ISLÃO TAMBÉM PPREOCUPA OS ALEMÃES

O Islão não conhece a dúvida metódica
António Justo
O medo duma expansão incontrolada do Islão também se encontra muito generalizado entre os alemães, tal como revela um inquérito da ARD publicado dia 11.12.09. Dos mil inquiridos 39% responderam que tinham um pouco de medo e 36 % manifestam grandes preocupações enquanto que 22% dos alemães não vêem nenhum problema no Islão.

O arcebispo de Bamberger apelou aos muçulmanos que vivem na Alemanha a defenderem a construção de igrejas em países de tradição islâmica, por exemplo na Turquia e na Arábia Saudita.

Apelos inocentes à margem da realidade duma cultura hegemónica e que esquece que no Ocidente a verdade do Islão está condicionada à realidade do petróleo. Para o Ocidente o que interessa é o pão e não a devoção. Esta está pertence aos devocionários da política. E o mundo muçulmano tem pão e devoção para dar.

Os muçulmanos e seus chefes estão seguros de que a sua religião é a única religião verdadeira pelo que não permitem a divulgação de outras religiões nos seus territórios e acham legítima e óbvia a construção de mesquitas noutros países sem qualquer contrapartida. Argumentam que não podem permitir no seu país a divulgação do erro, uma vez que só eles possuem a verdade! Esta lógica imperialista é para eles matemática; não conhecem a dúvida metódica.

Os clérigos islâmicos só aceitam o Islão como religião verdadeira e afirmam com toda a naturalidade: “Só nós sabemos com toda a segurança que estamos no correcto e os outros não. Eles não estão seguros se a sua religião é verdadeira. Se estivessem tão seguros então porque permitem que coisas incorrectas se preguem nos seus países? Nós estamos seguros de que o Islão é a única religião verdadeira. Eles sabem de ciência e de tecnologia, que nós aceitamos, mas não de religião. Em religião somos nós os peritos.”

Hitler também estava convencido da exclusividade da sua verdade e expressou-o no seu livro “Meu Combate”, onde a hegemonia é meta, e que depois foi proibido pelos alemães! Seria interessante fazer-se um estudo comparativo entre o “Meu Combate” e o Corão!
Nada se toma a sério. Assim se deixa melhor viver à custa do homem e dos seus direitos! Nestes sistemas toda a paz tem o seu preço, a guerra! Reina a emoção e não a razão!

António da Cunha Duarte Justo
antoniocunhajusto@googlemail.com

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

6 comentários em “ISLÃO TAMBÉM PPREOCUPA OS ALEMÃES”

  1. Sobre os minaretes, os mesmos nada têm a ver o islam original.
    Na verdade, são mais um insulto a maomé.
    Também não admira que o sejam.
    Se visto e analisado ao pormenor, quase tudo ou mesmo tudo no islam, são insultos ao próprio islam e a maomé.
    Até por essa razão, todo o islam devia ser proibido em toda a parte.
    Como se sabe, o islam não reconhece o outro, nem que o outro fosse um Allah Bom e Vivo.
    O maometismo estupidificou de tal modo os enganados por maomé, que estes nem se apercebem do que dizem e fazem.
    _______________________________________
    Para que se saiba.
    Na prática a última coisa que maomé fez foi assassinar o seu próprio allah maometano.
    Disse que o seu allah não mais falaria e que ficava sem espírito.
    Mas antes, e no islam, maomé tirou o filho a allah e castrou-o para que nem descendência pudesse deixar.
    maomé também antes, assassinou a familia de allah, os amigos e todas as entidades espirituais boas,anjos, arcanjos, santos e outras.
    Pior ainda. No islam as coisas são cada vez piores.
    No islam, maomé só deixou o diabo à solta.
    No islam, satanás é a única entidade espiritual activa e que sussurra aos maometanos.
    Os maometanos eruditos podem confirmar isto.
    Dão é depois voltas e mais voltas a justificar, mas isso só prova que o islam é muito hábil a enganar
    os próprios e a tentar enganar os outros.
    Pode-se dizer que isto acontece no mundo imaginário, mas é este mundo imaginário que controla o maometismo.
    Estas verdades dão uma ideia da intolerância que existe na doutrina maometana.
    Para maomé um allah vivo ou qualquer entidade espiritual boa viva, seriam os maiores perigos ao seu poder.
    Nem o próprio allah maometano podia escapar com vida às suas mãos.
    Só fora do islam o bem(bom-senso/razão) e o Bom Deus podem existir, estarem vivos e manifestarem-se no mundo e nas pessoas.
    _________________________

    Mais coisas que se vão descobrindo sobre o islam.
    Um muçulmano pode ser o maior criminoso em relação aos não muçulmanos e mesmo para com muçulmanos.
    Os outros muçulmanos não o julgam, allah sabe mais e allah é que o julgará.
    Ele, o muçulmano criminoso, pode ter feito coisas proveitosas para o islam, e os outros muçulmanos não o saberem.

    Um não-muçulmano pode ser a melhor e a mais santa das pessoas.
    Para os muçulmanos, como não é muçulmano, não tem valor e é para submeter.
    Para o islam, o pior muçulmano está acima do melhor não muçulmano.

    Um não-muçulmano pode fazer o melhor dos bens aos muçulmanos, estes nada lhe agradecem.
    Agradecem só a allah, mesmo que allah os tenha posto ou ponha na maior das desgraças e misérias.

    Os muçulmanos nunca podem por em causa maomé e allah, quando foi o próprio maomé a revelar-nos que o seu allah era
    o responsável por todo o mal do mundo.

    Os muçulmanos dizem o que dizem e fazem o que fazem, porque isso lhes traz proveitos e os não muçulmanos, continuam
    cegos e a não quererem ver o que o islam realmente foi, é e quer ser.
    Está tudo escrito, é só dar um pouco de atenção para descobrir estas e outras verdades sobre aquela coisa, o islam.

    O islam aproveita-se da bondade, generosidade, ingenuidade e passividade dos não-muçulmanos, para ir construindo a
    sua maldade.

    Mesmo que isso passe por desmascarar o mais mascarado dos males, tipo islam, as boas pessoas têm o direito, dever
    e obrigação de defenderem e construírem o bem.

    ____________________

  2. O islam é crime!
    Todo o islam é crime!
    Tudo no islam está ao serviço do crime!
    maomé não apresentou nenhum documento escrito pelo seu allah a autoriza-lo a fazer o que fez.
    maomé fez tudo á maneira dos bandidos.

    E o islam nem sequer é baseado no corão e todos os argumentos islâmicos são inválidos.
    No inicio nem corão havia e maomé já queria o poder todo, nomeadamente o de roubar e assassinar inocentes.

    Nas religiões há polémicas e problemas, mas têm espaço para o bem e para a procura do bem.
    O islam, não!

    E o islam nem sequer é religião. São os próprios que o dizem.

    O islam cria estruturas ditatoriais, úteis ao ditadores e aos seus lacaios e candidatos a isso.

    E oferece aos mesmos argumentos para justificarem toda a espécie de crimes úteis ao seu poder.
    Quando querem matar a mulher, usam o islam.
    Quando querem matar o irmão, usam o islam.
    Quando querem matar os filhos, usam o islam.

    O islam estupidificou de tal modo os enganados por maomé que estes nem reparam naquilo que dizem, fazem e argumentam.
    Desde que lhes seja útil, tudo serve, mesmo se forem coisas a insultar maomé, como é o caso do próprio símbolo do islam.

    Como já se descobriu, o islam só existe se o muçulmano aceitar e justificar aquele que foi dos maiores crimes de todos os tempos.
    O assassínio de allah por parte do próprio maomé.
    maomé disse que o seu allah maometano não mais falaria e que ficava sem espírito.
    Na verdade, nem o próprio allah maometano pode escapar com vida às mãos de maomé.

    Só fora do islam, pode haver entendimento, paz e vida e o Bom Deus manifestar-se nas pessoas.

  3. O Islão é uma realidade praticada por uma grande parte da humanidade. O falar de Deus é sempre um falar do Homem também e a crença revela o carácter do Homem que não o de Deus. Cada cultura tem a sua maneira específica de se relacionar com a outra parte de si mesma, a luz que é Deus! O Homem é processo, a religião e as culturas também. Tudo processo num peregrinar para Deus. Temos que dar uma chance a Deus (allah) e ao crente também.
    Muitas coisas no Islão, apesar da sua grande cultura, ficaram empedernidas ao inlibrarem Deus. O p4roblema está porém nas Hierarquias religiosas e políticas que se usam do seu Deus para manterem os fieis na escuridão. O problema é que a palavra de Deus está condicionada yao árabe e a maior parte dos fieis não conhecem o Corão. Mas o Corão, tal como todo o texto é passível duma interpretação positiva a partir da sua cor local.

  4. Talvez a preocupação das autoridades alemãs se deva não tanto ao exercício da religião, mas à repercussão de ordem social. Enquanto o povo alemão tem uma sociedade composta de pessoas mais velhas e de casais com 1 a 2 filhos, a comunidade islâmica, que não faz controle de natalidade , cresce mais rapidamente. Isso poderia desequilibrar a relação socio-cultural e populacional saxão/arabe, descaraterizando o país.

    M E

  5. A preocupação é mais popular! O problema de estrangeiros na Alemanha não é tanto um problema de religião mas a atitude turca nesta sociedade.
    São três milhões, cada vez com mais força e exigências próprias,sem preocupações pela ordem social em que vivem: diálogo num só sentido, guetos herméticos, atitude de autosuficiência, desinteresse pela escola e pela língua, isenção de certas aulas, violência crescente. A constatação de que a primeira geração de imigrantes de substracto turco era mais aberta à sociedade do que os da segunda e terceira geração também preocupa. Em tribunais alemães conseguem a imposição de direitos que para a sociedade são tidos como retrógrados. O problema não vem do povo turco. O problema é que povo turco se encontra muito controlado por vários laços e instituições muçulmanas que prolongam o status quo das sociedades de origem. Pessoas que vivem em Istambul são mais abertas e modernas do que muitos das segunda e terceira geração que vivem no estrangeiro. Certos extremistas que não tinham hipótese de impor certas medidas islâmicas na turqu8ia conseguem-no aqui, devido a uma legislação mais social e aberta!
    A sociedade pública alemã é muito tolerante. Muitos alunos que tiveram ou têm experiências directas com os colegas muçulmanos na escola são confrontados com situaՎões extremas tanto a nível positivo como negativo e talvez não olhem para o estrangeiro apenas sob a perspectiva exótica.
    É muito difícil de avaliar a situação. De facto, o crescer dum certo desassossego social tem a ver com o crescer dum potencial agressivo da parte turca. Infelizmente, a maioria dos estrangeiros, que vive bem integrada nesta sociedade é embrulhada no problema turco sendo os seus problemas equacionados como se fosse o problema dos estrangeiros. Não se diferencia!
    De resto é tudo muito fácil e simples quando se vive longe dos problemas julgando apenas do mirante da própria opinião.
    Uma preocupaço de intelectuais e de alguns que se atrevem a tocar o problema dos turcos e grupos de tradição árabe, está no facto de observarem que eles se tornam num motivo para esta sociedade se tornar masis nacionalista, mais agressiva e certos direitos de emancipação serem postos em questão. Ideiasd neonazis encontram boa ressonância entre jovens muçulmanos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *