJECÇÃO DE 500 MIL MILHÕES € APROXIMA OS PAÍSES DA UNIÃO EUROPEIA

Ângela Merkel  nas Pegadas  de Carlos Magno – o Pai da Europa

António Justo

A crise do Coronavírus vai apressar a possibilidade de se começar a contrariar a desigualdade entre os países membros da União Europeia (EU). Esta é a oportunidade que a Europa tem para acordar, se redescobrir e entender a sua missão humana no mundo.

A salvaguarda da paz entre os países europeus e o novo papel que a EU terá de assumir no século XXI, são os principais motivos que impulsionam a Chanceler alemã a intervir, num momento axial da História em que se forma uma nova orientação política mundial com base nos polos EUA e China.

À EU nada mais restará que a África como possível zona de influência directa (apesar de, neste assunto, dormir em relação à China muito activa em África porque também precisa de votos que apoiem a sua política na ONU.

Depois dos litígios com Trump, Ângela Merkel sabe que a Europa se encontra abandonada a si mesma e que o destino da Europa e da Alemanha são comuns e dependem do relacionamento alemão.

No debate, se a União Europeia deve ou não assumir a responsabilidade de uma dívida conjunta (comunitarização da dívida pública) em benefício dos Estados com economias mais débeis, parece surgir no horizonte social alemão consenso positivo.

O plano Corona de ajuda (de 500 mil milhões de €) proposto pela chanceler alemã Angela Merkel (CDU) e pelo chefe de Estado francês Emmanuel Macron  é apoiado pela presidente AKK da CDU; ela vê no Plano um esforço conjunto em prol da coesão europeia.

O Plano Corona, permitirá à Comissão Europeia contrair empréstimos nos mercados financeiros e possibilitar  um fundo de reconstrução com um volume de 500 mil milhões de euros. O dinheiro será então utilizado como subsídio não reembolsável do orçamento da UE para os países da UE mais afectados pela crise do Corona.

Há também muitos cidadãos alemães que torcem o nariz porque consideram o pacote financeiro como um presente à França e aos membros vizinhos do Sul. Veem nele a agravante do pacote não condicionar contrapartidas dos países beneficiados e não haver restrições ou influência sobre a sua utilização. Outro ponto de crítica é que as autoridades concordam em algo e só depois é iniciado o processo democrático de consulta; processo este já sob a pressão de que a chanceler não pode ficar à chuva.

Esta iniciativa revela mais uma vez a inteligência e a vontade da Chanceler se manter orientada, nas suas decisões, por princípios de solidariedade cristã, que se encontram nos estatutos do seu partido (CDU) e necessitam de vida. Certamente sent-se nas pegadas de Carlos Magno, o pai da Europa.

A Chanceler alemã aposta no Euro e no mercado comum como factores determinantes de uma EU que não pode abdicar da sua missão mundial. Isto apesar do factor político europeu se encontra num estado muito problemático.

Angela Merkel não tem uma tarefa fácil atendendo a duas tendências europeias extremas: de um lado  um norte de elites políticas poupadoras forretas e do outro, um sul de elites políticas esbanjadoras; de um lado um norte de mentalidade de cunho protestante e do outro um sul de mentalidade de cunho católico!

Penso que Angela Merkel procura, com a ajuda de Macron (e ajudando Macron),  obrigar a França a assumir maior responsabilidade para que a  União Europeia consiga subsistir aos desafios dos USA e da China (no futuro serão eles a tocar a música!). A Chanceler sabe que a Alemanha, só ajudando a Europa poderá salvar a Europa e deste modo salvar-se a si mesma.

Merkel é uma mulher política que não encontra na Europa homem do género que se assemelhe. Não é suficientemente valorizada por se encontrar num mundo de matriz masculina.  Ela tornar-se-á no símbolo de tentativa de uma política feminina numa matriz politico-económico-social masculina. É um símbolo de governante em que a energia da feminilidade se poderia começar a afirmar numa nova matriz em que os polos da masculinidade e da feminilidade entrem numa melhor complementaridade.

Portanto, europeus, na discussão partidária política, menos ideologia e mais sentido do real em relação à política de Merkel na coligação governamental (GROKO)!

Permitindo-me um pouco de euforia no meio de muitos ainda amarrados ao preconceito contra os alemães, atrevendo-me a dizer: quem ainda não compreendeu Merkel não compreendeu Europa nem o sentido da União Europeia! O modelo federal alemão terá de ser mais objecto de observação por estudiosos interessados numa EU fiel ao espírito de Carlos Magno que apostava no fomento da cultura cristã e não apenas na economia.

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:

NÚMERO DE CORONA-19 INFECTADOS, RECUPERADOS E MORTOS NA ALEMANHA, PORTUGAL, FRANÇA, ESPANHA, BRASIL, REINO UNIDO, SUIÇA E USA

Perigo de comparações incorrectas das estatísticas ao gosto da coloração política

Na Alemanha até hoje, 23.05.2020 houve um total de 179.150 infectados pelo Corona-19 e um total de 159.025 recuperados e 8.219 mortos. Portanto, de momento na Alemanha encontram-se 11.906 infectados.

Em Portugal houve um total de 30.200 infectados, 7.590 recuperados e 1.289 mortos. Resultado, de momento em Portugal encontram-se 21.321 infectados.

Na França houve 144.556 infectados, 64.209 recuperados e 28.289 mortos. Actualmente há 52.058 infectados.

Na Espanha houve 235.290 infectados, 150.376 recuperados e 28.678 mortos. Actualmente há 56.236 infectados.

No Brasil houve 339.687 infectados, 135.430 recuperados e 21.579 mortos. Actualmente há 182.281 infectados.

No Reino Unido houve 257.154 infectados, – recuperados e 36.675mortos. Já morreram 181 empregados do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e 131 assistentes sociais. Há falta de equipamento genuíno.

Na Suiça houve 30.725 infectados, 27.900 recuperados e 1.641 motos em consequência do Coronavírus 19. Actualmente há 1.184 infectados.Na Suiça não há obrigação generalizada de uso de máscara. É apenas recomendado.

Nos USA houve 1.646.606 infectados, 318.753 recuperados e 96.920 mortos. Actualmente há 1.230.933 infectados.

Em todo o mundo há 5.252.452 de infectados, 2.081.303 recuperados e 339.026 mortos. Actualmente há 2.832 123 infectados.

Comparando Portugal com a Alemanha há grande diferença.Talvez o número dos recuperados sejam maior; douto modo seria incompreensível que Portugal tivesse quase o dobro de infectados do número de infectados na Alemanha embora tenha iniciado medidas de protecção mais cedo e conseguiu impor medidas mais rigorosas.

Nos meios de comunicação social (Media) encontram-se interpretações contraditórias dos números relativamente a vários países. A interpretação revela-se geralmente negativa ou positiva segundo a posição partidária e a simpatia ou antipatia em relação ao respectivo governo.
Uma estatística neutra deveria ser baseada em percentagens por milhão de habitantes. Além disso há vários critérios de levantamento de estatísticas, o que facilita a manipulação de opiniões através de interpretações baseadas em diferentes critérios.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do tempo

(1) Dados estatísticos por países a nível mundial: https://www.google.com/search?client=firefox-b-d&biw=1920&bih=1058&ei=IXHJXuuxIsa6kgXB7bmYDg&q=estat%C3%ADstica+do+coronav%C3%ADrus+no+mundo&oq=Estat%C3%ADstica+do+Coronav%C3%ADrus&gs_lcp=CgZwc3ktYWIQARgAMgYIABAWEB46BAgAEEM6BQgAEIMBOgIIADoECAAQEzoICAAQFhAKEB46CggAEBYQChAeEBM6BggAEA0QHjoICAAQFhAeEBNQ_-tIWKm8SWCe6EloAXAAeACAAaABiAGaEpIBBDI2LjGYAQCgAQGqAQdnd3Mtd2l6&sclient=psy-ab

Social:

EUROPA NA ENCRUZILHADA DE DIFERENTES FILOSOFIAS DE DIREITO?

Quadro jurídico alemão Versus Quadro jurídico francês da EU (Asterix contra Roma)

António Justo

Tanto o Tribunal Constitucional Alemão (TCA) no seu Acórdão de 5 de maio, como o acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), de 11 de dezembro de 2018 não podem agradar, ao mesmo tempo, a gregos e a troianos, atendendo às diferentes posições e filosofias que os dois professam (regionalismo ou centralismo) na construção da EU.

Assim os centralistas, mais inclinados ao jogo do poder político e económico, acusam o TCA de querer fazer política e os regionalistas, mais inclinados a um quadro jurídico regulador de conflitos sociais, acusam o TJUE que em conluio com o Banco Central Europeu (BCP) fazem política.

Na base destas irritações estão dois ideários de expressão da consciência europeia a que assistem diferentes modelos de organização política e diferentes tradições de quadros jurídicos (latina ou nórdica).

Em vez de os partidários de uma trincheira se levantarem contra os do outro valado, seria agora uma boa oportunidade para se ir discutindo qual das filosofias se quer seguir para a EU e qual a tradição de sistemas jurídicos a adotar: o quadro jurídico centralista francês que permite uma certa promiscuidade entre política e jurisprudência ou ao sistema jurídico alemão, mais independente? Digamos, queremos uma Europa mais democrática arquitetada em termos dos favorecedores do regionalismo (ao exemplo da arquitetura federal alemã) ou dos favorecedores do centralismo (diria eu, de tradição mais do Sul de possíveis interferências maçónicas e que pretendem uma arquitetura administrativa e política centralista (mais à la France).

Os defensores do centralismo acusam a nação progenitora do protestantismo de heresia e não prescindem sequer do seu tradicional argumento marreta moralista de que a Alemanha está a fortalecer o populismo. Pelo contrário, o que o acórdão alemão pretende é uma Europa mais transparente e democrática (independentemente agora dos interesses económicos e de poder!). Mais próprio para discussão seria a oportunidade de argumentação por cada uma das partes e colocar em cima da mesa da discussão os interesses que se escondem por trás do discurso sobre um construto EU que se quer bastante indefinido para melhor possibilitar jogadas de corredores e de poderes reservados para a classe dirigente.

Fala-se em primazia do TJUE sem se falar de certas primazias que ele pretende tirar às democracias regionais, donde deveria partir todo o construto EU; o Tratado de Lisboa é queridamente confuso nalguns pontos de definição/legitimação de poderes.

Os centralistas mobilizam o medo da desagregação europeia levantando bem alto o cajado dos nacionalismos, em defesa do seu poder que se quer visto construído a partir do telhado!

Acusar os alemães de nacionalismo constitucionalista é autodesqualificar-se (atendendo à filosofia democrática do seu quadro jurídico) numa perspectiva construtiva da Realidade europeia cujo credo é o direito e atendendo ao facto de  que uma Europa na tradição germânica do direito se quer mais virada para o povo e corporações e não tanto para as elites.

Dar poder absoluto ao TJUE (antes da EU feita!) seria, para já, conferir um poder constitucional definitivo ao Tratado de Lisboa; poder que este não lhe dá para se poder legitimar.

Querer definir de europeísta a facção centralista (mais individualista e autoritário) e considerar como antieuropeísta a facção regionalista (mais corporativista), seria, no meu entender, querer definitivamente para a Europa um sistema jurídico, administrativo e político mais conforme à matriz francesa, quando a matriz federal alemã é de cariz mais democrática ao possibilitar a construção de uma União Europeia a partir da base da realidade regional federal (e não como querem os centralistas, mantê-los, superiormente amarrados às dívidas “soberanas”) .

Não seria sinal muito democrático querer fazer partir o centralismo do direito europeu dos magnates políticos dos países quando este para ser um direito estável deveria surgir de um organigrama europeu com bases democráticas sólidas a partir das regiões contrariando a formação de um gigante com pés de barro.

A iniciativa do TCA poderia ser uma boa oportunidade para impedir um certo populismo e nacionalismo que os defensores de um centralismo dogmático da EU têm proporcionado (o Brexit manda cumprimentos)!

Urge esclarecer as matrizes de fé subjacentes aos crentes do centralismo de uma EU centralizada e reguladora e a matriz dos crentes do regionalismo, de uma EU unida, mas descentralizadamente orgânica.

Cada vez se torna mais insuficiente o autoritarismo centralizador de elites, com que deparamos de forma exemplar no regimento do Coronavírus; de facto a subjugação à organização de saúde da ONU, tornou-se crassa e de mau sabor perante um possível organigrama de poder centrado na ONU. O medo tornou-se trunfo e xeque-mate ao mesmo tempo, para que os interesses de alguns poucos se expandam em liberdade!  O instrumento do medo e a demonização de legitimas aspirações do cidadão passam a ser qualificadas, à prior, de populistas.

Parece não interessar aos governantes a implementação de uma salutar controvérsia na opinião pública entre os dois conceitos de organização política europeia (planos de enquadramentos e diretrizes jurídicas) talvez por medo que surjam os Asterix-Oberlix (protagonizados na série de Banda Desenhada cómica) contra Bruxelas, a Roma da EU.

É natural que, um Asterix na qualidade de anti-herói, símbolo da expressão de uma luta mais popular e mais universal pelo bem comum, não interesse aos centralistas mais interessados num Estado fundamentalmente burocrático e não orgânico. De facto os dois Gauleses defendem a sua aldeia contra o domínio de potentados, em protecção da sua consciência colectiva europeia, defendendo o caracter regional contra um globalismo despersonalizante e  avassalador! resistência da ocupação dos pequenos países onde as suas elites políticas parecem reduzir-se a meros agentes de administração,  comportando-se como o Lügnix que organiza bem a sua vida particular mantendo a sua mão nas receitas fiscais e reduzindo em contrapartida  o ser do cidadão à situação de contribuinte ou de alimentado do Estado (1)

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social: