G7 – Uma Cimeira sem Cimo porque lhe falta a Rússia a China o Brasil a África do Sul e a Índia

RÚSSIA DESPREZADA E OFENDIDA

António Justo
Neste fim-de-semana, dia 7 e 8 de Junho, realiza-se o G7 no castelo Elmau, Garmisch-Partenkirchen (25.000 habitantes), Alemanha.

Relevante seria que o G7 (grupo de chefes de Estado e do Governo dos USA, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Japão, Itália e Canadá) se debruçasse sobre os temas políticos, económicos e climáticos sem se aproveitar da cimeira para cerrar fileiras contra a Rússia, no sentido de uns USA muito longe da Europa e do mundo.

Grande erro: a Rússia não foi convidada. Interessante seria um G20 e não uma organização mamute para jornalistas que dá a impressão de reunir em si os interesses dos antigos impérios coloniais. De facto realiza-se uma Cimeira sem cimo porque lhe falta a Rússia, a China, o Brasil, a África do Sul e a Índia. No G7 temos um monte que não reconhece que faz parte de uma serra! Na aldeia universal precisa-se de todos se se quer humanizar a humanidade e salvar a ecologia do planeta.

Rússia ofendida

Putin viu como sua primeira tarefa a de organizar o Estado russo, o que está a conseguir depois das maneiras Wild West de Boris Jelzin. Não será previsível que o presidente russo mude de atitude em relação à Ucrânia. Os USA e a EU não têm trabalhado de forma construtiva com a Rússia, o que a leva a destacar-se com posições menos compreensíveis.

A Rússia, tal como a China não podem abdicar da sua situação de império, simplesmente porque os USA e a Europa, em nome de uma liberdade ou democracia desaferida e mal-entendida, querem conduzir estes impérios a uma situação interna equivalente à situação dos estados do norte de África (Divide et impera!).

A Rússia precisa de tempo para estabilizar o seu império colonial, precisa de paciência e não de provocação. Não é percebível a política americana (e da EU a si encostada) que aposta apenas no imperialismo económico e em ideologias de valores abstractos sem contemplar as culturas e civilizações que parece querer ver desestabilizadas.

A europa precisaria de uma política comum. Um quebrar do poder de Putin significaria a rotura dos povos. Putin sente-se ofendido pelo ocidente e em especial por uma EU subjugada aos USA.

A actual Cimeira G7 também tem as suas vantagens. Ângela Merkel vai-se empenhar, entre outras coisas, na limitação de combustíveis fósseis e na implementação das energias renováveis (que já conta na Alemanha com 300.000 empregados em consequência do Governo de Merkel ter determinado acabar até 2022 com os reactores atómicos produtores de energia na Alemanha).

Oxalá no G7 a EU saiba mitigar os acordos TTIP (https://antonio-justo.eu/?p=2957) para que a Economia não crie uma jurisprudência paralela e superior à dos Estados membros. Também neste assunto parece que Merkel irá mitigar as ambições liberalistas económicas dos EUA. Ela tem a legitimação e a tarefa a ela atribuída por uma população que também pensa.
António da Cunha Duarte Justo
www.antonio-justo.eu

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *