A MAIORIA DOS JOVENS NÃO CONFIA NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

De acordo com um inquérito (estudo da Universidade de Bielefeld) na Alemanha, a maioria dos jovens não confia nos meios de comunicação social.

75,8% não confiam nos jornais e 71,6% não confiam nos jornalistas.

37,9% suspeitam que os meios de comunicação social retêm deliberadamente informações importantes.

32,8% pensam que os profissionais dos media apenas difundem a sua própria opinião.

Entre os adolescentes, apenas 53,9% confiam no governo federal e 54% nas Nações Unidas.

Manifestam mais confiança nos cientistas com 76,1% e na polícia com 79,9%.

Este é um sinal de alarme que deveria levar a um exame de consciência dos Instituições dos meios de comunicação social, difusoras de notícias e jornalistas.

Em vez de se colocar o problema nos jovens já vai sendo tempo de as agências noticiosas se examinarem e mudarem de rumo.

Através do acesso à internet hoje há maior possibilidade de observar e questionar o que se encontra por trás dos grupos de influência.

A juventude pode ter uma ideia mais diferenciada do espectro noticioso porque faz uso da Internet não se limitando ao saber transmitido pelas notícias e telejornal como acontece a muitos condicionados a tais praxes. Os novos meios permitem maior troca de informações, mas não necessariamente saber mais profundo.

De facto, a nível social somos o resultado da informação biológica genética e da informação do meio em que vivemos e não temos tempo suficiente para nos questionarmos sobre isto.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

DESTA VEZ A REVOLUÇÃO É GLOBAL E GEOESTRATÉGICA

Ministérios da Felicidade para Pobres e Carenciados

Num mundo em processo de ser dividido entre USA e Rússia/China já se faz sentir as consequências amargas para os povos e que se manifestam já na carestia dos produtos para o consumidor! Nos mercados, os preços já chegaram a duplicar. Os políticos da União Europeia, em vez de se manterem independentes e de defenderem o bem-comum do próprio povo decidiram abdicar da Europa e prejudicá-la em troca da dependência só dos EUA; isto equivale a um encarecimento brutal de todos os produtos dado o mercado começar-se a confinar aos próprios grupos fechados. Na Europa encontramo-nos no início de uma revolução provocada pelas elites político-financeiras em favor dos EUA e de multinacionais que operam a nível global. Desta vez a Revolução vem camuflada, vem das cúpulas da sociedade e o povo não reage porque os meios de comunicação social se transformaram em altifalantes das elites que nos regem.

 O cúmulo da catástrofe para o povo europeu seria se os EUA conseguissem da UE a mesma atitude perante a China que conseguiram dos políticos europeus em relação à Rússia. Indícios disso já se encontram na política americano-chinesa em torno de Taiwan. Encontram-se lá na mesma dança em que se encontravam Russos e Americanos na Ucrânia especialmente desde 2007.

Ai dos vencidos“, mais concretamente, “triste sorte aquela reservada aos derrotados”! Nesta guerra, entre as superpotências, os vencidos são o povo abandonado de todo o lado. Este mesmo povo que é incitado, dos dois lados, a ser, por decisão e condição, contra o outro povo irmão.

Porque não se criam gestores da felicidade da pobreza? Revela cinismo o sistema democrático que se limita a estruturar a riqueza e a gerir a pobreza num circuito em que o mais forte é compensado de forma desmedida com o que tira ao mais fraco e o tema da pobreza e do sofrimento humano é desviado dos holofotes dos interesses públicos.

Andamos a ser distraídos com narrativas da guerra e tudo a ver quem ganha à custa dela.  A opinião pública transmite-nos a sensação de nos encontrarmos do lado certo, independentemente da realidade factual. Essa satisfação, porém, impede-nos de ver os que de um lado e do outro não têm perspectivas, aqueles que não podem sair do circuito da pobreza e do sofrimento.

Aos pobres foi-lhes tirada a consciência do seu ser e do seu viver! Eles também não incomodam porque são arrumados de maneira a viverem, entre si, na periferia das cidades rodeados de mercados descontentadores e de burocracias cobertas de compaixão cínica. Num sistema que considera as pessoas irrelevantes precisamos de criar gestores da felicidade para os pobres!  Precisamos de muitas arcas de Noé que salvem o povo do dilúvio dos preços e da ganância das elites; precisamos de uma cultura, com lugar para pobres e crianças, onde a má sorte não se torne em fadário aceite (vive-se num sistema em que o bem estar de uns é conseguido à custa do mal-estar de outros quando um sistema justo deveria preocupar-se com o bem e o mal-estar repartidos. A cadeia do declínio social torna-se cada vez mais abrangente.

É verdade que não é fácil governar, mas uma democracia, que mereça o nome, não se poder permitir ver os seus cidadãos cada vez mais polarizados entre perpetradores e vítimas.

No nosso universo social reina a escuridão e, apesar de haver alguns luzeiros, a sombra da frustração escurece grande parte da população que não consegue passar a fronteira da pobreza. Muitos refugiam-se no reino da fantasia onde não haja o “em cima” nem o “em baixo” na procura de uma rota que navegue fora da frieza e da órbitra da crueldade. Embora na escuridão as sombras da realidade pareçam maiores do que são, é preciso resistir pois só na sociedade onde haja luta haverá desenvolvimento.

Precisamos de um ministério que junte os carenciados para que juntos construam um novo planeta com um novo percurso. Uma vez juntos sai-se da cidade em direcção ao interior onde juntos possam construir a própria aldeia onde a fraternidade teça mantos que a todos cubra. Longe da autocomiseração, é mais fácil conquistar o mundo; é preciso construir um novo planeta nem que seja só por algum tempo, doutro modo ficaremos prisioneiros da própria pobreza (material e espiritual) num planeta dos outros. É preciso fazer dos muros da masculinidade e das forças militares, planícies e vales femininos onde jorre a fertilidade e a fraternidade; vamos construir uma aldeia onde a feminilidade não emigre para as cidades ao preço de se tornar masculina. Temos vivido num planeta inflexível, na polis dos homens, longe das árvores e dos campos. Não chega perder-se no sentimento grato de se ser necessário socialmente…

A paisagem precisa de solo fértil, fora do alcatrão e do cimento, onde as plantas possam lançar raízes e as crianças não se firam no asfalto. A crença na própria força precisa de espaços com oxigénio onde o verde das árvores nos deixe pairar.

Ao deixarmos as ruas da cidade, onde as lanternas só deixam ver as sombras de pessoas envoltas em mantos escuros de silêncio, notaremos que nas aldeias as estrelas brilham mais.

No vazio da cidade o clochard (vagabundo) caminha à luz da iluminação do natal que no seu sobretudo cintila de maneira especial ao passar ao lado de vidas reunidas em família por trás das vidraças; ele passa a caminho da gruta onde, coberto de cartão de embalagem, vive com o cão sem máscara! O emigrante não segue as regras rígidas da cidade, ele aspira a viver sob o céu livre onde as estrelas alumiam os sonhos de vida, sonhos mais reais que a existência!

Há muitas máscaras na sua porta de papelão, que devem ser deixadas lá fora porque são sinal de domesticação. Dentro da sua gruta não há para-bocas.

À beira da Europa, à janela de Portugal avisto a saudade do mar e nela procuro ver o meu sonho a pairar! A Europa envelheceu e a vista da vidraça encontra-se embaciada!…

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do tempo,

PORTUGAL SIGNO DO DESENVOLVIMENTO E DA DECADÊNCIA DA EUROPA

Só um Portugal-Espanha unidos e empenhados com as antigas colónias conseguirão afirmar-se

A Europa global começou em Portugal e acabou em Portugal. O globalismo atual já não se baseia em identidades nacionais, mas em grupos de interesses económicos e ideológicos com estratégias globais.

As potências mundiais do futuro, atendendo às novas tecnologias, afirmar-se-ão através do ar e do mar! Os EUA, a China e a Rússia já estão muito activos também no domínio dos oceanos sem que os Países Lusófonos estejam atentos ao que isso significa para o seu futuro. Uma das surpresas com que se poderão ver confrontados seria a das grandes  potências virem a usar a mesma estratégia que as potências europeias usaram no século XIX na Conferência de Berlim onde transformaram o direito colonial histórico às regiões de África em direito de ocupação efectiva (militar), o que prejudicou Portugal e favoreceu as potências bélicas surgentes e continuou a manter a África no servilismo. O mesmo poderia acontecer em relação aos direitos dos países marítimos no que toca ao seu direito às correspondentes zonas marítimas! A consequência seria que estes países, uma vez estabilizadas as suas fronteiras naturais se empenhassem sobretudo na defesa dos seus mares e numa estratégia de agrupamento baseada em afinidades culturais e históricas.

Portugal foi o país que transformou a história europeia em história mundial, passando, a partir de então, a Europa a determinar o destino de outros povos, ao deixar de estar ocupada com ela mesma e em torno do Mediterrâneo; com os “Descobrimentos” passou a abrir-se aos grandes oceanos e continentes; Portugal foi também o primeiro país que alargou as suas fronteiras fora da Europa (Ceuta 1415) numa reacção oposta à muçulmana.

Quase enigmático torna-se o facto de Portugal ter sido a primeira potência colonial da Europa, e a sua última…  Portugal era demasiado pequeno para a global empresa que iniciou e enfraquecia à medida que outras potências europeias disputavam o comércio dos produtos e matérias primas que a Europa não tinha. Assim Portugal tornou-se em país semicolonial a partir de 1890 devido ao “ultimato” inglês, na sequência do qual teve de ceder a Rodésia (mapa cor-de-rosa!) à Inglaterra (efeitos da Conferência de Berlim que dava resposta ao desejo imperialista de alguns países europeus); a crise do mapa cor-de-rosa apressou em Portugal a passagem do sistema monárquico para o republicano! Salazar ao ver Portugal a perder a terra debaixo dos seus pés, numa reacção de fuga ao real (luta imperialista entre União Soviética e EUA), ainda se lembrou de considerar Portugal como o último bastião do Ocidente (na velha vertente da europa das nações): esquecera-se que o proselitismo religioso que motivara a presença da Europa no mundo tinha passado a ser  substituído pelo proselitismo socialista fomentador de uma nova ordem mundial (imperialismo bipolar) a afirmar-se a partir da primeira guerra mundial ao lado de um capitalismo a reformular-se. A ideia de Salazar revelou-se como retrógrada ou como fuga, mas se considerada sob a situação das lutas imperialistas atuais poderia ser hoje uma mais valia no sentido de uma Europa e de uma África dignas de hoje. Isto na sequência de uma lógica ainda de perspectiva europeia, que na altura já se encontrava a perder!

Preferimos então continuar as pegadas na nuvem do sonho, aquela evasão tão característica do ideário português que devido a tanto sonho de olhar fixo no longe se esquece de olhar e construir a realidade concreta que fica à frente do próprio olhar (É verdade que então as potências europeias andavam demasiadamente ocupadas consigo mesmas (também na sua reconstrução pós-guerra) impedindo-as de perceberem o que  acontecia em torno de Moscovo e de Washington em termos de geopolítica mundial e o que verdadeiramente se passava nas colónias portuguesas).  Aqui, Portugal deixou de expressar o caminho da Europa para se perder numa visão política idealista longe de qualquer realismo e contexto histórico para seguir as pegadas de Moscovo (25 de Abril e apressada descolonização); entretanto Moscovo caíra (1991) e Portugal com a Europa seguiram os deuses bárbaros a imperar no Olimpo de Bruxelas. Portugal deveria abandonar a sua política de subsistência e reflectir a sua realidade (ibérica) que não é meramente europeia (para lá dos Pireneus) mas também oceânica e com a Espanha e os antigos países de língua lusa e espanhola se prepararem para uma nova ordem mundial em processo. Há que, no meio da luta assanhada entre os novos imperialismos, não se deixar levar apenas pela enxurrada das potências em litígio para se defenderem também  objetivos regionais políticos no sentido de uma política de concepção ibérica (não nacionalista) em união com os povos acabados de se libertar do colonialismo europeu (doutro modo poderão passar todos a sofrer sob o novo imperialismo mental e militar agora a reformular-se).

Já Camões se lamentava de uma característica de um povo poético (Portugal) que se afundaria em “tristeza, ganância e tédio”! De facto, no seu modo específico de ser, Portugal construiu “um mundo português”, um Portugal onde cabia o mundo, mas onde, como parte, desaparece, também por ser tão pequenino. Ficou a tristeza, a ganância e o tédio, hoje cuidados por uma plêiade decadente de tecnocratas novos-ricos virados para o Olimpo de Bruxelas descuidando os interesses de uma península ibérica e seus empenhamentos com os seus irmão além-mar! No sentido luso em vez de nos metermos em politiquices ideológicas com o Brasil (como fez Rebelo de Sousa, na última visita ao Brasil) seria chegada a hora de o apoiar na empresa de se afirmar na América latina (independentemente de os ventos ideológicos soprarem do ocidente ou do oriente).

Com o 25 de Abril comprimiu-se Portugal e a Europa, passando estes a recolher-se para dar passagem a novas potências! Pena é o tal mundo português ter voltado – sozinho sem os lusófonos – apenas à periferia de uma União Europeia que, por miopia, lhe estreita a visão obrigando-o a não se aproveitar do mar, aquilo que tem em abundância (a tristeza, o tédio e a ganância levam-no a não se preocupar suficientemente pela construção de um mundo luso): se uma Alemanha se preocupa por fomentar os povos vizinhos a leste porque não se preocupa a Europa latina por enriquecer os povos vizinhos africanos e Portugal-Brasil-Angola por favorecer os países lusófonos?

Ao velho realismo da ínclita geração e ao proselitismo de outrora sucedeu-se o oportunismo político e a indiferença empacotada no politicamente correcto. Para sair deste marasma terá de se voltar para o mar (não contra a Europa  mas como expressão dela), falar menos de Caravelas, de gaivotas e de rosas do vento, para se virar para a realidade de afazeres terrenos que o envolve e ao mesmo tempo não perder o ideal e a missão de outrora, aquele sonho-vida que, por pouco tempo, tornou Portugal grande. Não chega continuar a perder-se no sonho dando-se ao fado rotineiro de repetir o seu “destino” de produzir “navegadores” e emigrantes!…

É de observar que no destino de Portugal se espelha o reduzir da Europa já não a descobrir, mas a ser descoberta e querida sobretudo por aquilo que tem de transitório. 

Antes da primeira guerra mundial tínhamos a Europa das nações que dominava 90% do mundo (colonialismo motivado sobretudo por razões económico-comerciais) + imperialismo (motivado por razões económico-expansionistas); com a primeira guerra mundial inicia-se a passagem do poder das potências nacionais europeias para a grande potência surgente Estados Unidos; numa perspectiva europeia as guerras deixavam de ser europeias para se tornarem mundiais. Da segunda Guerra Mundial estabiliza-se o mundo dividido em dois blocos rivais: o dos EUA com o capitalismo e o da União Soviética com o socialismo (1). Neste espaço de tempo a Europa vai-se autodestruindo politicamente internando nela social e culturalmente o materialismo da luta socialista marxista e do capitalismo, de maneira antagónica; a Europa entra assim em contradição consigo mesma, o que a leva a deixar de existir como grandeza global. Simultaneamente vai perdendo o seu caracter latino ter passado a apoiar em África a autodestruição do seu poderio colonial que então, na África ainda disponível, passou a ser disputado entre a União Soviética (socialismo) e os USA (capitalismo); entretanto o Islão vota a acordar sendo de compreender o esforço do Irão por adquirir as armas nucleares.

O modo como Portugal (símbolo da Europa) cedeu as suas colónias ao socialismo é o melhor sinal  indicativo de uma Europa então já decadente e fraca (já sem valores ancorados na tradição), com ideais e valores apenas de caracter jurídico-mental e, politicamente sem tino, dividida entre os interesses do imperialismo socialista e os interesses do imperialismo capitalista anglo-americano, não elaborou um modelo de mundivisão humanista, democrático e solidário entre seus povos e vizinhos para se deixar levar na onda do poder mundial bipolar (socialista e capitalista) em vez de criar um modelo inclusivo dos dois, como elementos complementares onde a fraternidade e o povo sejam o ponto de partida e o ponto de chegada. Um sintoma do que se passa é a guerra económica que a Europa iniciou contra a Rússia deixando-se levar pela narrativa americana nos nossos Media que conseguiu, com eficácia, apagar a imaginação do povo europeu e deste modo apagar-lhe o espaço para a esperança de um agir próprio.

 Não quer isto dizer que se tivesse de ser contra a independência das colónias, pelo contrário, mas que o seu processo de independência tivesse sido também um empenho de Portugal e de toda a Europa numa visão de estratégica libertadora comum. O destino da Europa deveria ser comum ao da Rússia, África e das Américas, mas os imperialismos dos EUA e da Rússia obstaculizaram o caminho. E agora, numa altura em que as potências mundiais se digladiam deveria ser chegada a hora de uma Europa renovada assumir a missão de construir uma ordem mundial nova baseada não na contradição mas na inclusão complementar, com uma ética que parta da pessoa, e não da instituição (constantinismo), em termos de relação pessoal como preanunciado no modelo original cristão.

Portugal pode considerar-se como ponto charneira na mudança de matrizes do poder global! Foi-o com os descobrimentos e foi-o ao abandonar as “províncias ultramarinas” (fim do colonialismo nacionalista) ao imperialismo ideológico da União Soviética que se encontrava em concorrência com o imperialismo capitalista anglo-americano! Enquanto a esfera da União Soviética e dos EUA se alargavam, a das nações europeias estreitava. Portugal e a Europa, descuidaram-se em relação a Washington e Moscovo, abandonando a África obrigando-a a manter-se num empasse, enquanto na Europa num processo de entropia se ia perdendo o cunho latino (“romano”) e afirmando o espírito anglo-americano acompanhado pelo maçónico! Também a África e suas independências nacionais teriam merecido mais dedicação pelos interesses nativos e menos abandono a ideologias estranhas que também as subjugavam.

Portugal e a Europa deixam de existir como grandeza global ao autodestruir-se interna e culturalmente através de um socialismo materialista irreflectido e abdicando de si mesma para dar lugar à apropriação americana que exprime o cúmulo da sua alienação nos seus mercenários em Bruxelas julgados grandes por copiarem o que os USA ditam. A guerra económica contra a Rússia encherá compêndios (1).

Desde os anos 60 os EUA e a União Soviética esforçavam-se (através do fomento de instabilidades e aquisição de influência em zonas africanas) por ocupar o lugar deixado ou a deixar pelo colonialismo europeu. Os líderes africanos encontravam-se numa de orientação para o socialismo ou para o capitalismo. Entretanto, fizeram a experiência de que tanto o modelo americano como o modelo soviético não os ajudam. Entrementes, a China veio como mais um concorrente na tentativa de ganhar a África e já tem mais de 10.000 empresas em 46 estados africanos.

Não se trata agora de construir um mundo português, mas de reconhecer que na sua pequenez se poderia encontrar o mundo todo a descobrir-se em cada parte, podendo esta tornar-se a missão europeia. Primeiramente, porém, Portugal e Espanha teriam que se descobrir, politicamente, como unidade ibérica para redescobrirem a sua alma atlântica, de maneira a conciliarem o caracter doutrinal ocidental com o caracter pragmático oriental e assim iniciarem uma nova maneira de ser e estar mais baseada em compromissos do que em supremacias.

Cada época ou geração elabora a sua narrativa sem se dar conta que esta faz apenas parte de um género em que o passado é continuado de maneira mais ou menos latente no presente. O mal e o bem do passado encontram continuidade no mal e no bem do presente e nós ficamo-nos por contemplar as narrativas atacando o mal no passado para não ver o mal do presente. A colonização continua, sob outros pretextos, mas com as mesmas fundamentações. Da colonização dos territórios passou-se a investir mais na colonização das mentes: a discriminação permanece, só que mais refinada e escondida de maneira a não ser notada à primeira vista, mas a ser identificada em próximas gerações.

Só um Portugal-Espanha unidos e comprometidos irmãmente com as antigas colónias conseguirão afirmar-se na nova contextualização global a delinear-se. Doutro modo a Península Ibérica fica entalada entre o Atlântico e os Pireneus!

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

Pegadas do Tempo

 

(1) A implosão da União Soviética (1991) a que se sucedeu o globalismo (marca economia liberal) apressou depois o surgir económico da China no palco mundial.

A ENERGIA DAS PALAVRAS

Palavras e ideias atuam sempre nos que as dizem e nos que as ouvem, chegando, por vezes a ter um efeito hipnotizador. Nas ideias e nas palavras encontra-se o combustível que leva ao bom e ao mau agir.

A atmosfera de crise em que vivemos favorece discursos divisionistas e como tais legitimadores de guerras entre pessoas e povos. O discurso do ódio joga com os factores de identificação (luta do ego por ser e aparecer) que se alimentam de visões de confronto, especialmente num discurso que faz uso da política e da religião, como “comunicação” divisionista do que é teu e do que é meu.

A primeira condição para a paz começará pela transformação individual (homem, conhece-te a ti próprio) porque também na relação a dois se encontra o princípio da autoafirmação (definição) pelo recurso ao poder.

Palavras, imagens, sentimentos e acções andam interligados e são ordenadas segundo a própria experiência. Cada um associa uma ideia diferente a determinadas palavras. Uma palavra dita num sentido pode ser captada noutro sentido. Assim as palavras são portadoras de felicidade e infelicidade e são tão poderosas que a elas se seguem reacções e sentimentos que podem superar as forças de quem os sente.

O efeito de palavras tóxicas ou salutares podemos observá-lo directamente na reacção das pessoas com quem convivemos habitualmente.

Podemos também observar o efeito de palavras negativas no enfraquecimento do nosso sistema imune de defesa, e no equilíbrio mental, como provam averiguações e experiências feitas.

Creio que até certas doenças que adquirimos são o efeito de palavras e situações negativas. Começa-se por enfraquecimento na alma, que depois se passa a expressar em sintomas corporais.

Um ambiente com enfermidades psíquicas deprime tornando-se em ambiente enevoado, a que falta o sol e, onde não há sol, a vida definha. Todas as ideias e as palavras são expressão do nosso ser corporal e espiritual, influenciando-se mutuamente. O uso de palavras positivas, promove um comportamento procriador no sentido positivo.

O poder das palavras e da linguagem torna-se mais benéfico e eficiente quando parte de um fundo espiritual.

A oração tem um efeito muito positivo porque dá acesso a uma realidade superior, da qual flui a energia divina com encantador poder curativo.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

A ARTE DA SUBORDINAÇÃO

O filósofo Roger Garaudy, no seu livro “Rumo a uma guerra Santa?” diz: “Sócrates já observava que entre os doces de um confeiteiro e os remédios de um médico, não há dúvida quanto à escolha das crianças. Mas os senhores do espectáculo não se contentam em considerar seus espectadores como crianças. Um mestre na manipulação das almas, Adolf Hitler, dizia: “diante de uma plateia, para conseguir adesão, viso o mais estúpido e, nele, o que existe de mais baixo: as glândulas lacrimais ou sexuais… E ganho sempre. À minoria crítica, cuido dela de outra maneira”.

Quando era ainda pequenito e fazia alguma pergunta mais esquisita ou intrincada a minha mãe, por vezes, ela respondia-me: “a curiosidade é filha da ignorância”!  Não contente com a resposta, dirigia-me depois a meu pai na certeza de que ele me confirmaria que a curiosidade é mãe da sabedoria!

Compreendo hoje que o senso crítico era assim já cuidado na medida em que não é suficiente contentar-se com uma só resposta. O importante é perguntar e para não ser embaraçado e para aprofundar o diálogo não será pior responder a uma pergunta com nova pergunta como fazem, muitas vezes, os jesuítas!

Não chega a satisfação do espírito subordinado a uma resposta é importante manter o cérebro vivo da criança curiosa e atenta!

O importante não era a resposta que procurava de minha mãe ou de meu pai mas a caminhada que me levava a eles!

Como pensar mete medo a quem manda torna-se importante aprender a pensar para que seja o pensamento humano a mandar! O pensamento tornar-se-ia no melhor meio de chegarmos todos à compreensão porque o saber não tem limites e muitas coisas permanecem ocultas ao nosso saber!

Se não fosse a alma não haveria perguntas, bastaria o pasto; mas na crítica como na pergunta interessante é procurar descobrir-me a mim mesmo!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo