POR UM PORTUGAL LIVRE E COM MENOS NEVOEIRO

É um prazer ler e meditar o poema “Nevoeiro” de Fernando Pessoa que coloco a seguir e que retrata o estado da alma de Portugal, já há muito tempo enevoada e triste. Não será o barulho do arraial nem o orgulho balofo de uma população em fila a seguir o andor de um Estado confundido com a nação, que ajudam Portugal. Portugal terá de ser mais que uma nuvem ou um sentimento que passa.

“NEVOEIRO

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,

Define com perfil e ser

Este fulgor baço da terra

Que é Portugal a entristecer —

Brilho sem luz e sem arder

Como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quer.

Ninguém conhece que alma tem,

Nem o que é mal nem o que é bem.

(Que ânsia distante perto chora?)

Tudo é incerto e derradeiro.

Tudo é disperso, nada é inteiro.

Ó Portugal, hoje és nevoeiro…

É a hora!

Valete, Fratres.”
Fernando Pessoa

Fernando Pessoa bem avisa “É a hora!” Mas a hora de despertar não chega e no escuro até os satélites brilham e como estes brilham demais, o povo não vê mais. Irei ainda hoje elaborar esta ideia em poesia e coloca-la amanhã aqui.
Obrigado pela vossa atenção.

António da Cunha Duarte Justo

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

11 comentários em “POR UM PORTUGAL LIVRE E COM MENOS NEVOEIRO”

  1. Já não é nevoeiro… São nuvens super carregadas e não se vislumbra nem um arco íris.
    Maria Carolina Almeida

  2. Absolutamente correcto Amigo António Justo… mas o pior cego é aquele que não quer ver!… Infelizmente o POVO continua Cego, Surdo… e Muda de opinião ao sabor da maré!
    Silvino Dos Santos Potêncio
    Fb

  3. O povo sente-se tão fraco e inconsscientemete atemorizado que não pode levantar cabelo. Mas a sua expressão e reacção é instintiva. Sabe que na nossa república se instalou um corporativismo que não conhece povo nem nação, apenas conhece população e Estado de que se serve! O corporativismo não está interessado em apostar no povo; é mais servido se continuar a iludi-lo. Trata-se de uma questão de divisão e distribuição de interesses a serem beneficiados. O resto é fogo de artifício!

  4. Mas,Justo,justamente Portugal segue na procissão,rezando.Somos um país que reza de+++,acredita de++++tolera de++++,somos os reis da basbaquice.Mas, esta enchorrada (ih,danou-se,é com x,kkk)de virtudes não nos concedem a primazia de nada…. O mundo está assim,ficou,assim…. e quem não sabe rezar vai se ….
    Gabriel Cipriano
    Fb

  5. Tudo vive e se motiva pela fé, tudo se motiva pela sua crença. À crença não escapa nenhum humano, mesmo aqueles que crêem que não crêem!. Importante será respeitar as crenças e os diferentes saberes sabendo que com o mais saber cresce o saber do que mais falta saber.

  6. Parabens, Justo,vc fez o resumo do “quanto mais sabia que sabia…” legal.Muito,mesmo.
    Gabriel Cipriano
    Fb

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *