A FESTA DO AVANTE E AS VÉNIAS DO ESTADO AO PCP

Seu Efeito de Sinalização contra as Medidas Anticorona do Governo

Por António Justo

O Partido Comunista Português (PCP) esfrega as mãos de contentamento, com tanto a favor e tanto contra a Festa do Avante. O que importa é estar nas bocas do mundo, o resto é apagamento!

A festa do avante é o maior evento político-cultural português (três dias) e na sua organização faz lembrar o evento da Igreja (Kirchentag), na Alemanha! A Festa do Avante, como evento político-cultural, expressa a relevância da Esquerda em Portugal e a importância de um voluntariado criativo e idealista na organização do festival.

Desde 1990 o evento realiza-se na Quinta da Atalaia (Amora, Seixal) que o PCP comprou. Este ano o festival é realizado a 4, 5 e 6 de setembro.

A festa, é uma característica muito querida dos portugueses; já que não temos Fátima nem futebol nem arraiais, haja, pelo menos, festa para a esquerda; caso contrário, em tempo de pandemia, até nos esqueceríamos que vivemos num Estado partidário de crença secular que se empenha pelo cultivo do seu credo! Doutro forma seria legítima a pergunta: Que tem a festa do avante a ver com o beneplácito do PM e do Presidente da República e por que terá este de promulgar um decreto que não questione a festa do avante, apesar das massas de gente que congrega?(1) Ou será que num meio político imune e descarado se torna irrelevante o andar ou não com máscara!

Também gosto da festa e da liberdade. Se é permitido festejar que seja admitido para toda a gente!  Regras, quando muito, sejam iguais para todos.

A festa do Avante (em média 100.000 participantes) rendeu em 2019 mais de dois milhões de euros ao PC.

Apesar da pandemia, numa lógica antigovernamental, o Avante leva a sua avante, o que vem confirmar a ideia dos que defendem que a conversa do governo em torno do Coronavírus não é mais que um exercício para o confinamento da vontade popular.

No fim da festa só haverá contentamento: os comunistas com os lucros da festa e os adversários com a esperança que o vírus também infeste os camaradas da festa!

 

Os Privilégios do PCP são os Garantes de uma Sociedade alinhada à Esquerda

A ação do PCP em Portugal pode resumir-se na seguinte frase do Tenente Coronel João José Brandão: “o PCP não manda, no sentido em que não ocupa, nominalmente, as cadeiras do Poder. Mas manda, no sentido em que condiciona tudo o que se passa” (2).

Ele condiciona tudo porque se encontra instalado na administração estatal e em corporações nacionais de maneira indelével e impercetível (3), possuindo ao mesmo tempo uma aura de mártir fomentada na consciência popular pelo regime de abril.

Embora derrotado em 25 de novembro de 1975 afirmou-se por simulação e infiltração no aparelho do Estado (constituição, imprensa ideologicamente  saneada, instituições sociais, até na Caritas …). O regime de abril sem a ideologia comunista seria, na praça pública, como um galão feito com café de cevada! Por obra e graça da nova classe política toda a informação social tem um sabor característico de abril (Se o aroma social anterior tinha um cheirinho a Salazar o novo regime substituiu-o pelo cheirinho a comunismo; mas em questão de cheiros não se discutem gostos!).

A direita que não conseguiu sarar-se do complexo de culpa assumido no Regime de Salazar vindo-se aniquilada também pela demonização de tudo o que era do antigo regime; isto aliado à inteligência e experiência partidária do PCP e ao oportunismo de radicais de esquerda favoreceu a estruturação da corrupção dos partidos a nível estatal. O PCP foi açamado pela URSS que não queria que se estatuísse em Portugal um mau exemplo (PC) comunista a nível internacional.

De facto, o PCP português talvez seja o verdadeiro herdeiro de um socialismo que se queria também afirmar como crença; tornar-se na nova religião, o que em grande parte conseguiu. Na europa os partidos comunistas, no sentido tradicional, deixaram de existir, porque ao perderem a fé nele já não são verdadeiramente comunistas – por isso preferem optar pelo desvio socialista enquanto a recordação do bloco de leste durar; na Europa só o PCP original se mantem.

A subsistência do PCP original na sociedade portuguesa também tem certamente a ver com um certo sentido místico-poético português e com a consistência ideológica conseguida pelos obreiros da República portuguesa onde um corporativismo medievalista de elites cúmplices entre si ainda hoje politicamente fomentada por uma prática de sigilo dos homens do avental a atuar nos labirintos da República.

Para ver a sua capacidade de usar a crença do povo para os seus objetivos lembro aqui um caso que se deu nos primeiros tempos da revolução em que um militante delegado sindical de Lisboa, deslocado ao norte, (certamente em missão de catequização)  trazia nas mãos um  Terço como meio de propaganda, quando o Terço não era chamado, também no Norte, a comícios sindicais. (Tal era a ideia que se tinha do Norte!).

O PCP tem a vantagem, em contraposição a outros partidos da extrema esquerda, o facto de possuir uma certa racionalidade e uma boa infraestrutura na estratégia de organização enquanto outros só lhes resta a palavra e o oportunismo de que também muita da esquerda moderada se serve.

O PCP, como opositor sistémico convencido conseguiu, também a nível de opinião pública, um estatuto de consciência nacional que dá expressão ao protesto popular de quase tudo o que vai mal! Favorece-o ainda o facto de ser a ponta de lança da doutrina socialista que, a nível de partidos moderados, cultiva um socialismo envergonhado por terem de manter oculto o seu verdadeiro objetivo!

É triste a situação política e económica portuguesa por temos a pouca sorte de termos uma direita complexada e uma esquerda oportunista; uns e outros fechados em si mesmos e como tal não atentos aos verdadeiros problemas nacionais. O medo e o oportunismo revelam-se como garantes de um sistema partidário conivente ao serviço de corporações, mas à custa do bem comum! Outra não será a razão pela qual os partidos em vez de exercerem controlo efetivo sobre o Estado e o Governo com ações concretas (denúncia das irregularidades à justiça, etc.) apenas se interessam em comentar, na praça pública, os males do adversário político. Homens do jeito de Sã Carneiro e Ramalho Eanes  não são bem vistos nas elites de Portugal.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

NO REINO DA CONFUSÃO

ISTO DÁ QUE PENSAR E PODE LEVAR A EVITAR EXTREMISMOS

Coloco aqui o seguinte texto que acho típico da esquizofrenia social do Zeitgeist (opensar politicamente correcto = crença política oportuna!)

“Vivemos em uma época onde querem que os padres se casem e que os casados se divorciem.
Querem que os heterossexuais tenham relações sem compromisso, mas que os gays se casem na igreja.
Que as mulheres se vistam como homens e assumam papéis masculinos e que os homens se transformem em “frágeis” como mulheres.
Uma criança com apenas cinco ou seis anos de vida tem o direito de decidir se será homem ou mulher para o resto da sua vida, mas um menor de dezoito anos não pode responder pelos seus crimes.
Não há vagas para os pacientes nos hospitais, mas há incentivos e patrocínio para quem quer fazer mudança de sexo.
Há um acompanhamento psicológico gratuito para quem deseja deixar a heterossexualidade e viver a homossexualidade, mas não há nenhum apoio deste mesmo para quem deseja sair da homossexualidade e viver a sua heterossexualidade e se tentam fazê-lo, é um crime.
Ser a favor da família e da religião é ditadura, mas urinar sobre os crucifixos é liberdade de expressão.” Escrito pelo padre católico Gabriel Vila Verde, atualmente no Brasil.

Este é um bom exemplo da atitude conseguida pelo pensamento politicamente correcto.

Na Idade Média tínhamos os sacerdotes na Igreja que uma vez por semana tentavam modelar as consciências do povo; hoje temos diariamente as TVs a indoutrinar-nos com o pensamento politicamente correcto, moldado já não pela religião mas pela política da ideologia marxista internacionalista aliada ao capitalismo globalista.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

COMÉRCIO DE ESCRAVOS NA LÍBIA

Migrantes africanos são vendidos na Líbia a 340 €

Na Líbia há mercados de escravos. Além de relatórios sobre o assunto, um filme documenta a venda de “Rapazes grandes e fortes para trabalho agrícola” por 400 Dólares, num leilão. Muitos emigrantes põem-se a caminho do Mediterrâneo na esperanca de chegarem à Europa. Os traficantes exploram-nos e também os põem à venda.
O comércio de escravos tem uma grande tradição nos países árabes. Só no tempo de Gaddafi foi interrompido o comércio de escravos na Líbia. “Até ao século XIX, centenas de milhares (talvez até milhões) de europeus (e também africanos) foram vendidos como escravos na Líbia, Tunísia e Argélia”.
Com a eliminação de Kaddafi (2011) o comércio de escravos voltou à Líbia.
A falta de perspectivas, de segurança e de estabilidade em África fomentam a emigração. Na Europa são, por um lado bem-vindos e por outro lado não os querem. Neste filme (1) encontra-se documentado tal comércio.

Felizmente, atualmente, o artº 24º n.1 da Constituição Portuguesa já estipula: “A vida humana é inviolável.” Um problema futuro contra a dignidade humana serão os novos ventos da ideologia pragmática e utilitarista em via e que tratará velhos e doentes graves com as mesmas categorias morais que tratava os antigos escravos!

Na Nigéria uma menina custa 750€ e um menino 1.245€

https://www.gentedeopiniao.com.br/opiniao/artigo/trafico-de-pessoas-escravidao-moderna

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

(1) https://www.youtube.com/watch?v=2S2qtGisT34&feature=youtu.be

APESAR DE NÃO HAVER RAÇAS HUMANAS HÁ E HAVERÁ RACISMO 

 Racismo-discriminação-exploração andam de mãos dadas

António Justo

A divisão dos humanos em raças é refutada pela genética moderna, como declaram zoólogos, investigadores da evolução e geneticistas na Declaração de Jena de 2019 (1). Aí se constata: “O conceito de raça é o resultado do racismo e não a sua condição prévia”. De facto, “não há raças humanas… Nos seres humanos em particular, as maiores diferenças genéticas são encontradas dentro de uma população e não entre populações” … “A cor clara da pele das pessoas no norte da Europa tem menos de 5000 anos “.

Ernst Haeckel (“o Darwin alemão”), fundador da investigação da história tribal contribuiu fatalmente para o “racismo científico” do darwinismo social, através do seu arranjo alegadamente científico de “raças” humanas numa “árvore genealógica”.

Implementou-se uma ideologia que fazia uma leitura da sociedade organizada em grupos de pessoas biologicamente superiores e inferiores.

A aplicação do termo raça aos humanos é enganadora. Isto não significa que não possa haver diferenciação genética ao longo de uma zona geográfica, mas a avaliação taxonómica desta diferenciação (como raça ou subespécie) é arbitrária.

No caso de cães e de macacos, dada a sua diversidade de espécies e características distintivas, aí sim, seria apropriado falar-se de raças.

Quanto aos humanos, não é este o caso porque existe apenas um tipo de humano que povoa a terra desde há muitos milhares de anos.

 A Universidade Friedrich Schiller descobriu que dos 3,2 mil milhões de pares de base do genoma humano, não se encontrou um único par que constitua uma diferença racial. Assim, o conceito de raça, em ligação com a espécie humana, não deveria continuar a ser utilizado futuramente na linguagem exata ou científica.

Racismo, discriminação, exploração e preconceito andam de mãos dadas.

A hierarquização de grupos ou pessoas é um fenómeno que se observa de maneira mais ou menos explícita em cada pessoa. A Declaração de Jena conclui que “a simples eliminação da palavra ‘raça’ da nossa língua não impedirá a intolerância e o racismo”.

A Declaração de Jena de 2019 pretende, certamente, desencorajar explicações raciais para diferenciações coletivas em relação a traços físicos e/ou comportamentais!

Somos todos da mesma espécie. A palavra raça pode ter diferentes interpretações.

Na Alemanha houve e há a proposta de se excluir da Constituição a palavra raça. Penso que, por vezes, a semântica nos continua a preocupar demasiado correndo-se o perigo de ela nos desviar as atenções! O Racismo não é um específico de uma cultura ou civilização. É um vício comum ao humano a ser sanado com o esforço de todos.

Socialmente, racismo continuará a ser a discriminação de indivíduos ou grupos por causa de sua etnia ou cor.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

  • (1) Declaração de Jena em alemão:

https://www.shh.mpg.de/1464864/jenaer-erklaerung

POR QUE RAZÃO NOS MANTEMOS CALADOS?

O Respeito ao Medo legitima o Poder sobre o Rebanho

António Justo

 
Ao fazer o meu passeio habitual nos parques junto a minha casa, vi, de novo, o rebanho cujas fotos aqui coloco!
De repente senti-me ser um da gadaria! Ao observar o rebanho mais de dentro, reparei que as ovelhas eram tão ordeiras e caladas porque só estavam interessadas no pasto e só por isso guardavam respeito ao barulho dos cães de guarda. Pensando um pouco mais notei que não era o respeito mas sim o medo que conseguia a beleza de tanta ovelha alinhada! Na altura nem sequer pastor se encontrava lá! Apenas vislumbrei uma samarra ensebada e um cajado sob uma árvore, onde só os cães de guarda repousavam como que a saborear a sombra do respeito ao dono e o seu poder sobre o rebanho!
Não me atrevi mais a continuar um pensamento que pendia para a nefasta emoção de que também eu me atemorizava por constatar que o medo e a ração continuam a ser o alimento de quem obedece e o instrumento de quem quer poder e principalmente de quem manda!
Reconheci também que, se não fosse a disciplina e a ordem e outros males menores, o rebanho passaria a deixar de existir porque ovelha isolada seria reduzida a só carne em dentes de lobos!
A propósito de pastores ou governantes, o facto de eu não ter avistado nenhum pastor, é mais que natural! Eles sabem que o medo e o respeito se complementam e se dobram um ao outro, de maneira que quem governa não precisa mais de se preocupar com eles. Eles estão cinicamente conscientes que o medo é a sua segurança no sistema de medo instalado!
O instrumento do medo funciona no rebanho de forma semelhante como funciona qualquer sociedade e governo, seja ele democrático ou ditatorial. Os governantes só têm um tipo de medo: o medo que o povo chegue a não ter medo!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

A imagem pode conter: céu, nuvem, ar livre e natureza