A MODO DE BALANÇO ENTRE A ERA DA ENERGIA FÓSSIL E A ERA DA ENERGIA RENOVÁVEL

Na Passagem da Era do Petróleo e do Carvão para a Era das Energias renováveis

Por António Justo

Com 2020 iniciamos um ano redondo de fim de década, o que convida a fazer uma tentativa de balanço sobre o passado e o que nos espera no futuro.

Como pontos relevantes de referência básica temos a primeira guerra mundial que iniciou o fim das nações na qualidade de potências individuais. Temos o comunismo a tornar-se no elo de ligação e coerência que deu expressão mundial à União Soviética como grande potência que hoje se prolonga na influência ideológica; por outro lado os USA com o capitalismo que deixaram de ser apenas um país para se tornarem na superpotência mundial, a partir da sua intervenção na I e II Guerra mundial. Ficaram assim a atuar no subconsciente dos povos e nos bastidores do palco mundial, de um lado, o capitalismo americano e do outro, o socialismo facetado.

A uma Europa enfraquecida pelas guerras e reduzida ao mero âmbito de nações, para poder sobreviver em relação aos USA, à Rússia, às potências surgentes da Ásia só lhe resta a alternativa de se organizar através de convenções e contratos na União Europeia.

À II Guerra Mundial seguiu-se o grande crescimento económico europeu, tendo dado origem ao maior período de paz na História da Europa e consequentemente houve um grande desenvolvimento no que se refere aos direitos humanos, responsabilidade social, espírito democrático, liberdade de imprensa e de mercado e à revolução tecnológica em via.

Temos pela frente o grande dilema climático e a necessidade de produção de energia sem base no carvão e no petróleo (grande problema tecnológico a solucionar será o do armazenamento de energia em baterias) para apostar certamente no desenvolvimento e construção de reatores de fusão à base de hidrogênio, como os ingleses já procuram fazer.

Como a vida social e política costuma andar atrelada à económica, tudo dá a entender que, no futuro, as zonas geradoras de riqueza e de conflitos passarão do Ocidente para o Oriente, como se observa na afirmação mundial da China em relação aos USA. As tempestades económicas são sempre acompanhadas por devastações sociopolíticas.

A destruição do Globo não tem que acontecer, talvez as nossas esperanças se encontram mais flutuantes nesta era muito caracterizada pela mudança e pelo receio do domínio de “dinossauros „económico-políticos.

Já não serão as políticas nacionais a determinar o desenvolvimento das regiões, mas sim grandes empresas anónimas (Google, Apple, Facebook, Amazon, Tencent, Alibaba, Visa, AT&T e outros que surgirão, chamarão a si as atenções e os interesses); estas concorrerão entre elas na tentativa de concentração de capitais e de poder ao lado do poder ideológico político na disputa comum pelo domínio das grandes massas.

A inovação tecnológica necessária, se acompanhada por uma cultura do senso comum e da honestidade, prometerá um futuro melhor e ainda mais agradável do que o de hoje. Para isso seria necessário que os valores surgidos da civilização judaico-cristã e greco-romana (baseados em relações pessoais humanas) não sejam substituídos por relações individuais baseadas no útil comercial (influência asiática).

A vida é contínua mudança e a plataforma que lhe dará consistência e sustentabilidade é a fé/esperança que nos acompanha no caminho, não nos deixando ficar sozinhos! Um povo, que não cultive a fé e a esperança, patina em si mesmo e não avança.

A esperança assemelha-se ao nadador que, para se afirmar em frente, se apoia na resistência que lhe oferece a fragilidade da própria água que o sustem.

A atitude da classe política europeia ao transpor para o povo o peso das dívidas e ao reservar para as elites o luxo descomunal, fomenta assim a chamada reação do “populismo” e dos ‘coletes amarelos’; estes são muito sensíveis à mudança axial que paira no ar e de que muitos ainda se não deram conta e por isso se limitam, por vezes, a discursos do medo do medo!

O Brexit pode ser interpretado como uma reação de medo no mesmo contexto e também um sinal da falta de coesão de uma Europa envelhecida incapaz de dar respostas de caracter orientador e de sentido para o tipo de nova sociedade que vai surgindo (O Papa Francisco poderia servir de modelo para o novo homo politicus que urge criar – as peias ideológicas impedem, porém, os políticos de reagir aos sinais do tempo. A mentalidade extremista e exclusivista de uma esquerda ativista e de extremistas da direita mais não são que a continuação do fanatismo das antigas guerras de religião só que encoberto com indumentárias de democracia e de luta em nome de algum bem desgarrado.

Pelo seu lado, o mundo do operariado do sector produtivo sente-se inseguro perante a inteligência artificial que o vai arrumando pouco a pouco. O capital que o trabalhador possuía era a energia do seu trabalho manual sublimado no Dinheiro. Atendendo à dicotomia entre economia produtiva e a economia financeira e correspondente anulação dos juros, desvaloriza-se também a energia laboral do trabalhador em benefício da energia das máquinas e do anónimo. As inovações tecnológicas já se fazem sentir também no clima dos trabalhadores e seus receios em relação ao futuro; cada vez se torna mais seu anseio serem funcionários do aparelho estatal.

Por seu lado, as elites já incluem no seu agir a instabilidade social e o incómodo social; elas vão dando um passo de cada vez, tendo assim já abdicado da História.

Embora a pobreza mundial diminua, nunca houve uma época com tão grandes desigualdades sociais como a de hoje: regentes e oligarcas permitem-se a nível de salários e de gestão da vida (energia desviada) o que não se permitiam reis em relação aos seus súbditos: hoje estamos a ser cada vez mais burilados, através também do pensamento politicamente correto, como massa súbdita e anónima na grande máquina da anonimidade económica e política, que vê o seu trabalho simplificado através do controlo total de tecnologias e cabecilhas.

Estamos a passar do século do petróleo para a era das energias renováveis… O expansionismo económico chinês em rivalidade com o americano obrigar-nos-á, pouco a pouco, a desquitarmo-nos do domínio americano e também de muitos dos valores da sociedade ocidental. A não ser que o poder asiático se torne tão forte que provoque a união dos povos do ocidente com a Rússia.

Por enquanto a sociedade ocidental encontra-se numa fase de desconstrução não só por fraqueza própria, mas pela concorrência de novos protagonistas mundiais e por interesses estratégicos da ONU, interessada em desvalorizar a influência cristã no mundo no sentido de adquirir o controlo total sobre as sociedades para ir substituindo a concepção cristã da pessoa pela de indivíduo da China (relação mais de serviço). Se olharmos para os dados estatísticos do desenvolvimento económico dos países neste século, será de esperar que depois dos anos 70 já não será relevante a problemática política e económica entre a China e os USA, mas sim entre a China e outros países asiáticos.

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

 

GRATIDÃO ALÉM DE VIRTUDE É UM REMÉDIO EFICAZ

Também  Natal é Gratidão a vibrar no Coração

António Justo

Há dias, quando estava a preparar este texto sobre gratidão e a ler um livro de Robert A. Emmons, veio-me à mente algumas vivências que tive no mosteiro.

Quando entrei no mosteiro de Arouca (1960), dois acontecimentos me impressionaram em particular: o ritual de despedida do dia “Boa Noite”, com uma duração máxima de cinco minutos, em que se expressava uma atitude de agradecimento pelo dia que terminava; o outro era o costume do “Dia da Boa Morte” no final de cada mês, onde através de meditação, oração e leitura espiritual se exercitava a “boa morte” como agradecimento pela vida presente no sentido de ser vivida mais intensa e conscientemente ao ser equacionada na perspetiva da boa morte como algo natural.

Durante a “Boa Noite”, o Director, na tradição salesiana, levava-nos a recordar as experiências do dia; depois de uma breve pausa, mencionava um pensamento feliz ou uma história edificante que terminava com a saudação “Boa Noite”; depois íamos para a cama relaxados e às vezes rindo ou contemplando, mas sempre envoltos em pensamentos alegres e de empatia espiritual. Gratos íamos todos dormir. É um facto que a energia da gratidão nos leva a uma nova visão das pessoas e das coisas, e permite-nos ampliar os nossos próprios horizontes.

Atualmente vivemos numa época em que até as coisas positivas e belas são tidas como perturbadoras. O espírito do tempo quer que, mesmo as coisas bem-sucedidas, devam ser embrulhadas com uma folha de pensamento crítico ou até negativo. Há como que um culto contra o belo, contra a harmonia e contra a sintonia; parece não se querer pessoas gratas.  

O pesquisador de gratidão Prof. Dr. Robert A. Emmons de psicologia positiva confirmou que praticar gratidão e registar coisas pelas quais se é grato promove saúde, bem-estar e amizade e que a gratidão reduz as emoções venenosas das pessoas e cria mais felicidade; isto também porque ativa no cérebro as “hormonas da felicidade” (serotonina e dopamina), que causam uma onda de bem-estar e alegria e têm um efeito relaxante. Isto também cria calma, o que leva à criatividade e abre caminhos para dar resposta a muitas questões da vida (1).

A tristeza depressiva, o medo, a sensação de ser vítima ou a indignação provocam a libertação de hormonas de stress (cortisol e adrenalina) no nosso cérebro e leva-nos a um estado de luta pela sobrevivência. O pessimismo excessivo, é como o frio, encolhe-nos e pode enfraquecer o nosso sistema imunológico.

A gratidão requer, certamente, sinceridade e humildade como diretrizes para se tornar mais eficaz e assim poder ativar a sintonia e a ressonância do amor; ela é mais espiritual que psicológica.

Somos transmissores e preceptores, como se estivéssemos equipados com antenas, que enviam e recebem sinais eletromagnéticos e espirituais com uma certa vibração e frequência.  Deste modo podemos influenciar o ambiente e ser influenciados imperceptivelmente por ele.

É significativo e necessário treinar a nossa consciência (espiritual) de tal forma que a nossa memória herdada e que funciona inconscientemente em nós, seja reescrita de modo a que o seu poder seja neutralizado.

O antropólogo Darrell S. Champlin fala da “memória ancestral e espiritual da consciência que vive fora do corpo”. Está provado que mesmo três gerações de descendentes daqueles que sofreram os horrores do nazismo nos campos de concentração sofrem hoje de depressão, 78% mais frequentemente do que aqueles que não sofreram tal trauma. Como é que isto pode ter sobrevivido durante tantas gerações?

Darrell S. Champlin descreve no seu livro “The Dream Portal” (2) que eventos positivos, negativos ou traumáticos já influenciam a vida do bebé no útero, tal como o ambiente familiar posterior pode determinar a sua percepção da realidade.

A gratidão pode ser experimentada como uma mistura de desejo de vida e amor que nos leva a uma melhor qualidade de vida natural e espiritual e geradoras de satisfação. A pessoa grata tem uma atitude positiva em relação à vida e às pessoas, surgindo nela, por vezes o impulso de inalar Deus que brilha na natureza e provoca no nosso íntimo um desejo de abençoar tudo. Este sentimento é como o Sol que ilumina todas as sombras; tem a magia de preencher até mesmo os pensamentos negativos com energia positiva e alegria de viver. Mesmo na noite, onde a tristeza, a negatividade, a raiva e os maus pensamentos insistem em aninhar-se na nossa consciência, a gratidão funciona como uma lua que ilumina o nosso caminho na noite. A mim ajuda-me nesse sentido exercícios de inspiração e expiração em consonância com a energia amorosa divina e em sintonia com a natureza. Então não há bem nem mal, há apenas a ressonância energética do amor que tudo inunda. Aí tudo é calor, luz, amor no sentimento de quem ama não julga.

Viver com gratidão é viver em empatia numa atitude positiva para com as pessoas e o mundo. Em termos concretos, isto significa estar em harmonia com Deus e nele com o universo.  Então aceitamos em nós mesmos, a realidade e as circunstâncias que nos rodeiam; desta forma as energias negativas, a culpa, o papel de vítima, as más recordações que nos retêm, são libertadas pelo sentimento de perdão. (Um crente tem a vantagem de ter Deus também como companheiro e amigo, e embora sinta, por vezes o lado negro da vida, tem também a vivência de não estar sozinho).

Concluindo

Em Português, quando nos sentimos gratos, agraciados, dizemos “Obrigado”. Esta palavra vem do latim (“obligare”) e significa: “Sinto-me ligado, responsável, reconhecido, valorizado”, diria, em graça.

A gratidão é uma pedra angular de todas as grandes religiões. Na civilização cristã ocidental, o Natal expressa de maneira especial a exuberância das pessoas gratas.

A pesquisa moderna confirmou que a gratidão interior tem o poder de mudar vidas (tal como é veiculado pela espiritualidade). A transformação dá-se através da mudança de pensamentos e atitudes; neste sentido o poder da espiritualidade religiosa pode ter mais eficiência do que estratagemas psicológicos. A energia da gratidão pode também ser usada como um remédio eficaz contra sentimentos e pensamentos negativos. Estes podem tornar-se num vírus sempre a zunzunar na mente a ponto de corromperem a própria pessoa. A gratidão é também um bom remédio contra a insatisfação de querer sempre mais ou de querer ser mais. É um sentimento de reconhecimento básico, um crédito pelo que recebemos e a confirmação de que somos interdependentes, aceitamos e nos aceitamos. Mas também há momentos em que as ideias de gratidão não penetram o sentimento (3)! Ser grato é muitas vezes um desafio devido às complicações da vida. Mas a gratidão também pode ser exercitada e aprendida, contribuindo para aumentar a qualidade de vida; apesar de um estado momentâneo difícil que se possa ter, podemos continuar a reconhecer o que se tem. Ao aceitar a nossa própria realidade (circunstâncias), marginalizamos as energias negativas, a culpa e o sentimento de ser vítima.

O filósofo Francis Bacon dizia: “Não são os felizes que estão gratos”. São os gratos que estão felizes!

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

(Este Texto é o resumo de uma palestra que fiz na Sociedade Alemã-Indiana)

Notas em Pegadas do Tempo,

Advento na Sociedade Indo-Alemã, 08.12.2019

  • (1) The Psychology of Gratitude: http://perpus.univpancasila.ac.id/uplib/repository/EBUPT190074.pdf , Handbook of Positive Psychology: http://ldysinger.stjohnsem.edu/@books1/Snyder_Hndbk_Positive_Psych/Snyder_Lopez_Handbook_of_Positive_Psychology.pdf#page=478
  • (2) “O Portal dos Sonhos” http://www.perse.com.br/novoprojetoperse/BSU_Data/Books/N1438430968476/Amostra.pdf
  • (3) Agradecimento, uma questão do coraç1bo: https://herzenssache365.de/danke/ + Fachinformation: https://www.akademie.hrp-heinze.com/fileadmin/PDF/CON/Publikationen/Vom%20Gl%C3%BCck%20dankbar%20zu%20sein%20-%20Fachinformation.pdf

 

ATAQUES A INSTALAÇÕES DOS PARTIDOS NA ALEMANHA

A LUTA DOS FLANCOS POLÍTICOS

Segundo informação do Governo federal, na Alemanha, no terceiro trimestre de 2019, foram registados 52 ataques a escritórios ou instalações de partidos.  26 ataques contra o partido AfD, 7 contra o partido Esquerda e  SPD, 5 contra os Verdes, 4 contra a CDU e 1 contra o FDP.

Muitas pessoas  pensam que a sociedade se torna boa pelo simples facto de se dedicar ao combate contra o extremismo.

Esquecem porém a lógica da luta que só conhece o adversário a combater e deste modo, essa  lógica, justifica a sustentabilidade da luta na ilusão que a guerra justa é aquela em que o afectado se empenha. Assenta-se assim a própria posição num pressuposto de paz corrompida pela fraqueza da maleficência .

A adesão cega a uma ideologia ou grupo político leva à intransigência e até à intolerância.

O fanatismo conduz à violência e a toda a espécie de barbaridade, como a História nos ensina. Um discurso só nos termos do “a favor” ou “do contra” degrada as pessoas e decompõe a realidade que é variada e complexa.

Não há razão que ilumine nem olhos que penetrem a cegueira do coração!

A necessidade de nos autoafirmarmos leva a fazer, das bengalas em que nos apoiamos, armas de arremesso contra os de fora.

António da Cunha Duarte Justo

In Pegadas do Tempo

BOM ADVENTO! HOJE COMEÇA O ADVENTO

Com o advento começa a preparação para as festas natalícias e com o primeiro Domingo de Advento inicia-se também o novo ano litúrgico.

O Natal inicia, para os cristãos a época da reconciliação de Deus com o mundo.

No breu da noite brilham já as luzes do tempo de natal.

Os supermercados para nos adoçarem a boca para o Natal já começaram há mais tempo a vender os bolos enchocolatados do natal; para quem anda mais atento já notará nas suas prateleiras de baixo os Coelhinhos de Páscoa… O ritmo imposto pelo mudo moderno não suporta pausas porque perturbam o consumo!!!

O cristão pelo contrário vive na tensão litúrgica de esperança e paz. Por isso o ano litúrgico não é contado por anos porque nele não se trata de substituir o velho pelo novo; por isso hoje começa de novo o tempo velho e novo, o tempo sempre presente.

O Advento convida à meditação /oração e a refletir nos pontos altos do tempo: natal, páscoa, tempos também de espectativa, penitência e agradecimento.

Paulo dizia : “Chegou a hora de nos levantarmos do sono, porque a salvação está mais perto de nós…”

O evangelista Lucas limita-se a dizer que, tendo-se completado os dias de Maria dar à luz, «teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoura (presépio), por não haver lugar para eles na hospedaria» (2, 7).

O Papa Fracisco explica muito bem o Presépio na sua Carta Apostólica (1)

Um outro artigo em Pegadas do Tempo sobre o Advento em nota (2)

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

O ABUSO DA EMOÇÃO ESTÁ A DESTRUIR A NOSSA CULTURA OCIDENTAL

«Viva a Emoção. Abaixo a Razão»

Li um texto do Prof. Dr. António Bento que é muito oportuno e esclarecedor de muita baixeza moral que se passa na comunicação social. Ele explica o porquê do abuso sistemático da emotividade usada por “profissionais” da opinião.
São usados títulos de notícias ou fotos emocionais com a intenção de levar as pessoas a chafurdar só nos sentimentos e de maneira a excluírem a própria razão.
A mensagem apelativa é dirigida apenas à parte instintiva ou emotiva da pessoa.
Todos os domínios da sociedade e da pessoa são intencionalmente abordados e apresentados de maneira a produzir reacções emocionais que se reduzem a duas tomadas de posição: agrado ou desagrado. O mecanismo é tão eficiente que muitas pessoas até ficam com a impressão que têm opinião fundamentada!
António Bento diz: “Na verdade, qualquer um dos variados âmbitos da actividade humana tende hoje a ser abordado a partir de uma perspectiva fundamentalmente ou exclusivamente emocional. Um slogan simplificador capaz de dar conta desta nova situação moral crítica em que nos encontramos poderia ser o seguinte: «Viva a Emoção. Abaixo a Razão». O seu pressuposto obscurantista é mais ou menos o seguinte: “Se as próprias neurociências nos permitiram recentemente descobrir que as emoções comandam tanto a vida privada como a vida pública, e se a razão é efectivamente escrava das paixões, então abandonemo-nos inteiramente às emoções e entreguemo-nos a todo o tipo de experiências garantidas pelo grande mercado político das emoções. Active-se, em cada indivíduo, a sua fibra mais passional. Abandone-se o raciocínio. Vá-se directamente ao coração. Emocionarmo-nos é bom. Raciocinarmos é mau”.
Uma sociedade em que se menospreze a razão passa a ser decadente porque produz um desequilíbrio entre inteligência emocional e inteligência racional em desfavor desta prevalecendo uma emocionalidade orientadora do agir que  proporciona uma moral de costumes doentia.
António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo