DIA DA ÁFRICA

A África é a mãe de todos nós!

Quem se importa com o que se passa em África?

Porque devem os africanos sofrer com a guerra dos europeus e seu bloqueio comercial?

Observem como as fronteiras dos países africanos são retilíneas! Foi assim destruída a alma africana! Isto deve-se à conferência de Berlim e tudo começou a 15 de Novembro de 1884 quando os desejos das potências da Europa se decidiram repartir entre elas a África!

 

 

 

Pode ser uma imagem de mapa e texto

Também a acção da maçonaria colhia aí os seus frutos já antes lançados ao combater as missões católicas em África e ao substituírem-se os direitos históricos pelo direito de ocupação militar. O marquês de Pombal, estrangeirado, maçom e jansenista começou a implantar em Portugal as ideias racionalistas/iluministas e agnósticas e viu como meio de combater a cultura tradicional portuguesa, perseguir a igreja católica extinguindo a ordem dos Jesuítas (em 1758).

O Marquês de Pombal implementou o Portugal contemporâneo e preparou ideologicamente, também ele, o caminho para a distribuição da África entre as potências europeias.  Na Conferência de Berlim também a maçonaria estava bem representada com Eduardo VII/ Leopoldo da Bélgica!

Como se observa a África esteve decisivamente sob o influxo da Europa a nível de cristianismo no século XV, de  iluminismo no século XIX e de Comunismo no século XX (a partir da segunda guerra mundial a União Soviética também requeria o direito de se implantar lá).

Hoje a África encontra-se sobretudo à mercê dos EUA, da Europa, da Rússia e da China!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

14 comentários em “DIA DA ÁFRICA”

  1. Pobre África, a fome, miséria, corrupção dos políticos..
    Pobres de nós Africanos…
    Vão hoje fazer discursos e comer e beber do bom e melhor enqto a maioria esta em completa miséria,celebrar o quê?? Orgulho do quê???

  2. Se os povos africanos estudassem, trabalhassem e sonhassem com a Paz e o Amor entre eles, talvez só viessem trazendo esperança de um Mundo Melhor. Estou a lembrar-me de D. Manuel Vieira Pinto, Arcebispo de Nampula. ❤

  3. Aurora Martins Madaleno, certamente têm uma outra maneira de encarar a vida não aferida ao modo de viver e arquitectar a vida própria do Ocidente! Por outro lado também têm sido mantidos social e politicamente na dependência!

  4. DIA DE RECORDAR.
    A CONFERÊNCIA DE BERLIM E A PARTILHA DE ÁFRICA
    Começou a 15 de Novembro de 1884
    Olhemos com atenção o mapa de África, que daí resultou.
    Todo talhado com linhas rectas de vários milhares de quilómetros.
    Pensar uns instantes…
    Cada recta corta ao meio uma inumerável fiada de populações cada uma com sua língua, cultura, identidade e provavelmente unidade próprias.
    Que eram protegidas por missionários católicos que se deram ao cuidado de estudar essas culturas e respectivos idiomas e de os gravar em letra de forma para a posteridade.
    Mas na Conferência de Berlim cortou-se a África a régua e esquadro e assim a desmembraram e a descaracterizaram.
    Impuseram a língua dos novos ocupantes junto com algum progresso cultural e material.
    Mas tornaram esses povos estreitamente dependentes do exterior.
    Quando após a II GG, os países comunistas impuseram ao antigo aliado ocidental o abandono de África, foi uma tragédia para as populações.
    A Conferência de Berlim tinha começado com a exigência da maçonaria que se pretendia substituir às Missões Católicas em África.
    Não esquecer que tanto Eduardo VII, como Leopoldo da Bélgica eram maçons.
    Começou-se com a maçonaria, terminou-se com o comunismo.
    E agora?
    A guerra civil, uma guerra total e a exploração desenfreada dos recursos naturais.
    ☆☆☆ ☆☆☆ ☆☆☆
    .
    E QUANTO À LEGITIMIDADE DE PORTUGAL PERMANECER
    Sim, Portugal, por suficientes motivos, tinha alcançado a legitimidade moral de lá permanecer.
    Mas ao tempo da Conferência de Berlim talvez devesse ter tido uma voz mais assertiva.
    Infelizmente tinha-se tornado vulnerável por mais de um século de perseguição às ordens religiosas que eram missionárias afinal.
    De Pombal a Joaquim António de Aguiar e, embora abrandada, mas não interrompida, a guerra contra as missões foi uma constante.
    Ramalho Ortigão de visita ao Vaticano recolhe uma confidência de Leão XIII.
    Que a presença de um país nas colónias se legitima pela acção missionária.
    São estas as palavras de Leão XIII para Ramalho:
    《Puisque vous êtes son bibliothecaire, invoquez mon nom et priez le roi d’être bon envers ses congrégations religieuses.
    Ce sont elles qui lui assurèrent devant la civilisation la légitime possession de ses colonies》.

  5. Pois é, a África foi dividida sem presença dos Áfricanos, é sinal claro de que foi projetada para abismo,a solução seria despertar de consciência dos Áfricanos.
    Infelizmente por falta de verticalidade dos lideres Áfricanos, falta de sentido de estado e egoísmo faz com que o povo Áfricano está a sofrer cada vez…!

  6. Ainda bem que os Descobrimentos deram novos mundos ao mundo. Claro que por interesses económicos também. Valeu o movimento missionário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.