É O ISLÃO A CAIXA DE PANDORA DA CIVILIZAÇÃO?

Impulsos para uma discussão honesta sobre o Islão

António Justo

Da falta de transparência numa discussão torcida

Dizer que «Alcorão não apela à guerra, mas à justiça» como faz o Xeque David Munir (Imã da Mesquita de Lisboa) é torcer e esconder a realidade literal e factual da linha oficial islâmica; uma tal afirmação sobre muitas suras do Corão faz lembrar um recurso a frases do tipo de interpretação das Sibilas sob inspiração de Apolo! Entre a objectividade das frases do Corão e uma interpretação individual (não oficial: o islão não permite anotações interpretativas ou explicativas do Corão) esconde-se a realidade das intenções numa confusão sempre oportuna, à margem das obras que se praticam.

Em tempos modernos, o recurso à ambiguidade como maneira de se desenvencilhar de situações embaraçosas não ajuda os muçulmanos nem os interlocutores.A alternativa é a reforma!

Naturalmente, um público pouco informado dá-se por contente com o primeiro aperitivo que se lhe apresente para alimentar a mente. Já vai sendo tempo de entrarmos num diálogo sério e com exigência, num encontro de olhos nos olhos de modo a deixar-se o estilo de discurso de subterfúgio e a atitude amaneirada e diplomática dos nossos salões de discussão. Isto adia o desenvolvimento do islão e apenas serve o negócio dos diferentes funcionários, interessados em ajuntar públicos mal servidos, ao serviço de diferentes grupos de interesses (numa união enganadora subterfugiada no uso do pensamento politicamente correcto) que têm medo de discussões de alto nível filosófico, teológico, sociológico e antropológico e como tal sem lugar para controvérsia. Não há lugar para a controvérsia porque os grupos de interesse estão empenhados na dfesa do status quo e nãointeressados na verdade que interessaria ao indivíduo e ao povo.

É também para admirar a vontade de uma sociedade do mainstream meramente ouvinte e de boca aberta na escuta de explicações que nos distraem e desviam do mundo dos factos que determinam o nosso viver e o de gerações futuras.

David Munir conhece certamente o princípio islâmico da Hudaybiyyah (método de enganar e obter vantagens). Esta tradição assenta no tratado de paz assinado por Maomé em Hudaybiyyah e onde este  se compromete a não atacar a cidade de Meca por um período de dez anos; os representantes de Meca confiaram no acordo feito com Maomé mas este aproveitou-se da confiança dos adversários no acordo para se preparar e assim poder atacar Meca com sucesso; passados dois anos, atacou Meca que em 24 horas venceu completamente, porque inesperadamente atacada. Este proceder de Maomé passou a ser um princípio da estratégia de guerra para o islão (O mesmo princípio aliado à Taqiyya constitui, como se vê da História, a tática de comportamento adaptado por minorias islâmicas enquanto vivem numa sociedade em minoria: como exemplo bem próximo temos o Kosovo e a Albânia).

Yasser Arafat, assinou o acordo de Oslo com Israel em 1993 para receber terras dos Judeus. Passados 8 anos quebrou o acordo (nem esperou 10 anos) e declarou a segunda revolta em 2.000, causando uma imensa confusão. Arafat conseguiu apaziguar alguns adversários que inicialmente estava contra o contrato, dizendo “Lembrem-se de Hudaybiyyah”!

Enganar e obter vantagens é também o outro princípio islâmico da taqiyya que consiste na prática da simulação (fingir a mundivisão), consiste, em casos embaraçosos, em dissimular a própria crença religiosa e em poder usar da mentira desde que isso sirva o Islão ou o crente! O princípio da Taqiya assenta na Sura 3:28, que diz: “Os crentes não devem tomar os incrédulos em vez dos fiéis como amigos. Quem faz isso já não tem nenhuma comunidade com Deus. É diferente, se estiverdes na frente deles (ou seja, os descrentes) e se tiverdes realmente medo deles”. A amizade com não muçulmanos só é justificada em caso de medo! Outras suras justificadoras da Taqiyya: Sura 49:13 e Sura 16:106

Uma mera tentativa de explicações do Corão para pessoas não muçulmanas, querendo interpretar a palavra jihad e outros solicitações do Corão à guerra e ao assassínio em nome de Alá, como algo descontextuado, vai contra a realidade muculmana e corresponde a lançar poeira sobre os olhos dos ouvintes, dado essa interpretação (que implicaria uma abordagem histórico-crítica) não ser praticada nos países islâmicos e continuar a não ser assumida pelas lideranças islâmicas. É preciso ter-se muita confiança sobre si mesmo e ser-se muito insensível à realidade dos factos para se conseguir passar a mensagem de que o islão é uma religião da paz. (O que não quer dizer que ele não tenha em si também potencialidades para se tornar numa religião da paz!)

A compreensão e o desconto que se pede para os apelos à violência nos textos sagrados islâmicos seriam de compreender se no islão fosse permitida uma abordagem que admita a análise histórico-crítica (que tivesse em conta o contexto humano e cultural da época e a pessoa de Maomé) e possibilitasse uma visão literária e não apenas literal dos textos (refira-se aqui, em abono da verdade, que também há algumas seitas cristãs que interpretam toda a Bíblia à letra; os seus estragos não são tão grandes porque se reduzem a grupos pouco numerosos e que não se afirmam como gueto). O que o Corão, a Sharia e os ensinamentos de Maomé precisam é de uma abordagem que lhes permita não continuar a interpretá-los hoje como se vivêssemos no contexto de Maomé. De resto muitos referentes do islão vêem-se obrigados a fazer uma apresentação enganosa de muitos textos.

Que os muçulmanos ajam como agem não é de admirar porque a sua estratégia de afirmação de grupo tem resultado em benefício da expansão islâmica, o que é de estranhar é o facto de pessoas formadas no espírito iluminista abdicarem das capacidades de discernimento e do espírito de procura da verdade em benefício das boas maneiras. Quem não for amigo da verdade também não serve como amigo do Homem.

 

Islão sem reforma é um engano para a ocasião

Quem for amigo do islão estará certamente interessado na sua reforma porque só desta forma ele poderá sobreviver ao saber da juventude muçulmana e contribuir para a paz no mundo.

Já não chega defender-se os interesses da religião ou da política, chegou a hora de se colocar a pessoa humana e o cidadão em primeiro plano independentemente das suas crenças ou tendências. A dignidade humana não pode ser posta de lado por muito amor e respeito que se possa ter por uma cultura ou religião. Só apresenta caracter de sustentabilidade a instituição que defenda os interesses do Homem que se expressam na inviolabilidade da dignidade humana e na sua liberdade. Sim, até porque Deus, na compreensão cristã, encarnou no Homem, independentemente da sua crença numa relação de amor que cria comunidade.

Isto de se querer apresentar exteriormente um islão vestido à maneira ocidental é um engano duplo ad intra et ad extra. Um engano para os de fora porque se faz dizer aos textos o que eles não dizem e que as autoridades islâmicas consequentemente impedem de dizer ad intra e é também um engano ad intra porque impede uma verdadeira discussão entre os funcionários do islão.

De facto estes são os mais perigosos porque são contra um islão moderno – um euro-islão em construção como alguns muçulmanos na Alemanha e não só. O muçulmano Prof. Dr. Bassam Tibi já confessou ter de capitular da visão de um islão humanista europeu porque vê que a política e a grande maioria das instituições europeias promovem um “islão de lenço na cabeça” um islão da sharia, só interessado numa discussão de um islão torcido a viver da dúvida e da insegurança dos outros.

Para que o Corão seja entendido e compreendido como código de vida para os muçulmanos modernos, os funcionários do Islão terão de começar por permitir o acesso histórico-crítico aos seus textos e deixar de os aferir e interpretar à maneira de Maomé (profeta e guerreiro) sem atender à revelação divina através da História e dos tempos. Naturalmente, o Corão ao pretender ser tido na sua leitura como a inlibração de Deus (Alá) impede qualquer interpretação liberal.

A Verdade não se encontra só no caminho caminhado

Naturalmente, não é possível eliminar as limitações humanas dos textos nem da História; pior ainda seria se permanecêssemos presos nelas. Assim também não é possível eliminar o preconceito da sua interpretação, atendendo às conotações da inspiração que cada época faz na sua interpretação como reacção à necessidade de se alinhar numa narrativa aberta mas coerente.

Cada pessoa, cada sociedade precisa de um certo enquadramento que lhe dê identidade e expressão própria e neste processo de identificação surge o problema dos caixilhos porque pretendem delinear as fronteiras da verdade quando ela é uma realidade sem fronteiras. Aqui se situa o problema do preconceito e a tática da confusão como maneira de se afirmar. O preconceito fundamenta a pretensão de se possuir a verdade encerrada no caixilho da própria visão ou entendimento. O Corão e o Islão pretendem-se como a verdade absoluta e derradeira da História humana, cometendo assim o equívoco de identificar os confins da verdade com a cultura árabe. Este comportamento verifica-se ainda hoje na prática das sociedades muçulmanas que consideram as minorias como seres de segunda ou terceira classe. (Porque não exigem os funcionários islâmicos da diáspora os mesmos direitos para as minorias que vivem nos seus sistemas como exigem para os seus crentes na diáspora; porque não se manifestam os representantes do islão na diáspora contra as barbaridades que seus irmãos cometem na África e na Ásia? – Não o fazem porque o Corão não o permite, não serviria o islão e o islão é contra a bilaterada em termos de igualdade de direitos religiosos e humanos).

Também a necessidade de uma “cidadania integrada, integradora e activa” não pode implicar uma discussão do faz de conta, pronta a engolir cobras e lagartos, doutro modo corresponderia a um marcar passo das culturas e abdicar do chamamento de todos à verdade (para lá dos enquadramentos culturais) a que toda a humanidade está chamada, em nome do desenvolvimento, a ver o mundo como um tecido comum que todos tecem. Só o conhecimento e o diálogo franco e aberto proveniente da diversidade religiosa poderão fomentar uma sociedade de alta competência, diversificada e oleada pelo respeito mútuo, sem cair na necessidade de se impor gato por lebre.

A preocupação da política pela igualdade e pelo equilíbrio dos grupos a agir no tecido social não deveria impedir um diálogo que para ser profícuo terá de seguir as regras do velho discurso da controvérsia. O respeito de uns pelos outros e o chamamento à descoberta da verdade não podem deixar-nos alinhar numa realidade do pós-facto em que a emoção e o oportunismo se tornem como orientadores da sociedade. A ideia e a procura da verdade são a luz que ilumina o nosso caminhar.

Continua num artigo próximo que tratará sobre razões do desinteresse numa discussão honesta e digno sobre o Islão.

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Espírito no Tempo

 

DIA MUNDIAL DA LÍNGUA MATERNA – UM PATRIMÓNIO CULTURAL A DEFENDER

Em vez de português erudito fomenta-se o português macarrónico

António Justo
21 de Fevereiro é o Dia Internacional da Língua Materna. Foi proclamado pela UNESCO como memorial para “promover a diversidade e o multilinguismo linguística e cultural”.

Segundo a UNESCO, metade das línguas maternas encontram-se em risco de desaparecer (entre elas o Bretão, Quechua e Nahuatl). Com a celebração do Dia da Língua Materna, pretende-se manter viva  a consciência das tradições linguísticas e culturais. A visibilidade de um espaço cultural manifesta-se através da língua e suas marcas.
Especialmente nos países da lusofonia há que ter isto em consideração. A protecção dos falares indígenas e das tribos não deve porém substituir o português como língua de comunicação nacional e internacional. Seria relevante manter uma relação equilibrada entre os interesses regionais e o interesse da identidade nacional que se expressa numa língua de comunicação para todos.

Fazer uma coisa não implica deixar de fazer a outra (Unum facere et alium non omittere). No contexto importa recordar o lema latino “E pluribus unum” (fazer de muitos um/unidade na diversidade); este lema fez dos EUA o país que é hoje. Sem integração não há unidade orgânica.

O idioma deve reflectir, pelo menos, nalguma das suas partes, a herança cultural do todo e do particular, como memória viva a gerar futuro.

Tanto uma olhadela sobre o Português, muitas vezes usado no dia-a-dia, como sobre a política da língua não permite grande satisfação a muitos os falantes lusófonos. Tem-se implementado o empobrecimento da língua com uma reforma ortográfica que na ortografia não favorece a especificação (exemplo: faz das palavras acto e ato uma só palavra (ato) para com um só vocábulo designar dois conceitos.

Com isto desejo alertar para o facto de o Acordo Ortográfico ter tocado com a etimologia das palavras, coisa que outras línguas (Itália, França e Espanha) não permitiram fazer ( as consoantes mudas, são também importantes para quem tem de escrever, por exemplo em Italiano ou Espanhol, dado estas línguas conservarem a etimologia que corresponde às nossas consoantes mudas). Com as mudanças operadas pelo acordo surgem dificuldades variadas .

O “português do brasil” ou português de expressão brasileira tem-se afastado das línguas de origem latina europeia (contrariando o desenvolvimento diferenciador destas) ao reduzir o emprego das pessoas gramaticais (no sentido de uma indiferenciação e como tal empobrecedora).  As línguas europeias de origem latina mantêm o alto nível da língua na sua riqueza de diferenciação, ao preservar as três pessoas gramaticais do singular e do plural: eu, tu, ele-ela, (você, a gente) e nós, vós, eles-elas, (vocês); permanecem assim fiéis à defesa da excelência da língua e contrariando a tendência simplista de se cair no uso de uma língua de carácter “macarrónico” (substituir o uso da segunda pessoa gramatical pela terceira, etc. e com o tempo acabar com o emprego da segunda pessoa verbal).

Por outro lado há demasiados anglicismos conferem um  tom estranho ao serem empregues no uso diário  sem o conveniente aportuguesamento.

Nos média sociais ( Facebook) espalha-se  paulatinamente uma comunicação abreviada e simplista que, com o tempo, poderá levar muitos a não conseguir escrever uma carta em português correcto.

Do mesmo problema se queixam professores universitários que constatam em muitos alunos grandes défices na expressa do português.

No mercado observam-se também cadeias de empresas que não se preocupam em traduzir os nomes dos produtos para as  línguas onde são vendidos.

Na França implementaram-se medidas para defesa e enriquecimento da língua. Em 1994, na França foi proibido o uso de conceitos ingleses sem serem traduzidos. Cada conceito introduzido na língua materna, que respeite o seu espírito, constitui um enriquecimento da língua. (Confesso que, por vezes, uso estrangeirismos por não encontrar ainda termos adequados em português).

A língua é um organismo vivo e como tal aberta ao novo, mas deve ser respeitada sem ser violada; naturalmente há também nichos usados por grupos étnicos, estudantes, estrangeiros, além de regionalismos, dialectos, etc.

Infelizmente o governo pretende diminuir o ensino da língua materna em favor de disciplinas sociais.

António da Cunha Duarte Justo

“Pegadas do Espírito no Tempo” http://antonio-justo.eu/?p=4146

Hora da lusofonia: http://www.uaisites.adm.br/iclas/pagina_ver.php?CdNotici=206&Pagina=Opiniao

Acordo ortográfico segue a via popular: http://antonio-justo.eu/?p=2190

Português para todos: http://macua.blogs.com/moambique_para_todos/2016/12/o-portugu%C3%AAs-deixa-de-ser-l%C3%ADngua-oficial-em-cabo-verde-que-futuro-para-timor-leste.html

MEC brasileiro pretende acabar com a obrigatoriedade da Literatura portuguesa: de Cavalo para Burro?: http://agostinhodasilva.blogtok.com/menu/6/42434/

 

 

CORRUPÇÃO DEMOCRÁTICA – TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS MINA OS ESTADOS

As Regras Anti-Lobby da EU são demasiado fracas

António Justo

Segundo um estudo da Transparency International (TI), mais de metade dos antigos comissários da EU, que deixaram o trabalho na Comissão Europeia desde 2009, encontram-se empregados em organizações de influência e pressão lobistas. T I critica que cargos públicos sejam usados como plinto para empresas e como tráfego de influências.

Dos 485 deputados do parlamento europeu, que depois das eleições de 2014 deixaram o cargo, encontram-se 171 a trabalhar como lobistas para firmas com sede em Bruxelas e cuja finalidade é influenciar a política da EU. Os interesses de política e economia fluem uns nos outros. O ex-presidente da EU, Manuel Barroso, aconselha hoje a Goldman Sachs, a ex-comissária para protecção do clima é conselheira da VW e o seu antecessor Karel de Cucht é conselheiro da Telecom belga etc.

Lobistas são pessoas de influência que trabalham num grupo ou empresa com o objetivo de interferir diretamente nas decisões do poder público (executivo e legislativo).

Os partidos políticos são o lóbi do cidadão mas devido à complexidade da vida política esta exige dos políticos e dos órgãos do Estado, a consulta de conselheiros (lobistas) no processo de tomada de decisões.  Daí surgirem conflitos de interesses.

Firmas com interesses que não os do Estado e da população, estão interessadas em pessoas com influência no executivo e no legislativo, por isso empregam ex-altos funcionários do Estado.

Portugal é ainda um Estado em que a corrupção é estrutural; esta acompanha-nos: desvios de subsídios da EU,  PPPs, a velha questão Sócrates e comparsas e o actual caso escandaloso Centeno-Domingues-Caixa-Marcelo-Parlamento; tudo isto revela uma maratona do ganhar tempo para evitar condenados e um eficiente resultado do tráfico de influências subornadoras do Estado e da cidadania portuguesa.

Cada vez se precisam mais instâncias de controlo para que a democracia e o estado não sejam manipulados por interesses alheios organizados.

TI pretende que se eleve de 18 para 36 meses o intervalo da ocupação para pessoas de altos cargos públicos que passem para o privado e critica o facto de os parlamentares não estarem submetidos a nenhum período intercalar podendo transformar-se imediatamente em lobistas, muitas vezes recebendo ainda os subsídios transitórios.

O comportamento revelado no tráfico de influências no campo político reduz para cinismo a queixa da classe dominante sobre o populismo nascente.  A transparência que não é comum nos estados africanos também não é virtude nos Estados europeus. Parece que vivemos numa sociedade do tudo vale, vale tudo até o mal!

 

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Espírito no Tempo

 

DE EDUCAÇÃO ASSIM ATÉ JESUS GOSTA

Uma estruturação equilibrada da pessoa precisa de programas e ritos

 António Justo

Acabo de visitar uma família amiga muito querida e desanuviada. Dela faz parte o Daniel, de quatro anos, muito reguila e maroto (sinal de saúde e inteligência). Passou-se uma tarde alegre sem que a criança no Daniel passasse desapercebida. À despedida, o Daniel já me considerava parte da casa e por isso me fazia caretas. A mãe, pensando que ele já estava a entrar de chancas, disse para o filho: “Não faças isso, o Jesus não gosta!”

Quem não gostou fui eu e o Daniel. E isto motivou-me a escrever este texto.

Não gostei da frase porque a mãe está, assim, a transmitir ao filho a ideia de um Deus controlador, fazendo de Jesus, no caso, um auxiliar de educação pela negativa. Ainda bem que não disse “Deus castiga!”

Na educação é relevante ter-se em atenção a imagem de Deus que se transmite às crianças. Cristãos conscientes não baseiam a educação em proibições nem autoritarismos. Procuram, no respeito mútuo, não só amar mas também mostrar que amam, para, deste modo, proporcionarem calor emocional, aquele sentimento de comunidade, fruto da vivência da relação íntima, mais fortificada quando é acompanhada de brincadeira. Naturalmente na educação também é necessário estabelecer limites até porque as crianças, por vezes, não têm consciência dos limites ou querem experimentar até onde podem ir.

 

O Deus de Jesus Cristo é o Deus do amor. Por isso a educação cristã deve transmitir à criança a mensagem de que é incondicionalmente amada por Deus independentemente dos seus serviços prestados. A educação cristã contradiz assim a norma social que avalia as pessoas pelos serviços que prestam.

Cada criança precisa de receber muito amor, estima e apreço de forma gratuita. Sintonia e compaixão são virtudes que contemplam de maneira especial as necessidades das crianças que não devem ser submetidas apenas à rotina do programa da vida diária.

A melhor maneira de educar é o exemplo que se dá na vivência da fé no dia-a-dia. Coisa não fácil quando somos puxados por tantos afazeres que por vezes nos impede de tomar consciência da presença e das necessidades do outro.

A educação cristã nas famílias além de contribuir para a sua boa higiene psíquica, espiritual e social desempenha um papel salutar na sociedade.

Uma família para se expressar, criar laços e ter uma existência equilibrada e salutar precisa de ter rituais que se repetem regularmente e que dêem oportunidade para criar momentos fortalecedores da identidade e de comunidade. Assim, uma tarefa familiar (lavar a louça!), um beijinho ao levantar, ao chegar do trabalho e uma oração ou leitura de alguma história edificante ao deitar criam momentos comuns e oportunidades de aproximação que doutra maneira se perderiam no programa individual de cada um.

Segundo estatísticas alemãs, uma família cristã reza pelo menos uma vez ao dia com os seus filhos. Constata-se como muito importante a oração antes do deitar, a oração da noite ou a leitura na bíblia para crianças; estes e outros ritos ajudam a transmitir a fé e o sentido de comunidade familiar. O que se faz em conjunto fomenta laços de amizade. Também a frequência regular do culto religioso tira a criança de uma certa anonimidade e dá-lhe projecção social, além de fazer a experiência de oração pública a Deus. Na paróquia a criança vive a fé também através do envolvimento social. A frequência dominical da liturgia além do aspecto religioso é um elemento estruturador de vida e cria na pessoa sociabilidade e prepara para o silêncio interior e para se ver numa perspectiva que não só a individual.

Muitas paróquias onde a afluência dos fiéis é grande, ainda apostam na rotina de uma missa dominical mais dirigida para adultos (criando enfado nas crianças e preocupação nos pais). Urge o imperativo de conceber o culto com para-liturgias (actividades) a partir da perspectiva da criança. Muitas actividades dominicais tornam-se em incómodo e aborrecimento para a criança. Uma má experiência da criança no serviço litúrgico na tenra idade torna-se, mais tarde, na maior vacina contra a frequência da missa dominical, devido à experiência na infância vivida. Há diferentes tipos de espiritualidades e as crianças também têm a sua maneira de experimentar e expressar espiritualidade.

As crianças desenvolvem muitas das suas potencialidades fazendo. O participar no serviço litúrgico com sketchs, com pequenas cancões ou recitações, ou, também, no serviço de acólitos, em actividades de escuteiros, etc., torna-se em verdadeira iniciação de desenvolvimento e enriquecimento da personalidade individual e social de quem participa.

Em família também há momentos menos felizes em que algum dos membros perde a paciência por se encontrar sobrecarregado por algo que não controla e então não reage adequadamente a alguma atitude do filho.

O emprego da violência deve ser tabu em família, mas se por acaso cai uma esquecida, uma bofetada, isto é considerado como resultado da própria fraqueza e como tal acompanhado de um acto de contrição comum, acompanhado de uma reflexão sobre o acontecido e porquês sem querer incriminar ninguém (O bater ou uma bofetada falta ao respeito e ao caracter inviolável da pessoa que já o é inteira na criança). A violência não pode ser justificada cristãmente mas reconhecida e reparada no reconhecimento da fragilidade humana. O emprego da violência é brutal e fomenta a brutalidade. Uma maneira de se integrar o positivo e o negativo na pessoa, para se não ter a necessidade de se refugiar nalguma abstracção, poderia, quando uma criança não está a ser tão boa, ser considerada como um Jesus abandonado e quando a pessoa faz tudo bem, ser considerada Jesus ressuscitado. Sim, em cada um de nós há um Jesus abandonado (na cruz) e um Jesus ressuscitado. De educação assim até Jesus Cristo gosta.

O desejo de transmitir a fé à criança e a experiência concreta de comunidade torna-se cada vez mais premente em famílias cada vez mais stressadas porque determinadas externamente e numa polis que pensa promover sociedade sem a experiência da comunidade, caindo no equívoco que é suficiente um comportamento com um conjunto de princípios individuais regulados por leis e éticas morais ad hoc.

Grande parte dos pais cristãos sentem uma certa tensão e preocupação pelo facto das crianças se encontrarem expostas a uma sexualidade permissiva e grosseira imposta pela sociedade e até por programas escolares de caracter ideológico. Isto e uma total privatização em torno do computador, pode impedir a criança no seu desenvolvimento (falta de contacto social imediato). Há cristãos mais conservadores ou mais progressistas. Em sociedade muitas famílias cristãs são exemplares. Quem convive com diferentes tipos de clientes nota, muitas vezes, uma grande diferença de comportamento entre eles. Geralmente quem tem uma educação religiosa consciente é mais altruísta e tem maior capacidade de empatia.

Investigações sociológicas mostram que pais com prática religiosa regular se sentem bastante seguros na educação e nota-se “entre eles uma harmonia digna de nota em questões educativas “.

Para terminar permito-me colocar aqui uma oração que quando era pequenito repetia em situações que poderiam meter medo. Naturalmente corresponde a uma pedagogia popular nem sempre reflectida; mas muitas coisas valem também pelo efeito que provocam!

São Bartolomeu me disse, que não tivesse medo de nada, nem da noite nem da sombra, nem do que tem a mão furada…Quatro cantos tem a casa, quatro velinhas a arder, quatro anjos me acompanhem, esta noite se eu morrer.

 

© António da Cunha Duarte Justo

Pedagogo

Pegadas do Espírito no Tempo

A QUEM BENEFICIA O OLIMPO REPUBLICANO PORTUGUÊS?

Aeroporto Mário Soares – Imposição de mais um modelo controverso à consciência portuguesa?

António Justo

Não queremos ver Portugal limitado a uma casa assombrada dos espíritos políticos

Na república, a virtude não parece mercadoria que se venda nem que se coloque em lugar nobre! Seria embaraçoso colocá-la nos altares da nação porque então a corrupção comprometida passaria a não ter atracção nem cobertura. A República que era contra os ídolos da Monarquia, sem pôr a mão na consciência, substitui-os pelos ídolos da república.

Aquela república dos homens do avental aproveita-se para entronizar, no lugar dos deuses, os seus comparsas, de maneira qualificada mas discreta. Um Portugal desaportuguesado, o portugal de cima, continua a implementar modelos controversos para assim eternizarem um país de espírito faccioso e divisionista. Cultiva-se um ideário de consciência política partidária individualista que se quer confundível com a consciência comunitária portuguesa (que consequentemente degenera num patriotismo empolado). Em vez de se auto-incensar, a política deveria ter como tarefa fomentar especialmente modelos da cultura e da integração no imaginário português. Na carência de um ideário cultural nacional, fomenta-se uma sociedade de tipo casa assombrada ocupada por espíritos políticos. Precisamos de menos ruído político para nos intervalos do seu silêncio termos espaço público para a cultura. Só assim poderemos dar ao povo a oportunidade de se tornar rei de si mesmo e desviar-se do paternalismo que conduz à subjugação.

Proposta precipitada de Marcelo Rebelo de Sousa

O senhor Presidente da República precipitou-se ao sugerir (15.01.) que o possível novo aeroporto de Lisboa, a ser construído no Montijo, se chame Aeroporto Mário Soares. Ainda o ovo não saiu do ânus da galinha e já as bochechas políticas têm um nome redondo para lhe dar. Com estas e outras o senhor presidente revela-se como um oportuno continuador de um regime de comparsas e amigos preocupado em colocar os seus “santos” no Olimpo de Portugal para o povinho venerar! Como povo habituado a ser colocado à procura de gambozinos não nota sequer que o senhor presidente, à boa maneira do centralismo francês aportuguesado, se adianta com a proposta.  Com este procder, prescinde da formação de opinião a partir do povo e indirectamente pressupõe a questão da decisão da construção daquele aeroporto, como facto consumado. Deste modo vem dar continuidade à realidade macrocefálica de uma capital sem corpo e também não tem em conta a falha sísmica do Vale do Tejo.

O rescrito da nação terá de deixar de ser delineado só pelos caracteres políticos do Estado. Portugal precisa de uma outra narrativa que não a política, uma narrativa com um fio condutor não do poder mas do espírito cultural, para poder tornar-se num impulso criativo para uma geração de novos portugueses e novos políticos. Não precisamos só de homens, que, de regime em regime, se afirmem pela oposição ou pela afirmação, precisamos de personalidades da cultura com capacidade de atrair uns e outros. Mário Soares é uma grande personalidade dentro do partido socialista português mas como personalidade nacional provocou grandes bens e grandes males.

O futuro de um povo depende do cuidado dos seus mitos

O pressuposto do futuro está na memória. É natural que um país precise de pessoas de referência que permaneçam no ideário popular para, de forma duradoura, configurarem o sentimento de identidade nação-povo. O que não é natural é que devido ao provincialismo antiquado da classe política, refugiada em Lisboa, os políticos continuem a querer impor os seus corifeus como personalidades exemplares para o país.

A República portuguesa seria bem aconselhada se procurasse fora da política as suas personalidades de referência. Portugal tem tido, na sua história, personalidades de alta relevância na cultura, na literatura, nas artes e nas ciências; este é o campo propício onde se encontram personalidades de referência nacional e internacional, propícias para a fomentarem a sustentabilidade da alma portuguesa.

A república tem produzido personalidades demasiado partidárias e controversas para poderem servir de exemplo e funcionarem como factores de integração do povo português. Mário Soares teve o mérito, de, com outros, impedir a implantação da ditadura comunista e neste sentido se provar como democrata mas nunca poderá ser um homem modelo consensual, sendo, assim, impróprio como factor de identidade nacional. Não se contesta a sua imagem como ícone partidária na paisagem democrática.

Enquanto, numa democracia partidária, a política e a notícia escandalosa continuarem a dominar o espaço da arena pública, a cultura do país está condenada a definhar!

A quem aproveita isto?

Em política há sempre uma pergunta que deveria ser sempre colocada como prova dos nove do que se faz ou pretende fazer: quem se beneficia com isto?

Não seria de benefício para Portugal querer construir um regime político sobre as cinzas do estado novo sem ter consciência de que para se construir um Estado moderno seria também necessária a coragem de se reduzir a cinzas os malefícios crónicos da república e que infelizmente Soares também incorpora e representa. Um povo é um rio que flui ininterruptamente não podendo ser interrompido nem transformado em barragens sucessivas desta ou daquela ideologia!

 

De República vermelha para república arco-íris

Algo não é racional na lógica republicana e na política que tem seguido de colocar os seus ídolos no Olimpo republicano! Por um lado muda o nome de Ponte Salazar para Ponte 25 de Abril e por outro combate e infama o Salazar como se ele não fizesse parte da república. Ou será que querem fazer do Olimpo republicano apenas um lugar para a esquerda e para maçónicos? Num Portugal inteiro, o Olimpo republicano precisa de todos os “santos” para venerar! (Já que falamos em “santos”; não haverá aí uma Maria da Fonte que, para desenfastiar, possa figurar como santa no Horizonte republicano?! Tem talvez a desvantagem de cheirar a povo num Olimpo iluminado que para continuar a ser coerente consigo mesmo terá de ser masculino!)

Já numa acção operada no nevoeiro, os políticos tinham trocado o nome de Aeroporto da Portela para Aeroporto Humberto Delgado; sem o povo notar se vai concretizando uma política de tigela! Gago Coutinho e Sacadura Cabral ficaram a ver navios! O cultivo da memória da história de Portugal tornar-se-ia embaraçosa para os nossos boys que percebem mais de política de interesses do que de cultura!

Em tempos em que governa a instabilidade emocional, penso que seria um acto de racionalidade, optar-se pela denominação de AEROPORTO POVO DE PORTUGAL, num país que se diz republicano democrático e, nessa qualidade, não gostaria de santos!

Portugal dos Pequeninos

O Olimpo português é um lugar sem exigências e como tal não faz sombra à corrupção política. O problema surge para os terráqueos que vivem num Estado em bancarrota e a ter de festejar os seus responsáveis como grandes estrelas no seu horizonte!Vivemos contentes num Portugal político dos pequeninos!

Os tempos políticos que correm, dado serem propícios a gerar muitos políticos do oportuno, deveriam deixar os políticos viver à vontade, mas exigir deles o critério de não terem o descaramento de desonrar o povo obrigando-o a ajoelhar perante os seus nomes. Porque não dar o nome das localidades aos aeroportos? Pouco a pouco se vai tendo a certeza que nos encontramos numa democracia sem baronesas mas que tropeça nos barões.

Cada sistema é coerente em si e como tal constrói os seus “santos” que se querem intocáveis! Doutro modo não haveria fiéis! Para os da sociedade de baixo vale a moral dos sentimentos; para os da sociedade de cima vale a ética dos interesses! Por estas e por outras é que reina a confusão!

António da Cunha Duarte Justo

© Pegadas do Espírito no Tempo

 

A “PONTE SALAZAR” DEPOIS “PONTE 25 DE ABRIL” COMEMOROU O SEU 50° ANIVERSÁRIO

A Ponte Salazar, inaugurada a 6 de Agosto de 1966, passou há 42 anos a ser chamada Ponte 25 de Abril. Era na altura a quinta maior ponte suspensa do mundo e a maior fora dos EUA.

Uma República envergonhada de si mesma rouba ao passado o que não lhe pertence na esperança de viver do princípio, que o povo é massa de manobra e tudo o que vem à rede é peixe e o que não mata engorda.

Em nome da liberdade, os abrilistas apropriaram-se do nome da ponte. Agora, nos meios socais, parte da esquerda sisuda e arrependida reconhece que fez mal e por isso, surgiu entre ela a ideia de lhe mudar o nome para Ponte da Liberdade, como se a liberdade tivesse dono e em Lisboa já não houvesse uma Avenida da Liberdade anterior à revolução!

O povo português tem sido enganado ao ver ser atribuída a liberdade em Portugal à revolução de Abril. O movimento da liberdade já há muito se encontrava no coração e nas actividades de muitos portugueses de esquerda e de direita que actuavam não só nos ambientes comunistas.

É ilegítimo querer fazer passar a ideia que a liberdade e a democracia eram propriedade de forças radicais da esquerda.

Os senhores abrilsitas até da razão se apoderaram ao assenhorarem-se da revolução cultural em via também em torno do Bispo do Porto, Dom António e da camada jovem que vivia o espírito do movimento 68 e anteriormente pelas grandes discussões de preparações para o Vaticano II no meio católico. Doutro modo teriam de consequentemente assumir também as barbaridades e traições executadas por uma esquerda radical anterior e posterior ao 25 de Abril.

Um dia a ponte 25 de Abril voltará a ser chamada Ponte Salazar, não por razões de revanchismo ou de saudade de autoritarismos mas por razões de memória e de justiça num povo que precisa de pontos salientes para melhor se orientar.

Vive-se bem da ideologia servida ao povo como ópio tranquilizante. O problema é crónico mas pode ajudar a lucidez de o reconhecer.

António da Cunha Duarte Justo

© Pegadas do Espírito no Tempo