TOLERÂNCIA E PRECONCEITO – DOIS PRESSUPOSTOS DO PENSAMENTO

Como o Rebanho a pastar no Lameiro do politicamente Correcto da Polis

Por António Justo

Todos nós estamos mais ou menos prisioneiros da época em que vivemos. Por isso condenamos facilmente outras épocas e tempos, sem notarmos que o motivo que nos leva a condenar apressadamente o passado e os outros é o mesmo que impede de condenarmos o que se passa em nós e no nosso tempo.

Uma necessidade intemperada de definição e de identificação leva-nos a definir o outro como o oposto para assim nos vivenciarmos como próprios; se nos definíssemos no Outro, com letra maiúscula, certamente encontraríamos muito de comum em nós e nos outros e nos sentiríamos agradecidos por através deles nos sentirmos mais nós. Objecto de análise terá de ser sempre nós e os outros no tapete do passado e do presente numa perspectiva de futuro.

Quando se vê o problema, a culpa só nos outros significa que anda não nos conhecemos bem e deste modo não se não nota a necessidade de mudar. Deste modo se dissimula e abafa a justiça. Porém só a veracidade e a compreensão têm futuro. As instituições e ideologias podem ser bengalas a que nos apoiamos, mas seria um atraso de vida andarmos sempre agarrados a elas.

Até as leis e a jurisprudência, que parecem tão objetivas, incluem uma grande margem de interpretação, para poderem ser aplicadas segundo o “zeitgeist”, dos  interesses e princípios que se vão mudando ao longo do tempo. Por isso as leis têm um espaço de discernimento (discricionariedade judicial) além do  caráter político.

O julgamento do tempo é geralmente o pensar politicamente correcto (o crivo) que se pressupõe corresponder à ideologia da classe dominante para a maioria ou à lógica considerada certa. Em vez de nos referenciarmos com o Outro somos enredados na visão do Zeitgeist.

Os tempos mudam rapidamente, as mentalidades levam muito mais tempo a mudar-se; quanto às opiniões a mudança anda a par com a capacidade de reflexão pessoal e com as circunstancias acompanhantes.

Na sociedade contemporânea o Zeitgeist impede a reflexão e uma análise objectiva sobre a relação entre a realidade e o que somos levados a apreender dela. Hoje em dia, as reivindicações morais dos indivíduos estão acima da lei e da ordem (cf. Carla Rackete). Democracia sem leis não funciona. Tudo depende de todos, uns completam o que falta aos outros, por isso quanto mais todos mais tudo.

Num meio simplicista que divide a sociedade, a política, a crença em bons e maus a reconciliação não entra em jogo. Impossibilita-se a compreensão da mentalidade do adversário porque não se reflectiu sobre a nossa.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

In “Pegadas do Tempo”

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *