Alemanha lidera mais de Metade dos Sectores industriais do Mundo

A Inveja afirma-se contra os Alemães

António Justo
Não há nação no mundo que produza tantas empresas de topo como a Alemanha. O segredo está no facto de as suas firmas conseguirem unir tradição com inovação e de se manterem, em grande parte, nas mãos de famílias. As empresas são continuadas no espírito pioneiro das famílias que as fundaram sendo, ao mesmo tempo, tidas como história e com um pedaço de cultura da região donde provêm. Nelas se pode ver uma parte da radiografia da alma alemã, uma alma que que vive da floresta mas na procura do sol. A tradição garante alta qualidade, sempre acompanhada por tecnologia inovadora do futuro. Actualmente esta tradição encontra-se ameaçada pela pressão internacional, apenas interessada na ganância do lucro, que, no processo global e europeizante, obriga as firmas alemãs a incluírem nelas o cavalo de Tróia accionista, com os especuladores internacionais.

A revista económica alemã “manager magazine” fez um estudo acurado sobre 1.000 firmas alemãs líderes de mercado mundial. Segundo o gráfico da revista, a Alemanha lidera no mundo o maior número de sectores industriais (cf. Manager magazine 10/10). Assim, a Alemanha tem 27 indústrias com uma quota de exportação de 41%, enquanto os USA têm 21 com 11%, a China 19 com 25%, o Japão 10 com 13%, a Inglaterra 6 com 28%, a Itália 5 com 24% e a França 4 com 23%.

A “manager magazin” apresenta como critérios de sucesso dos alemães: a presença no mercado, suficiente experiência (qualidade testada) e produção em massa. Faltou-lhe referir o horizonte que tudo isto possibilita, ou seja, o caracter/identidade civil alemão que não se define apenas pelo ego individual mas também pelo nós comunitário.

Favorece-os o facto de estarem presentes há muito tempo no mercado, como demonstram, por exemplo, o grupo BASF (1865) e Siemens. Não estão presentes no estrangeiro apenas com os produtos técnicos mas também com as suas instalações e fábricas. Vários Estados alemães estão presentes na China, com as suas fábricas e instituições culturais, desde o início da industrialização chinesa. Entre os Estados alemães (regiões) nota-se também uma necessidade de presença e competição colectiva. Um alemão sente-se simultaneamente como indivíduo tornado pessoa, trazendo consigo também a aldeia donde vem, a região, a nação e o mundo a que pertence. (O latino, se mais complexado, nega a província de que se envergonha!).

Um outro factor em benefício dos alemães está em experimentarem suficientemente o produto antes de o passarem a comercializar e a exportar(made in Germany). As deficiências são corrigidas e pagas pela experimentação a nível nacional.

A economia alemã provém duma tradição de base familiar incardinada no meio e portanto com uma sensibilidade especial para o bem-comum. A honra do alemão não se revela apenas no carro que conduz e na casa que tem para mostrar mas também na sua presença cultural no meio onde se situa. Cerca de 70% dos líderes alemães do mercado mundial, encontram-se em famílias. Uma família ao planear o seu investimento e os produtos pensa em termos de gerações, tem uma consciência de sustentabilidade, ao contrário de muitos concorrentes estrangeiros que só pensam no lucro imediato da venda do produto.

Os produtos em massa são aferidos às necessidades dos clientes. Os alemães são pessoas enraizadas na natureza, daí a sua simplicidade e até ingenuidade natural. São trabalhadores, correctos e disciplinados, como pude constatar em 35 anos de observação directa a nível individual e social.

Neste sentido, passo a citar uma sentença popular alemã que revela parte da sua alma maternal e da sua sabedoria: “Am deutschen Wesen soll die Welt genesen” e que traduzo: “O mundo deve-se recuperar no espírito alemão” (“No espírito alemão é curado o mundo”).

A sua vantagem está em antecipar-se tecnicamente. Num mundo de cigarras continuam a querer ser formigas! Vão sempre um passo à frente nas tecnologias porque aplicam grandes capitais na investigação científica e têm um grande mercado interno onde os podem testar. Um exemplo: Há mais de 20 anos o Estado alemão fomentou a investigação e o consumo da energia solar voltaica, tornando-se assim tecnologicamente campeã (SMA) neste sector a nível mundial. A Universidade de Kassel donde saíram os criadores (da SMA) está incardinada na região sendo um dos seus importantes motores de progresso económico. (Modelo de regionalismo e inserção no meio, o que é comum na Alemanha).

Mais de um milhão de alemãs violadas

Na Alemanha do pós-guerra chegou a haver pessoas que morreram à fome. Pessoas mais velhas deixavam de comer para as crianças não morrerem de fome. A terra, no Inverno, era tão dura (-15 graus) que não se podiam enterrar os mortos. Faltava até a madeira para as pessoas se aquecerem. As famílias viam-se obrigadas a tirar as cercas de madeira dos seus jardins para se poderem aquecer. 50% das habitações tinham sido destruídas pela guerra.

As mulheres foram as grandes heroínas do pós-guerra. Mais dum milhão de alemãs tinham sido violadas pelos soldados russos; os filhos, os noivos e os maridos tinham morrido na guerra ou ficado em campos de trabalho prisões. Para dominar tanta dor, o povo, que em grande parte não estava ao corrente das atrocidades do sistema de Hitler, lança-se ao trabalho de reconstruir a Alemanha. Em poucos anos conseguiram colocar o país à altura de muitos imigrantes poderem ver nele chances de melhoramento da própria condição.

Por este mundo fora, encontra-se muito boa gente, muito mal informada e desconhecedora do caracter alemão, preferindo viver na inércia do preconceito cómodo. A ignorância leva-a a reduzir a imagem do alemão a um ser de botas militares ou de calças de couro. O espírito de trabalho do alemão e a sua disciplina levam-no a ser mais eficiente que outros povos, a nível de produção. O seu porte disciplinado pode dar a impressão de soldado. Tem muito de comum com os portugueses (herança talvez goda, só que aos portugueses falta a disciplina). Emigram com as suas fábricas e instalações, levando com eles a natureza, tornando-se num enriquecimento das terras para onde emigram  e instalam as suas fábricas; tornam-se em verdadeiros promotores dos autóctones. Orientam as suas firmas como os políticos orientam o Estado. A sua presença tem uma influência muito benéfica nos países onde se instalam.

A inveja, o comodismo e o medo da concorrência podem muito. Tal como na fábula da Cigarra e da Formiga, deparamo-nos com mundos diferentes e de hábitos diversos que se confrontam e vivem, muitas vezes, da meia informação. Uma avaliação da realidade é sempre polémica, se vista pelos olhos da cigarra ou pelos da formiga.

António da Cunha Duarte Justo
antoniocunhajusto@googlemail.com
www.antonio-justo.eu

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Arte, Economia, Educação, Escola, Migração, Política, Religião. ligação permanente.

4 respostas a Alemanha lidera mais de Metade dos Sectores industriais do Mundo

  1. Vilson diz:

    Excelente texto.
    Mais uma vez o Sr. Antonio Justo posta um ótimo texto para reflexão.

    Recentemente, com alguns colegas, refletindo este nosso mundo, e analisando a atuação da Alemanhã no contexto europeu, um dos colegas fez o seguinte comentário: ” A Alemanhã age como uma grande tribo, todos trabalham pela mesma causa, até conseguirem o objetivo tribal”.
    É interessante que a Europa parece sempre caminhar para onde a Alemanhã determina. Incrível, que sem guerra, a Alemanhã parece a cada dia ter sob suas rédeas toda a europa.
    O incrível senso de disciplina e determinação são traços marcantes dos alemães. Se somarmos uma boa educação e espírito de solidariedade, como valor comum, teremos boa base para entendermos o sucesso econômico e social deste povo.
    Mas, ainda que sejam valores e traços desejáveis, cada povo é um povo, e os povos que compõem nossa CPLP terão que achar seu próprio caminho, cada um do seu jeito. Muito conseguiremos se soubermos utilizar o que cada povo tem de bom a exemplificar, adaptando as lições à nossa realidade.
    Abraços fraternos,
    Vilson
    In Diálogos-Lusófonos

  2. Jorge Rodrigues diz:

    Mais um execelente texto, pelo qual parabenizo o Prof. A. Justo e que nos explica as causas do sucesso empresarial alemão.

    Já quanto às inúmeras violações ignorava, mas “não há bela sem senão”!

    Um cordial abraço.

  3. AsF diz:

    A questao é,por quem foram violadas.? Por estrangeiros? Certamente que há outras mulheres ,nao alemas que sao violadas também.
    AsF

  4. A razão por que mais de um milhão de mulheres alemãs foram violadas na segunda guerra mundial deve-se ao facto de Stalin ter dado ordem aos soldados russos para violarem as mulheres alemãs.

    Stalin, com esta ordem, violou as convenções de guerra internacionais. As pessoas não têm uma ideia de quantas mulheres alemãs ainda hoje vivem com o sofrimento de terem sido violadas e não poderem falar disso em família, por vergonha. Eu conheço algumas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *