NOSSO TEMPO RETRATADO

De facto, como bem descreve Vila Verde, parece vivermos na armadilha de uma complicação armada:

“Vivemos numa época complicada. Querem que os padres se casem e que os casais se divorciem. Querem que os héteros se juntem sem casar e os homossexuais se casem. Querem que as mulheres se vistam como homens e os homens como as mulheres. Não há vagas para os doentes nos hospitais, mas há incentivos e patrocínio para quem quer fazer mudança de sexo. Ser a favor da religião é ditadura, mas urinar em cima de crucifixos é liberdade de expressão. Se isso não for o Fim dos Tempos, deve ser um ensaio.” Gabriel Vila Verde

Em tempos de crise, é utilizada a complicação que justifica a proliferação de armadilhas e armaduras. Tudo anda distraído, apressado; tudo se perde em si mesmo, tudo vai vivendo dos sons que vêm do andar da mente, sem descobrir a ressonância da caridade para aqueles que vivem mais perto da vida!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.