A RESPEITO DA PRECOCIDADE DE EVA E DO SEGUINTE POSTER

 “Ele comeu mais uma mulher”

 

 

Uma certa masculinidade exacerbada costuma usar a expressão “comer” também para indicar o coito com uma mulher!

Independentemente de um homem comer uma mulher ou de uma mulher engolir um homem, para não considerar essa expressão de mau gosto, posso vê-la relacionada com as recordações inconscientes das práticas comuns aos  animais que sentiriam um certo prazer-ternura ao mastigar a presa!!! Certamente um carinho que terá levado o homo sapiens a não ter apenas uma dedicação carnal!

Se Adão tivesse “comido” a Eva antes de Eva o ter acordado para a razão (capacidade de diferenciar) ainda hoje continuaríamos no paraíso terreal dos animais! O grande mérito de Eva (a mulher)  em relação a Adão (homem) é tê-lo arrastado do ciclo instintivo meramente automático animal, passando os dois a viver na tensão que mantem mulher e homem em relação de complementaridade!

Esta tensão (cumulada no orgasmo) e o desejo de superação da morte são os grandes factores de desenvolvimento humano!

O apetite sexual mais latente no homem também se revela na expressão “comer uma mulher com os olhos!  Talvez seja este o rito inicial para a conquista da pessoa! Isto, porém, não legitima ninguém a considerar a mulher como objecto de colecção!

O instinto sexual engloba mais que o mero instinto de posse ou de redução da mulher a um objecto!

Independentemente da gíria usada, é significativa a relação do consumar (consumação) no casamento sem termos de ser necessariamente canibais! Seguindo a lógica implicada no “comer” teríamos aqui o alimento consumado na união, no matrimónio, comendo-se um ao outro!

Fundamental nas relações sexuais é a atitude de respeito, amor e  de pertença recíproca onde desejos e necessidades se complementam mutuamente!

Que principalmente as mulheres se insurjam contra o uso de tal expressão é legítimo e mais que natural, atendendo à conatação machista que contem!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

 

Social:

HÁ ROUBAR E ROUBAR

MUITO ACTUAL E OPORTUNO!
“Basta, senhor, que eu, porque roubo em uma barca, sou ladrão, e vós, porque roubais em uma armada, sois imperador?
Assim é. O roubar pouco é culpa, o roubar muito é grandeza; o roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muito, os Alexandres.”
Pe António Vieira, in ‘Sermão do Bom Ladrão’
Pelos vistos e observando o exemplo da operação Marquês do caso de Sócrates e consórcios a justiça assume um caracter de sustentabilidade perene, através de todos tempos, como anpotava já então o Pe. António Vieira!
António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do tempo
Social:

AFORISMOS

CONFINAMENTO

Eu sempre desconfiei de muitas medidas do confinamento e apenas tomei a sério o Covid-19!

No reino da opinião todos ralham e todos têm razão!

António da Cunha Duarte Justo

MORTE

A luta contra a morte é o grande motor do desenvolvimento individual e cultural! O resto é música de acompanhamento!

António da Cunha Duarte Justo

Social:

JUSTIÇA PORTUGUESA A SER MAIS LENHA NA FOGUEIRA DA DEMOCRACIA PORTUGUESA

JUSTIÇA PORTUGUESA A SER MAIS LENHA NA FOGUEIRA DA DEMOCRACIA

Corrupção institucional legalizada?

Mais um murro nos olhos dos portugueses! O juiz de instrução Ivo Rosa destruiu quase por completo 4 anos de investigação do Ministério Público (1) e pelo caminho, também o trabalho feito pelo seu colega de tribunal Carlos Alexandre, que foi o magistrado que ao longo desses anos foi validando e promovendo buscas, escutas e outras diligências. Dos 28 arguidos sobraram 5 para ir a julgamento, 188 crimes foram reduzidos a 17 (2)! Sócrates foi ilibado (a 9.04.2021) dos crimes de corrupção e de fraude fiscal (Operação Marquês). O Ministério Público pretende recorrer contra esta decisão no Tribunal de Relação de Lisboa. Segundo o funcionário Ivo Rosa, José Sócrates terá apenas de responder pela prática de crimes de branqueamento de capitais e falsificação de documentos.

A Justiça deixa, assim, antever a cumplicidade do aparelho Judicial com o poder político e económico; “ilibar, por deficiências processuais, Sócrates e Salgado dos crimes de corrupção, é passar uma carta branca ao roubo institucional” como constata o músico Pedro Abrunhosa.

O problema não é sequer do juiz Ivo, o problema de fundo é da Justiça Portuguesa e do comércio de influências. O Juiz Ivo Rosa com o processo Marquês, serão apenas o Iceberg da Justiça portuguesa. Os poderosos apoderaram-se do Estado e da democracia. A corrupção tornou-se legal.

Muitos ainda vivem na ilusão de esperarem justiça da Justiça. Eles gozam cinicamente com o povo. É a lei do safe-se e dos acomodados a algum grupo influente! Temos sistema, faltam-nos Homens! O problema é do sistema e de uma Justiça em grande parte de influências e a falta de Cidadãos em Portugal! Os corruptos sabem que ganham porque embora alguns milhares barafustem, aqueles estão seguros que milhões os elegem.

A vassalagem e o comércio de influências continuam, como na Idade Média, com a diferença que muitos responsáveis de hoje são descarados porque se sentem legitimados nos seus malefícios por actos do nosso sistema democrático. O problema não é Ivo, o problema é a Justiça portuguesa e a troca de influências entre grupos de interesses fortes. O juiz Ivo sai ileso; ele é um filho do sistema e ao serviço do sistema. O problema é a Justiça Portuguesa e o tipo de sistema democrático que a acompanha e legitima. A Política orienta-se pela ética de interesses! O resto é música de acompanhamento. Quem vai no cortejo não nota! Por sua vez o povo, bem-ensinado, segue o jogo político dos prevaricadores desculpando os erros de uns partidos com os dos outros.

Em Portugal, país pequeno, os grupos de interesses são solidários entre si, repartindo entre eles o saque. Só o povo não manifesta interesse e, como tal, não tem quem defenda os seus interesses; isto independentemente do regime político que se adopte!

Quem come da mesma gamela não se vê motivado a criticar no sentido de as coisas mudarem; quando muito vira a bola para canto! Um problema simplório é também tentar-se explicar males actuais com males antigos e o mal de um partido com o mal do outro, passando-se assim bem à margem do bem comum e dos interesses reais do país. Por estas e por outras o país «não passa da cepa torta»!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

Social:

MORREU HANS KÜNG HANS KÜNG – UM CRÍTICO CONTROVERSO NA IGREJA CATÓLICA

O teólogo Hans Küng morreu hoje com 93 anos em Tübingen. Ele tinha opiniões fortes e ao mesmo tempo foi um dos mais importantes lutadores pelo entendimento entre as religiões. Segundo ele, sem a paz entre as religiões não haverá paz no mundo. Nesse sentido empenhou-se muito com o seu conceito do  ethos global.

Tematicamente lutou muito em defesa de uma Igreja empenhada nas suas raízes e na modernidade: queria uma Igreja voltada para a reforma. Ele desejava “mais Jesus e menos Papa”.

Junto com Ratzinger, Küng foi nomeado conselheiro do Concílio Vaticano II 1962-1965 e, mais tarde, tornar-se-ia num oponente forte do Papa João Paulo II e de Bento XVI; ele era contra o centralismo de Roma.

Como relata a HNA, há um episódio dos anos 60 que até hoje se conta em Tübingen: “Küng e Razinger eram colegas como docentes  da universidade católica de Tübingen. Mas, enquanto Ratzinger vinha silenciosamente para a universidade de bicicleta, Küng vinha com o seu ruidoso Alfa Romeo. Enquanto Ratzinger fazia carreira em Roma, Küng tornar-se-ia o seu crítico mais ruidoso. ”

Sobre a sua ética escrevi o artigo: UMA ÉTICA MUNDIAL PARA A CULTURA DA PAZ – Mudança do paradigma institucional para o individual” que pode ser consultado em https://www.gentedeopiniao.com.br/opiniao/uma-etica-mundial-para-a-cultura-da-paz ; Sobre a Eutanásia Hans Küng tinha uma posição própria; sobre a sua opinião escrevi o artigo A EUTANÁSIA E A MORTE ORGANIZADA em https://antonio-justo.eu/?p=3112

A Küng liga-me o seu empenho pela aplicação do Vaticano II e a Bento XVI a profundidade da sua teologia cristã: num compreendi o significado da modernidade e noutro o significado e importância da tradição.

Com Hans Küng cheguei a ter uma correspondência nos finais dos anos 70, tendo-me ele apoiado e oferecido alguns livros seus em português.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social: