ÍNDICE DE FELICIDADE MUNDIAL EM 2015 E A DOR DO VIVER

Felicidade da mulher como índice do desenvolvimento de um país?

António Justo

Segundo o estudo da ONU sobre o Índice de Felicidade Mundial realizado pela universidade Colúmbia de Nova Iorque, a felicidade mundial aumentou ligeiramente em relação a anos passados. O norte é mais feliz que o sul, tem mais confiança. Nos países desenvolvidos, as mulheres são mais felizes do que os homens, enquanto nos países em desenvolvimento se passa o oposto.

A ordem de felicidade por países: 1° Suiça,2° Islândia,3° Dinamarca, 4° Noruega, 5° Canadá, 6° Finlândia, 7° Holanda, 8° Suécia, 9° Nova Zelândia, 10° Austrália, 15° Estados Unidos, 16° Brasil, 26° Alemanha, 88° Portugal.

Dos países qualificados, os dez países menos felizes seriam o Afeganistão e países africanos. Os indicadores de felicidade do questionário efectuado abrangiam sistemas sociais, mercados do trabalho bem como perguntas sobre a autopercepção das pessoas (bem-estar mental, liberdade na tomada de decisões, ter alguém em quem se confia, falta de corrupção, esperança de vida saudável, etc.).

A investigação sobre a Felicidade de um povo é uma boa iniciativa dado orientar a atenção do cidadão e dos políticos para um objectivo que deveria ser o mais importante da política. A satisfação da vida e o bem-estar social deveria estar na agenda de todo o deputado e do governo.

Naturalmente haverá povos de caracter mais alegre que outros, o que torna difícil a interpretação da qualificação da felicidade de uns países em relação a outros. A maneira de compreender a vida é muito diferente de cultura para cultura. Há povos por natureza mais satisfeitos que outros.

Talvez por falte de uma ciência da felicidade ainda não se saiba como fazer os cidadãos felizes.

O Botão foi o primeiro país que colocou como objectivo do governo a felicidade pública. Aí os indicadores de felicidade apresentados eram: bem-estar psicológico, equilíbrio entre vida pessoal e trabalho, vitalidade comunitária, educação, preservação cultural, proteção ambiental, boa gestão governamental e segurança financeira.

O grau de esperança é um elemento e um indicativo da felicidade de de uma pessoa. Ela empresta à realidade vestidos mais agradáveis e coloridos! Quem já tem tudo poderá ter o gozo do desejo saciado no tempo mas, apesar de tudo, não ser feliz! Pode-se ter gozo sem se ser feliz, porque o gozo é a felicidade da parte enquanto a felicidade é o gozo do todo. A felicidade é rara porque gozo é um estado, um momento e felicidade é ser, o ser que não é soma dos momentos. A felicidade está ligada à saudade que goza a dor do não viver!Também é verdade que, por vezes, se vive com felicidade mas sem gozo porque o gozo depende também do parceiro, tem a ver com o próximo!

António da Cunha Duarte Justo

Jornalista

www.antonio-justo.eu

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

4 comentários em “ÍNDICE DE FELICIDADE MUNDIAL EM 2015 E A DOR DO VIVER”

  1. Será que os brasileiros dão mais otimistas que os portugueses?

    Ou os motivos da felicidade dos dois povos são mais concretos?

    Saudações,
    Margarida
    in Diálogos Lusófonos ,27.04.

  2. Prezada Margarida
    Na minha opinião, a expressão ou sentido subjectivo de felicidade tem mais a ver com o estilo de vida próprio e com a alma do povo circundante!
    Além das circunstâncias, uns têm mais nuvens no céu que outros, ou têm uma mente mais ou menos risonha; consequentemente será natural que o panorama que enxergam e sentem seja mais ou menos desanuviado, mais ou menos optimista. Assim o estado de felicidade ao submeter-se à vontade de existir depende muito da autoconsciência. Por natureza uns estão mais ligados ao idealismo platónico outros ao pessimismo à la Schopenhauer.
    Há uma grande relação entre geografia (paisagem) e o sentir humano, a sua maneira de estar! O povos do norte que têm um inverno longo, como a abelha, sente-se bem quando têm o celeiro cheio, enquanto que os povos do sul, mais dedicado ao “viver” espontâneo de uma natureza que os privilegiou, como a cigarra, vivem bem mas sentem-se em apertos quando chega o inverno.
    António Justo

    António da Cunha Duarte Justo
    http://www.antonio-justo.eu
    http://www.arcadia-portugal.com

  3. Já um professor veterinário ,Barrison Vilares, da Universidade de Botucatu, falecido há muito, comentava que o problema é o sol dos trópicos quando dá na moleirinha , o que não impede as “vítimas” de serem felizes!

  4. “DO SOL NA MOLEIRINHA”
    Obrigado pela referência, Dra. Margarida.
    Pela experiência que tive do meu viver em Portugal, França e Alemanha, e da constatação das diferentes paisagens e climas, bem como correspondentes estilos de vida conclui que o animal racional se expressa como ser adaptado à geografia e ao clima e a supraestrutura cultural que cria, a partir destes, é a correspondente atmosfera espiritual com um correspondente sol e valores. Por estas e por outras estou de acordo com o professor veterinário, Barrison Vilares, que pelos vistos percebia bem de biótopos e de dependências humanas!
    Saudações
    António Justo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *