Governo malbarata Dinheiros Públicos e discrimina o Norte – A32


Branca marca Pontos na Defesa da Ecologia Ambiental e Humana

António Justo

A AURANCA, uma associação de defesa do ambiente e património da vila da Branca, no distrito de Aveiro, Portugal, tem sido infatigável na luta pela defesa do meio e ambiente e na implementação da articulação cívica popular.


A construção da Auto-estrada (A32) constituiria um atentado não só contra a ecologia ambiental e humana como também contra a razão económica. A A32 viria destruir parte relevante de zonas nobres do seu trajecto como é o caso do Monte de S. Julião da Branca e a mata do Choupal em Coimbra.


A AURANCA, com a sua presidente Nélia Oliveira e o seu porta-voz engenheiro Joaquim Santos, tem conseguido muitos aliados na luta contra a construção da A32. Tem atraído muitos parlamentares e outras personalidades em reuniões e acções públicas em defesa dos interesses da região.


A nível internacional despertou o interesse do 2° canal da cadeia de televisão alemã (ZDF) que entrevistou a AURANCA e fará uma reportagem sobre a falsa aplicação de dinheiros públicos numa zona onde já passam duas auto-estradas em direcção a Lisboa (a A1 e a A29).


Governo aplica mal os Dinheiros Públicos

Os escassos recursos que Portugal tem devem ser investidos em empreendimentos produtivos e não em projectos consumistas como seria o caso da A32, que, além da verba para a construção, pressuporia, posteriormente, grandes custos de manutenção, a suportar também pelas gerações vindouras.


Toda a zona Norte e do Interior tem sido tratada como filha da madrasta em relação a Lisboa e carece de investimentos públicos nos mais diferentes sectores. O governo tem até desviado dinheiros da União Europeia para Lisboa quando estes se destinavam a promover as zonas desfavorecidas do Norte e do interior. Muita da população destas zonas não lhe resta outra alternativa senão emigrar. Atenas, que cometeu erros semelhantes a estes deveria ser um motivo para os sinos tocarem a rebate em Portugal.


Além disso, por todo o Portugal se encontra necessidade de investimentos públicos de grande urgência em jardins infantis, escolas, hospitais e grande negligência em relação ao apoio às pequenas e médias empresas.


O ministro das Obras Públicas, não por convicção, mas porque apertado pela razão económica, afirmou ultimamente que o projecto da A32 será reavaliado. Uma consciência ecológica adulta suporia também a revogação da declaração do Impacto Ambiental.


Portugal tem que reduzir os gastos que teriam consequências prejudiciais para o Défice do Estado.


No sentido duma gestão produtiva dos dinheiros públicos deveria abandonar para já o projecto TGV que é um projecto de prestígio para a elite portuguesa mas que iria impedir o investimento de firmas estrangeiras em Portugal, que construiriam os seus escritórios em Madrid e não em Portugal! O governo de Lisboa encontra-se em débito em relação ao Norte e ao Interior e não a Madrid. O TGV, no traçado actual seria uma traição a Portugal e ao Norte.


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

Alemanha

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *