A INDIGNAÇÃO JACOBINA NEUTRALIZA A RAZÃO

A Ideia de Vítima fomenta a Identificação

A meteorologia política depende dos altos centros ciclónicos de interesses e das consequentes trovoadas com rajadas de chuva causadas na população pelos meios de comunicação social.

Se olhamos para a política de informação sobre a Ucrânia tem-se a impressão que os Media se encontram em estado de excepção, alinhando tudo num ritmo de marcha marcial e na mesma direcção. A intensidade da marcha é tão violenta que muita gente já só repete o que ouve ou tem medo de dizer o que pensa.

Bernd Ttegmann adverte no Cícero 02 2022: “A liberdade de uma sociedade mede-se pela sua abertura. Quanto mais autoritário é um regime, mais rígido é o seu discurso público. Porque o que não pode ser discutido em público não pode tornar-se objecto de críticas aos poderosos”.

O discurso público cada vez se torna mais indiferenciado e autoritário e os políticos não se atrevem a dizer a verdade ao público preocupando-se mais em como empacotá-la para que este a possa aceitar! Manobra-se assim a opinião pública no sentido de se criar identificação fora de qualquer compreensão ou argumentação, o que cria um ambiente de hipocrisia. Num tal ambiente, passa a governar o medo dos de baixo e dos de cima! Na Alemanha já 30% de cidadãos desconfiam dos políticos!

O uso do crivo mental passa a ser um recurso tanto para emissores como para receptores! Formalmente reconhece-se a liberdade de informação, mas, concretamente, não, porque esta quer-se serviçal. Gera-se assim um sentimento de identidade e de identificação em torno da NATO baseado em estereótipos e mera diabolização do adversário. Dá-se alimento a um nacionalismo disfarçado, à semelhança do do sec. XIX que, impercetivelmente, vai aproximando a nossa democracia liberal à democracia oligarca da Ucrânia. O sentimento de vítima de parte da Ucrânia é transposto para o povo europeu gerando uma atitude de identificação e de indignação tão fortes que neutralizam a razão e a visão dos interesses do povo e da história europeia. Uma Europa, que deveria preocupar-se em ser melhor do que era, torna-se pior ao abandonar a bandeira da razão para seguir a bandeira do sentimento de vítima arvorado em absoluto movente de interesses obscuros. A estratégia de alinhar o povo em torno de uma vítima foi conseguida mobilizando o cidadão atrás da sua bandeira.

Daí, a grande importância da existência de distintos grupos de interesses numa sociedade que, em disputa, possibilitem a expressão de diferentes perspectivas para melhor se avaliarem os factos sociais e melhor se deliberar sobre eles. Numa sociedade democrática cada vez mais complexa, precisamos de moderadores para se evitarem soluções radicais e o surgir de autocratas ou de oligarcas.

Precisamos de Media críticos dos governantes e atentos, doutro modo correm o perigo de se tornarem seus meros altifalantes formadores da opinião pública. Nesta observa-se um clima de indignação refratária a argumentos que pelo tal se tornariam incómodos e perturbadores.

A liberdade de expressão tem sido submetida ao fragor rítmico da marcha do pelotão em vez de se dedicar à análise e à avaliação das acções, seus pressupostos e intentos.

Aqueles que não acolhem inquestionavelmente a guerra na Ucrânia, todas as medidas anti corona, etc., são rotulados publicamente como demagogos ou populistas perigosos e alguns chegam até a perder amizades pelo facto de não seguirem a corrente dominante (a ideologia chega a sobrepor-se à amizade!). Quem pretende uma opinião diferenciada é considerado perigoso ou colocado sob clima de pressão, a ponto de ter de se justificar em vão perante pessoas que não reconhecem argumentos porque só conhecem opinião feita.

Os formadores de opinião pública conseguiram incutir no povo o refrão da sua ladainha: nós encontramo-nos “do lado certo”, “nós somos os bons”, como se a realidade factual não fosse mais complexa e a maldade ou a bondade se lograssem empilhar de um lado ou do outro (1)! As elites conseguiram o aplauso das massas e apelidar a opinião dissidente de “controversa”! Desta maneira coloca-se no papel de Pilatos!

A indignação cria uma espécie de vigília no cérebro humano que remove parte das suas capacidades mentais para o colocar num estado de excepção e assim o disponibilizar para o radicalismo jacobino. Nós, ocidentais, estamos a perder, mais e mais, a consciência de que nos encontramos em estado de regressão!

Pelo que se tem observado nestes últimos meses,  Selensky decide o que temos de acreditar e fazer e os nossos governantes em vez de pensarem em estratégias de paz e compromissos alinham-se numa procissão de “reis magos” na direcção de Kiev. Mero porta-voz da NATO não quer saber de povo, de Europa preferindo seguir a lógica de que conflitos são resolvidos derrubando o adversário! Sabe, porém, que as vítimas da guerra serão o povo ucraniano e o restante povo europeu, ao ignorar a realidade factual que só haverá vencidos mesmo que a Rússia se posicione melhor, a preço de uma guerra nuclear.

Em épocas de indignação o “argumento” passa a ser uma palavra, uma imagem, uma vítima! Numa contenda como esta em que os mais diversos interesses se encontram em jogo, não chega declarar o infractor desumano ou minar-lhe a reputação! Independentemente dos erros de governantes, por trás deles encontram-se interesses de estados e de povos.

Torna-se desmoralizador verificar que aqueles que defendem a moralidade são vistos como extremistas e não considerar que aqueles que estão no poder defendem interesses conflituosos e como tal, uns e outros dignos de análise e não serem simplesmente considerados como maus. É deprimente observar que quem não segue pela rua de sentido único do mainstream é depreciado ou considerado pária. O atrevimento e a cegueira já é tal que já se atrevem de qualificar de “extremistas cristãos” pessoas defensoras da paz e adversas à guerra.

O verdadeiro preservador da liberdade humana está alicerçado na humanidade de cada ser humano. O ponto fraco dos indignados é procurarem identificação e difamação à margem da compreensão ou dos argumentos.

A lógica de guerra, como tem sido seguida, conduz a sociedade europeia a um beco sem saída! Os lobistas da Guerra dizem que é preciso ganhar a guerra e investir nela quando sabem que a guerra está perdida e que quem paga a factura é o povo e o atraso da História!

Muitos deixam-se levar pela palavra de ordem “Si vis Pacem, para Bellum (se queres paz prepara a guerra), quando essa posição levada ao exagero é uma posição característica do poder, do poder militar. Mas o que mais me entristece é constatar que essa frase, só, dá razão ao poder e, na consequência, perdido é quem não se mete debaixo do guarda-chuva dos mais poderosos.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

(1) No conflito entre os USA e a Rússia na Ucrânia só há um lado: o lado da destruição.

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.