A LUTA INTERCULTURAL NUMA TERRA AINDA PATRIARCAL

Israelitas e Ismaelitas lutam por Canaã a terra prometida a Abraão

Por António Justo

A guerra faz-se em nome do bem; a luta é sempre feita em nome do “deus” de alguém!…

O conflito israelo-árabe é, em parte, a continuação das lutas e rivalidades entre as tribos das terras da palestina/arábia; agora tem-se a agravante de nos encontrarmos em período de globalização, o que permite transformar os conflitos regionais (tribais, nacionais) em conflitos culturais de caracter internacional ou mesmo mundial. Hoje como ontem trata-se de uma luta pela posse de identidade, de território e de poder hegemónico cultural-político-militar (ontem operava-se, para isso, em nome de uma imagem de Deus, hoje em nome de uma ideologia e de interesses económicos; ontem lutava-se em nome de Deus, hoje luta-se em nome da democracia/povo (valores ocidentais) e no mundo árabe em nome de Alah). O jogo de ontem, como o de hoje é o mesmo, só algumas regras mudam. Cada qual usa o seu trunfo na tentativa de ganhar o jogo, seja a pretexto de tribo, de povo, de nação ou de globalismo, as elites encontram sempre um caminho e um “deus” que o justifique). De observar também que enquanto na África se luta pela identificação no sentido de formar “nações”, na Europa  domina a tendência para voltarmos a um tribalismo que justifique um poder universal hegemónico:  enquanto na África se luta pela identificação cultural na Europa luta-se pela desformatação (desidentificação) cultural e contra os valores que enformaram a cultura europeia e ocidental.

A História testemunha a evolução de sistemas patriarcais (tribais), para sistemas de povo (povo judeu que conseguiu, à luz do Antigo Testamento, a sua identidade em torno do monoteísmo: deus da identificação de Israel (1) que se tornaria depois com Jesus Cristo no Deus pai de todo o ser humano e de todas as nações). O busílis da questão é que um Deus único não discriminaria pessoas nem nações, ao contrário do que a “evolução” quer demonstrar! O que se passa é uma guerra cultural,  uma guerra de raiz de identificações culturais transformada subtilmente numa guerra política intercultural semítica que se poderia tornar no preâmbulo de uma futura guerra mundial entre culturas (A África continua a ser uma zona politicamente vulcânea e a China ainda terá muito a dizer nesta história de competições!). A palestina simboliza a terra das tribos e patriarcas com raízes hegemónicas de Pan-Semitismo, Pan-arabismo, Pan-Asiático, Pan-turquismo (2).

A guerra e guerrilhas entre os povos das terras da “Palestina” é milenária como se pode ver da Bíblia (capítulos 16 e 17 do Génesis): as tribos provenientes do Isaac filho de Abraão e Sara (Isaac foi, por sua vez, pai de Jacob/Israel) e as tribos provenientes de Ismael filho de Abraão e da sua escrava Agar. Ismael será o patriarca das tribos árabes (3).  Neste ambiente conflituoso viveram os diversos povos semitas (4) e ele prolonga-se de maneira anónima entre capitalismo e socialismo, ou em nome de um ou do outro!

O conflito tribal afirma-se e parece desenvolver-se em favor dos interesses árabes que, graças a Maomé, sob a bandeira de Alá reuniu as diferentes tribos descendentes de Agar dando-lhes assim autoconsciência e possibilitando-lhes a identidade cultural árabe em torno da religião e da língua. Quanto a Jerusalém sempre foi cobiçada por diferentes potências e culturas: “Jerusalém” é símbolo e meta que une todos os povos nas suas lutas pela sua posse!

Nesta eterna guerrilha (já que com guerras se criam períodos históricos mais estáveis) tudo se move em torno de interesses de lutas cultuais a pretexto de territórios (datas, mapas e identidades) e de direitos humanos de um lado e culturais do outro.

Enquanto não houver um pacto de paz entre culturas, religiões e os representantes das mesmas, o povo (e seus alegados valores e interesses) continuará a servir de alibi para benefícios das instituições culturais e dos seus líderes.

Nesta luta localizada e concreta a responsabilidade é global, não só bilateral. A nível imediato a autodefesa de Israel e do seu povo é prevalente e não comparável com uma palestina em que o Hamas quer impor um estado policial.

A polarização num conflito tão opaco não pode ser reduzida aos polos de quem está certo-errado ou do bem e do mal como querem os que pretendem que o conflito continue; para isso querem uma realidade pincelada a preto e branco. As opiniões tornam-se monocolores, embora a questão tenha muitos matizes.

Enquanto na palestina se continua a lutar com métodos da guerra antiga na europa encontramo-nos envolvidos numa guerra moderna de conquista de cérebros e de mentalidades; serve para isso as armas da propaganda e da informação a ser feita com elementos altamente comoventes. O discurso altamente emocionante e polarizado corresponde, na nossa sociedade, aos estilhaços das bombas dos velhos campos de batalha. Um povo alarmado perde a cabeça sendo dominado pelo medo e quem ganha são os poucos generais de um globalismo anónimo!…

No campo de batalha israelo-palestinense estão em jogo duas coisas: os interesses de Israel (5) e os interesses do Islão; quanto ao povo esse encontra-se irmanado no “lameiro” dos valores. Deste modo a situação quer-se confusa e dificilmente se pode mediar e ter um efeito moderador, atendendo a tantos interesses conflituosos, no âmbito regional e internacional. Da traição dos acordos, fica a solidão da vida.

Se Israel não estivesse tão armado uma coisa seria certa: o mundo deixaria as coisas seguirem o seu ritmo. Independentemente da geografia e dos regimes, o que o povo espera é pão e paz!

Para muitos dos portugueses é doloroso o que tem acontecido na região, até porque todos nós portugueses temos uma costela judia e outra árabe. Já Jesus, que vivia naquela região, dizia para não se resistir aos maus, mas para os evitar.

O povo é o chão das guerras por onde passam e bem se passeiam os que fazem uso delas!

© António CD Justo

Pegadas do Tempo

  • (1)  Golda Meir, Primeira Ministra Israelense: -“Nunca aceitei a ideia de que o povo judeu é o povo eleito por Deus. Parece-me mais razoável acreditar que os judeus foram os primeiros na história a eleger Deus – e isso foi uma ideia realmente revolucionária”.
  • (2)  A Wikipédia diz: Pan-Semitismo é o nome dado a dois conceitos políticos diferentes, cada um dos quais pode ser atribuído a judeus e árabes, ambos chamados povos semíticos.          A visão de Mosheh Ya’akov Ben-Gavriêl, que defendia a unificação de todos os povos semitas como precursora de uma confederação fraternal de povos asiáticos (Pan-Asiático), foi adoptado pelos judeus que em 1948 tinham sugerido o estabelecimento de um Estado binacional da Palestina em vez de um Estado judeu de Israel, e que continuaram a defendê-lo durante as guerras subsequentes. Isto vem de uma ideologia ou visão pan-árabe da história, que (semelhante à teoria pan-turca) se apropria das civilizações avançadas semíticas do Antigo Oriente Próximo – Akkad, Assur, Babilónia, Fenícia, mas também os Arameanos – como pré-árabes ou árabes do Norte, especialmente porque (de acordo com a visão tradicional) todas as tribos semíticas tinham surgido do interior da Arábia em tempo passados.
  • (3)  Árabes e Judeus são povos da mesma família chamada semita (os chamados descendentes de Sem, filho de Noé, e da linha da descendência de Abraão. Interessante que os principais apoiantes das organizações terroristas islâmicas radicais não são árabes mas sim a Turquia e o Irão: os Mullas estão prontos a lutar até ao último judeu.
  • (4)  Repetem-se os tempos bíblico em que os filisteus (povo de Canaã, politeístas vizinhos dos israelitas) eram inimigos dos israelitas. Segundo a Bíblia os filisteus ter-se-iam originado de Casluim, o qual teria sido um dos filhos de Mizraim, patriarca dos egípcios, e neto de Cam. Ainda, segundo Gênesis 19.30-38, deu-se origem o povo Moabita através de um incesto, promovido pela filha mais velha de Ló, sobrinho de Abraão, logo após a destruição de Sodoma e Gomorra. … Elas embebedaram o pai e conceberam cada uma, um filho do próprio pai.https://www.google.de/search?q=filisteus+sao+descendentes+de+quem&source=hp&ei=J5qjYOitDtGKlwT3lI-ACw&iflsig=AINFCbYAAAAAYKOoNw-30Axq4iwF02_JU3W1wksfOJl0&oq=filisteus&gs_lcp=Cgdnd3Mtd2l6EAEYAzIECAAQEzIECAAQEzIECAAQEzIECAAQEzoICAAQsQMQgwE6AggAOggIABDHARCvAToLCAAQsQMQxwEQowI6BQgAELEDOggILhCxAxCDAToFCC4QsQM6CwguELEDEIMBEJMCOgUILhCTAjoHCAAQsQMQCjoMCAAQsQMQChBGEPkBOgQIABAKOgQIABAeUNoQWO4sYMp1aAJwAHgAgAFwiAHpBpIBAzUuNJgBAKABAaoBB2d3cy13aXqwAQA&sclient=gws-wiz
  • (5)  O Estado de Israel foi fundado por uma decisão da ONU e foi invadido no dia da sua fundação por exércitos de Estados islâmicos vizinhos. Também, em 1967 Israel foi atacado e como reacção recuperou vários territórios, dentre eles, Jerusalém Oriental (Guerra dos 6 dias). O objectivo das guerrilhas do Hamas e do seu braço político, rival da Fatah do Presidente Mahmoud Abbas na Cisjordânia, é o extermínio de Israel, negando-lhe o direito à autodefesa. Outros artigos: Um Beco sem saída: https://antonio-justo.eu/?p=5400; ANTISSEMITISMO – UM CARCINOMA: https://antonio-justo.eu/?p=4499 ; União antissemita alarmante entre extrema esquerda e extrema direita: http://antonio-justo.blogspot.com/2019/10/documentacao-sobre-o-odio-aos-judeus.html?m=1

O que a Terra não dá, promete a Ideologia: https://bomdia.eu/o-que-a-terra-nao-da-promete-a-ideologia/ Das conquistas geográficas para as conquistas ideológicas: https://www.gentedeopiniao.com.br/opiniao/das-conquistas-geograficas-para-as-conquistas-ideologicas

 

 

 

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

6 comentários em “A LUTA INTERCULTURAL NUMA TERRA AINDA PATRIARCAL”

  1. Mas não se entende que essa tendência na Europa para voltar ao tribalismo possa justificar um poder universal e hegemónico.
    Parece uma contradição.
    Como parece impossível que Israel possa ter como objectivo a união de todos os povos. Tal como diz, os discursos bonitos não passam disso mesmo, em nome do bem e do mal. Assim os povos vão carregando a sua cruz em nome do deus de cada um e nós também em nome do nosso próprio Deus.

  2. Como pano de fundo do meu texto está a ideia de se reflectir sobre a continuidade dos conflitos e a simbologia das terras de Palestina e de Jerusalém em relação a todos os conflitos actuais de que somos testemunhos. Israel é uma parte do conflito, diga-se a outra parte, sem se pretender demonizar nenhuma das partes de interesses! Parto da teoria que nos encontramos numa época de conflitos interculturais, embora, à flor da pele mais que interesses de prepotência militar, estratégica ou ideológica esteja a economia. Enquanto outros povos se esforçam por se expressarem como povo ou “nação” na Europa, que como tal, já cai de “madura”, o discurso que domina parte da opinião pública é a luta individualista e um relativismo total que possibilita uma paulatina desestruturação da Cultura ocidental, favorecendo a preparação para se formar um poder oligárquico capaz de enfrentar um Ocidente enfraquecido (aquele que ainda peleja pelos direitos humanos e se procura reunir em torno de uma carta de valores éticos). Por isso tento colocar o assunto à discussão, no texto, diferenciando: “enquanto na África se luta pela identificação cultural, na Europa luta-se pela desformatação (desidentificação) cultural e contra os valores que enformaram a cultura europeia e ocidental”. Quanto a Deus coloquei-o entre aspas, ao dizer “a luta é sempre feita em nome do “deus” de alguém!…” Com a minha reflexão queria apenas apresentar pistas de pensamento e de questionamento!

  3. A HISTÓRIA do povo de Israel é longa, mas infelizmente não é brilhante…Recordo o ano 70 dC, depois de os judeus terem massacrado, à traição, um pequeno pelotão de soldados romanos : o Imperador Romano, salvo erro, VESPASIANO , mandou destruir Jerusalém e incendiar o Templo de Salomão e varrer do mapa a província da Judeia , devendo toda a região passar a chamar-se Palestina !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *