A ARTE DE QUESTIONAR

Uma sociedade-ideologia-opinião que não se questiona não avança

O filósofo Sócrates usava do método maiêutico (arte de realizar partos) para levar as pessoas ao conhecimento; para isso servia-se de perguntas, seguidas de respostas a que seguiam novas perguntas, como se ele fosse uma parteira a ajudar a parturiente a dar à luz a própria criança.

Numa sociedade clientela cada vez mais técnica, burocrática e manipulada de respostas empacotadas urge fazerem-se cada vez mais perguntas!

Perguntas podem tornar-se meios de esclarecimento e podem ajudar-nos a pensar e a investigar! Também podem ser refinadas e tornar-se perigosas!

É costume dizer-se que quem não questiona permanece estúpido; também não há perguntas estupidas, mas quanto a respostas sim.

Naturalmente, pode-se questionar tudo, desde a opinião geral à opinião individual! Uma notícia que apresentada na TV, ou noutro meio de comunicação social, é geralmente engolida sem ser mastigada nem saboreada; se o espectador se questionar sobre o porquê (motivo, posicionamento, frequência, objectivo)  da apresentação daquela notícia e não de outra, etc. conseguirá uma visão mais diferenciada do que acontece e o influi. Isso contribuiria para evitar o proselitismo divisionista de uma sociedade muito dependente dos media cada vez mais centralizados e controlados. As elites do poder já que não conseguem do cidadão uma fé comum procuram, o que é natural, criar nele uma opinião comum. O pensar diferenciado não ajuda o poder (nem agrada à massa anónima) mas serviria mais a evolução da pessoa humana e da população.

Há o perigo de projecções, mas também há questões que podem ser indigestas e que para serem “engolidas” e o seu conteúdo não provocar “tosse” precisariam mais tempo de ruminação. 

Perguntas perigosas podem tornar-se aquelas que questionam a opinião geral ou as pessoas que se consideram esclarecidas!

As perguntas estão no início de cada discernimento e são muito importantes porque mobilizam a nossa introspecção que leva à intuição! Por vezes, no momento da introspecção chega-se a questionar as próprias perguntas.  Uma pergunta decisiva vai direita ao cerne de um problema e a resposta a ela pode revelar o que se encontra por trás dos bastidores!

Também há perguntas cruciais que podem ter um lado negro porque as correspondentes respostas levariam a uma confissão ou colocam uma questão de consciência ou de algo que nos deixaria despidos!

Há também perguntas simples que querem saber por interesse no simples saber, mas também há perguntas interesseiras e como tal superficiais e manipuladoras!

As perguntas rectóricas, geralmente, não pretendem obter uma resposta mas também podem fazer parte de um jogo de truques retóricos que transformam opiniões em factos e factos em opiniões.

Uma pergunta muitas vezes oportuna seria: Quem beneficia com isto? O que é que está aqui em jogo? O que pretendes com isto? Porque perguntas isto?…

O perguntar tal como o pensar pode fazer doer, por isso muitas pessoas evitam questionar a própria opinião e a própria visão do mundo, o que aumenta o espectro das insinuações; também por isso temos mais ovelhas que pastores!

A pergunta é sempre legítima porque a questionação plural tenta libertar a pessoa do “lado certo” ou do “lado errado” e, deste modo, possibilitar um caminhar humano de todos em frente na procura da Verdade!

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

Pegadas do Tempo

 

A ADESÃO DA FINLÂNCIA E SUÉCIA À NATO POSSIBILITA O CONTROLO DOS USA SOBRE A RÚSSIA

A Turquia ameaça vetar a entrada dos dois países na Nato

A entrada da Finlândia e da Suécia na NATO significaria para Putin um golo na própria baliza mas também acarretaria consigo uma grande complicação para a Europa que ficaria, como até ao presente, limitada aos interesses dos USA sem possibilidade de definir uma política própria. A Finlândia tem mais de 1.340 km de fronteira com a Rússia e mais de 1/3 da sua população adulta entre os reservistas das Forças Armadas. Isto significaria para a Nato a possibilidade de controlar directamente o adversário através da Europa sem que os USA se vissem ameaçados atomicamente no seu próprio território! Como reação Moscovo poderia transportar ogivas nucleares, para o enclave de Kaliningrado, o que possibilitaria alcançar capitais europeias! A chefe de governo finlandês já avisou que, em princípio, não quer armas nucleares ou bases permanentes instaladas no país!

O presidente turco Erdogan declarou que tenciona bloquear a entrada da Finlândia e da Suécia na Nato!

Erdogan defende os seus interesses movendo-se entre os sistemas de interesses e de valores da Nato e da Rússia.

No seu jogo estão incluídos conseguir unir a população em torno dele contra um inimigo de fora e os seus interesses na Síria.  Como no passado tentará pôr os interesses da Nato e da Rússia um contra o outro, para, assim, poder exigir concessões da EU e do Presidente dos EUA Joe Biden; a Turquia tem actualmente uma taxa de inflação de 70%.  Como membro da NATO, a Turquia está envolvida em guerras de agressão e ocupa os territórios de Estados estrangeiros, mas os países da NATO não querem saber disso porque se trata de defesa de interesses de um seu aliado à custa de povos fora da Europa. Em 1974, Ancara atacou a República de Chipre e ocupou 40% do seu território, tendo-se envolvido também frequentemente em escaramuças com a Grécia.

É de prever que o regime Erdogan conseguirá dos USA a venda à Turquia dos aviões caça F-16 (até agora recusados pelo facto de os USA apoiarem parcialmente os curdos ao contrário da Turquia que os combate); esses aviões serão para Ancara poder perseguir o povo curdo na Síria! A Finlândia e a Suécia, tal como a NATO, não consideram o movimento Gülen como “terrorista”, o que Erdogan exige desde há muito!…

Erdogan vê margens de negociação em detrimento dos mais fracos! A Finlândia e a Suécia, tal como a NATO, não consideram o movimento Gülen como “terrorista”, o que Erdogan exige desde há muito!

Apesar de tudo, uma expansão da Nato na actual conjuntura revelar-se-á como um erro para a Suécia, Escandinávia e Europa. A Suécia, parece, de ânimo leve, tornar-se voluntariamente susceptível à chantagem. Um tal intento só teria sentido para a Europa como crédito potencial para levar a cabo negociações diplomáticas. Tudo isto poderia ser transformado numa verdadeira oportunidade para a Europa criar uma nova ordem para si própria de maneira a um dia se tornar independente do poder militar dos USA.

Há um provérbio que diz:” O diabo está nos detalhes” – o que quer dizer, são as pequenas coisas que importam. A Europa (com políticos sem formato) anda alheada de ela própria, ao não prestar atenção ao que o seu irmão grande faz, e segue a agenda americana colocando-a em cima dos joelhos em vez de a analisar com cabeça!

Os USA e a EU pagarão caro pela assinatura de Erdogan para que este torne possível a adesão dos dois países à Nato; posteriormente passarão a tentar obrigar países como o Brasil e outros a alinharem-se à sua guerra hegemónica!  O autocrata turco no meio de tudo isto procura, à sua maneira, olhar pelos interesses da Turquia; o mesmo será difícil de dizer de outros governantes europeus!

Investigadores do Instituto de Kiel para a Economia Mundial revelaram que, na guerra contra a Rússia, os EUA (desde 24 de janeiro a 10 de maio) anunciaram promessas à Ucrânia de cerca de 43 mil milhões de euros em assistência militar, financeira e humanitária. Os países e instituições da UE prometeram, no mesmo espaço de tempo, apoio de 16 mil milhões de euros.

A diferença reflectida no apoio corresponderá aos interesses envolvidos no conflito. 

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

BATALHÃO NEONAZISTA AZOV  INTEGRADO NO EXÉRCITO UCRANIANO

Neonazis portugueses combatem com as Forças Armadas Ucranianas

A milícia armada Azov é uma organização militar neonazi e de extremistas criada em 2014 por Andriy Biletsky (1) e foi incorporada na Guarda Nacional ucraniana depois de atuar contra os separatistas pró-russos no Donbass. Ela opera sobretudo em Mariupol na Azovstal de que é dono o oligarca Akhmetov.   O batalhão é declaradamente racista e tem a participação de portugueses (2). Tem acolhido milícias estrangeiras (3) (também elementos nazis alemães) (4). A participação destas milícias no exército ucraniano tem sido importante e utilizada para legitimar a afirmação de Putin de querer desnazificar a Ucrânia! Putin deve ter-lhes muita raiva porque este batalhão já lhe causou muitas perdas! Já a 13.06.2014 o Batalhão Azov com as forças armadas ucranianas conseguiu obter o controlo sobre a cidade estratégica Mariupol. O regimento foi apoiado financeiramente, entre outros, pelo oligarca ucraniano e membro da comunidade judaica Ihor Kolomojskyj (5) (isto pode ajudar a compreender as tensões entre a Rússia e Israel). Na fase inicial do conflito armado entre combatentes pró-russos e ucranianos em 2014, a cidade de Mariupol foi primeiramente ocupada pelo lado russo e depois libertada pelas tropas Azov.” Em Dezembro de 2014, o Presidente Petro Poroshenko concedeu a cidadania ucraniana a Serhiy Korotkich, um lutador de unidade bielorrussa; Korotkich pertencia aos movimentos neonazis na Bielorrússia e na Rússia desde o final dos anos 90. Após a incorporação do Regimento Azov na Guarda Nacional (Brigada de Reserva das Forças Armadas da Ucrânia) a 12 de Novembro de 2014, o então Presidente da Ucrânia Petro Poroshenko referiu-se aos membros do regimento como “os nossos melhores combatentes” e “os nossos melhores voluntários” numa cerimónia de entrega de medalhas. (6) O oligarca bilionário Akhmetov, apoiante do Azov entrou em pânico quando houve divulgação das actividades nazis e racistas do grupo. A cidade portuária de Mariupol tem sido defendida principalmente pelo Regimento Azov da extrema-direita da Guarda Nacional Ucraniana. Em agosto, O cientista político ucraniano Anton Shekhovtsov descreveu o batalhão como abertamente extremista de extrema-direita.

O neonazista português, Mário Machado, acompanhou à Ucrânia 20 dos seus correligionários que foram incorporados nas milícias na Ucrânia (7).

Caso suspeito constitui o facto de os EUA e a Ucrânia não terem aprovado a Resolução da ONU sobre “o combate à glorificação do nazismo, neonazismo e outras práticas que contribuem para alimentar as formas contemporâneas de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância relacionada”(8).

O francês Adrien Bocquet que esteve ultimamente de serviço na Ucrânia ao lado dos soldados ucranianos, testemunha:” quanto aos militares Azov, estão por todo o lado, até em Lviv, fardados e com aquele símbolo neonazi no camuflado… crimes de guerra com os quais fui confrontado foram perpetrados por militares ucranianos e não por militares russos…”. Na guerra da nossa informação não se fala disto nem das armas que o ocidente fornece à Ucrânia são também para abastecer forças nazis (9)!

Assiste-se a um confronto próprio de um país dividido na linha fronteiriça interior entre o bloco da Federação Rússia e o da Nato. A 23 de Dezembro de 2014 a Ucrânia   que até aí era um país com estatuto de Estado não-alinhado (não pertencente a nenhuma aliança militar), por decisão do parlamento de Kiev resolveu esforçar-se por entrar na aliança militar da NATO. A partir daí assentou-se o confronto entre a Rússia a Nato.

É importante tentar informar-nos de um lado e do outro para notarmos as armadilhas de uns e outros! Em tempos de guerra não se limpam armas e por isso tudo o que vem à rede é peixe, independentemente dos extremos de onde venham! É importante estarmos atentos para não cairmos nas redes de uns ou de outros, a não ser que queiramos ser peixes de engorda! Veja-se a crónica do conflito (10)

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

(1) (https://www.theguardian.com/world/2014/sep/10/azov-far-right-fighters-ukraine-neo-nazis     ; O símbolo do Regimento Azov é o “Anjo Lobo”, um instrumento de caça forjado em ferro que foi usado no passado para capturar lobos O símbolo do Regimento Azov é o “Anjo Lobo” que foi usado pelos nacional-socialistas. https://es.wikipedia.org/wiki/Wolfsangel ; https://de.wikipedia.org/wiki/Regiment_Asow

(2) https://www.abrilabril.pt/nacional/mario-machado-incorporou-neo-nazis-portugueses-em-milicias-na-ucrania

(3) Vários destes indivíduos, pertencentes ao movimento nacionalista, de supremacia branca https://www.abrilabril.pt/nacional/mario-machado-incorporou-neo-nazis-portugueses-em-milicias-na-ucrania

(4) https://www.dw.com/en/the-azov-battalion-extremists-defending-mariupol/a-61151151

(5) https://euromaidanpress.com/2022/04/07/what-is-azov-regiment-honest-answers-to-the-most-common-questions/ ;

(6) https://de.wikipedia.org/wiki/Nationalgarde_ (Ukraine )   ; https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1025161101767522&id=100028209248645

(7) https://www.abrilabril.pt/nacional/mario-machado-incorporou-neo-nazis-portugueses-em-milicias-na-ucrania e https://expresso.pt/guerra-na-ucrania/2022-03-08-neonazi-mario-machado-anuncia-que-vai-combater-para-a-ucrania–e-espera-que-o-juiz-altere-a-medida-de-termo-de-identidade-e-residencia- A «acção humanitária 1143», liderada pelo neonazi Mário Machado, cumpriu o seu propósito de integrar elementos da extrema-direita nos «meios de defesa» da Ucrânia, confirma o seu advogado (2). Mário Machado: «consegui entrar nesse país, completamente despercebido, e fui ter com patriotas portugueses, ucranianos, ingleses, alemães e espanhóis que me deram todo o apoio»;  https://kzsection.info/green/m-rio-machado-pedido-de-ajuda-opera-o-ucr-nia1143/sJ6gqKeZoIdmiHk.html

(8) Do que não se fala:  https://antonio-justo.eu/?p=7198

(9) https://www.youtube.com/watch?v=ZoKnhXnp-Zk&t=1211s

(10) https://www.lpb-bw.de/chronik-ukrainekonflikt

 

O SECRETÁRIO-GERAL DA ONU GUTERRES INCITOU OS ESTADOS INDÚSTRIAIS A CUMPRIREM AS PROMESSAS

Durante a sua visita ao Senegal, Guterres apelou aos países industrializados para honrarem os compromissos que assumiram em Paris 2015 para com os países em desenvolvimento mais afectados pela crise climática. Em Paris houve a promessa de enviar 100 mil milhões de dólares por ano a partir de 2020 para os países em vias de desenvolvimento mais afectados pela crise climática. Até agora nada aconteceu!

O dinheiro para armas está sempre imediatamente disponível. Eliminar a injustiça social, defender o clima e atender à ameaça da existência de vida na terra não parecem constituir preocupação!

O sofrimento e o desespero aumentam; o sentido da vida também é questionado, quando jovens de 30 anos não veem sentido em ter filhos!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

O DIA DA LIBERTÇÃO 8 DE MAIO 1945!?!

Paz revelou-se em Sol de pouca dura

A 8 de Maio, foi assinado o documento de capitulação da Alemanha. Com a capitulação da Alemanha, terminou o regime nacional-socialista de violência.

A guerra provocou um total de 65 milhões de mortos, dos quais 27 milhões de russos e cerca de 6 milhões de judeus.

De 1943 a 1945, devido à falta de soldados, eram recrutados jovens de quinze anos. A libertação salvou os perseguidos e tornou possível a paz, a segurança e a prosperidade. Esta libertação deu-se à custa de muito sofrimento. Nunca mais a guerra, era a convicção de então!

Fatidicamente encontramo-nos de novo em guerra e a Alemanha que tinha perdido a guerra declarou agora enviar armas pesadas para a Ucrânia, o que significa entrar de novo na guerra. Isto significará uma guerra entre a NATO e a Rússia.

Temos um campo de batalha diabólico: Belzebu e Lúcifer em plena acção!

Manifesta-se assim a violência da democracia contra a violência da autocracia.

As populações são usadas apenas como parte da decoração do palco militar e a democracia como cenário. O mal vence e os políticos de um lado e do outro da cortina parece agir ao serviço da guerra e não da paz!

Deixemo-nos surpreender sobre o que dirá Putin amanhã, 9.05, dia em que a Rússia comemora a victória sobre o regime de Hitler!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo