VISITA DO PAPA A ESPANHA


Crenças ao Desafio


António Justo

O Papa reúne-se em Madrid com a juventude do mundo para dialogar sobre os problemas que flagelam a humanidade de hoje, enquanto a rapaziada, lá fora, briga sobre os custos da sua viagem, sobre as faltas da Igreja na Idade Média, negando-lhe até a liberdade de ter opiniões diferentes das suas.


Uma maneira fina de desviar para canto problemas que a todos toca. Falar do folclore é mais fácil que de conteúdos. Perturbar o desenvolvimento de celebrações, como a Jornada Mundial da Juventude, torna-se uma maneira fácil de chamar a atenção a si e de ocupar os Media sedentos de actos superficiais polémicos. Assim, se consegue que a mensagem passe desapercebida.


“Num mundo da violência e do consumismo… famintos de justiça, misericordiosos, de coração puro, pacíficos”, os jovens, declaram querer “ser embaixadores da paz no mundo”.


Bento XVI apela aos professores das universitários afirmando que as Universidades, para lá das ideologias, são o lugar ideal para “procurar a verdade real acerca do Homem”. Um discurso diferente do dos governos!…


Em Madrid, o papa também apelou à juventude para que dê “uma resposta radical a uma espécie de Deus eclipsado”.


A “Jornada Mundial da Juventude“ (16-21 de Agosto) pretende visibilizar uma face diferente da de casas a arder em Londres, autos incendiados em Berlim.

Dum lado uns apostam num amor aparentemente ingénuo, do outro, outros apostam numa razão exacerbada e provocante. Se todos querem um mundo melhor, porque se atacam? Tudo em guerra em pretexto da defesa da sua paz.


Parece haver muitos incomodados por verem manifesta publicamente uma fé que querem ver praticada apenas nas traseiras da sociedade.


A mera presença do chefe de mais de mil milhões de católicos põe em pé de guerra as ideologias. Eternos descontentes não concedem aos católicos o direito de receberem o seu irmão mais velho na fé. Parecem colocar na balança da sua sentença apenas o valor económico sem considerarem, além de outros, o aspecto turístico, a promoção mediática da nação nem os valores morais e sociais. Nesta perspectiva ter-se-ia de acabar com campos de futebol, visitas de Estado e de Dalai Lamas, protecção policial para pessoas em perigo, etc.; no seu argumentar, tudo isto causa despesas públicas que poderiam ser disponibilizadas para os pobres. Usam-se argumentos como armas de ataque ou escudo de defesa. Quem hoje chora os gastos com a viagem do Papa não estará longe de amanhã chorar os gastos com os pobres, doentes e velhinhos. A razão quando é forte cega! Ou será que querem a praça pública só para si. Se hoje é o dia dos crentes religiosos amanhã também haverá um dia para os crentes do laicismo.


É desconsiderado o bem que a Igreja faz no mundo com projectos sociais com apoios de milhares de milhões de euros a desprotegidos. Críticos do catolicismo regateiam  o dinheiro que se gasta na viagem do Papa argumentando que indirectamente também a financiam através dos impostos e acrescentando a necessidade dos pobres. Como se a realidade social não fosse complexa e se pudesse reduzir a credos sociais ou políticos e como se os católicos também não financiassem a sua ideologia custeando abortos, e, em comum, guerras através dos seus impostos. Somos todos cúmplices. Cada um de nós tem a sua quota-parte no bem e no mal da sociedade. Quando o meu dedo indicador aponta o mal dos outros, os outros quatro apontam para mim!


“Não só de pão vive o Homem.” A presença do Papa, embora para muitos contraditória, não deixa de ser um testemunho de caridade, solidariedade e entrega ao bem, realizado pela maior instituição de caridade do mundo.

A Igreja incomoda o cidadão solicitando dele uma conduta espiritual elevada e este vinga-se dela não lhe querendo reconhecer a sua natureza humana pecadora.

Assim, exige-se uma Igreja sem erros como se ela fosse uma instituição de anjos e não de humanos.


Exige-se que a Igreja esteja calada, como se para ela não valesse a liberdade de expressão.


Exige-se que a razão e a verdade se reduzam à opinião como se esta fosse objectiva.


Exige-se que a Igreja se oriente por estatísticas demoscópicas e pelas verdades da praça sem se conhecer a sua filosofia e mística.


Exige-se uma tolerância à Igreja que se não tem para com ela.


Exige-se uma Igreja da mudança como se a mudança constituísse um valor em si e como se as verdades de hoje não constituíssem, em grande parte, as ficções/erros de amanhã.


Estes intolerantes da religião constituem o polo oposto dos intolerantes muçulmanos que não reconhecem a realidade de valores laicos vendo neles obra diabólica.


Quando a medida da tolerância é reduzida à própria opinião, a liberdade já se encontra a caminho do cativeiro. Só uma plataforma comum baseada na fraternidade e na complementaridade poderá levar à compreensão mútua.


Organizações de crentes laicos ou religiosos têm o mesmo direito de expressão na sua qualidade de pessoas individuais ou colectivas. A liberdade de expressão deve ser independente da devoção, seja ela laica ou religiosa.


Em nome da tolerância procura cimentar-se o ódio contra católicos. O preconceito dos perseguidores de bruxas de ontem, são continuados por arautos dum laicismo iluminado e militante. Estes queimam os adversários na fogueira da razão e enterram-nos na cerca da sua opinião. É fácil ser-se forte contra a vulnerabilidade. Repete-se o jogo do Lobo e do Cordeiro; quem suja sempre a água são os outros: “Se não foste tu, foram os teus antepassados”. Como se a água já não se encontrasse turva pelas nossas crenças e razões.


A intolerância camuflada justifica os novos inquisidores sob o pálio de palavras mágicas como laicismo, liberdade, progresso e democracia. Intolerantes da tolerância sentem-se os cães de guarda duma concepção de Estado dogmática própria, à sua imagem, e semelhança, que querem anti-religioso como se sociedade e Estado fossem a mesma coisa. Por trás da religião, da política e da opinião há muita desonestidade. Torna-se fácil e moderno atacar quem não se defende. Os corajosos críticos do Papa revelam-se cobardes perante os muçulmanos e perante a exploração institucionalizada. O medo pode muito e tem as suas razões!


Porquê tanto combate em nome da crença/opinião? Uns esperam na vinda do salvador e outros no mito de que a Ciência tudo virá a explicar. A realidade, como a verdade, é a-perspectiva pressupondo uma consciência de complementaridade e interdisciplinaridade na sua abordagem. Somos todos precisos. Mesmo as minhocas e as toupeiras beneficiam a terra embora à primeira vista pareça que não.


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com


Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Um comentário em “VISITA DO PAPA A ESPANHA”

  1. Prezado Professor António Justo:

    O seu artigo é justo e perfeito e desde já os meus parabens.
    A Jornada de Madrid serviu para mostrar, quanto mais não fosse, que há uma Juventude humilde, serena, que liga o Homem a Deus.

    E serviu também para mostrar, como certas ideologias, embora bem disfarçadas, mas que vários punhos (distraídos?) bem confirmaram, como são capazes de tudo para perturbar a PAZ. Como pergunta e bem: para quê?

    Um grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *