UM AGRADECIMENTO AOS ALEMÃES E UMA PROPOSTA

 

Depois das missões de ajuda em Itália, França e República Checa, a Bundeswehr iniciou missão de solidariedade com Portugal a 03.02.2021. A equipa de socorro veio para ficar três semanas em Lisboa.

Uma equipa de 26 soldados médicos e paramédicos da Bundeswehr foram recebidos em Lisboa pelo Ministro da Defesa, pela Ministra da Saúde e pelo embaixador alemão em Portugal e irão trabalhar no prestigioso hospital privado da Luz. Nele serão recebidas pessoas da urgência do SNS.

Como referem fontes alemãs, além do pessoal médico chegaram a bordo do avião da Força Aérea alemã numerosos dispositivos médicos e produtos médicos, incluindo 40 respiradores móveis e dez fixos, e os consumíveis necessários, além de  150 dispositivos de infusão e 150 camas hospitalares (https://www.dw.com/de/bundeswehr-startet-corona-hilfe-f%C3%BCr-portugal/a-56441208).

De facto, em Portugal “os hospitais estão a transbordar e as capacidades dos cuidados intensivos estão no limite das suas possibilidades e para além delas”. Daí a necessidade de ajuda.

Os alemães são eficientes na ajuda que, de momento, prestam a Portugal!

Li num cartaz: ” “CAROS ALEMÃES; QUERO AGRADECER O ENVIO DOS MÉDICOS POIS ESTAMOS MESMO A PRECISAR. DEPOIS DISSO, ACHAM QUE DÁ PARA MANDAR A MERKEL?

Quanto à recomendação expressa no cartaz, talvez ela merecesse ser mais que uma ideia peregrina!

Em tempos de imigração, porque não contratar estrangeiros também para altos postos nacionais?

Pressinto um borborinho de admiração de Norte a Sul e de insatisfação em Lisboa!

Imagine-se que, no caso ideal, muitos dos portugueses deixariam de emigrar para a Suiça e para a Alemanha!!!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

O GOVERNO DO REINO UNIDO QUER DESQUALIFICAR O DIPLOMATAS DA UNIÃO EUROPEIA

O governo britânico desclassifica os diplomatas da UE e o seu pessoal. Não quer conceder à representação da UE em Londres o estatuto diplomático habitual. Embaixadores não devem ser tratados como habitualmente.
Os representantes da EU devem ser tratados como empregados de uma organização internacional, como depreendi (21.01.2021) da imprensa alemã.
Boris Johnson já não vê a UE como uma organização estatal. Assim, as conversações bilaterais serão mais decisivas com Estados individuais do que com representantes da UE.
Assim, a UE será reduzida a espectador. Tal passo reforçará o papel de cada país e é um murro no estómago da União.
Este procedimento parece ser um acto simbólico mas traz muita água no bico…
Com esta decisão acentua que os seus patrceiros serão os Estados e não a União. Isto vai dar pano para mangas!
António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo

PORTUGAL HERDA DA ALEMANHA A PRESIDÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA

Com o 1 de Janeiro de 2021 Portugal assumiu, por seis meses, a presidência do Conselho da União Europeia. O seu lema é: “Tempo de acção: para uma reconstrução justa, verde e digital”.

Prioridades são: o orçamento da UE para 2021-2027, o Fundo de Recuperação pós-pandemia e o Brexit. Os grandes temas serão o Ambiente, a Transição Digital, a Dimensão Social e a Europa Global. Assim, o foco desta presidência vai ser a Europa Social e, na vertente externa, a realização da Cimeira UE-Índia e, como tópico característico fundamental, a relação entre a UE e África. Portugal assume também a concretização dos objectivos do pacote de ajuda multi-biliões de euros da Corona na União Europeia.

A regência da Alemanha revelou-se muito positiva, dentro dos compromissos possíveis; apesar dos esforços exigidos para encarar a pandemia, a Alemanha conseguiu o Acordo com a Grã-Bretanha, o quadro orçamental para os sete anos até 2027, o fundo de reconstrução de 750 mil milhões de euros; o acordo sobre um mecanismo para proteger o Estado de direito. Conseguiu, como primeiro continente do mundo, determinar cumprir a lei de protecção do clima. O objectivo de protecção climática, de reduzir as emissões de CO2 em 55% até 2030, encontra-se já definido no papel! A vacinação já começou em todos os países da UE.

O pragmatismo alemão provou a sua eficiência tornando possíveis compromissos que pareciam impossíveis.

Em termos de direito comum de asilo, nada progrediu.

É de compreender as dificuldades de chegar a compromissos numa UE que é como um local de reconstrução com muitas diferenças de mentalidades, de interesses e de história entre os seus Estados.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

O IMIGRANTE ASSASSINADO NOS SERVIÇOS DE ESTRANGEIROS

 
 
Coisa inaudita! Em Março, no aeroporto de Lisboa, o imigrante ucraniano Ihor Homeniuk foi assassinado por três agentes da repartição nacional do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), que se encontram actualmente em prisão domiciliária.
Só agora o governo decidiu indemnizar a família do ucraniano. Só passados nove meses é despedida Cristina Gatões Batista, directora do SEF ! Tal mora revela uma certa conivência por parte do Ministro da Administração Interna. O ministro não se demitiu nem foi exonerado.
O sistema do conluio nos nossos ministérios e a falta de responsabilidade da presidência preferem que Portugal faça internacionalmente má figura do que instituir um exemplo de intolerância da violência nas repartições do Estado português.

Num país de menor cumplicidade política, o ministro ter-se-ia demitido de imediato ou sido exonerado.

O PM diz que “mantém total confiança no ministro Eduardo Cabrita!” Esta declaração de caracter meramente político, não é suficiente;  pelo contrário, revela-se cínica se se pretender restabelecer a confiança na instiruição portuguesa e seus órgãos responsáveis.

Um assunto desta gravidade deveria pressupor o assumir de responsabilidades capazes de salvaguardar o rosto de Portugal!

António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo

EDUCAÇÃO PARA UM PROLETARIADO GLOBALIZADO

Os novos Deuses castigam quem seja solidário com a Humanidade (1)

António Justo

Um povo que pensa serve o bem comum, mas torna-se numa ameaça para a classe dominante. Por isso é de todo interesse desta (especialmente da classe política) que o povo frequente muitos anos a escola, mas sem aprender a pensar nem a discutir o que se encontra por trás da chamada liberdade e livre arbítrio.

Em questões do saber Olímpico, Prometeu é castigado pelos deuses do Olimpo sempre que tente levar o saber dos deuses ao povo!

A lição do velho mito é: o saber quer-se só nas mãos de poucos oligarcas conscientes de que saber não só faria doer como também se tornaria perigoso para quem desgoverna!!!…

Esta premissa que já vem dos Gregos, em tempos de globalismo, tornou-se mais que certa! Sim, porque se nas calendas gregas ainda havia uma sociedade média pensante com muitas figuras Prometeu no seu meio, hoje assistimos a uma sociedade em que a classe média se encontra em processo de transformação no sentido dependente-proletário.

Quanto ao processo educativo e informativo a que estamos votados recomendo a leitura do texto em nota (1) que é muito atual, embora falhe um pouco no que toca às “tias de Cascais”! O texto sobre educação, de Desidério Murcho, aponta no sentido do que o povo português deveria saber: aprender a pensar para abandonar o estado da “Bela Adormecida”.

A nível político-social quer-se um saber descritivo (feito de factos alternativos que embalem o sentimento) e não analítico! A interpretação serviçal é que vale; a competência complicaria.

Antigamente o aluno aprendia, na escola, a tirar a prova dos nove para saber se os cálculos das contas que fazia estavam certos ou errados. Hoje não aprende isso porque a prova dos nove foi substituída, democraticamente, pela opinião!

Tem uma vantagem: o aluno cidadão (3), ao ficar no estado de indecisão, qualifica-se para andar de cócoras!!!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

  • (1) Prometeu foi um Titã defensor da humanidade, responsável por roubar o fogo dos Deuses e dá-lo aos mortais. O pai dos deuses, Zeus, que temia que com isso os mortais ficassem tão poderosos como os próprios deuses, puniu Prometeu por esse crime, deixando-o amarrado a uma rocha por toda a eternidade enquanto uma grande águia comia todo dia seu fígado — que se regenerava no dia seguinte. Por vezes tem-se a impressão que, hoje como ontem em sociedade,  o povo é esse Prometeu em que as águias (os grandes) se alimentam do seu fígado! 
  • (2) “A tia do eduquês”, de Desidério Murcho – Sobre a filosofia nas escolas: https://dererummundi.blogspot.com/2007/07/tia-do-eduqus.html
  • (3) Nova Cidadania: https://antonio-justo.eu/?p=6238