China – Um gigante imprevisível a acordar

Tibete – A esperança de mãos no ar

Os jogos olímpicos pretendem ser um símbolo da paz e da fraternidade universal. Na Grécia, há 2030 anos os tempos olímpicos eram tempos de paz. Em 419 a.C. Esparta viu-se excluída dos Jogos Olímpicos por ter ferido a paz olímpica com os seus exércitos.

Os promotores dos Jogos Olímpicos vangloriam-se da sua grande tradição. O archote do fogo olímpico é levado de Atenas para Pequim, a pé, querendo insinuar o tal tempo da paz.

Os monges iniciaram os protestos, 150 dias antes dos Jogos Olímpicos, exigindo a independência do Tibete e o retorno do Dalai ama. O povo tibetiano insurge-se, desta vez com violência, sendo as manifestações acompanhadas da destruição das lojas de negócios, nas mãos dos chineses.

Do exílio o Dalai Lama, chefe religioso do Tibete fala de “assassínio cultural” dizendo que não querem a independência mas apenas o direito a uma certa autonomia. O regime comunista responde que não aceita qualquer diálogo. Sabe que o mundo vive do proveito da violência e o povo não sabe o que quer. Na sua filosofia não há lugar para a concorrência de interesses. O sistema só reconhece os seus interesses e a paz dos cemitérios. Os chineses são demasiado fortes para permitirem ao Tibete a autodeterminação. O futuro, tal como a natureza, não é determinado pela justiça mas pela força. Na Europa, onde este princípio se encontra um pouco mitigado, encontra-se a força da cultura judaico-cristã que reconhece na pessoa humana um carácter divino, a que a estrutura se não deve sobrepor. Apesar deste espírito subjacente, a história das instituições religiosas e estatais é o que se vê…

Desde 1720, os Tibetanos têm sofrido a aversão sistemática de Pequim na sua pele. O último meio século de ocupação chinesa do Tibete tem sido extremamente violenta no amordaçamento do povo e na destruição da sua língua e cultura. No Tibete, em 1948 não havia chineses, hoje estes constituem a maioria da população. O turismo, o comércio e a indústria estão na mão dos chineses e o povo tibetano é controlado por 100 mil soldados chineses. Em nome do progresso socialista destroem a velha cultura e a população tibetana. O genocídio é indiferente aos olhos da economia e da política. O regime prefere o desespero à esperança. Este monstro a acordar mete medo porque desconhece qualquer humanismo ou compromisso.

O fogo olímpico para os governantes é compreendido com fogo da violência e a oportunidade de polir a imagem da nação no exterior mesmo que à custa do sangue vermelho dos súbditos. Só conhecem a lei do punho cerrado que não a de mãos estendidas.

A política internacional, de braços dados com economia, é surda-muda e cega. Onde os direitos humanos não vingam parece a economia encontrar hoje a sua chance. A economia tem a sua moral: a lei do oportuno. Por isso tenta estender os seus tentáculos nos países de regime forte em que a eficiência da opressão do povo lhes garanta uma certa continuidade na obtenção de receitas económicas. Um país, ou sistema, que não respeita direitos humanos nem o povo, também não pode oferecer garantias às empresas dado também elas estarem ao seu serviço. Tal regime só conhece a nomenclatura, considerando as pessoas e as empresas como meros objectos.

A liberdade é cara, paga-se com as obras, à custa de sangue e este, nestes sistemas, estancou na cor das suas bandeira ideológicas.

As ameaças de boicote tornaram-se no meio político, instrumentos de manipulação dos sentimentos do próprio povo, na sua estratégia de habituação dos súbditos à amoralidade dos negócios, que se regem por desleis… Os Jogos tornaram-se num meio de exibição do poder aos olhos do mundo. Paz e humanidade são assuntos da tautologia. Os valores iniciais dos jogos olímpicos são “águas passadas que não movem moinhos”. Em nome da paz o negócio corre melhor. Para mais, também o povo está sempre do lado da força, sempre de mãos erguidas para aplaudir os vencedores. O ódio e a vingança são as chamas da fogueira em que se aquecem os extremismos políticos e religiosos. A humanidade ainda está longe poder socorrer-se de estratégias substitutas, como as do futebol, para darem largas de forma inocente às suas agressões.

A aceitação do crime, por parte dos organizadores dos Jogos Olímpicos, faz parte da tradição. Já em 1936 o regime nazista de Hitler foi agraciado com a realização dos Jogos na Alemanha. Hitler pôde usar os jogos para projectar a sua quimera. Também Pequim se serve dos jogos para mostrar a sua potência e o vigor da nova Era que irrompe por toda a China: o comunismo real aliado ao mais feroz capitalismo. Também em 1980 os Jogos se realizaram na União Soviética apesar da política desumana de Bresnew. Os sistemas contam com a boa-fé dos cidadãos no bem, fé, esta, de que se aproveitam os que fazem o jogo maléfico. Logicamente, o presidente Hu Jintao não se vê na necessidade de resolver os problemas com o diálogo. A repressão é mais fácil e dar-lhe-á razão enquanto o mundo se reger pelas leis que se rege.

O sistema é coerente em si. Não deixa que os súbditos se apoderem do “burgo” da dignidade humana individual. O súbdito, ao experimentar a liberdade e o suficiente bem-estar humano, tornar-se-ia cidadão, habitante consciente do burgo, da nação, não permitindo mais a arbitrariedade dos dirigentes. O sistema comunista, como os seus parceiros fascistas, sabe isto, por isso se impõe contra o que fomente a personalização e a liberdade do súbdito. A eterna luta de todos os sistemas de poder.

Os jogos Olímpicos poderiam ser um motivo para mudanças estruturais na China. Apesar de tudo, os organizadores atraiçoam o espírito olímpico se não intervêm a favor dos direitos humanos e dos perseguidos e se não se manifestam contra os campos de reeducação para adversários políticos, contra a pena de morte e contra a censura de Imprensa e de Internet.

A corajosa Chanceler alemã Merkel, que no meio dos protestos do oportunismo recebeu há meses o Dalai Lama, e o seu Ministro dos Negócios Estrangeiros já disseram que não querem participar nos festejos de abertura dos Jogos Olímpicos em Pequim. Os representantes da economia não estão de acordo com críticas porque esta lhes pode estragar os negócios. A situação, porém, não é fácil para nenhum dos partidos.

António da Cunha Duarte Justo

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *