PARLAMENTO BRITÂNICO PRONUNCIOU-SE CONTRA O TRATADO DE RETIRADA DA UNIÃO EUROPEIA

Mais uma Farsa encenada no Palco da Confusão nacional e europeia

António Justo

Talvez por não haver no Parlamento britânico lugares suficientes para todos os deputados se poderem sentar é que lhes falte o tempo para poderem reflectir. Talvez por isso, é que na atual farsa os deputados Hardliner do Brexit se ficam no lamento de ninharias que apenas fomentam o seu papel de rebeldes.

Na discussão e votação fazem lembrar muitos galos no mesmo galinheiro em que cada qual procura levantar a sua garganta mais alto. Parece que nem querem sair nem querem entrar, mas também não parecem dispostos a encarar a realidade de uma UE que com eles se tornaria numa Europa das nações, mas também na consciência que só juntos se poderão posicionar num mundo global!

A discussão em torno do Brexit documenta o âmago da crise das democracias liberais na Europa e apresenta-se como uma chamada de alerta contra a desmontagem da cultura ocidental através de um multiculturalismo desenfreado implementado por uma ideologia de anti-tradição e desculturalização da Europa. Como reacção surge um nacionalismo superficial encostado à economia e à tradição.

A EU transformou-se num centro de obrigações que criou um público estupefacto por ingenuidades e políticas criadas por elites, muitas vezes, irresponsáveis. Apesar do optimismo insuflado para desviar os olhos da realidade, a população sente um mal-estar difuso porque não se sente envolvida no negócio em via.

Os britânicos, tal como grande parte dos conservadores europeus, querem ser bons vizinhos, mas não querem que o vizinho se venha sentar à sua mesa sem ser convidado; vivem segundo o princípio: amigos amigos, mas negócios à parte. A política de imigração e a crise das dívidas da zona euro, o medo de mais muçulmanos e de terrorismo são o pesadelo dos britânicos.

O Brexit vem dar razão aos países que criticam o centralismo de Bruxelas e que defendem o patriotismo europeu e nacional.

O dilema da Europa em Bruxelas é criar mais problemas do que os que resolve; isto é, a incapacidade de criar um compromisso entre os que querem uma Europa mais ela, mais cultural e os que querem uma Europa mais comercial, mais na mão dos boys. Pouco a pouco vai-se tendo a impressão que, numa sociedade de intrigas, tudo anda a fazer batota, mas o trágico é que ninguém nota!

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Política, sociedade. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *