ANTÓNIO COSTA (PS) O VENCEDOR DAS ELEIÇÕES 2022

PS agora mais perto da Social Democracia europeia?

Uma direita não assumida e uma esquerda dividia possibilitou a victória do PS que agora recebe a oportunidade de se tornar mais centro! As sondagens falharam, mas certamente ajudaram no sentido do voto útil! A traição dos partidos à esquerda de Costa, com posições ideológicas que seriam mais de enquadrar em contexto chinês, receberam o fruto do que semearam!!!

Resultados provisórios das eleições  de 30.12.2022(1):  PS 41,68% / 117 deputados; APPD-PSD  27,8% / 71 deputados; Chega 7,15%/ 12 ; Iniciativa Liberal 4,98%  / 8 ; BE 4,46% / 5 ; CDU 4,39% / 6 ; PAN 1,53% / 1 ; LIVRE, 1,28% / 1 ; PPD/PSD.CDS-PP 0,94% / 3; PPD/PSD.CDS-PP.PPM 0,53% / 2 ; RIR 0,42% / 0 ; CDS-PP, 1,61% /0 ; JPP 0,2% / 0 ; PCTP/MRPP 0,2% / 0 ; MPT 0,12% / 0 ; MAS; 0,11% / 0 ; PTP 0,06% / 0 ; Nós, Cidadãos 0,06% / 0 ; Aliança 0,04% / 0 ; PPM 0,0% / 0 ;  Brancos 1,15% , Nulos 0,92% , Abstenção 42,00% dos 9.298.390 de inscritos:

António Costa, pediu a maioria absoluta para conseguir estabilidade e os eleitores, instintivamente, responderam que sim, apesar dos prognósticos eleitorais; Costa encontra-se agora livre de uma extrema esquerda que o obrigava a radicalizar-se, mas terá uma extrema direita (Chega) que o não deixará descansar nos Média e radicais de esquerda a pôr-lhe pedras no caminho. Costa venceu com a maioria absoluta 42% dos sufrágios eleitorais – foram tantos os votantes no PS como as abstenções nas eleições:42%. Rio foi castigado por querer um Portugal centrista.  Certamente deixará de conduzir o PSD para possibilitar ao partido mais manobra de jogo. António Costa está de parabéns porque poderá reinar até 2026; conseguiu castigar a extrema esquerda (BE e PCP) e acabar com os sonhos da Geringonça que se julgava tornar-se num modelo de governo: (Bloco de Esquerda – antes tinha 19 deputados e agora tem 5, a CDU (PCP+PEV) antes tinha 12 e agora 6));  com a victória do PS, Costa consegue uma deslocação da esquerda mais no sentido do centro.

A victória poderá explicar-se pelo facto de Costa na Pandemia ter respondido às espectativas de grande parte da população (70% ansiava por estabilidade política), ao indirecto apoio do PR e porque tínhamos uma direita constituída de partidos concorrentes e uma esquerda PS centrista atraiçoada pelos velhos parceiros da Geringonça.

O Chega com os seus 7% ocupa um bom lugar na discussão parlamentar se pensarmos que de um deputado passa a ter 12… A demasiada presença do BE na opinião pública assustou muita gente! A victória do Chega deve-se sobretudo ao descontentamento geral em questões de política de ensino e  cultura (os preocupados com a cultura ameaçada), bem como à corrupção e ao nepotismo na distribuição de lugares na administração e em lugares de governação;  geralmente os partidos mais relevantes acabam por integrar tais factores nos seus programas o que reduz a possibilidade de o partido se vir a afirmar.

Por trás das votações pode ver-se também um protesto contra o neoliberalismo e consequente desregulação do trabalho. A recordação da Troika revelou-se, pelo menos até agora, no desastre de quem a tomou a sério (Isto não quer dizer que uma conta atrasada não venha a aparecer de surpresa, atendendo à política neoliberalista e globalista da União Europeia e ao BCE comprar dívidas; a inflação, e o mercado de trabalho terão uma grande palavra a dizer em questões de sucesso e insucesso futuro). O comportamento da EU em relação a Portugal também dependerá do maior ou menor compromisso deste com a China! Desta perspectiva poderia advir uma oportunidade para a extrema esquerda agora derrotada.

Uma observação: o que me causa pena na discussão pública não é tanto o ganhar ou perder de um ou outro partido, mas a arrogância com que muitos políticos da esquerda falam, como se fossem os pais da democracia e os senhores da moral. Talvez, esta mentalidade, filha do autoritarismo se corrija até às próximas eleições; isto para sermos ainda mais democráticos!

Em termos de sociedade portuguesa penso que o grande êxito de Costa foi ter domesticado a esquerda extremista (marxista-maoista) conseguindo pôr a Catarina em banho maria…

A Costa restará seguir as instruções do Eurogrupo e do BCE e agora, uma vez que tem as mãos livres, abandonar as medidas que têm facilitado a implantação da China na Europa. Enfim: um pau de dois bicos!!!

Os partidos de esquerda agora castigados pela população, uma vez afastados do poder, ver-se-ão obrigados a mostrar a sua verdadeira cara radical, apostando, mais declaradamente, na expansão de uma hegemonia chinesa “globalista”!

Costa, para se afirmar no futuro terá de tratar os precários do privado com a mesma generosidade com que tem tratado o funcionalismo público (o problema será onde ir buscar o dinheiro para tantos)! É de esperar que a victória de Costa se torne numa lição para o PS, no sentido de se orientar mais pela Social Democracia europeia, repelindo o radicalismo marxista e maoista, próprios de sociedades contra a cultura europeia!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

(1) https://www.publico.pt/legislativas-2022/resultados/?utm_content=Manhas&utm_term=A+maioria+da+surpresa+absoluta&utm_campaign=55&utm_source=e-goi&utm_medium=email

 

 

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

27 comentários em “ANTÓNIO COSTA (PS) O VENCEDOR DAS ELEIÇÕES 2022”

  1. Social Democracia europeia quase nao existe e o be nada tem a haver com a china, maoista, enfim, parace uma tiragem do olavo de carvalho, ver comunas onde eles nao existem, o ps é sobretudo um partido liberal, inserido na corrupçao vinda da eu, dinheiro magico, e na corrupçao local dos nepotismos e etc, onde os lucros sao privados e os prejuizos se socializam, havendo no entanto socialismo, mas para os ricos, sobretudo, e o paradoxo de ser o bce que segura tudo num capitalismo financeiro decadente e em contradiçao, pt perdeu a sua soberania, e já ajuda o ps foi eleito por 24 por cento dos eleitores inscritos, apenas, grande democracia, e maior do que a dos tratados da Uniao, os quais nao foram eleitos, tal como o bce ou a comissao, biba a zooropa, do dinheiro magico.

  2. O resultado destas eleições,espelha a inteligência política portuguesa
    Estamos na cauda da Europa e o povo quer continuar a ficar em último

  3. Mal vai a democracia que vota no medo da direita…costa venceu pela inércia e o cansaço..a mexecanização do Estado português torna-se evidente.

  4. Estratègicamente, AC pediu logo no inicio da campanha a maioria absoluta para depois, humildemente, recuar na sua pretensão.
    Todos os hesitantes mais os decepcionados com o BE e PCP que chumbaram o orçamento e provocaram a crise e instabilidade política, mais alguns elementos de partidos cuja prestação não foi convincente, condoeram-se e ofereceram-lhe o voto. E aí está! Vitória para AC com maioria absoluta. É hábil e um bom estratega político. Falta ver como vai funcionar a Democracia com a “sua” maioria absoluta de esquerda e uma oposição com um partido de extrema direita.

  5. António Cunha Duarte Justo, realidades há muitas, tal como os olhares para ela, comunismo, por exemplo, ou socialismo é o papel dos bancos centrais nos ganhos absurdos nas bolsas, enquanto toda a economia estava confinada, socialismo é a compra dos ativos ditos tóxicos pelos bancos centrais aos bancos universais ou apenas de investimento, os bancos centrais socializaram, suportam todo o sistema financeiro, essa é uma realidade paradoxal, o qual faz com que a russia hoje seja capitalista á moda dos anos de marx e o ocidente seja socialista. a confusao é tanta que os liberais acham que isso não estar certo, tal como na cartilha da conferencia de paris do pre guerra, mas, no entanto, esse comportamento resulta do controlo ou independencia dos bancos centrrais e do excesso precisamente da economia neo-liberal, mas tal como os comunas acham que os erros cometidos sao apenas fruto de nao se ter cumprido a teoria. Confusao ideologica é chamar de comunismo a tudo o que seja estado, mas sendo, algumas vezes, estado, como se este desaparecesse por magia ou fosse algo de natural e acima das instituiçoes e estas das pessoas. Aa colagem do be *a china é estranha, do pc faria algum sentido, apesar do pc ter sido proximo da união sovietica e não da china de mao. Uma posiçao antagonica e agonistica face á china de pt não é real em qualquer um dos governos do pos 25 abril. A discussao de se saber de a china é comunista, a mim, nao me interessa, é coisa para teoricos ou ideologos, talves porque tudo o que brilha seja ouro, nao sei. o resultado das eleiçoes mantem o país como estava, ou seja, adormedico de si proprio e sem soberania face á UE.

  6. Joaquim Filipe de Castro, o que diz sobre os bancos e a economia turbo-capitalista assume realmente um caracter aflitivo. Mas nas comissões directivas dos bancos está também representada a política e para os bancos centrais de cada nação, são colocadas pessoas da confiança da política reinante. O assunto aqui tratado tem a ver com programas e intenções de partidos e ideologias e essas são bem concretas, só que o povo está demasiadamente ocupado com a vida para poder entrar na leitura desses escritos e entendimento das subjacentes filosofias e poderem ver o que é o espírito ou objectivo final do partido! A China aperfeiçoou os sistemas capitalista e socialista num só. É um sistema de sonho para autocratas e ditadores!.

  7. Joaquin Lopes, agora o PS deixa de estar condicionado a certos extremismos do Bloco de Esquerda e do PC. Isto não quer dizer que Costa irá fazer boa política para todos. Ele embora defenda a política de esquerda não parece tão radical como estava obrigado a ser na Geringonça. Terá a parte fundamentalista do PS a pressioná-lo no sentido de prolatarizar o país a nível de ensino e de cultural!

  8. António Cunha Duarte Justo, o poder devia ser servir o país e o povo,não servir-se, como a maioria faz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *