A EXORTAÇÃO PÓS-SINODAL “QUERIDA AMAZÓNIA” QUER UMA IGREJA MAIS FEMININA E MENOS CLERICAL

Nem Sacerdotes casados nem Diaconisas

Por António Justo

A carta de Roma travou as expectativas dos reformadores que punham as esperanças de renovação da igreja apenas na reforma de funções clericais (celibato frouxo e ordenação de diaconisas).  O Papa com a sua Exortação “Querida Amazónia” advoga, contrariamente aos reformistas, uma reforma a partir da base. Para o papa, certamente que não se trata aqui de masculinizar as funções da mulher, mas de feminizar a praxis eclesial. Neste sentido o apelo dirige-se às igrejas locais para que criem mais espaço para as mulheres e deem resposta aos problemas das pessoas. Quer menos clericalismo e mais leigos em missões de responsabilidade.

Depois do susto provocado pelo documento final do Sínodo Amazónico que tinha, por um lado entusiasmado os progressistas e por outro colocado em estado de alarme os mais conservadores, chega agora a posição magisterial do Papa no sentido moderado mas aberto; facto é que a exortação, ao não se referir direitamente aos temas do documento final do sínodo amazónico, relega-os para uma questão longínqua de moral local. A reação natural dos apologistas das conclusões do sínodo amazónico será tentar colocar novamente, ao nível central de Roma, a questão do celibato e da ordenação de diaconisas.

Num tempo de confusão social em que os sentimentos epidérmicos e um progresso social forçado têm travado a capacidade de análise e de reflexão, talvez não venha a despropósito o facto da Igreja Católica se contrapor ao mainstream da moda e do Zeitgeist que pretende levar tudo na enxurrada. O atuar da Igreja também não pode ser reduzido a um estado de consciência europeia temporal. E como bem diz a sabedoria popular portuguesa: “devagar se vai ao longe”!

Nesta exortação sobre o sínodo dos bispos das amazonas, o Papa Francisco manifesta-se muito mais reservado que em exortações anteriores; na exortação “Querida Amazónia” verifica-se que as ondas mais centradas na acentuação da pastoral (numa igreja de cunho nórdico e da teologia da libertação) são enfraquecidas em favor da doutrina tradicional (de cunho mais latino). Também Francisco deixa a entender que a atual consciência eclesial não quer uma igreja católica protestantizada. Os progressistas que advogam o fim do celibato e defendem a ordenação de mulheres têm de recuar nas suas pretensões.

O melhor sinal disso pode ser verificado na decisão do Cardeal Marx, um dia antes da Exortação ser publicada.  O atual presidente da Comissão Episcopal da Alemanha, Cardeal Reinhard Marx, que se encontrava à frente dos reformadores na Alemanha, anunciou a renúncia à sua recandidatura para presidir à Conferência episcopal; a eleição está prevista para março. Para os reformistas foi um desengano; na Alemanha o movimento “caminho sinodal” (“Synodale Weg“) do processo de reforma que tinha como objetivo o relaxe do celibato e a ordenação de diaconisas perdeu o seu sentido.

Antes da apresentação da Exortação “Querida amazónia” o Papa já tinha indiretamente manifestado que não queria a clericalização das mulheres, explicando: „Na minha opinião, lemos a questão feminina e a questão do sacerdócio em termos funcionais, esquecendo que, em termos de importância, Maria tem um papel e uma dignidade superior à dos apóstolos” e que “o celibato é uma graça decisiva que caracteriza a Igreja Católica Latina”.

Além disso, o voto de castidade também é comum em personalidades com funções noutras religiões, por exemplo no budismo. O celibato é sinal e expressão do chamamento que o candidato sente. Abolir o celibato não seria certamente uma solução como se pode constatar nas igrejas evangélicas onde há falta de pastores, embora os pastores e as pastoras sejam casados. Importante seria que o celibato fosse apenas a forma exterior de uma entrega especial a Deus e ao seu povo.  Texto completo de “Querida Amazónia”, que se dirige “ao povo de Deus e a todos os homens de boa vontade “, em nota (1).

O pontífice apela à proteção ambiental e a um novo impulso missionário e a uma maior responsabilidade para os leigos nas comunidades eclesiais: adverte que a conservação da natureza não deve preocupar-se apenas com o meio ambiente, mas também com as pessoas da região. Francisco denuncia “injustiça e crime” (9-14), ou seja, a destruição ambiental e a ação impiedosa contra o povo da Amazónia por “interesses colonizadores” e solicita que se deixem “os pobres terem uma palavra a dizer”. A “colonização pós-moderna” deve ser combatida, as “raízes” (33-35) devem ser protegidas; condena “a visão consumista do homem” que tende a “uniformizar as culturas”. Cita poetas entre eles Pablo Neruda: „eles ajudam-nos a libertar-nos do paradigma tecnocrático e consumista que sufoca a natureza e nos rouba uma existência verdadeiramente digna”.

Rejeita a internacionalização política da amazónia, vendo a solução apenas na crescente responsabilidade dos governos nacionais. De facto, na amazónia há muitas ONGS que trabalham no sentido de interesses de potências que desejariam para si o poder sobre a Amazónia.

No último capítulo adverte que não se deve desligar a “mensagem social” da missão espiritual e que os povos da amazónia têm “direito ao anúncio do evangelho”, doutro modo “toda a estrutura eclesial se tornaria apenas em mais uma ONG”.

Apela à inculturação da espiritualidade cristã nas culturas dos povos indígenas que se devem refletir também na celebração do serviço litúrgico: “Isto nos permite retomar na liturgia muitos elementos da intensa experiência da natureza dos povos indígenas e estimular suas próprias expressões nos cantos, danças, ritos, gestos e símbolos”.

Defende a criação de novos serviços eclesiais para as mulheres, que devem ser reconhecidos publicamente pelos Bispos e que envolvam a participação no poder de decisão nas comunidades (criação de novos “serviços e carismas femininos”). Não faz referência ao documento conclusivo sinodal editado em outubro 2019, mas convida a que o documento seja lido na íntegra (isto poderá ser um sinal de que a discussão poderá continuar a nível regional). Francisco segue a linha dos papas anteriores limitando-se a convidar à valorização do ministério diaconal e do serviço das religiosas, leigos e leigas, pedindo novas formas de liderança e mais missionários.  

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo

In Pegadas do tempo

 

 

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

5 comentários em “A EXORTAÇÃO PÓS-SINODAL “QUERIDA AMAZÓNIA” QUER UMA IGREJA MAIS FEMININA E MENOS CLERICAL”

  1. Meu Caro Amigo!

    Como sempre o seu texto é por demais oportuno. (vou divulgar no meu modesto espaço)
    Entretanto vale lembrar um dos maiores defeitos dos analistas actuais do ponto de vista religioso, espiritual, politico e sobretudo social nos muitos locais remotos do globo.
    O Papa Francisco tem declarado muitas coisas que não estão devidamente pensadas a favor da comunidade cristã, não só no Brasil como em outras partes do Globo, mas… quem sou eu para contestar?
    Estou no Brasil há 40 anos e ainda nem conheço 1% deste território continental onde o nosso Portugal Ibérico cabe 101 vezes! A Europa ocidental toda cabe dentro do mapa do Brasil e por isso os Brasileiros teem direito à MAIOR parte da Amazônia legal.
    Nesta semana foram celebradas 800 cerimônias de casamento civil de uma só vez numa localidade que fica a 1.100 kms de distância de Manaus! Mais de 800 casais de Cidadãos Índios tem agora Certidão de Casamento… e quem deu o direito de invasão ou ingerência na administração de um País por parte de outros Países, ou de Organizações que pouco ou nada fazem pelo povo além de criarem fama para si mesmas!!! ???
    Um forte Abraço e até breve
    Silvino Potencio
    Business Consultant + Sales Facilitator
    Email: sspotencio@yahoo.com.br
    MSN: ss_potencio@hotmail.com
    SKYPE: sspotencio

  2. Caro amigo Silvino Potêncio,
    muito obrigado pelo que diz no texto e pelas perguntas oportunas que coloca. Muito obrigado pela ideia de partilhar o texto no seu espaço.
    De facto há imensas ONGS internacionais a operar na Amazónia mas mais com a intenção de a colonizar ideológica e economicamente.
    Grande abraço

  3. A cobiça pela Amazônia legal é algo incalculável. E… já é de muitos anos, séculos talvez!
    As ONGs não tem interesse naquilo que se vê e sim naquilo que se sabe existe no subsolo; minérios raros, metais precisosos, nióbio, manganês, cobre e sobretudo ouro e petróleo.
    Trabalhei numa plataforma de petróleo durante 6 meses na foz do Rio Amazonas que tem um ilha (Marajó) do tamanho da Bélgica!
    São oito mil quilômetros de costa desde o rio oiapoque junto às Guianas até à Argentina/Uruguai no rio Chuí.
    Equivale a uma viagem a Moscovo – ida e volta saído de Lisboa.
    O Papa Francisco é uma decepção como Chefe da Igreja Católica-Romana e também maior decepção ainda como Chefe de Estado do Vaticano!
    Na vida real Argentinos e Brasileiros nunca se deram bem tal como Espanhóis e Portugueses, Mexicanos e Americanos, Russos e Ucranianos, Alemães e Poloneses, Irlandeses e Ingleses etc etc etc…
    Um forte Abraço e até breve.
    Silvino Potencio

  4. Não há melhor que o saber de experiência feito.
    Quanto ao Papa ele não só é o “chefe” espanhóis e portugueses, de russos e ucranianos, etc. Como chefe de mais de um milhão de milhões de povos tão diversos e com tradições tão diferentes não é fácil que possa dar respostas que agradem a todos. Creio que já lançou noutras exortações as bases para grandes transformações, mas isto será quando o tempo e a consciências dos fiéis o exigirem.
    Grande abraço.

  5. Antonio C.Justo
    Muito bom o seu texto porque nos ajuda entender a sabedoria do Papa quando se dirige à Querida Amazónia. Há que refletir e entender até o Papa Francisco quando se dirige à igreja na Amazónia. Está certissimo
    Margarida
    in Diálogos Lusófonos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *