REGIÕES ADMINISTRATIVAS AO SERVIÇO DAS REGIÕES OU DE BOYS?

O Centralismo vive à Custa do Empobrecimento das Regiões

 

Alguns políticos querem a criação de Regiões administrativas.

Só a criação de uma taxa de solidariedade sobre o rendimento nacional (PIB) e a ser distribuída pelas regiões defraudadas do país poderá obstar aos malefícios criados por um centralismo irracional.

A exigência da descentralização seria muito oportuna e legítima se impedisse a hidrocefalia da capital portuguesa e obrigasse a política a ter uma acção responsável também em relação a tudo o que não é Lisboa, mas não na condição de vir a criar mais tachos para boys de partidos.

A oligarquia de Lisboa e o jornalismo da capital não têm estado interessados em empenharem-se pela casa toda que é Portugal.

Aos políticos tem-lhes bastado uma boa sala de visitas (Lisboa) para receber e deslumbrar os seus amigos estrangeiros e ao mesmo tempo encobrir misérias.

Uma política com responsabilidade para as regiões preocupar-se-ia também com o interior de Portugal e teria de transferir algumas instituições do Estado centralizadas em Lisboa, para regiões desfavorecidas.

No contexto político em que nos encontramos e atendendo a vir a proposta de onde vem, antes da reforma administrativa urgiria a criação de uma sobretaxa de solidariedade europeia e ao mesmo tempo um subsídio de solidariedade fiscal em relação às regiões portuguesas depauperadas; para tal seria necessária uma reforma administrativa que ultrapassasse um certo pensamento jacobino europeu (2) poderia vir depois.

Pelo que me é dado observar, uma reforma administrativa, no contexto da mentalidade que domina os nossos governantes seria também ela mais uma medida de abuso no sentido de açaimar o Estado português aos interesses de alguns!

Continuação do tema em Centralismo Versus Regionalismo (1): https://antonio-justo.eu/?p=4557 ou http://correioluso.de/archive/10331

ver mais artigos em https://bomdia.uk/criacao-de-uma-sobretaxa-de-solidariedade-europeia/

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

Notas:

 

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *