DAS ANDANÇAS DA JUSTIÇA NA QUINTA LUSITANA

A Justiça é cega e usa a bengala da política que não é dela!

Na “Quinta Lusitana” é costume fazerem-se processos judiciais que perdem validade de prazo e outros que não acabam! A Justiça parece ser boa a nível de teoria e bastante eficiente para a “arraia miúda”!

Finalmente, o banqueiro João Rendeiro foi condenado a dez anos de prisão, mas ainda não foi preso; ele não é mais que um exemplo típico de processos que se arrastam há muitos ano nas caves da Justiça. (Segundo o BPP, João Rendeiro desviou 11,6 milhões e estava disposto a pagar meio milhão para não ir preso (1)!  No âmbito de envolvimento político leia-se: “Justiça portuguesa a ser mais lenha na fogueira da democracia!” (2)

Num regime político, de jogo da cabra cega entre os poderes do Estado, torna-se compreensível que Rendeiro e outros vejam seus crimes preteridos!

O efeito mais grave para a sociedade é o descrédito e a dúvida que se vai alargando quanto à atitude dos órgãos da democracia! Apesar do enleio policio-económico-financeiro, a sociedade vai vivendo da dúvida e com a dúvida: In dúbio pro reo!

João Rendeiro e outros do género é sempre um grande risco porque muitos interligados na sua rede poderiam ficar com o rabo entalado!

Por um lado, haveria muita gente importante a ter de ser chamada a contas e, por outo lado, o povo sofreria por não ter um Portugal tão bonzinho e soalheiro como pinta! Em Portugal é difícil assumir-se responsabilidade política e os moinhos da justiça são tão lentos que dão oportunidade a quem pode. Também, tais assuntos, além de um certo alarido primário, não assumem gravidade perante a Justiça; esta no seu ajuizar conta também com a mentalidade e opinião dos portugueses expressa na opinião pública. O busílis está apenas no pormenor e este é difícil de ser notado (2)!

Não há solução para as maleitas dos diferentes governos porque os “administradores da Quinta Lusitana”, se não têm o rabo preso, têm sido coniventes com o sistema, a nível de Estado, de Parlamento, de partidos e de governação.

Se não houver uma conversão dentro e fora dos diferentes partidos portugueses e não se arrume com as “ratazanas” que vivem nas caves da República, não haverá solução e Portugal continuará dependurado à linha condutora de um país que desde há séculos se vai arrastando de crise em crise! Talvez um meio oportuno, para um recomeço de Portugal sério e a sério, fosse uma amnistia geral de tudo e de todos para poder recomeçar e tornar-se num país solidário, próspero, livre e avançado.

Doutro modo, o amor dos portugueses por Portugal cega-lhes os olhos levando-os a não notar que se encontram numa Quinta. Uma quinta de donos e caseiros que ainda não têm a consciência de democracia e de responsabilidade pessoal e social.

Vai-se vivendo; quem pode, cantando e rindo! O que ainda nos vai valendo e dando esperança, para apagar as mágoas causadas por mordomos da política, é a competência e eficiência mostrada na área do futebol. Quando aprenderá a política o exemplo da eficiência conseguida no futebol?

 “Com papas e bolos se enganam os tolos”, diziam os antigos e o mesmo terão de continuar a dizer os contemporâneos!

António CD Justo
Pegadas do Tempo

 

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

13 comentários em “DAS ANDANÇAS DA JUSTIÇA NA QUINTA LUSITANA”

  1. Verdade, concordo plenamente será bom fazerem alguma coisa para a justiça se limpar deste ferrete bem como o ministério público que não tem feito o seu trabalho com a dignidade que o povo merece e quer ver.

  2. O problema é que parte das elites não respeita o povo e a política ainda menos e isto deve-se ao facto da atitude benévola do povo que aceita tudo! Costuma dizer-se: quem não berra não mama! O povo não berra e ainda critica os que berram e por isso os que mandam podem reservar o leite para eles!

  3. Armando Faria, em Portugal, como se trata de uma cidadania de caseiros, é natural que quem tem posse da cozinha se reserve até o bolo para si; o pior é que os caseiros tirem à boca para ter os seus administradores bem tratados!

  4. Um artigo bem elucidativo do estado putrefacto desta república das bananas, transformada numa coutada socialista onde impera o nepotismo vergonhoso.

  5. Sem dúvida! Concordo e Subscrevo. Até quanto mais, pergunta-se!? É um enxovalho, para qualquer Sociedade que se preze! Aqui, ” tudo como dantes, quartel-general em Abrantes”.
    Jayre Katuas.
    (17.06.2021).

  6. António Cunha Duarte Justo O tufa só ladra e nem sequer sabe imitar os caes.
    A revolução tb aceita covardes com fraldas.
    FB

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *