SALÁRIO MÍNIMO – URSULA VON DER LEYEN EM PORTUGAL

Em Missão de Convicção

Ursula von der Leyen, a Presidente da União Europeia, médica, mãe de sete filhos, que para proteger as gravidezes não bebia álcool e ainda hoje não bebe álcool encontra-se de visita a Portugal (28 e 29.09.2020).

Defensora dos direitos humanos sempre se distinguiu por defender resolutamente os direitos das mulheres!

Quando foi em missão diplomática à Arábia Saudita em 2016, deu instruções para que as mulheres da sua delegação não usassem a abaya, uma vestimenta que cobre a cabeça e a roupa.

Empenha-se na defesa da dignidade do trabalho e na criação de um salário mínimo europeu!

Para o Conselho Europeu o ordenado mínimo dos portugueses ( 635 €) não garante um estilo de vida digno! Segundo INVESTIPEDIA “se o salário mínimo em Portugal tivesse sido atualizado devidamente desde 1974, hoje em dia seria de 1268€”.

Semelhante problema acontece também com o aumento das reformas. Excedente de contribuição dos trabalhadores em vez de servirem para aumentarem adequadamente as reformas (especialmente, as abaixo do mínimo de sobrevivência) são usadas para equilibrar o orçamento do Estado e assim apresentar melhores dados para a EU.

O ordenado mínimo dos portugueses e reformas de miséria de uma boa parte dos reformados garantem o  estilo de vida à francesa  da nossa classe governante e de seus amigos beneficiados.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

4 comentários em “SALÁRIO MÍNIMO – URSULA VON DER LEYEN EM PORTUGAL”

  1. Pois é, a CGTPI tem descurado ao longo de 40 anos de exigir o aumento dos salários e reformas e o PCP nos sucessivos governos tem trabalhado sempre a favor dos empresários e do capital estrangeiro. Não é verdade?
    João Rodrigues
    FB

  2. Em Portugal a relação e negociatas funcionam entre corporações e corporações e não entre corporações e povo! Primeiro servem-se os interesses das corporações comprometidas entre elas, quanto a povo propriamente não existe. Como o Estado se encontra em grande parte ocupado pelas corporações existem apenas interesses de corporações sem interesses de nação/Povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *