VOTAÇÕES PARA AS EUROPEIAS EM PORTUGAL

A Abstenção de 68,6% não prova Consciência europeia

António Justo

O PS ganhou as eleições europeias com 33,38% dos votos (9 eurodeputados), o PSD 21,94% (seis deputados), a CDU (PCP) 6,88%, (dois deputados), o BE 9,82% (2 deputados), CDS: 6,19% (1 deputado), o PAN 5,08% (1 deputado), Brancos e nulos 2,1%, a Aliança 1,86% e outros 7,8% (1). Portugal tem 21 eurodeputados (a).

Houve 6,54% (brancos e nulos) que deste modo demonstram indignação, protesto ou desconfiança destes eleitores na classe política. Estes como os outros votantes revelam consciência de cidadania.

A abstenção de 68, 6% constitui um problema para a democracia, mas os partidos vivem com ela segundo a fórmula: o que conta é quem é eleito (b).

Com tal abstenção os prognósticos tornam-se difíceis em relação às votações futuras e deveria constituir um quebra-cabeças para a democracia partidocrática!

Talvez quando todos os partidos colocarem nos seus programas de eleitorado o combate à corrupção e se empenharem na defesa das causas ambientais e dos portugueses em geral certamente o eleitor terá mais interesse em votar. Culpar os absentistas por não votarem não é recomendável tal como o culpar o adversário, porque isso ainda é fruto que alimenta a viver à sombra da bananeira cómoda do não pensar. A fadiga eleitoral e falta de educação política das massas revelam-se como erros do sistema, tornando-se descabida a crítica generalizada contra o povo abstencionista.

Se é verdade que a abstenção não elege, pelo menos, deveria fazer pensar: não será que corremos o perigo de sob o nome de democracia abusarmos da partidocracia a ponto de não termos legitimidade para agir em nome do povo?!

No jogo em campo da democracia, abstenção é, para alguns, uma rasteira e uma tentativa de colocar os representantes dela em fora de jogo! Quem está descontente e a quem os programas dos partidos não agradam, deveria votar em branco ou voto nulo. Assim demonstraria o descontentamento e consciência de cidadania!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

  • (a) https://observador.pt/especiais/eleicoes-europeias-os-resultados-pais-a-pais/
  • (b) Como Abílio Lousada bem resume em relação a Portugal, “a matemática não engana, porque, de facto: Eleitores Recenseados: 10.600.000
    Eleitores Votantes: 3.328.400
    ° ABSTENÇÃO – 68,6% [7.271.600]
    2. ° PS – 10,5% [1.111.650]
    3.° PSD – 6,9% [728.900]
    4.° BE – 3,1% [326.100]
    5.° BRANCOS/NULOS – 2,1% [230.000]
    6.° CDU – 2,1% [229.650]
    7.° CDS – 1,9% [206.350]
    8.° PAN – 1,6% [169.750]
    9.° Restantes Partidos (11) – 3,1% [326.000]”

 

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Política, sociedade. ligação permanente.

5 Responses to VOTAÇÕES PARA AS EUROPEIAS EM PORTUGAL

  1. João Silva diz:

    Problema para democracia ???
    O problema são os falsos Democratas.

    Em que deputados mais não são que ….
    Servos dos partidos …
    Sujeitos a disciplina partidária

    E nalguns casos
    Extorquidos pelo partido da remuneração .
    .

    Lembram-se dos médicos de Cuba no Brasil .
    João Silva
    FB

  2. Francisco Barbosa Velho diz:

    O dever de todo o cidadão será votar para que o poder não caia na rua . Frase lapidar . Pessoalmente respeitando os de boas intenções : desde que não seja os populistas calibre AFD que respiram algo estranho : qualquer outrem que ganhe , não vai mudar absolutamente algo de importante em beneficio das classes mais necessitadas . Realismo q.b. o capital é que manda e , Merkel ou Costa , são única e mais nada caixeiros viajantes dos bancos com sede nos países poderosos. Saudações democratas
    Francisco Barbosa Velho

  3. Votar para que o poder não caia na rua?! Cair não cai e se caísse o povo levantava-se!

  4. Alguns, ao analisarem entre as estatísticas dos qeleitos e dos que não elegeram perguntam: onde está a verdade?
    Eu diria: A verdade é vagabunda e se sobe as escadas do poder torna-se cínica!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *