TENTATIVAS DE DEFINIR O SER DO HOMEM NA RELAÇÃO HOMEM-MUNDO

Coloco aqui alguns estímulos a um apetite que pode proporcionar alimento à reflexão:

Gregório Magno: «o homem tem semelhanças com todas as criaturas: o ser com as pedras, o viver com as árvores, o sentir com os animais, o entender com os anjos».

Hildegarda de Bingen: “O homem, olha para o homem! Porque o homem tem em si mesmo céus e terra e nele todas as coisas estão escondidas. A sua cabeça corresponde aos céus, os olhos às estrelas, o ouvido ao ar, os braços e o tacto aos lados do mundo, o coração à terra, o ventre às criaturas” (Hildegarda de Bingen, Liber divinorum operum, Visio I).

António Damásio: «(…) não só a mente tem de passar de um cogitum não físico para o domínio do tecido biológico, como deve também ser relacionada com todo o organismo que possui cérebro e corpo integrados e que se encontra plenamente interactivo com um meio ambiente físico e social», em “O erro de Descartes. Emoção, razão e cérebro humano”.

De facto, somos seres dotados de asas, mas com um corpo tão pesado que nos condiciona a movermo-nos em terra. Feitos de céu e terra, tendemos, pela força da transcendência,  a superar a matéria de que somos confecionados e a viver com ela para não perdermos um olhar que nos proporciona maior horizonte!

Reduzir o ser do Homem à perspectiva materialista corresponderia a cortar as asas ao humano e à sociedade; isso viria a justificar a missão entrópica de alguns cangalheiros da nossa civilização de “reminiscências” cristãs!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

4 comentários em “TENTATIVAS DE DEFINIR O SER DO HOMEM NA RELAÇÃO HOMEM-MUNDO”

  1. Mafalda Freitas Pereira, é verdade, estamos sempre em processo de aprendizagem, na consciência do que só “sei que nada sei”! Sim até porque o que sei me poderia impedir de saber o que não sei! Resta-nos permanecermos sempre jovens num processo do sempre a aprender! Isto não nos deve impedir de colocar algumas pedras do saber no chão para podermos andar!

  2. António Cunha Duarte Justo, nessa perspectiva de permanecemos sempre jovens num processo do sempre a aprender, então é melhor pôr de lado o processo. Quanto mais ignorante mais jovem!
    Agora a sério: que bom é caminhar sobre as pedras do saber. Não importa o tempo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *