NATAL É OFERTA

25 de Dezembro – a Celebração litúrgica do Nascimento de Jesus

António Justo

Para os cristãos o Natal recorda o evento em que Deus se oferece por amor à humanidade; por seu lado as pessoas rejubilam de alegria e em boas festas de gratidão oferecendo também elas presentes umas às outras.

Dar e ofertar é uma tradição antiga, moldada por diferentes épocas e diferentes culturas. Faz também parte da espiritualidade cristã e indiana.

Para os cristãos, o Natal é o início do tempo da reconciliação de Deus com o mundo.

Uma origem do hábito das ofertas de Natal vem da realidade de Deus amar tanto a humanidade que lhe entrega Seu Filho, como diz o versículo bíblico ao referir-se ao Natal: “Assim amou Deus o mundo”!

A tradição das ofertas no Natal representa e presencializa a verdadeira prenda de Natal:  Deus dá-se por amor e graça sem esperar nada em troca.

O simbolismo do dar e oferecer recorda-nos também a origem da história do Natal, onde os três Reis Magos vieram ao encontro do nascimento de Jesus para o honrar, oferecendo-lhe ouro, incenso e mirra como expressão de amor, reconhecimento e amizade.

No final do ano, os romanos também celebravam a chamada Saturnalia (festa em honra do Deus Saturno). Nesta festa os ricos davam presentes aos pobres.

Exatamente no dia 25 de dezembro, a partir do ano 274 começou a ser celebrado também o aniversário do deus Mitra (Dies solis invicti). Esta festividade foi introduzida como feriado pelo Imperador Aureliano.

Antes de ser fixado o nascimento de Jesus em 25 de dezembro, era inicialmente celebrado em diferentes datas conforme os métodos optados pelas diferentes igrejas cristãs para a determinação do seu nascimento (recenseamento romano ou a partir dos acontecimentos da Páscoa). Desde 336 o Natal encontra-se documentado em Roma como feriado litúrgico (1).

O objetivo da Igreja sempre foi ganhar pagãos para o Cristianismo e segundo alguns autores, a Igreja decidiu dedicar a festa litúrgica do aniversário de Jesus a 25 de dezembro, em vez do solstício de Inverno.

Há muito a dizer e que explica o facto de os Padres da Igreja terem organizado a celebração do nascimento de Jesus nestas celebrações; isto tem a ver não só com a inculturação, mas também com a aculturação em relação a hábitos e tradições dos povos e à necessidade das diferentes interpretações também relativas aos dados históricos.

Com o nascimento de Jesus, o dar de presente ganhou um novo significado. É a redenção que se manifesta no facto de que Deus se torna um de nós e um para nós. Os presentes de Natal simbolizam este presente de Deus. De acordo com a fé cristã, as pessoas já participam do Reino de Deus na terra.

O filósofo Josef Pieper disse uma vez: “O amor é o dom original. Tudo o que de outra forma nos pode ser dado imerecidamente torna-se um dom apenas através dele (amor) (2)”.

Dar e receber cultiva a relação e influencia o vínculo social; move sentimentos positivos entre aqueles que dão e aqueles que recebem os dons. É um modo de se mostrar amor e apreço uns pelos outros.

A festa da Alegria e da família depara com muitos críticos que encontram em tudo pretextos para criticar, não aceitam o que é gratuito passando tudo pelo crivo da sua razão como se lhes incomodasse tudo o que é festa, aquilo que vem do coração!

No Natal encontra-se um garante da nossa cultura ocidental; muita gente azeda não aguenta com a alegria dos cristãos, dedicam-se ao combate da cultura religiosa cristã para melhor propagarem uma cultura materialista e fria.

As pessoas felizes tendem a dar mais, e em geral pensam positivamente, cultivando o bom humor; mostram através da sua alegria, a radiação do reino de Deus na terra (4)…

Um estudo da Harvard Business School (3) descobriu que “pessoas felizes dão mais do que pessoas infelizes e que dar leva realmente a mais felicidade e que esses dois relacionamentos podem funcionar de forma circular”. “Altruísmo” é uma palavra-chave importante neste contexto.

Gratidão é também sentir-se trazido nos braços de Alguém sem saber porquê.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo

(Este Texto é parte de uma palestra que fiz na Sociedade Alemã-Indiana)

Notas em Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5751

 

  • (1)  Tertuliano (200 d.C.), equiparou o 14º Nissan do calendário lunissolar judeu com o 25º de março do calendário solar romano, tido pelos cristãos, como o primeiro dia da criação. Hipólito de Roma, (170-235) coloca o nascimento de Jesus no dia de sua morte, o dia 14 de Nissan ou seja o dia 25 de março. Clemente de Alexandria relata (no início do século III) várias datas em que o nascimento de Jesus Cristo era celebrado. Alguns celebraram a festa no dia ,25 de Pachon (20 de maio do calendário romano), outros no dia 25 de abril (20 de abril), outros ainda celebraram o batismo de Cristo no dia 15 ou 11 de janeiro, ou seja, no dia 10 ou 6 de janeiro (cf. Vikipedia). Ainda hoje os arménios celebram o nascimento a 5 e 6 de janeiro, na Igreja georgiana de 25 e 26 de dezembro. A cópia de uma antiga liturgia palestiniana enumera a liturgia de Natal de 16 a 28 de maio. Evangelho:  “Naqueles dias, o Imperador Augusto emitiu a ordem para colocar todos os habitantes do império em listas de impostos no tempo em que Quirino era governador da Síria. Todos foram à sua cidade para se registarem. / Assim também José subiu da cidade de Nazaré, na Galileia, à Judeia, na cidade de David, chamada Belém, porque era da casa e da família de David. Ele queria ser registrado com Maria, sua noiva, que esperava uma criança. Quando lá chegaram, chegou a hora de Maria dar à luz, e ela deu à luz seu filho, o primogênito. Envolveu-o em fraldas e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para ela na estalagem.”(Lc 2,1-7)
  • (2)  Das Geburt Jesus: http://www.weihnachten-ist-geburtstag.de/weihnachten-ist-geburtstag/weihnachten/
  • (3)  Studie: http://www.hbs.edu/faculty/Publication%20Files/10-012_0350a55d-585b-419d-89e7-91833a612fb5.pdf
  • (4)  Leia também: https://www.opinantes.pt/negacao-da-celebracao-do-natal-o-suicidio-da-nossa-cultura/
  • (5) https://antoniojusto.wordpress.com/2019/12/08/gott-schenkt-sich-aus-liebe-den-menschen-und-die-menschen-beschenken-sich-gegenseitig-aus-dankbarkeit/

 

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

4 comentários em “NATAL É OFERTA”

  1. Se, durante o ano inteiro a generosidade e a alegria devem ser uma constante, nesta época verifica-se
    “a explosão”. Bom para a maior parte das pessoas.
    Não esqueçamos, todavia, que para muitos é uma época em que culmina o sofrimento e a solidão. Minimizar essas situações c também parte do generoso Espírito de Natal.
    Mafalda Freitas Pereira

  2. É verdade, na festa da família há muita gente sem família, gente com família mas com o coração despedaçado, gente a sofrer na extrema pobreza e em Hospitais, gente em baixo e gente em cima em bora o presépio simbolo do mais alto se encontre mais em baixo (entre os pobres, os que sofrem, os que não têm abrigo até na própria casa!. A virtude tem momentos altos e momentos baixos, a dor e a alegria; tudo se assemelha às marés e às ondas do mar. Só assim a vida não apodrece. Assim a Festa é o momento alto e como tal não se pode manter no climax, mas seria naturalmente desejável que uns bocados de festa continuassem a alegrar as partes sombrias da vida ao longo de todo o ano! Há tempos altos também para a gratidão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *