CONFLITO DE INTERESSES ENTRE A NATO E A RÚSSIA NA UCRÂNIA PODE PROVOCAR GUERRA

Sanções económicas são injustas e oprimem os mais frágeis

No actual grave conflito entre a Rússia e a NATO, estão em jogo interesses geoestratégicos e económicos com as consequentes injustiças acompanhantes de lado a lado.

A Rússia não quer que a Ucrânia faça parte da NATO e a NATO quer que a Ucrânia faça parte do seu bloco.

Os interesses do poder geopolítico são determinantes e é por isso que a NATO está a expandir-se nos países que costumavam pertencer à zona de influência soviética. A Rússia interferiu na Ucrânia (Crimeia) para assegurar o seu poder estratégico e a Nato quer ver o Mar Negro como parte do Atlântico Norte (2).

Cada país tem o direito de escolher o seu próprio caminho, diz a NATO. Mas porque deveria a NATO também intrometer-se e aceitar qualquer país? Por outro lado, a Nato não estará interessada em dar garantias de não se expandir para leste.

Fala-se muito de direitos, mas estes estão condicionados ao Poder político e este depende do poder económico e do número de consumidores. Por isso, uma forma hoje em voga, mas injusta é a aplicação de sanções. Os países, política e economicamente mais fortes, determinam assim o agir de outros povos, se não através do fomento de guerrilhas internas, através de sanções! A ameaça de até serem cortadas as transacções monetárias à Rússia pode mesmo levar Putin a uma intervenção militar na Ucrânia. Com sanções económicas maciças fazem-se reféns 140 milhões de russos.

O retorno à lógica imperial/estalinista e dos USA (doutrina Monroe e o “quintal americano” de T. Roosevelt) torna-se cada vez mais evidente.

A construção de um mundo global multilateral parece passar pela formação de grandes blocos rivais USA (NATO)-Rússia-China-Índia que determinarão os próximos conflitos.

No sentido de uma política geoestratégica europeia pareceria pertencer a uma ordem natural das coisas a desvinculação da EU da NATO com uma EU mais inclinada para a Rússia, de modo a que a Europa formasse uma unidade, pelo menos, até aos Urais (A geografia e os pilares da civilização poderiam indicar neste sentido!) ou mesmo no sentido de uma União Eurasiática! Os EUA possuem cerca de 800 bases militares que os protegem fora do país e que, em caso de conflito, os estragos serão provocados fora dos EUA…

A Nato, com a queda da União Soviética, comportou-se arrogantemente como vencedora, não actua no sentido de uma paz duradoura (fez o mesmo erro que os vencedores da primeira grande guerra fizeram com os alemães humilhando-os: uma das consequências foi a segunda grande guerra)!

Os jogos musculares nas fronteiras de interesses antagónicos só podem criar vítimas como é o caso da Ucrânia. A rectórica dos Media (seguindo uma estratégia de informação confrontativa) parece querer levar o povo a prontificar-se a investir mais verbas no armamento da Nato.

Os Estados “tampão”, (Polónia e Ucrânia) como territórios de demarcação de duas potências têm razão para se preocuparem.

Na discussão actual o que está em causa é a neutralidade da Ucrânia. A União Europeia poderia iniciar uma política própria em relação à Rússia e automaticamente a Ucrânia estaria em melhores lençóis sem se ver dividida entre a União Europeia e a Rússia! Por razões geográficas e culturais, a longo prazo a Europa e a Rússia terão de se irmanarem! A NATO ao expandir até às fronteiras das Rússia provoca nesta um sentimento de ameaça.

A Rússia, a China e os USA serão as constantes do futuro e como tal, à Europa interessa iniciar uma cultura da paz! Doutro modo esperam-nos os drones e a guerra das estrelas.

António CD Justo

Pegadas do Tempo,

(1) Onde estão os protestos contra as manobras da NATO nas fronteiras com a Rússia e contra a cada vez mais apertada cintura de mísseis dos EUA? Estão em jogo puros interesses económicos (mercados). Há muito para esclarecer: o golpe de Estado de 5 mil milhões de dólares de 2014 na Ucrânia… o sistema da função pública patrocinado pelos EUA… a perfuração de petróleo em frente à Crimeia (República autónoma da  Ucrânia pró-russa legitimada por plebiscito). Os mísseis dos EUA nas antigas bases de mísseis SS20.

(2) “A Crimeia detém um valor geopolítico fundamental, se por um lado é muito importante ao nível securitário, por outro lado tem um grande potencial energético, devido à sua localização estratégica no Mar Negro, onde foram descobertas novas reservas energéticas e por onde passam rotas muito importantes de trânsito energético provenientes da Ásia Central e do Mar Cáspio”: https://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/16156/1/TESE%20DE%20MESTRADO%20FINALIZADA-%20IMPRESS%C3%83O%20FINAL.pdf

O COVID-19 ÓMICRON ALASTRA-SE E OS EFEITOS SECUNDÁRIOS DAS VACINAS TAMBÉM

O Rei vai nu

Na Alemanha, 86% dos infectados com Covid-19 Ómicron estavam já vacinados como refere a Deputada Wagenknecht referindo-se a publicoação do RKI – Robert Koch Institut (1)!…

Vacinar crianças não parece ser responsável! Na Alemanha houve vários cientistas e até um responsável pelas vacinas que desaconselharam a vacinação de crianças! De facto, numa certa lógica a vacina pode interferir no desenvolvimento do sistema imune da criança ainda em formação!

A EMA (Agência Europeia do Medicamento) alerta para efeitos secundários das vacinas AstraZeneca e Janssen. Em causa está a mielite transversal, na Medula espinal, uma doença neurológica pertencente a um grupo de doenças neuro imunológicas do sistema nervoso central. Também as vacinas da Pfizer e Moderna poderá ter efeitos eritema multiforme (O eritema multiforme (EM) é uma reacção cutânea aguda causada por uma infecção ou outro desencadeador), a glomerulonefrite (A glomerulonefrite é uma doença inflamatória dos rins que afecta os glomérulos renais e pode progredir de forma aguda, subaguda ou crónica) e o o síndrome nefrótico ( Este dano resulta na libertação de demasiadas proteínas para a urina).

Nestas questões de covid-19, encontramo-nos num grande pandemónio e pandeminions, entre defesa e ataque! Tudo ataca: de um lado o virus e do outro muitas das medidas contra ele!

Gregor Gysi, membro do Bundestag alemão desde 2005, disse numa entrevista que 30% da população alemã já não tem confiança no governo por causa das medidas tomadas contra o Covid-19.

Recordo aqui uma frase oportuna do filme “A filha perdida” (“The lost daughter”): “Logo que você tente oprimir as dúvidas, o resultado é tirania.”

Uma outra frase oportuna para reflectir do  filósofo Karl Popper (1902-1994) : “Uma das coisas mais estúpidas que já se ouviu hoje em dia é ‘Eu acredito na ciência’. Se a ciência fosse uma questão de crença, seria chamada de religião. Em vez disso, trata-se de sempre questionar, duvidar e verificar se não há muito dinheiro por trás de uma causa hipotética.” Esta frase, segundo o meu parecer, não é importante por vir de um grande filósofo mas pelo conteúdo em si! Esta frase pressupõe não apenas o acompanhamento ou a área marginal do percebido e do vivido, mas também suas razões profundas. Isso não quer dizer que apesar de tudo não nos devamos divertir! Independentemente do bem e do mal que fazemos, importante é fazê-lo de olhos abertos! De facto, o rei vai nu e os simples de coração são certamente os primeiros a notar a realidade do “rei”. A mesma superficialidade que levava muitas pessoas a praticarem uma crença religiosa de timbre folclórico é a mesma superficialidade que faz da ciência uma crença.

Resta cada qual escolher o caminho a seguir sem se deixar perturbar!

António CD Justo
Pegadas do Tempo

(1) A fonte da informação estatística foi a deputada no parlamento alemão, Sahra Wagenknecht! https://youtu.be/v8UXuW70Xx8

A entrevista dada pela deputada é certamente segura porque não poria a sua reputação em perigo. Considero-a uma mulher séria e muito equilibrada no que diz! Como deputada terá acesso a informações que o próprio RKI e a política não estará interessado em colocar no badalo do sino grande! Por outro lado, onda omicron ainda não chegou às unidades de cuidados intensivos, de acordo com a sociedade profissional de cuidados intensivos e médicos de emergência. Dados da Alemanha e Dinamarca alegadamente mostram que as pessoas vacinadas são mais susceptíveis de contrair omicron do que as pessoas não vacinadas. Mas isto está errado. Uma verificação dos factos DW. https://www.dw.com/de/faktencheck-ist-omikron-f%C3%BCr-geimpfte-ansteckender-als-f%C3%BCr-ungeimpfte/a-60351419?fbclid=IwAR1dnaHbZndhdcVJaE-2IV63-9LltHMA29qXOFMSIaFZcHD1uSCjFMy4HII

Informações acerca do de corona-19 na Focus: https://www.focus.de/gesundheit/news/news-zur-corona-pandemie-mindestens-72-6-prozent-der-bevoelkerung-vollstaendig-geimpft-berichtet-das-rki_id_26124600.html

MAIS UM ABUSO DE PODER  FLAGRANTE  – DESTA VEZ DO FACEBOOK

 

O Facebook do Reino Unido, removeu, sem explicação, uma campanha de petição contra casamentos forçados de mulheres e meninas cristãs!

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), com sede em Londres, já tinha conseguido na sua campanha de abaixo-assinados 3.210 assinaturas.

Com o acto prepotente do Facebook, a fundação viu-se obrigada a entregar apenas as assinaturas antecipadamente conseguidas,  em 15 de dezembro, a Fiona Bruce, membro do Parlamento e enviada especial do primeiro-ministro Boris Johnson para a liberdade religiosa.

O facto da violência contra crianças e mulheres ser um abuso dos direitos humanos “que trancende divisões culturais, étnicas e religiosas” (1) mais um argumento deveria ser para que por todo o lado surjam iniciativas que as defendam, independentemente dos interesses ideológicos e económicos das grandes multinacionais!

António CD Justo

Pegadas do Tempo

(1)  https://www.infocatolica.com/?t=noticia&cod=42277&utm_medium=email&utm_source=boletin&utm_campaign=bltn211226

 

BOS FESTAS

Caros leitores e amigos,

a cada um e famílias, os meus votos de um santo Natal e desejos de um Novo Ano próspero com muita saúde e muitos momentos felizes!

Um forte abraço

António Justo

BOAS FESTAS

Na gruta de cada um
Flameja a luz universal

vamos nela à festa das luzes
vamos todos sentir
A natureza a fluir
Ser a onda do desejo
A brotar em Belém

Vamos todos desfrutar da alegria

desta história global

No abraço universal

Parabéns a Jesus

e a vós também!

 

Natal – a compreensão cósmica de Deus, Homem e Mundo

O Cosmos evolui no Sentido da Natureza de Cristo: https://www.triplov.com/letras/Antonio-Justo/2012/natal.htm

Mais em https://antonio-justo.eu/?m=201212

Natal – A Compreensão cósmica de Deus, Homem e Mundo

O Cosmos evolui no Sentido da Natureza de Cristo

 

António Justo

Aproxima-se mais um Natal no tempo. Um escândalo! Deus torna-se mundo e Homem depois duma grande gestação que se seguiu à Palavra de Deus inicial que produziu o “Big Bang” do universo e se foi tornando, cada vez mais, visível, atingindo o apogeu no Filho do Homem. Em Jesus Cristo une-se a divindade e a criação (poder e vulnerabilidade); os opostos tornam-se parte duma realidade maior que ultrapassa a visão dialética e bipolar habitual. O JC torna-se a interpretação de Deus e do mundo: é não só a sua metáfora mas também a sua realidade; ele reúne e resume a corporeidade, a matéria no Jesus homem e a divindade no Cristo. O divino apresenta-se aqui numa dimensão física visível e numa dimensão espiritual invisível: é mundo e transcendência ao mesmo tempo.

 

Com as dores da evolução, o espírito expressa-se no espaço e no tempo (cosmos) à semelhança do desenvolvimento do ser humano no ventre da mãe durante a gravidez. JC é o “início” e  “o primogénito de toda a criação” (cf. Paulo aos Colossenses); com Ele e nEle a divindade incarna já antes de toda a criação. A divindade torna-se pai/mãe no Filho, gera e cria por amor permanecendo na união do criar e dar à luz (revelar) parte de si mesmo (a sua dimensão cósmica). JC já resumia nele a divindade e a criação antes do pecado original. Daqui ser óbvio não se acentuar demasiado a espiritualidade do pecado original como fundamento da incarnação divina (como advertem teólogos). Para João Duns Escoto o pecado assume uma realidade secundária em relação ao amor. A religião do cristão é o amor e o amor expressa-se na bondade.

 

O universo é o alfabeto e a sintaxe da Palavra inicial (No princípio era o Logos, a Palavra, a Informação) donde tudo surgiu e se manifesta. JC é a revelação de Deus nas suas dimensões material e imaterial. “No princípio já existia o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava, no princípio, com Deus; tudo começou a existir por meio d’Ele, e sem Ele nada foi criado” (Jo 1, 1-3).

 

A criação traz, assim, em si o gene divino e o germe da evolução tendo chegado à maturidade física que comporta o seu florescer no espírito, na natureza do Cristo. Em JC temos a ideia e o acontecer duma Realidade ao mesmo tempo visível e invisível. É aquilo que a liturgia realiza na eucaristia, antecipando nela a realidade final, a transubstanciação da matéria no espírito, num processo de Alfa e Omega, como JC já antecipou.

 

Teilhard de Chardin compreende o cosmos inteiro como Cristocêntrico numa espécie de consagração transubstancial da realidade. Bento XVI fala do sinal da ” Eucaristia, comunhão com Cristo e entre nós” e Joao Paulo II acrescenta: “A liturgia cristã deve ter uma orientação cósmica. Tem que, por assim dizer, orquestrar o mistério de Cristo, de facto, com todas as vozes que estão à disposição da criação” (Ecclesia de Eucaristia). Com isto, chama a atenção não só duma espiritualidade transcendente mas também duma espiritualidade imanente (inerente ao cosmos). Esta será a dimensão a aprofundar numa fase mais mística do cristianismo e que virá dar resposta aos novos tempos.

 

Deus torna-se mundo e Homem em Jesus Cristo (processo evolutivo do Alfa para o Omega); JC ao resumir em si o mundo e a divindade espelha nEle a pessoa e o universo no seu processo de divinização. Deus dá hoje continuidade ao processo de incarnação que tinha iniciado e realizado em Jesus Cristo ao iniciar a criação. Os movimentos cíclicos e lineares convergem em cenários de uma mesma realidade que se expressa nas espiritualidades natalícia, pascal e pentecostal. O ciclo da natureza e o ciclo litúrgico tornam-se metáforas duma mesma realidade em via.

 

No processo evolutivo, à hominização segue-se a natureza de Cristo. O Natal (incarnação) provoca uma verdadeira revolução do pensar racionalista e sentimentalista, abrindo horizontes para panoramas e dimensões impensáveis. Não podemos acentuar demasiado o aspecto pedagógico-didático da liturgia natalícia em detrimento da realidade essencial teológica e mística que se resume no mistério da Trindade e no processo de incarnar e ressuscitar.

 

O Natal, embora incorporado no negócio do consumo, na concorrência e no sentimentalismo, é, no tempo, aquela parte do tempo que aponta para a justiça e para paz. O calendário litúrgico, tal como as estações do ano, expressa metaforicamente a realidade da vida, e consequentes diferentes nuances.

 

Urge uma actual compreensão e vivência do mundo, do homem e de Deus. A desmitologização do mundo expressa no cristianismo pressupõe a desmitologização do espiritual, para se poder compreender a realidade integral que é Jesus Cristo. Urge dar-se a desmitologização de Deus, do homem e do mundo para se sentir o fluir do divino no humano numa interligação de Pai no Filho, de Filho no universo na unidade do Paráclito.

 

A incarnação é um mistério que pode ter várias abordagens também no sentido de dar resposta aos problemas actuais apresentados pelas novas impostações teológicas e pelas ciências físico-naturais. Uma das impostações será a de que Deus não encarnou em JC porque Deus estava ofendido com os pecados do mundo mas também porque, por amor, na sua relação trinitária, ao tornar-se mundo e homem se submete à evolução, à cruz do mundo a caminho do Cristo. Deus ao revelar-se em Jesus Cristo revelou o ser do Homem e do mundo também.

Estamos chamados a realizar o JC.

 

Com este Deus que se declara por nós e em nós, há que renascer para realizar o Natal.

 

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

“A LIBERDADE ESTÁ NO HIJAB” APREGOA O CONSELHO DA EUROPA!

A União Europeia implementa símbolos de submissão!

Esta campanha institucional do Conselho da Europa a favor do lenço islâmico (Hijab) foi mais uma tentativa de vender o símbolo da submissão da mulher como indicativo de liberdade (“A beleza está na diversidade como a liberdade está no hijab”) e ao mesmo tempo de promover a cultura tradicional islâmica no meio ocidental!

A ideia não veio do presidente turco, Erdogan; o mais grave e sintomático é que ela partiu de genuínos representantes da União Europeia que parecem dispostos a apostar na “emancipação” de tudo e de todos até conseguirem a particularização de todos e deste modo serem mais facilmente dominados porque reduzidos ao género neutro! Vivemos num tempo de palavras mágicas que a tudo obrigam e até a razão subjugam!

Nada acontece por acaso! Ou será que Bruxelas perdeu a cabeça?

O bom senso levou Estrasburgo a parar a controversa campanha e a apagar os tweets referentes a ela (1).

Em termos culturais, este permanece um aviso sério sobre o que move os nossos deuses do olimpo europeu nos corredores de Bruxelas e de Estrasburgo!

Seria totalmente impensável que o Conselho da Europa tomasse a iniciativa de fizer uma tal propaganda em favor de símbolos cristãos (2)!

Que tolerância é esta que para defender o islão toma ao mesmo tempo medidas para desmontar valores cristãos! Surpreendente é a atitude descarada que já usam de, para valorizarem uma cultura, se sintam na necessidade de desvalorizarem a outra!

Chegamos ao cúmulo dos representantes de uma democracia, porque depravada, se sentirem já à-vontade para aplainarem o caminho da teocracia islâmica (Muitas portadoras do lenço islâmico são símbolo de um islão gueto, mais radical! Que as mulheres tenham a liberdade de usarem ou não o véu é uma evidência do seu direito privado, mas que instituições como a EU defendam hábitos impostos pelo domínio cultural e pelos seus homens é indigno de uma Europa com tal nome)! De facto, algo de comum têm: oligarquia e teocracia não andam muito longe uma da outra!…

Políticos europeus não tomam a sério os temores dos cidadãos nativos e em contrapartida empenham-se em fortalecer os interesses muçulmanos e deste modo fomentam uma política multicultural que se revela nefasta para uma sociedade que se deveria basear na solidariedade e na interculturalidade.

Em vez de criarem medidas de precaução e inserção fazem propaganda pela estratégia de afirmação do gueto islâmico. Pensam que, deste modo, dominarão o sentir ocidental e, para os seus intuitos de poder,  lhes bastará conseguirem criar uma relação de superioridade mais fácil com súbditos contribuintes, com grupos dispersados e cidadãos à deriva; com isto colocam a democracia em jogo porque quando se derem conta, as próprias regras democráticas ajudam os novos cidadãos a afirmar-se de maneira legitimada e incondicional!

O cartaz de reclame da Conselho apresentava uma fotomontagem de uma jovem mulher sorridente usando um lenço de cabeça cor-de-rosa com uma capa larga num quadro e dizeres como: “A beleza está na diversidade como a liberdade está no hijab”!

A propósito da liberdade do lenço: em 2018 a advogada Nasrin Sotoudeh foi condenada a 148 chicotadas e 38 anos de prisão no Irão porque apoiava mulheres que protestavam contra a imposição do véu na cabeça (HNA, 17.12.2021). Infelizmente, permanece em aberto a questão de quanta liberdade e quanta coerção e opressão estão associadas ao véu de cabeça.

No Islão, os testemunhos dos homens têm mais peso do que os das mulheres, e as mulheres não estão autorizadas a ter mais do que um marido, embora os representantes do Islão afirmem que homens e mulheres têm direitos iguais no Islão.

Uma religião que difama pessoas de outros credos como infiéis é intolerante e injusta. A verdadeira mulher muçulmana não sai de casa, e se sair, deve sair de maneira não atractiva. Isto também significa que os homens são geralmente, quase por natureza, agressores sexuais e as mulheres devem prevenir isto. Na Jordânia, as pessoas são liberais em relação ao véu da cabeça. No Irão e na Arábia Saudita, as mulheres estão a tentar livrar-se da cobertura obrigatória… Aqui a religião é usada para opressão das mulheres e subjugação a interesses. Sura 24:31 e 33, versículo 59 refere que o peito deve ser coberto… e “as esposas dos crentes, elas devem puxar para baixo algo da sua cobertura sobre si mesmas”. Portanto, é mais provável que sejam reconhecidos e não sejam molestados”. A sura fala sobre as mulheres casadas que cubram os seus seios e não fala do lenço de cabeça…

Os nossos políticos andam inquietos e parecem não estarem dispostos a esperar que os costumes surjam e se imponham de baixo para cima!

António CD Justo

Pegadas do Tempo

(1) Segundo o Stutgarter Zeitung, 3.11.2021, um porta-voz da Comissão da UE, distanciou-se cuidadosamente da campanha e, como é óbvio, os responsáveis não querem enterrar completamente a campanha. Todo o projecto será examinado e depois será tomada uma decisão sobre as próximas etapas:

(2) Medidas para banir a palavra Natal: https://antonio-justo.eu/?p=6911  e Ridicularização de símbolos cristãos (entre eles o símbolo da família): https://antonio-justo.eu/?p=6946     O Papa Francisco criticou as directrizes da Comissária para a Igualdade para uma comunicação mais inclusiva na UE, dizendo que são “anacronismos”. “Pense-se na ditadura nazi e nas comunistas”, atirou. https://observador.pt/2021/12/08/papa-compara-a-uma-ditadura-tentativa-de-comissaria-para-a-igualdade-alterar-termo-o-natal-para-festividades/