O PAPA FRANCISCO COMEÇA A PREPARAR A SUA RENÚNCIA E O SEU LEGADO

21 novos Cardeais no Vaticano dos quais 4 de Língua portuguesa e Canonização de dois Beatos

O Papa Francisco nomeou 21 novos cardeais (1), provenientes dos cinco continentes no sábado 27 de Agosto (2) . Cardeais são as pessoas mais importantes na Igreja Católica depois do Papa ao serviço da igreja universal e cuja missão principal é eleger o Papa. Dos novos cardeais apenas 16 terão direito a voto na eleição do novo papa; cinco dos cardeais nomeados recebem a dignidade cardinalícia honorária pois não podem participar no conclave (eleição de um novo papa) devido à idade (80 anos). Após a cerimónia, Francisco e os novos cardeais visitaram o Papa emérito (em 2013) Bento XVI na sua residência no mosteiro Mater Ecclesiæ no Vaticano. No total, o Colégio dos Cardeais é de 226 purpurados, dos quais 132 são possíveis eleitores no próximo conclave (eleição de um papa). Mais de 60% dos cardeais com direito a voto foram nomeados por Francisco (112 cardeais).

Depois da cerimónia de nomeação dos cardeais procedeu-se à votação da canonização (declaração de santos) do beato salesiano laico Artemide Zatti e do beato Juan Bautista Scalabrini, fundador de los Scalabrinianos!

Há quatro novos cardeais de língua portuguesa: D. Filipe Néri António Sebastião do Rosário Ferrão (69 anos), arcebispo de Goa e Damão; D. Virgílio do Carmo da Silva, arcebispo de Díli (55), e dois brasileiros – D. Leonardo Ulrich Steiner (71), arcebispo de Manaus e D. Paulo Cezar Costa (54), arcebispo de Brasília.

O Pontífice convocou também um consistório (reunião do colégio cardinalício) para 29 e 30 de agosto. Aí, os cardeais do mundo inteiro vão refletir sobre a reforma da Cúria romana na base da nova Constituição Apostólica do Vaticano, “Proclamai o Evangelho” (3). Será também uma ocasião para os cardeais se conhecerem mutuamente e poderem trocar ideias.

De notar que neste consistório participam tantos cardeais (eleitores) portugueses como alemães! Os três cardeais-eleitores portugueses são:  D. Manuel Clemente, D. António Marto e D. José Tolentino e do lado alemão são D. Rainer Maria Woelki, D. Reinhard Marx e D. Gerhard Ludwig Müller

A nomeação dos novos cardeais revela a preocupação pela evangelização “no terreno”, sobretudo nas periferias e pequenas comunidades minoritárias que nunca tiveram cardeais (exemplo Timor), merecendo especial atenção a Ásia. Na nomeação dos novos cardeais estão representados 4 novos países: Mongólia, Paraguai, Singapura e Timor Leste. Assim passam a estar representados 89 países.

O cardeal agora nomeado mais jovem tem apenas 48 anos de idade e é o italiano Giorgio Marengo.

O Santo Padre dirigiu-se à cidade de L’Aquila celebrando missa na catedral (28.08) onde está sepultado o Papa Celestino V que resignou em 1294. Bento XVI, também visitou este lugar quatro anos antes de resignar. Este facto simbólico dá consistência a especulações de Francisco também tencionar resignar.

Sobre a sua renúncia, Francisco disse: “A porta está aberta… É uma opção normal… Sinceramente, não é uma catástrofe. Podeis mudar o Papa”. A experiência do pontífice com a última operação não o entusiasma a nova operação devido a efeitos secundários que a última anestesia deixara: “Não se brinca com anestesia”… “Todo o problema é a anestesia”.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

(1) Novos Cardeais: https://www.katholisch.de/artikel/39475-das-sind-die-21-neuen-kardinaele

(2) O bispo de Wa, Ghana, Richard Kuuia Baawobr, não pode estar por doença.

(3) Sobre a reforma da Cúria: https://antonio-justo.eu/?p=7236).

 

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.