NO MEU CAMPO

NO MEU CAMPO

 

No meu campo

cavei regos de esperança

para a água da vida neles passar,

mas a água neles era tanta,

que os regos levava

e eu atrás deles na torrente

à enxada me agarrava

a ver os tubérculos do sonho a resvalar

noite incendiada

tu que o dia apagas e a noite queimas

deixa-me a água nos olhos

para ver o cintilar das estrelas

não me roubes o escuro

só quero amar a lua

aquele rosto de menina

onde o fado descansa.

António da Cunha Duarte Justo

in “Poetas Lusófonos na Diáspora”, Oxalá Editora

ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU

Por Vaidade e em Nome de uma Solidariedade cega Portugal paga por uma Guerra que não é sua!

Em campanha buliçosa para as europeias, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, visitou Portugal e o presidente Francês visitou por três dias a Alemanha; tenor comum das visitas foi o apelo ao fortalecimento da maquinaria de guerra e a quem a apoia.

Zelenky conseguiu de Lisboa mais 26 milhões de euros, a juntar aos 100 milhões de março.

Imagine-se que Portugal em tom de desagravo aos contribuintes portugueses disponibilizava esse dinheiro para o sistema de saúde português ou o pedia a Biden, o único que lucra com a guerra!!!

Sim, estamos a pagar uma guerra que não é nossa, uma guerra sem sentido e já perdida; pagámo-la directamente com dinheiro e outros apoios e indirectamente com o consequente encarecimento de vida.

A indústria militar alemã Rheinmetall está tão contente com a propaganda política de guerra que anunciou ir subvencionar o futebol para que também os que viviam na inocência se tornem cúmplices no apoio da guerra à custa do empobrecimento das populações europeias. A Rheinmetall anunciou ir investir milhões no negócio do futebol, o Borussia Dortmund é o primeiro a ser contemplado!  A indústria da guerra e grandes grupos económicos são os que estão por trás da política em via que indirectamente vem proporcionar o reestruturamento das grandes nações à custa do maior empobrecimento das economias marginais.

Causa fastio ver-se por toda a Europa toda uma propaganda manipuladora das populações; e o que é mais triste é ver-se ela vir de cima na defesa dos interesses de elites oligárquicas, sem que se note, porque o sistema internacional é coeso!

Os 126 milhões e outros que já foram servem para fomentar a vaidade da nossa elite política: uma maneira de pôr-se em bicos de pés para serem notados quando elites das potências abanam a cabeça pelo dessentido de gente pobre em relação a eles os estar a ajudar!

António da Cunha Duarte Justo,

Pegadas do Tempo

 

AS ÁRVORES MORREM DE PÉ

AS ÁRVORES MORREM DE PÉ

Numa vasta floresta, erguia-se uma árvore majestosa e a sua copa estendia-se até ao céu, abrigando a vida que nela se aninhava e dela dependia. Era uma árvore especial, porque entendia a dança das estações e o ritmo da vida como nenhuma outra.

Certa vez, um vento furioso varreu a floresta, sacudindo de medo todas as árvores ao seu redor. Algumas tombaram por terra, outras partiram ao meio, porque não resistiram à fúria da tempestade. Mas a árvore majestosa permaneceu firme, cruzando os braços graciosamente diante dos ventos implacáveis.

Enquanto o vento bradava e as folhas dançavam no ar, os pássaros que viviam na copa chilreavam, confiando no gracioso ondular dos ramos e na estabilidade do tronco da árvore. Sabiam que, mesmo nos momentos mais difíceis, podiam encontrar abrigo e segurança sob os ramos generosos daquela árvore especial.

À medida que as estações avançavam, a árvore experimentava e testemunhava a alegria da primavera, a exuberância do verão, a melancolia do outono e a serenidade do inverno. A cada mudança, ela transformava a sua aparência e encontrava beleza e desígnio divino em cada fase de sua existência. Como filha da floresta reconhecia a vida da Mãe Natureza dançando dentro dela, tentando expressar-se e desenvolver-se.

Um dia, quando as folhas da árvore começavam a murchar e o frio do inverno se fazia sentir na pele da natureza, um caminhante em busca do sentido da sua própria vida estremeceu ao percorrer a floresta onde se tinha perdido. Através da observação, caiu em si mesmo e apercebeu-se de que a árvore se distinguia pela sua soberania e majestade solitária.  Surpreendido pela sua resiliência e beleza mesmo perante as adversidades, o caminheiro perguntou à árvore qual era o segredo da sua aura, carisma e longevidade.

Com um suspiro suave, a árvore respondeu: “Conservo-me fiel a mim mesma. À medida que mudam as estações, eu mudo também, sem me perder nelas. Mantenho-me sempre fiel à minha essência, encontro alegria na vida e aceito os desafios com gratidão. Escuto e sigo o eco da Vida que pulsa na floresta. Esta é a minha missão secreta, o meu compromisso com a natureza.”

O caminheiro baixou o olhar e sorriu, reconhecendo a sabedoria da árvore. E enquanto caminhava, ainda à sombra da árvore, começou a refletir sobre o seu exemplo humilde e sublime. O caminhante grato pelo encontro com aquela árvore percebeu a mensagem: “Percorre o caminho da tua vida ao ritmo do teu coração”. Na verdade, quando nos pomos a caminho, entramos em contacto com o todo (o caminho divino), descemos da nuvem da mente e encontramo-nos nos prados vivos e férteis da vida. Vamos encontrar-nos no caminho da vida!  Como a árvore, devemos permanecer fiéis a nós mesmos e encontrar alegria e sentido na vida, mesmo nos momentos mais difíceis. De facto, dentro de nós reside a capacidade de nos conhecermos a nós mesmos e, ao mesmo tempo, de descobrirmos o desenvolvimento da natureza nas nossas vidas e, assim, a partir do nós, apreciarmos a partir de dentro a nossa própria adaptação à vida. Então tudo o que nos resta é a gratidão, por sentirmos nela uma realização verdadeira e valiosa.

E assim, a árvore continuou a erguer-se majestosamente, com suas raízes bem firmes na terra e seus braços estendidos para o Céu. Ela sabia muito bem que mesmo quando todas as folhas caem e chega o inverno, a vida continua, cheia de promessas e possibilidades, principalmente para quem permanece fiel a si mesmo e acredita no sentido e significado de um Sol que os puxa e ao mesmo tempo arrasta toda a natureza.

A partir daquele encontro, o caminhante passou a olhar a vida de frente, e só de olhar para ela, aliado à memória da floresta, ele encontra o seu sentido e experimenta nela felicidade e libertação no caminhar.

Assim é, caro leitor! A vida brinca connosco e nós aprendemos a dançar com ela e, com o tempo, a vida também começa a dançar dentro de nós.

Por isso, vivo no que faço e para o que faço, no sentido de honrar a vida e de caminhar com ela e ao mesmo tempo experimentar o sentido da vida vivida!

António da Cunha Duarte Justo

“Flashes de vida”

Poemas de António Justo, http://poesiajusto.blogspot.com/

Em honra de meu pai no 30.12.2016: Pegadas do Tempo https://antonio-justo.eu/?p=9247

 

3 DE MAIO DIA MUNDIAL DA LIBERDADE DE IMPRENSA

 

No Ranking de Liberdade de Imprensa 2024: Portugal ocupa o 7º Lugar, USA o 55.º,  Brasil o 82º

As democracias prosperam com base na troca de opiniões, na liberdade de imprensa e no respeito mútuo.

Neste dia é comemorada toda a gama de restrições à liberdade de expressão e em especial os jornalistas perseguidos e assassinados. A organização de jornalistas Repórteres Sem Fronteiras (RSF) queixou-se do aumento da violência contra profissionais da comunicação social em todo o mundo no contexto das eleições.

Esta é uma dolorosa ferida aberta na democracia, na qual estão envolvidos todos os lados e interesses na sociedade. Esta ferida aberta deve-se não só aos regimes políticos que restringem a liberdade de expressão e perseguem ou discriminam jornalistas, mas também aos regimes que manipulam a informação de modo a formatar a consciência social e individual no sentido dos seus interesses e à margem do bem comum (a ameaça aos Media vem da defesa de interesses afirmados à custa das populações na ideia de que quem controla a informação tem o poder sobre a consciência social). Os regimes políticos, em princípio, não estão activamente interessados na liberdade de imprensa nem em promover um jornalismo plural e por isso aumenta a pressão política sobre os jornalistas em geral. A desinformação é uma praga que se alastra progressivamente e vinda de todos os lados.

A classificação dos 180 estados do ranking da liberdade de imprensa regista, em 2024, a Noruega em 1.º lugar, a Dinamarca em 2.º, seguida pela Suécia (3.º), Países Baixos (4.º), Finlândia (5.º), Estónia (6.º), Portugal (7.º), Irlanda (8.º), Suíça (9º), Alemanha (10º); USA (55.º), Brasil (82º), Angola (104º), Moçambique (105º), Turquia (158º), Rússia (162º), China(172º). ….

No final da classificação estão a Eritreia (180º), Síria (179º), Afeganistão (178º), Coreia do Norte (177º) e Irão (176º).

Lista dos países por ordem em nota (1).

A comemoração é realizada anualmente em 3 de maio desde 1994 para monitorar violações da liberdade de imprensa.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

(1) https://www.reporter-ohne-grenzen.de/fileadmin/Redaktion/Downloads/Ranglisten/Rangliste_2024/RSF_Rangliste_der_Pressefreiheit_2024.pdf

https://www-lpb–bw-de.translate.goog/pressefreiheit?_x_tr_sl=de&_x_tr_tl=pt&_x_tr_hl=pt-PT&_x_tr_pto=sc

VOCAÇÃO

António CD Justo
em pensador.com : https://www.pensador.com/frase/MzQ3NzcxOA/?utm_source=facebook&utm_medium=referral
António CD Justo
 
Completo aqui o texto todo:

Verdade e VERDADE

 

Sou um aprendiz da verdade

A seguir os passos dela,

sempre a andar e a caminho

Toda a vida sem a ver

 

Um dia a Verdade

Encontrou-me a caminho

E logo me senti dentro dEla,

não na mente, mas no coração!

 

A mente não gostou

Julgava-se acima dele

E eu já de entre meio

Entre mente e coração

 

Sou caminheiro da verdade

Na certeza de ela ser pessoa.

António CD Justo

Pegadas do Tempo

Também em http://poesiajusto.blogspot.com/