EGIPTO A CAMINHO DUM ISLAMISMO EXACERBADO?


O Povo acordado torna os Governantes insignificantes

António Justo

Às vezes o simples esvoaçar duma borboleta faz mudar o mundo. Na Tunísia um académico, sem esperança de emprego, vendia hortaliças na rua com um carrito para ir sobrevivendo. As autoridades apreenderam-lhe o carro, levaram-no para a esquadra e esbofetearam-no. Desesperado e ferido na sua honra, suicidou-se. O povo que sentia na pele as dificuldades e a angústia daquele jovem levantou-se contra a opressão dos governantes. A consequência imediata foi mais de 200 mortos e o governo em fuga.


A esperança corre pelas ruas; desta vez em causa própria e não apenas contra um Ocidente sempre mau. O seu motivo de revolta é a fome. Especuladores de produtos alimentares tinham aumentado os preços em 50% revelando, deste modo, as elites com um bando de ladrões. O grito de liberdade dum povo oprimido, no corpo e no espírito, espalha-se por todo o Norte de África muçulmano.


Entretanto, no Egipto, os tumultos provocaram 11 mortos e mais de 900 feridos. O povo é quem arrisca a vida e quem luta pelo direito a uma ordem mais justa. Quem mais ordena são os outros!


O Irão, satisfeito, espera que o mundo islâmico siga nas suas pegadas, vendo a agitação egípcia como “uma onda do acordar islâmico”. Em Gaza, os extremistas já se sentem fortalecidos. Na Jordânia o rei demitiu o governo.


Nas ruas do Cairo chegou-se a juntar um milhão de pessoas e as demonstrações continuam a manifestar a presença popular. Como em tudo, o problema está no conflito da defesa de diferentes interesses e na acção de agências e sociedades secretas que se aproveitam do povo para os seus objectivos. Entretanto, as autoridades procuram atiçar a raiva do povo contra os jornalistas estrangeiros, também para melhor controlar a informação.


O que ajuda a evitar extremismos é a autoridade e profissionalidade de que gozam os militares egípcios no seio do povo e que em tempos de crise têm estado, tradicionalmente, a seu lado, sempre atentos, como na Turquia e no Paquistão à consciência popular.


Por todo o lado, quando o povo acorda os grandes tornam-se insignificantes e os peritos dos poderes estabelecidos ficam desorientados.


O Egipto não consegue alimentar uma população de 80 milhões; apenas teria capacidade para alimentar 10 milhões, tendo o povo de contentar-se, para viver, com um euro por dia. Desemprego, pobreza, patriarcado obrigam a juventude estudada a manifestar-se e a movimentar as massas contra sistemas de repressão que atingem a sua maior expressão em regimes africanos islâmicos. Seria óbvia a construção dum novo Estado, duma nova ordem social e duma nova ordem religiosa. Regentes duma economia na ruína, onde grassa a corrupção, sabem que estômagos vazios não procuram democracia, o que querem é pão. Uma certa euforia de dançarinos da liberdade deveria ter em conta que  países muçulmanos são governados autoritariamente no espírito da religião.


A experiência no Irão onde depois da revolução (força da esquerda e religiosa unidas) se funda uma república islâmica: Também o caso do Iraque é testemunho de que uma revolução agora em via, na mão de grupos religiosos, não promete muito, numa perspectiva ocidental. Até agora as revoluções têm estado ao serviço do islamismo exacerbado.

O povo levanta-se, o que é de admirar e louvar. As suas legítimas aspirações à democracia e modernização esbarram sempre contra a verdade dum livro único e a realidade duma rede de mesquitas que regula a vida individual do cidadão até ao pormenor. Por outro lado, a experiência da História, tem dado razão aos imanes na sua luta contra a democracia e  no emprego da violência, ad intra e ad extra,  no seu processo de expansão, muito embora sob o preço de manter um povo rebanho.


Uma república ainda mais islamista do que a actual irá criar grandes problemas a Israel e ao mundo Ocidental. Um tal governo não respeitaria o Tratado de Paz com Israel, a não ser que a fome os obrigue a ceder a compromissos. De notar que o Egipto é o único regime islâmico com tratado de paz com Israel.


Enquanto a polícia se manifesta fiel a Mubarak e ao seu partido apoiante NDP, os militares manifestam-se abertos às exigências populares. O Ocidente advoga uma mudança de regime ordenada para o país não cair no caos. O carrossel dos nomes possíveis para a formação duma presidência provisória passa por Mohamed El Baradei, Amr Muhamed Mussa, Osmar Suleiman e, ultimamente, Farouk Sultan.


No mundo islâmico, quem se declara contra o Ocidente, contra Israel e por Alá tem sempre boas chances de constituir governo, o que torna a questão mais complicada, numa perspectiva internacional.


Segundo um inquérito em Israel, 65% dos israelitas contam com consequências negativas para Israel no caso de Mubarack cair, o que certamente acontecerá. 59% contam com o agravamento da república islâmica.


Os “Irmãos Muçulmanos” querem um Estado mais islâmico


Os “irmãos muçulmanos” – movimento islâmico sunita fundado em 1928 – surgiu com o objectivo de se concentrar na religião e nos valores islâmicos; a nível político pretendia instituir uma ordem islâmica e insurgir-se contra o domínio estrangeiro. A organização Hamas em Gaza é uma sua filial.


O seu sucesso deve-se ao facto de se empenharem na construção de instituições sociais e mesquitas e, por outro lado, representarem a fronte contra a influência estrangeira (na altura contra os ingleses) e a organização do combate, mesmo violento, ao domínio dos potentados islâmicos que oprimam o povo e não sirvam “o verdadeiro islão”. Desde 1980 procuram a mudança através da participação nas eleições. O seu objectivo é estabelecer um estado islâmico; de notar que o Egipto é já um Estado islâmico.


Opõem-se a um presidente de transição (Suleiman) que seria necessário para se preparar uma nova constituição a ser votada pelo povo nos próximos meses. Nos últimos momentos propõem Farouk Sultan para tal cargo.


Segundo especialistas, os “irmãos muçulmanos”, nas eleições alcançarão entre 20 a 30% dos votos.


A insurreição quer acabar com um passado para começarem com outro. A herança é pesada mas dar-se-á na continuidade da sujeição e opressão, enquanto não se der uma reforma do Islão, a nível de Alcorão e do corpo de leis Hadiz.


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com



ANIMAIS NÃO SÃO MERCADORIA


Penso logo existo – Quem não pensa não tem direito a existir?

António Justo

Uma vaca gera tantos gases de escape (azoto, anidrido carbónico, metano, etc.) num ano como um automóvel que anda 18.000 km. Segundo a FAO a produção dum quilo de carne prejudica tanto o ambiente como uma viagem de 250 km com o carro. Um alemão consome 90 kg de carne por ano e os americanos, no mesmo espaço de tempo, uma média de 120 kg por habitante. Em 2008 foram consumidas no mundo 280 milhões de toneladas de carne e 700 milhões de toneladas de leite.


Segundo uma investigação das UN a agricultura ocupa metade da área da terra e utiliza 70% da água consumida globalmente; produz 20% das emissões de gases estufa, 60% de emissões de fósforo e azoto e 30% de emissões de venenos.


O olhar dum animal, a sua expressão de sentimentos revelam-nos uma sensibilidade que não pode continuar a ser encoberta pela razão humana. Razão e emoção podem-se manifestar não só na empatia duma pessoa com um animal doméstico como até ser verificada em plantas. Observações confirmam que até as plantas brilham mais e dão melhores frutos quando recebem dedicação carinhosa de alguém. Na dedicação cresce uma relação digna a nível profundo onde flúi muito de comum à nossa alma.


“Penso logo existo” é o slogan que nos tem conduzido também a uma certa unilateralidade cruel no agir. Na prática, a inteligência emocional é recalcada e quem não pensa não tem direito a existir. Isto vê-se confirmado nos grandes “campos de concentração” que a indústria agrária cria para os animais e na quantidade de animais que os talhantes imolam sem pudor nos seus matadouros, para depois serem expostos como cadáveres e vendidos nos talhos. Sem honra nem dignidade, os animais são anonimamente criados para se tornarem em bifes e chouriços, depois comidos, sem o mínimo de respeito e de sintonia com eles.


O ser humano ao resumir a sua identidade na fórmula filosófica “penso, logo existo” limita a humanidade à sua espécie, esquecendo que antes do pensar vem o sentir: sinto logo existo. A falta de solidarização com os animais e a carência de compaixão tornam-se num índice da desumanização do homem e consequente violação da natureza por ele. A filosofia e a ciência estão interessadas em considerar a vida emocional dos animais como inferior ou como insuficientemente investigada, para poder continuar a abusar dela e justificar a sua desumanidade como natural. Desde René Descartes fomos instruídos que decisões racionais são o ideal e que decisões do sentimento não valem muito. A injustiça e o opróbrio causado aos animais bradam já aos céus. A maneira como são tratados até ao matadouro não respeita a sua natureza nem os seus sentimentos. Somos campeões em recalcar os nossos sentimentos para com a vaca, o porco, a galinha, etc. Se víssemos neles o destino do nosso cão ou do nosso gato, talvez o sentimento acordasse a nossa razão embotada! Vai sendo tempo da política e da religião dar voz a estas vítimas sem voz. Se não ouvimos a voz da natureza também não nos podemos ouvir a nós! Nas suas veias corre parte do nosso sangue! A nossa desumanidade para com os nossos irmãos de espécie não é argumento para continuarmos a não ouvir a voz dos nossos irmãos da natureza!


A legitimação do ser é mais abrangente do que a razão tem demonstrado. No sentir se encontra a compaixão e a complacência dos seres uns com os outros.


Um aumento da sintonia do Homem com a natureza e consequente alargamento da consciência poderia conduzir à redução do consumo da carne. Se reduzíssemos o consuma da carne no mundo a 10%, o aquecimento da Terra seria evitado e a maioria dos problemas ecológicos seriam resolvidos.


O movimento dos vegetarianos deve ser visto com respeito e implementado, sem entrarmos no jogo de pingue-pongue da culpa, e à margem de qualquer moralismo elitista.


Se os consumidores de carne passassem a ser vegetarianos seria poupada 21% da área que hoje é utilizada para a criação de gado, uma área correspondente à Índia (www.provieh.de). Numa população mundial de 6,7 mil milhões de habitantes, há 75 milhões de vegetarianos, 1,45 mil milhões são tão pobres que não se podem dar ao “luxo” do consumir carne; 500 milhões comem raramente carne e 4,6 mil milhões comem-na regularmente.

Quem não pode ser vegetariano pode, pelo menos, reduzir o seu consumo!

Se quisermos salvar o Homem comecemos já empenhando-nos em favor dos animais e das plantas!


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

Pegadas do Espírito


PORTUGAL COM “SUCESSO” NA VENDA DA DÍVIDA PÚBLICA – Turbo-capitalismo e Globalização selvagem


Sucesso falso porque hipoteca Próximas Gerações e apenas serve o Governo

António Justo

Portugal conseguiu o empréstimo de dinheiro novo, no mercado do capital, no valor de 1250 mil milhões de Euros. Os portugueses têm de pagar, pelas Obrigações do Tesouro (dívida pública vendida), juros relativamente baixos. Como refere a imprensa internacional, do crédito recebido, paga 5,4% pelas Obrigações terminadas em Outubro de 2014 e 6,7% pelas que terminam em 2020.


As condições são relativamente favoráveis, atendendo à recessão de 1,3% da economia portuguesa prevista para 2011, à montanha de dívidas e aos juros a terem de ser liquidados no ano corrente.


Muitos observadores internacionais admiraram-se pelo facto de o Governo português não ter recorrido ao crédito do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEER), financiado pela EU e pelo Fundo Monetário. A renúncia ao FEEF, embora de juros mais baixos, explica-se pelo facto do Governo não querer dar já parte de fraco, como fez a Grécia, e ir aguentando até depois das eleições a realizar, este ano, em Portugal.


Técnicos internacionais prevêem para Portugal o recurso ao FEEF porque vai precisar de pedir um empréstimo de 20.000 milhões de euros em 2011, através da edição de Obrigações do Tesouro.


O fundo de resgate europeu já conta com a necessidade de 100 mil milhões de ajuda a Portugal.


Portugal, apesar da retórica contrária de Sócrates, terá de recorrer ao fundo de resgate europeu. No entender da França e da Alemanha, Portugal não poderá receber, por muito tempo, crédito do mercado do capital. Depois das eleições presidenciais, a realizar ainda em 22 e 23 de Janeiro, os portugueses serão confrontados com novas dívidas a fazer. Na filosofia económica em voga, então só o FEEF os poderá salvar. O Governo poderá então explicar melhor ao povo o porquê da necessidade de recurso ao fundo de resgate europeu e consequente intervenção da EU no controlo das finanças portuguesas.


Os credores internacionais concedem crédito porque sabem que a EU fará com Portugal como fez com a Grécia. O economista americano Nouriel Roubini revelou ao semanário alemão Der Spiegel: “Finalmente será utilizado o dinheiro dos contribuintes alemães para acabar com a crise de dívidas noutros países”. Certamente que a Alemanha tem sido a que mais beneficia com o Euro e a exportação. Apesar de tudo, muitos alemães expressam, cada vez mais, a saudade da sua antiga moeda, o Marco alemão. Se os alemães e os franceses tiverem de apertar mais o cinto, os portugueses muito mais o apertarão.


Os estados fortes da EU tremem com medo da inflação do Euro. O português, José Manuel Barroso, Presidente da Comissão Europeia, preocupado em “fazer o necessário para defender a estabilidade financeira”, alerta a EU para a necessidade de alargar o fundo de resgate europeu (FEEF) .


Espera-se que na Cimeira da EU a 4 de Fevereiro suba o actual fundo para 750 mil milhões de Euros. A chanceler alemã não se pronuncia sobre o assunto. Este é um ano de muitas eleições na Alemanha e aqui o cidadão contribuinte é bastante contra medidas de que ele, ao fim e ao cabo, é o único fiador. Interessante que o seu ministro das finanças Wolfgang Schäuble quer que se elevem os fundos de salvação europeia para um milhão de milhões de euros. Ele sabe que Portugal só poderá ser safo com o apoio do FEEF.


Turbo-capitalismo e Globalização selvagem


Schäuble já prevê os próximos candidatos à insolvência, Espanha e Bélgica. Uma Europa e um mundo livres, a nível financeiro, tornam-se em parasitas das economias nacionais. O que o contribuinte paga para a FEEF e para a salvação dos Bancos torna-se num buraco sem fundo a ir parar aos bolsos dos Bancos e das Bolsas.


O que está a acontecer na Europa e no mundo, a nível financeiro, é um crime a saldar pelos nossos filhos e pelos filhos dos nossos filhos. A banca rota dos estados preanuncia-se numa queda como as peças de dominó.


Em Bruxelas, os chefes de governo exibem-se ma dança dos símbolos. Irrealistas, querem melhorar a capacidade de concorrência mas tudo à custa dos trabalhadores. No mercado financeiro as regras não são iguais para todos vivendo este à custa de economias fracas. A chance dos bancos fortes está na insegurança das finanças dos estados. Por isso estabilizam num lado para desestabilizar no outro. Encontramo-nos no caminho falso, de engano em engano, adiando a derrocada. Naturalmente que muitos dos medos que correm provêem duma vida saturada a perder o arrecadado. Quem começou por vender as jóias arrecadadas dos valores culturais não se pode admirar se no fim lhe for apresentada a conta do desregramento.


A ditadura mundial do capital financeiro encontra, na globalização selvagem, a sua maior oportunidade. As suas estruturas são falsas e falaciosas. A sua ética destrói toda a ética social e desonra a consciência do cidadão que, imperceptivelmente, se torna cúmplice dum sistema injusto e corrupto.


Já Jean-Paul Sartre dizia que, para se amar o Homem, se tinha de odiar o que o oprime! Isto pressupõe a domesticação das estruturas, dos estados, dos partidos e dos boys das grandes organizações nacionais e internacionais. A Terra e o Homem encontram-se a saque! Tudo vê mas ninguém nota! Tudo se queixa mas confia na “bênção” dos Bancos e na “metafísica” do mercado que promete a realização do paraíso no consumo.


Não se pode continuar a reduzir a ética das finanças e da economia a uma ética do bom tempo. Os lucros não podem continuar a ser comprados com a moral, o sangue do povo!



António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com


Warum werden die Christen in der Welt am meisten verfolgt?

Verfolgung der Christen im Wort und Tat

Selbstmordattentat in Alexandria mit 21 Toten

António Justo

Die  Christen sind die am meisten verfolgte Gruppe der Welt. Sie sind Zielscheibe von Rassisten und sogar von so genannten Antirassisten. In der arabischen und asiatischen Welt werden sie mit gewalttätigen Anschlägen und Diskriminierung verfolgt, im Westen mit der Waffe des Wortes. Es ist salonfähig, in der Presse und Öffentlichkeit Anti-Christ zu sein oder die Attacken gegen Christen mit der Vergangenheit zu rechtfertigen. Ein hinterlistiger Kampf von Militanten des Säkularismus gegen das Christentum versucht alles, was an Abscheulichkeiten in der Geschichte bezüglich Ökonomie und Politik geschah, nicht auf die Burger im allgemeinen, sondern auf die Christen zu lenken. Es ist chic, von Antisemitismus, anti-arabischen Vorurteilen zu sprechen, aber es schickt sich nicht, von Anti-Christentum bzw. von Anti-Katholizismus  zu sprechen.

Die Christenverfolgung mit seit 100 Jahren mehr Todesopfern als in der gesamten Geschichte des Christentums wird in den Massenmedien selten thematisiert, was aufgrund der Wehrlosigkeit von Christen nicht auffällt. Ja, in der deutschen Umgangssprache existiert eigentlich gar nicht der Begriff „Anti-Kristentum“. Was nicht in den Begriffen nicht existiert, existiert auch nicht im Bewusstsein. Man verteidigt die einen, während man  gegen den anderen hetzt. Das Anti-Christentum wird in den Medien vernachlässigt. Es scheint dass wer kein Feindbild Islam etc. hat, braucht das Feindbild Christentum. Der Kulturrassismus zeigt sich mitleidig gegenüber der Diskriminierung kleiner Minderheiten anderen Kulturen.


Es wird mit zwei Maßen gemessen. Was in islamischen Staaten geschieht, wird als Werk von Extremisten betrachtet, was jedoch in unserer Kultur in der Vergangenheit an Schlechtem geschah, wird als Werk von Christen gesehen! Es fehlt die Einsicht und die Menschlichkeit. Die Verleumdung von Minderheiten wird als Vorurteil gesehen, die Verleumdung von der Mehrheit wird legitimiert.


Vorurteile gegen Muslime werden geächtet, während Vorurteile gegen Christen  gepflegt werden. Die Medien sprechen in den Überschriften von „Gewalt nach Anschlag auf  Kirche“, die Menschen, die in der Kirche getötet wurden, bekommen eine kleiner gedruckte Zeile.


Warum werden die Christen in der Welt am meisten verfolgt?

Das Christentum ist ein Störfaktor für alle Machthaber, weil es die Interessen des Menschen in der Mitte stellt und Interessen von Ökonomie, Ideologien und Kulturen an zweite Stelle setzt. Alle Machtstrukturen sehen es nicht gern, dass eine Struktur wie die Weltkirche für Menschen ohne Stimme spricht. Viele Machthaber stellen fest, dass immer da, wo Christen waren, die Demokratie, politische und religiöse Freiheit und Menschenwürde angefangen haben zu keimen. Das Christentum ist nicht gebunden an eine Rasse, an eine Kultur, ein System oder eine Idee; sein Ort ist der Mensch, und sein Gott befindet sich in der Mitte jedes Menschen unabhängig von seinem religiösen Bekenntnis. Das stört und wird zur „Bedrohung“ für jeden, der sein Geschäft machen will auf Kosten des Menschen. Das Christentum wird überall verfolgt, weil es mehr als eine Religion ist, weil es nicht einer Kultur angehört, sondern eine Religion, eine Philosophie des Menschen ist. Die Menschenwürde liegt im Menschen selbst und nicht in der Kultur, Religion oder Nation! Der Ort Gottes ist der Mensch und das stört alle Machtstrukturen und Ideologien. So können sie nicht die ganze Macht über die Menschen haben. Deswegen versuchen Machthaber, sich seiner zu bemächtigen oder es zu verfolgen.



Am Weihnachten wurden in Nigeria 86 Christen ermordet; auf den Philippinen verletzte eine Bombe 11 Christen in der Weihnachtsmesse; im Irak wurden die Weihnachtsfeierlichkeiten verhindert wegen Drohungen, und an Silvester wurden 21 Christen ermordet und 97 verletzt in einer Kirche in Ägypten, etc.


Der jüdische Philosoph Bernard Henry Levy stellt fest: „Die Christen bilden heute auf planetarischer Ebene die Gemeinschaft, die auf die gewalttätigste Weise verfolgt wird bei größter Unanfechtbarkeit der Täter.“ Diese Wirklichkeit wird verschwiegen und sogar gerechtfertigt, als ob die ganze Misere der Welt und der ganze Kolonialismus Werk von Christen wäre.


Der Mordanschlag in Ägypten wird zwar dem Terrornetz außerhalb des Landes zugeschrieben, und die ägyptische Regierung tut so, als ob Kopten gleichberechtigt wären. Sie werden aber massiv diskriminiert. Andererseits versucht man, sie durch finanzielle und berufliche Angebote zur Konversion zum Islam zu bewegen, weshalb ihre Zahl stetig abnimmt. Die islamische Welt geht immer in die Offensive, wenn sie mehr als 50 % der Bevölkerung einnimmt, in der Art, dass versucht wird, Minderheiten auf die eine oder andere Art zu reduzieren.

Die Verfolgung der Christen in der Türkei zeitigte „Erfolge“ mit dem Holocaust an den armenischen Christen, so dass die christliche Bevölkerung in der Türkei innerhalb von 100 Jahren von 25% auf 0,1% der Bevölkerung fiel. Eine ähnliche Entwicklung, wenn auch ohne Holocaust geschah in Ägypten und anderen Ländern. Im Irak sank der christliche Bevölkerungsanteil nach dem Sturz von Saddam Hussein von 1,5 Millionen auf weniger als eine halbe Million. Islamische Länder sind entweder die Hölle oder das Fegfeuer der Christen. Aber unsere Politiker glauben nicht an der Hölle, deswegen gibt es für die Christen in Ländern, in denen sie verfolgt werden, auch keine aussicht auf den Himmel.

António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

PORQUE SÃO CRISTÃOS OS MAIS PERSEGUIDOS EM TODO O MUNDO?


PERSEGUIDOS POR PALAVRAS E OBRAS

Atentados Suicidas em Igrejas mataram inúmeros Cristãos na Época do Natal

António Justo

A perseguição aos cristãos matou mais pessoas nos últimos cem anos do que em toda a sua História anterior. O anti-cristianismo raramente é tematizado nos Meios de Comunicação Social pelo facto de os cristãos não se defenderem e assim não se tornarem públicos. Na linguagem corrente o conceito “anti-cristianismo” não é usado. O que não existe nos conceitos não existe na consciência do povo!…


Os cristãos são o grupo mais perseguido do mundo. São alvo de racistas e de pretensos anti-racistas. No mundo árabe e asiático são vítimas de assassinos, perseguição e racismo. Entre nós são vítimas da arma da palavra ou do esquecimento. Tornou-se chique, na opinião publicada e em conversas privadas, ser-se anticristão, anti-papa ou até justificar-se os ataques à bomba de hoje com o passado, como cruzadas, etc. Uma luta cultural insidiosa de militantes do secularismo contra o catolicismo/cristianismo procura atribuir, tudo o que houve de abominável na história política e económica, aos cristãos e não ao cidadão ou ao governo secular de então. Sem se diferenciar, reduz-se o Cristianismo a um bidé onde se lavam as próprias impurezas.


Tornou-se chique falar de anti-semitismo, de anti-arabismo, anticomunismo, de racismo contra ciganos mas não é chique falar-se de anti-cristianismo ou de anti-catolicismo. Vê-se o argueiro no olho dos outros mas não se nota a tranca que se tem nos próprios olhos. Atacam-se os outros para se defender os seus. O anti-cristianismo é descurado nos Media porque os cristãos não se defendem e porque os extremistas do secularismo iluminado precisam do catolicismo como área de projecção, como terreno inimigo a combater. Quem não tem o Islão e outros como inimigo precisa do cristianismo como adversário. O racismo cultural solidariza-se contra os preconceitos contra minorias de outras culturas e aninha-se na própria cultura numa opinião publicada enegrecedora do Cristianismo e falsificadora dos factos. Vive-se bem da mentira das meias verdades. Facto é que o Homem tem em si partes divinas e partes diabólicas independentemente de seu ser de cristão, maçónico, comunista ou capitalista, etc.

Mede-se com duas medidas. O que acontece de mau nos países muçulmanos é visto como obra de extremistas, porém o que aconteceu de mal na História passada é visto como obra dos cristãos. Na nossa sociedade, a difamação de minorias é vista como preconceito, enquanto a difamação de maiorias é legitimada ou aceite. Falta o conhecimento e humanidade. O preconceito contra o Islão deixa de o ser quando se expressa contra os cristãos.

Os Media nos seus títulos falam de “violência depois do atentado na Igreja”; as pessoas assassinadas na Igreja escrevem-se em letras pequenas e à margem da notícia.


PORQUE SÃO OS CRISTÃOS O GRUPO MAIS PERSEGUIDO NO MUNDO?


O Cristianismo é um factor desmancha-prazeres para detentores do poder e carreiristas. Ele coloca o interesse da pessoa no centro e em segundo plano os interesses de economias, ideologias, culturas e estruturas sociais. Todas as estruturas do poder não se sentem bem ao verificarem que uma estrutura global, como o Catolicismo, se erga, globalmente, como voz das pessoas sem voz. Muitos poderosos, especialmente na África e na Ásia, constatam que onde os cristãos estiveram, a democracia, a liberdade política e religiosa, os direitos humanos começaram, por primeiro, a germinar, apesar da corrupção inerente à pessoa. Isto complica-lhes o domínio.


O cristianismo não pertence a nenhuma cultura, raça, sistema ou ideologia; o seu lugar é o Homem e o seu Deus encontra-se no interior de cada pessoa independentemente de confissões religiosas e da crença em Deus. Isto perturba e torna-se numa “ameaça” para quem quer fazer o seu negócio, sem problemas de consciência, à custa da pessoa. O cristianismo é perseguido em toda a parte porque é mais que uma crença, é mais que uma religião. Ele é a religião, a filosofia, do Homem individual integrado na comunidade universal sempre a caminho e sempre em revelação! Consequentemente a dignidade humana encontra-se no Homem e não fora dele; ela não se encontra na cultura, na Constituição, na religião nem na nação. O lugar de Deus é o Homem e isto perturba todas as estruturas e ideologias. Por isso estruturas e sistemas de poder da humanidade passarão mas o cristianismo não passará. Tudo o que verdadeiramente serve o Homem no seu ser humano, permanecerá, o resto passará. Assim, as estruturas e as formas do poder serão sempre relativas e passageiras e os poderosos encontrarão a barreira do Homem, com a sua dignidade, ao seu poder. As culturas, os partidos, as formas de governo passarão, o cristianismo, no que tem de matriz humana e cósmica não passará. Naturalmente que muitos cristãos e não cristãos só conhecem e se interessam pelo folclore cristão. Esta é também uma realidade humana.

No Natal foram assassinados 86 cristãos na Nigéria; nas Filipinas, devido a um atentado à bomba, foram feridas 11 pessoas numa missa de Natal; no Iraque no Natal houve atentados a casas de cristãos e foram impedidas as missas devido a ameaças de islamistas; na passagem de ano, no Egipto, com um atentado a uma Igreja foram mortos 21 cristãos e 97 feridos; no Paquistão donzelas e mulheres cristãs são violadas por muçulmanos para assim ficarem estigmatizadas como “impuras” na sua cultura. Meninas cristãs de 12-13 anos são violadas por muçulmanos, ficando assim impedidas de casar. Por estes e outros meios se impede a proliferação dos cristãos. O maior problema está no facto de tudo isto acontecer no meio do povo sem uma palavra que se levante em defesa dos inocentes. Segundo o Corão todos os meios que sirvam o Islão são legítimos.

O atentado assassino do Egipto é atribuído a uma rede de terror de fora do país e o governo egípcio fala como se os cristãos coptas do Egipto não fossem discriminados. Por um lado são discriminados e por outro lado, procura-se através de ofertas de dinheiro e de ofertas de perspectivas profissionais levá-los à conversão, como me testemunhava um estudante egípcio na Alemanha. No momento em que os muçulmanos atingem 50% da população duma região ou país, passam à ofensiva, exigindo a independência e discriminando os outros com as suas leis de maneira a torná-los minoria. No sentido islâmico, a História da perseguição muçulmana nos países onde dominam é uma História de “sucesso”, como mostra a perseguição da Turquia aos cristãos com o holocausto aos cristãos arménios. Nos últimos 100 anos, a Turquia conseguiu reduzir os cristãos de 25% da população para 0,1% actualmente. A discriminação no Sudão, no Egipto e muitos outros países segue a mesma lógica. No Iraque a perseguição em curso contra os cristãos conseguiu reduzi-los de 1,5 milhões para menos de meio milhão.


Países islâmicos tornaram-se no Inferno ou pelo menos no Purgatório dos Cristãos embora esses países sejam a sua terra natal. Os nossos políticos não acreditam no “Inferno”, por isso não há uma perspectiva de paraíso para eles, nos países em que são perseguidos.


O filósofo judeu Bernard Henry Levy constata que “os cristãos formam hoje, à escala planetária, a comunidade perseguida da forma mais violenta e na maior impunidade.” Esta realidade é calada e até justificada, como se todo o mal do mundo fosse culpa dos cristãos. Esta realidade tem de ser calada para se ter uma “boa consciência”!


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com