PREÇOS DOS ARRENDAMENTOS DE APARTAMENTOS NA ALEMANHA: MÉDIA DA RENDA BASE 7,34 €/m2

A média actual dos preços de aluger de apartamentos na Alemanha é de 7,34 €, renda base, por metro quadrado.

Em Munique a média é de 10,46€/m2, Estugarda 9,96, Hamburgo 8,65, Colónia 8,65, Wiesbaden 8,58, Frankfurt 8,44, Dusseldorf 8,37, Berlim 6,92, Hannover 6,44, Dresden 6,23, Duisburg 5,88, Dortmund 5,61, Leipzig 4,94€.

Devido à falta de habitação em Berlim a senadora para o desenvolvimento urbano da cidade (com governo vermelho-vermelho-verde),numa expressão de desespero, quer fixar o aluguer mensal  num limite máximo de 7,97€/m2 durante cinco anos; a medida parece tão drástica que lembra os métodos socialistas da antiga DDR. Rendas que ultrapassem os 7,97€/m2, teriam de ser submetidas a aprovação.

Isto afastaria os investidores. Uma tal medida teria como consequência o afastamento de investidores e provocaria um fluxo imigratório para a cidade que ainda pioraria a situação.

Também é verdade que um aumento de 18% que se deu nos últimos cinco anos no aluguer dos apartamentos se torna insuportável.

Estugarda teve um aumento de rendas na ordem dos 22%  e Leipzig 3% desde 2013, como noticiam os jornais alemães.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:

CUMPLICIDADE ENTRE GLOBALISMO IDEOLÓGICO E ECONÓMICO – “FOGO” POSTO NA AMAZÓNIA PELA ONDA MEDIÁTICA EUROPEIA

Do Desmatamento do Biótopo Amazónia ao Arroteamento dos Biótopos culturais ocidentais

Por António Justo

A situação

Por um lado, o planeta encontra-se a salto por parte de forças económicas variadas e por outro, o povo encontra-se a salto por parte de ideologias contraentes. Tudo corre para usufruir dos rendimentos sem contar com os interesses dos povos, das regiões, nem da nossa casa comum que é a natureza. Sob a nuvem do globalismo originam-se tsunamis e tufões que arrastam biótopos naturais e biótopos culturais; o povo não pode dar-se conta da razia em obra porque desconhece as leis “climáticas” dos centros de altas e baixas pressões e só lhes é dado pôr ou tirar o guarda chuva para não ser encharcado nem levado pelas ventanias.

Bolsonaro apressa-se a combater o fogo com aviões da força aérea e com 43.000 soldados que ajudam os bombeiros e com 10 milhões de euros de apoio ao combate às chamas (HNA 26.08.2019).

Segundo pesquisadores da Universidade de Oklahoma a área verde de floresta perdida entre 2000 e 2017 foi de cerca de 400 mil km² (1).

Um aspecto que não tem sido considerado na discussão é o facto de os fogos terem aumentado desde que a Alemanha e a Noruega deixaram de apoiar as suas ONGs (organizações não governamentais) no lugar (dá que pensar, quando ONGs petistas são proibidas, tendo o facto provocado a suspensão de donativos para a Amazónia!); deste modo juntam-se aos interesses dos madeireiros outros interesses políticos também eles implicados no negócio. Na Amazónia há dezenas de milhares de ONGs estrangeiras: uma verdadeira chuva de interesses económicos e políticos internacionais diversificados….

A Amazónia sempre ardeu e isto, segundo especialistas, não é decisivo no clima mundial (os pulmões da terra são os oceanos e as suas algas sofrem sem que ninguém se interesse), o problema estará não tanto na produção do CO2 mas mais no facto de os fogos nas florestas tropicais contribuírem para o aquecimento da atmosfera. Sintomático é o facto de que este problema foi ignorado até agora embora isso aconteça também em África e Ásia (Um olhar cínico poderia, porém, apontar para o facto de os fogos antes não contarem porque não punham em perigo o alastrar do socialismo na América latina!!!).

O comércio é determinante e se o Brasil continuar o desmatamento na Amazónia para produzir carne e forragem para exportar, também os interesses dos lavradores europeus são lesados devido à concorrência de produtos mais baratos. (Os interesses comerciais e políticos são o verdadeiro rastilho em acção que conduz à pólvora: para uma solução justa haveria que fazer um levantamento da situação e identificar primeiro todos os “incendiários”; douto modo, andamos todos a lançar foguetes para o ar, simplesmente para satisfazer o prazer de ver o povo perder o seu tempo a correr atrás das canas!).

O clima é realmente um problema global, mas não pode ser resolvido à custa do não desenvolvimento do Brasil. Nós já procedemos ao desmatamento das florestas europeias para chegarmos onde nos encontramos e do alto das nossas razões sentimo-nos com o direito de exigirmos do Brasil que renuncie ao desenvolvimento nacional por puro altruísmo com o resto da humanidade, mas não lhe oferecemos alternativa; o problema da Amazónia e de muitas outras “amazónias” pelo mundo é um assunto universal complicado e como tal deveria ser resolvido na concórdia de uma Cimeira entre os representantes dos povos (mas numa atitude fora de qualquer colonialismo económico ou ideológico). A continuar na perspectiva de egoísmos nacionais meramente interesseiros, é natural que Bolsonaro pretenda impedir qualquer interferência externa para demonstrar que o Brasil pode crescer por força própria (Não se esqueça que o povo brasileiro é em termos nacionais um povo muito auto-consciente.

A protecção do clima só poderá ser tomada em conta se a produção do anidrido carbónico não subir e o consumo de carne for reduzido; o problema é que ninguém quer renunciar ao nível de vida adquirido e, por seu lado, a economia aposta no eterno crescimento como a única solução dos problemas! Os usufrutos da Amazónia querem-se universais, mas o preço não pode se adquirido à custa do subdesenvolvimento do Brasil e de uma população de 200 milhões.

Assim, olhe-se para onde se olhar, só se avista fogo posto e fogo por atear; é só fumo e fogo, por todo o lado: na Amazónia, nas chaminés dos povoados, nas lareiras das ideologias, nas torres da economia e, lamentavelmente, até já começa a sair fumo e fogo dos olhos e dos ouvidos, de cada vez mais pessoas, devido à balbúrdia dos interesses na discussão pública.

Altas e baixas pressões em diferentes zonas de interesses

Na Amazónia já houve maiores fogos e maior desmatamento (2) que hoje, mas na altura ninguém ligou porque então os ventos sopravam da Rússia. Hoje que os ventos parecem começar a soprar dos USA já toda a gente da ribalta se sobressalta fazendo hoje um elefante do que antes consideravam uma mosca! De facto, fogos para desmatamento são no Brasil já tradição embora, a forma descontrolada como acontecem, se revele muito perigosa.

Mácron que quer ser visto internacionalmente como o homem da Europa (3), publicou informações erradas sobre a Amazónia e caiu no ridículo (4). Mas, no meio de tanta alhada em torno da Amazónia, Mácron saiu-se, por fim, de rosto erguido no palco da G7 e declarou a intenção de a G7 ajudar a amazónia com 18 milhões de Euros (5), Trump mostra-se disposto a encontrar-se com o presidente do Irão e a entrar em diálogo com a China (Tem-se a sensação que o globalismo ganhou!).

Na discussão pública chega-se a ter a impressão que o adversário não é o fogo, mas sim políticos de ideologia adversária.

Grupos ideológicos, na sequência da queda do poder soviético, aproveitam-se de tudo e de todos para ocuparem uma imprensa neles interessada e assim envolverem a opinião pública exageradamente nos seus temas; agora abusam do problema grave da Amazónia para apostarem na sua luta contra o seu rival ideológico que é Bolsonaro (símbolo da direita e dos interesses regionais contra o globalismo; com a eleição de Bolsonaro andam desesperados porque contavam já com um Brasil socialista e com ele a América Latina mas a conta está-lhes a sair errada); de comum em todas as lutas que iniciam estará a  homogenação dos povos e sua submissão a supra estruturas ideológicas com o intuito destruidor de biótopos culturais (valores adquiridos, família, cristianismo, nações, e controlo da educação), a partir daí; assim conseguem criar, na sociedade, descampados da civilização que possibilitem a implantação da sua monocultura plana, uma mistura de savana e deserto, com alguns embondeiros do poder a dominar a paisagem; o mesmo fazem multinacionais económicas interessadas no desmatamento da natureza e na destruição de empresas nacionais num abuso destruidor em função do proveito e da ganância global que não respeita povos nem nações. As duas ideologias que, à primeira vista, parecem contraditórias são unânimes em criar um povo ovelha (de consumidores e proletários); um povo que se sinta satisfeito apenas em saciar as necessidades primárias. Os dois poderes (marxismo e turbocapitalismo) querem uma sociedade sem ordem nem regras nem valores e, deste modo, orientada apenas pela máxima do “quem oferece mais baixo e mais barato”. A sua estratégia, de ir nutrindo a sociedade com temas quentes dirigidos à tona das emoções, tem-se revelado de grande sucesso se tivermos em conta os resultados no mainstream dominante e, cada vez mais, na pobre maneira do pensar igual das pessoas.

A poluição que o turbo-capitalismo provoca na natureza corresponde à poluição ambiental social provocada pelos seus contraentes. Em vez de uma discussão séria dos problemas e factos no sentido de procurar uma solução comum, cada parte fixada apenas nos seus interesses divide para imperar. O problema agudiza-se numa situação em que os meios de comunicaç1bo social dançam no mesmo ritmo, a mesma música. Por isso o conteúdo dos Media deixa muitas vezes a desejar; o conteúdo de uma boa mensagem (informação) deve, de certo modo, destacar-se da vida quotidiana e de interesses imediatos.

O marxismo ocidental torna tudo igual (quer tudo proletário), por isso investe no desmatamento espiritual. Ao deplorável desmatamento da floresta e ao corte das árvores da Amazónia corresponde o derramamento de valores culturais (chamem-se eles ocidentais, pessoais, familiares ou nacionais) O internacionalismo socialista tal como o turbo-capitalismo uniram-se e atrás do islamismo vão conquistando terreno, espalhando assim a desertificação cultural ocidental para criarem apenas uma vegetação de latifúndio monocultura (a cultura marxista universal).

O povo inocente mata-se a correr atrás das canas ou à procura de incendiários quando o problema engendrado é mais do fumo e dos ventos e das pressões que os interesses determinam! Cada parte pretende ver o argueiro no olho dos outros sem notar a trave que tem nos próprios olhos. Os ativistas do clima veem o problema nos governantes, que supostamente se deveriam afirmar contra a vontade das massas, mas estas querem continuar a viver como até agora com carne barata, para que todos justamente participem da prosperidade. No que toca a Trump, ele é um achado para alimentar a imprensa e entretimento para os leitores (O povo precisa de símbolos para poder ser motivado a correr atrás deles: não importa se o punho cerrado ou de Trump, Bolsonaro e outros mais!). E viva a festa!

O fumo internacional é tanto que já atravessou o Atlântico, do Brasil a Portugal, de modo que até políticos bombeiros de Portugal (Ministro do Ambiente) para não ficarem fora da procissão, já se atrevem a criticar os bombeiros do Brasil e isto sem se preocuparem com a barracada das queimadas em Portugal com tantos mortos e feridos, nem com outros fogos que atualmente afligem também outros países da América do sul; não se fale já da África e da Ásia (Há muito pasto que não interessa pôr na manjedoura pública para que, de maneira repartida, se vá mantendo o povo na fileira!).

Há por aí muita gente a viver à gosma, como o cuco a viver do “ovo” que colocam no ninho dos outros. Pena é que, no meio de tantos cucos vai-se tendo a impressão que no fim cada um fica a zurrar para seu lado e quem fica a sofrer é um povo atordoado e uma natureza doente!

Para lá de uma cidadania catavento

É triste verificar-se como o povo e seus interesses são adiados através de ondas de informação que os condicionam à situação de cataventos dependentes do sopro dos ventos que surgem da esquerda e da direita, quando o melhor seria que a direita e a esquerda se entendessem como membros do mesmo corpo que é a nação e entrassem numa relação de inclusão passando a usar as duas pernas para o país possa andar direito.

A situação mundial e do clima não dá para brincadeiras, mas pior ainda se torna ela, quando os seus actores se aproveitam da crise para fazerem o seu jogo.

Penso que hoje, tão grave como a crise da amazónia, é a crise provocada que se vive também devida a uma informação manipuladora com a consequente influência decisiva que provoca na opinião pública uma quase histeria. Por trás encontram-se os interesses de um turbo capitalismo e de da estratégia da expansão do marxismo cultural contra a cultura ocidental: uns em nome dos interesses individuais, outros em nome dos internacionais.

A política dos países e as democracias são cada vez mais condicionadas por grupos de interesses que se organizam em ONGs numa estratégia de afirmação de interesses contraditórios para deste modo pressionarem os governos; apelam para um direito nada inclusivo de se encontrarem ao serviço de interesses internacionais contra os nacionais; isto legitima-os a não respeitarem nem reconhecem a vontade de um povo democrático embora legitimado por eleições; como não reconhecem povo apostam na guerrilha e na guerra civil; deste modo esvaziam os direitos democráticos e as consciências regionais. Hoje em dia encontramo-nos numa guerra ideológica e o povo não nota o que se está realmente a passar, sendo até muitas irregularidades cobertas ou até fomentadas pela ONU!

Outrora, os jacobinos marxistas usavam-se do pretexto do capitalismo para continuarem a sua guerra, agora aproveitam-se, dos direitos humanos, da sexualidade, do “género “, da ecologia (CO2), da ONU, para se intrometerem a nível internacional no negócio dos países; agora que veem a sua guerra a perder-se no Brasil e com ele potencialmente na América do Sul criam um clima de alarme por todo o lado. A solução só pode ser encontrada através de compromisso e não de uma posição ditadora de um só lado possuir o direito e a razão.

Muitas ONGs operam hoje como operavam antes os serviços secretos estrangeiros dentro dos países. Alarmismo e movimentação dos sentimentos das massas contra a luz da razão, podem tornar-se em novas formas de invasão.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo (Português e História)

In Pegadas do Tempo

Social:

G7 ENTRE REGIONALISMOS E GLOBALISMO

Jogos e Fintas no Grupo dos Sete (Cimeira G7)

Por António Justo

Numa altura em que os estragos do globalismo liberal e do centralismo deveriam ser reconsiderados, debatem-se os senhores do globalismo contra os do regionalismo num jogo de interesses económicos em Biarritz; aproveitam-se uns e outros do escuro da fumarada que domina nos baixios populares para, cada um, longe de qualquer compromisso, levar a sua a melhor! O bem é que falam uns com os outros, o clima parece ser melhor que na última cimeira. O G7 continua a excluir a Rússia apesar de Trump a desejar como futuro membro de um G8. Surpreendente foi a visita inesperada do ministro dos negócios estrangeiros do Irão a Biarritz, talvez uma esperança dos europeus sonharem um encontro entre ele e Trump (Certamente uma tentativa em vão)!

De 24 a 26 de agosto a Cimeira G7 chega ao cume dos imprevistos; de um lado homens imprevisíveis como Donald Trump e Boris Johnson que não querem entrar completamente no jogo do clube globalista e do outro lado os temas quentes:  combate à desigualdade, injustiça globais, Caos-Brexit, clima, Irão, motins em Hong Kong, conflito de Caxemira Índia-Paquistão, a guerra na Síria e o conflito, de não menos relevo, entre EUA -China que se pretendem reservar para si o direito de guiar o rebanho!…

Macron, com algumas propostas boas, encenou para a opinião pública o tema Amazónio para desviar as atenções da desolada situação em que se encontra a EU apelando aos países membros do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido), para que discutam os incêndios da Amazónia. Doutra maneira não conseguiria tirar do foco da comunicação social o fogo que já se avista nas janelas da casa EU. Também, uma boa maneira de desviar as atenções dos Media da crise em que o Ocidente se desintegra, a Turquia provoca a Nato, o Brexit divide a Europa e os membros da EU se encontram uns contra os outros; por outro lado o problema da China à porta de casa, as políticas falhadas com a Rússia e o Irão e ainda por cima o desmancha-prazeres Trump, o malvado que quer travar o autocarro da globalização!

Mácron para legitimar a intromissão no Brasil, um estado soberano, não receia em dizer dias antes da Cimeira algo para entreter a imprensa e satisfazer os desejos jacobinos entre o soberano povo que inconscientemente se deixa conduzir pela trela de quem alcança a dianteira: “Devemos responder ao apelo da floresta (…) da Amazónia, nosso bem comum (…) e por isso vamos agir”… a “nossa casa está pegando fogo. É uma crise internacional”(1), anuncia o Presidente

A Intervenção em questões internas de um país revela-se como oportunisticamente justa porque na continuação do velho colonialismo europeu: outrora em nome do cristianismo e hoje em nome dos direitos humanos e dos problemas ambientais chama a si a razão e legitimação para intervir; com o seu agir, legitima actividades, por trás das quais se escondem interesses colonialistas de caracter económico e ideológico.

É preocupante a reacção política aos fogos no Brasil sem ter havido uma análise objectiva dos mesmos, (fogos estes, como consta, ateados entre outros por ONGs internacionais a operar na Amazónia e a quem a Alemanha e outros deixaram de apoiar), que provocou a intenção precipitada   do Presidente francês e da UE que consideram legítimo um boicote a importações do Brasil, não faltando até a ameaça de se questionar o acordo UE/Mercosul. A divindade continua a precisar de bodes expiatórios!

Com se vê, Macron e a EU querem agir à velha maneira de senhores no estilo imperialista e colonialista. Antigamente intervinha-se num outro Estado em nome de interesses do mais forte ou dos próprios interesses lesados, hoje os mais fortes intervêm nas nações em nome dos direitos humanos e do que nos “pertence a todos”.

Em nome da globalização países e povos abdicam do direito à autodeterminação; a subordinação a supraestruturas marginaliza até o pensamento. O domínio e a censura que políticos autoritários aplicam e aplicavam em nome do bem da nação hoje aplicam-no Estados democráticos mais fortes em nome da globalização.

No meio de tanta confusão espalhada na opinião pública, parece andar muita gente desvairada como se já tivéssemos chegado ao cume da montanha globalista turbo-económica e cultural marxista e do cimo da convicção hegemónica já não houvesse espaço para avistar a diferença quer a nível de género, de comunidades, de países ou de regiões. Querem uma via única, a via do igualitarismo que leve ao desmoronamento da civilização e tudo ainda em nome de motivos nobres e universais.

Assim, em vez de se preocupar com os problemas causados pelo globalismo, o nosso mago Mácron surge como salvador da honra da nova Europa ao pegar na sua varinha mágica para enfeitiçar os membros da G7 e os Media; assim para divertimento de um povo espectador consegue que se olhe para o fumo de fora para melhor poder combater os feiticeiros rivais e malvados Bolsonaro e Trump.

Toda a gente fala da Amazónia porque os interesses do socialismo marxista e os interesses internacionais económicos na América do Sul se juntaram e se encontram lá envolvidos.

Os desafios que a humanidade tem em mãos só poderão ter sucesso se todos se derem as mãos à mesa das negociações em que cada parte ceda na consciência de que a razão que advoga se deve sobretudo ao próprio ponto de vista e sem o dos outros é mera prepotência, por muito nobres que pareçam ser os seus ideais e argumentos.

Com tantos fogos e ventos a soprar de todo o lado já seria tempo de o povo da Europa acordar para notar que a guerra que se incendeia em torno da Amazónia também faz parte da luta contra a cultura ocidental.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

(1)

A jovialidade entre Trump e Johnsons são o melhor sinal de uma visão comum contra um globalismo liberalista. A guerra comercial entre a China e os USA prejudicam as grandes economias europeias que se encontram dependentes de um negócio aberto e livre pelo facto de individualmente não terem grande relevância mundial ao contrário da China e dos USA.

Social:

DAS MULHERES NA SOCIEDADE E NA IGREJA E DOS USOS E COSTUMES QUE AS OPRIMEM

A Igreja tem uma Face feminina ainda escondida

Por António Justo

Nas sociedades islâmicas os valores culturais sobrepõem-se aos direitos humanos individuais e o homem tem um estatuto superior ao da mulher. Na sociedade ocidental embora haja igualdade de dignidade e de direitos, na prática social há discriminação; também no catolicismo não se aceitam mulheres no clero pelo facto de serem mulheres.

Na controvérsia sobre a integração das mulheres no clero, o Papa Francisco pretende dar um passo qualitativo no sentido de lhes possibilitar a sagração, mas sofre oposição por parte de ultraconservadores na igreja e é até difamado por grupos políticos que fazem campanhas contra ele por temerem a sua influência em vários campos sociais.

O obstáculo maior à inclusão das mulheres no clero tem sido o argumento da tradição. O mais importante, porém, a registar para atenuar um tradicionalismo exagerado vem da mensagem libertadora de Jesus e do facto de ter havido mulheres discípulas de Jesus, e suas provadas funções na igreja primitiva. Só com o tempo foram impedidas de ocuparem funções de direcção nas comunidades.

A matriz sociológica masculina antes implantada pelo nomadismo e depois pela situação bélica dos povos de outrora valorizavam o papel do homem de modo a conduzirem à marginalização sistemática das mulheres (à segregação da feminilidade). Seguindo o espírito da sociedade (Zeitgeist) também na Igreja a acção das mulheres, como discípulas de Jesus e como orientadoras de comunidades, foi deitada ao esquecimento para mais facilmente se poder justificar a violência do poder da masculinidade (economia, política e religião dão-se as mãos). Chega até a ser cultivada a desconstrução teológica da imagem de Madalena, a” apóstola dos apóstolos”, de maneira a ser interpretada e adaptada à ordem social e ao espírito de cada época segundo a norma masculina vigente.

Tanto a exclusão das mulheres do ministério sacerdotal como a determinação do celibato obrigatório para todos os padres, têm como pano de fundo interesses estratégicos do poder institucional masculino (também uma consequência lógica do Constantinismo, mas de não menosprezar o contraponto da “feliz culpa” que tem como consequência a globalização da cristandade!).

É cristãmente trágico constatar-se nesta religião libertadora, como nela, ao longo da História, a mulher e mulheres conscientes e fortes foram impedidas de afirmar a feminilidade em funções de poder na Igreja petrina. A Igreja também tem uma face exterior feminina, mas na controvérsia teológica esta tarda a ser reconhecida. Pelos vistos apesar da razão, o poder é o último a ceder!

Maria de Magdala (a Madalena com histórias populares virados para a lenda e para a sua desconstrução moral através do resumo nela de outras Marias seguidoras de Jesus) esteve presente em todos os momentos decisivos da vida de Jesus. O grupo das mulheres (discípulas) mostrou-se, no seguimento e anúncio de Jesus, mais arrojado que o dos homens.

No episódio das irmãs Marta e Maria ( (João 11:1-45 ) Jesus louva Maria por se querer instruir na missão de discípula e admoesta Marta por ainda se encontrar demasiadamente presa ao papel caseiro atribuído à mulher. Maria (Madalena), mulher consciente e forte, não se deixou limitar às funções caseiras para se preparar para o apostolado ativo, seguindo Jesus, com a mesma atitude dos homens. Jesus confirma Maria na sua vocação de apóstola dizendo: “Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”. Os tradicionalistas que defendiam o papel de Marta para a mulher na sociedade, conseguiram, contudo, que a tradição e a força do hábito dos costumes dominassem sobre a mensagem evangélica de libertação. O Édito de Constantino, ao reconhecer a oficialidade do cristianismo, fez o resto.

Também Hipólito de Roma (170-236) testemunha que Madalena era a “apóstola dos apóstolos” (João 20:17); dignidade esta que o Papa Francisco reconhece, na sua qualidade de discípula de Jesus, mas a que falta o reconhecimento na prática através da atribuição do inerente ministério sacerdotal também a mulheres (De facto seria pobre uma Igreja de homens que só manifestasse admiração e louvor pelas mulheres).

Grande é a multidão de mulheres relevantes na História da Igreja (1). O espírito do tempo tinha uma percepção androcêntrica da realidade que era vista na perspectiva dos homens e das suas atividades. É natural que a nossa percepção seja sempre autobiográfica e circunstancial pelo que, também os teólogos não escaparam à realidade ambiental que os circundava e mais não fizeram que interpretar os escritos e a realidade da igreja primitiva segundo a sua condicionada observação que levava a uma interpretação dos factos considerada real.

O exegeta Bernhard Heininger refere que (2)  “um quarto de todos os colaboradores de Paulo nomeados no Novo Testamento são mulheres”. Na sua opinião, a prescrição do silêncio na Primeira Carta aos Coríntios é uma interpolação pós-paulina e encontra-se em contradição com outras afirmações de Paulo. Uma teologia demasiadamente masculinizada apoiava-se em cartas pastorais de Paulo, que segundo exegetas não proviriam dele. É interessante a observação de que Paulo, na carta aos Coríntios, permitia o divórcio a mulheres no caso de os maridos não estarem de acordo com o empenho das mulheres na comunidade.

A apóstola Febe, que presidia à comunidade doméstica de Cencreia é referida por Paulo com o título de diácono.  Paulo trata-a como irmã e refere também que Áquila e Prisca eram muito activas na comunidade de Corinto e Roma. Paulo diz que conheceu o Messias através de Prisca. Também Lídia era a chefe de um grupo de mulheres (Atos dos Apóstolos, 16) e também Tabita propagava a fé no messias. No último capítulo da Carta aos Romanos, o apóstolo Paulo pede para saudar o casal Andrónico e Júnias, que “estiveram comigo na prisão, são apóstolos respeitados que confessaram Cristo antes de mim”.

A respeito de Júnia, João Crisóstomo (344-407 d.C) escreveu: “Quão grande deve ter sido a sabedoria desta mulher que foi achada digna do título de Apóstola”.

Em Roma, o acesso aos aposentos das mulheres era proibido aos homens, por isso só as mulheres podiam ter sido anunciadoras do Evangelho. A ciência bíblica tem de investigar mais para colocar o papel das mulheres a uma nova luz no sentido de uma tradição mais esclarecedora e justa. Urge dar o exemplo para continuar na vanguarda da História.

Há filmes feitos por homens, na tradição da masculinidade, que reduzem Maria Madalena a uma companheira afectiva de Jesus ou a uma sedutora, para assim corroborarem as comuns imagens de mulher em função de uma sociedade de poder masculino adverso à feminilidade/espiritualidade. Também é de compreender que muitos teólogos ao longo da História seguissem os mesmos parâmetros de cariz masculina porque, envolvidos no Zeitgeist e nas estruturas de poder, certamente, não se encontravam suficientemente livres nem iluminados pela mensagem libertadora do evangelho; a luz do Zeitgeist era mais forte; assim interpretavam as atividades das discípulas de Jesus orientados pelo molde expresso pelos usos e costumes das respectivas épocas, que reduzia a imagem da mulher a uma missão subsidiária e a uma posição social de auxiliar. 

Custava a uma sociedade patriarcal compreender o facto de o testemunho da ressurreição ter sido feito por mulheres. Como poderia Deus ter confiado tal missão a Madalena (3) e não a Pedro? A inculturação da mensagem cristã é legítima, mas se se fica por aí emperra-se o andar da História e limita-se a mensagem evangélica ao crivo de tradições e correspondentes argumentos de caráter oportuno que provocam a discriminação da mulher através do limite de funções. A figura de Teresa de Ávila (1515) mostra-nos como uma mulher previa o desenvolvimento que hoje estamos a tentar concretizar (4).

Também no sec. XVI   (5) Maria Ward afirmava que a diferença entre mulher e homem não é tanta como é feita. O que vale “não é a verdade do homem (veritas hominum) ou a verdade das mulheres, mas sim a verdade do Senhor (veritas domini Jesus). Quando falhamos, vem da falta de verdade e não de sermos mulheres… Espero em Deus que vejamos que as mulheres farão muito no tempo que virá”(6). (Pelos vistos a voz de Deus tem sido dificultada em ser ouvida no sentido das mulheres!).

Muitos movimentos feministas não respondem à realidade da Mulher integral feita de feminilidade e masculinidade; fixam-se apenas nas questões funcionais e de sexo, talvez, na sua luta, não conscientes de que estão servindo o pensamento e o modelo patriarcal (parte da luta pode ser vista como resposta, mas não como solução). Não chega ter em mira apenas a igualdade de oportunidades de mulheres e homens, mas também os valores ou princípios que têm determinado o modelo de sociedade vigente ao orientar-se apenas pelo princípio/energia da masculinidade ignorando o princípio/energia feminilidade que tem de ser também constitutivo da realidade social e individual (independentemente do ser existencial homem ou mulher), se é que queremos uma sociedade mais pacífica e mais justa.

Em todas as sociedades e ideários dominantes no mundo ainda se nota um medo inibidor perante as mulheres devido, certamente, a um temor cultural transmitido e adquirido; este temor, aliado a uma certa fraqueza natural passou ao inconsciente social criando no homem a ideia imperceptivel de que se não conseguir “domesticar” a mulher, sentir-se-á inseguro e perdido; como resposta a esse medo o homem e com ele a sociedade – construída sobre as bases do princípio da masculinidade –  têm construído estratégias culturais de opressão  que, no fundo, têm como objetivo defender o homem da concorrência do outro homem ( este medo dela encontra-se especialmente expresso no islão que subjuga a mulher de maneira proporcional ao medo e ao instinto de domínio). Uma coisa é certa, apesar da agressividade da masculinidade hodierna (uma crise de machismo) delineia-se já no horizonte a descoberta do princípio da feminilidade como solução para o alvorar de uma nova sociedade. Delas, as mulheres, como expressão mais manifesta do princípio da feminilidade, terão um grande papel numa revolução do islão e numa renovação fundamental da sociedade ocidental, a começar pela Igreja. As mulheres que se encontram na cena política ainda não podem funcionar como exemplo integral porque se encontram empenhadas na continuação da sociedade de matriz baseada no princípio da masculinidade. Como se dedicam apenas em aplicar as modalidades ditadas melo modelo político vigente apenas preparam os caminhos para a continuação de uma concorrência mais equilibrada entre mulheres e homens; de resto, nesta situação o princípio da feminilidade ainda é mais menorizado porque em vez de se partir do aspecto orgânico e integral continua-se a servir apenas a funcionalidade (a parte exterior, não se passando da fenomenologia adiante)!

Já foi dito muito sobre a subjugação da mulher, mas ainda não é visto nem reconhecido por todos. O que mais me legitima a tratar do tema é a feminilidade que fala também em mim e o desejo de fomentar a concretização do reconhecimento da masculinidade e da feminilidade tal como se encontra realizada no protótipo Jesus Cristo a nível humano e cósmico.

Uma igreja universal inclui necessariamente nela o princípio da masculinidade e da feminilidade, sendo por isso uma igreja (petrina e joanina) dos homens e das mulheres, e, como tal, não poderá deixar-se levar pela acentuaç1bo, no seu agir por meros critérios de inculturação; de facto quer os diversos quer os mesmos dons, se encontrarem simultaneamente quer na expressão masculina quer feminina. O todo é mais que a parte. Precisamos de todos, de homens e mulheres de ortodoxias e de ortopraxias num mundo mais aberto e ainda a fazer-se.

No fim de ter escrito este artigo e ao relê-lo notei como sou também dominado pela matriz da masculinidade. De facto, notaram os eleitores a maneira como procurei convencer, convencer à maneira masculina nomeando autoridades como se não chegasse a fé, a razão e o entusiasmo por Jesus Cristo e a sua boa nova de libertação como argumento para se verem as coisas (isto é naturalmente ainda tolerável num período de transição da pura masculinidade para uma equilibrada sociedade em que quer o princípio da feminilidade e o da masculinidade se harmonizem!).

Ontem 15 de Agosto comemorou-se a Assunção de Nossa Senhora; certamente uma data e uma comemoração apontar para uma realidade importante. Mas quando começaremos nós a olhar também um pouco mais para a Terra? Porque não se passa, na Igreja, a criar a possibilidade de mulheres também fazerem parte do clero?

Por vezes chega-se a ter a impressão que tanto louvor a Nossa Senhora e a santas se pode tornar num perigo de um deslouvor (impedir honras e cargos) das mulheres na Terra, impedindo-as de ascender ao sacerdócio jerárquico. A feminilidade e a masculinidade não se reduzem ao sexo; as duas energias pertencem juntas! Seria oportuno olhar para o Céu sem esquecer a Terra; doutra maneira continuaremos a praticar a visão antiga do Olimpo lá em cima para alguns e o Sheol para os enlameados terráqueos.

Vai sendo tempo de se abandonar uma praxis baseada na ambivalência de papéis! Padres e pessoas com cargos de responsabilidade nas bases começarem a trabalhar pastoralmente mais em conjunto com freiras, mulheres exemplares num espírito colegial de repartição da missão de evangelizar sem medo de escandalizar pois só assim se consegue, numa comunhão sacerdotal participada no Espírito Santo, progredir no anúncio e prática do Evangelho que é promessa de bem para toda a humanidade. Talvez assim se fossem destruindo barreiras.

De facto, vivemos num mundo onde, se não fosse o erro, não se avançaria!  Por isso, numa nova mentalidade a criar-se não há culpas nem censuras a distribuir a este ou àquele. A missão é grande: temos mais que indicações suficientes para continuarmos a tradição de errar para podermos avançar; importante é criar espaço em cada um para que a mensagem e o chamamento possam ser ouvido. Cristo não nos pediu para andarmos por caminhos seguros, ele disse que era o caminho e, para o seguir, é necessário ter a coragem de se andar sobre as águas sem o medo de sucumbir!

É trágico, que a Igreja que deu tanto à humanidade e tem tanto para dar, perante tanto medo de errar, perca muitas vezes o comboio da História, ficando demasiado tempo nos apeadeiros de uma moralidade sexual descontextuada; no caso é fatídico para a mulher, no sentido do desenvolvimento da sociedade e da eclésia santa. Os factores “sexo” e “medo” foram sempre instrumentos privilegiados usados pelas potestades na intensão de manter os pretendidos súbditos de maneira sustentável.

Olhemos para as mensagens religiosas e para os mitos, eles já nos disseram tudo, o problema é que a sua mensagem ainda não chegou a todo o lado!

No sentido eclesial o poder não pode continuar a ser unilateralmente ligado ao homem e ainda por cima de forma sacralizada (Clero). Como mensagem evangélica e eclesial estamos à frente do mundo, não há nada que justifique andar atrás dele! Há que criar uma nova pedagogia e fomentar as capacidades da feminilidade/espiritualidade e o desenvolvimento da personalidade ainda antes da transmissão de saberes. Urge uma nova educação baseada nos princípios da feminilidade e da masculinidade e não uma focalização nas suas exterioridades no sexo masculino e sexo feminino.

Mulheres ligadas à Igreja, devem preparar-se e apostar mais no estudo da filosofia, da teologia e da administração institucional. As universidades católicas, instituições eclesiais e até cargos nos colégios episcopais esperam por vós; as freiras deveriam prestar aqui uma especial atenção, doutro modo uma masculinidade desequilibrada continuará a adiar o futuro com o argumento que a mulher não está preparada; a aurora de novos tempos já se faz sentir: preparai-vos para assumir funções sacerdotais.

(Este artigo faz parte de um livro sobre masculinidade e feminilidade que há anos espera por ser dado a lume)

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

In “Pegadas do Tempo”

Social: