O DIREITO A DIZER EU – DISTINÇÃO ENTRE INDIVÍDUO E PESSOA

Francisco: “A fé não é um refúgio para pessoas sem valor, mas a expansão da vida”. “A ninguém deve ser roubado o direito de dizer eu”.

Na sua mensagem, o Papa aponta também para a distição entre indivíduo e pessoa: “Além disso, as idolatrias do poder e do dinheiro preferem lidar com indivíduos do que com pessoas, ou seja, com um “eu” centrado nas suas próprias necessidades e direitos subjectivos em vez de um “eu” aberto aos outros, esforçando-se por formar o “nós” da fraternidade e da amizade social”. Citacao da mensagem do Papa ao Encontro de Rimini, o encontro que o movimento Comunhão e Libertação dedica ao “diálogo social, cultural e religioso” de 20 a 25 de agosto.

A sociedade ocidental cada vez se enterra mais ao tentar degradar a pessoa para o nível de cliente ou de de consumidor e como tal a mero indivíduo! Neste combate à pessoa teêm andado aliados os interesses económicos e de ideologia política.

António da CD Justo

Pegadas do Tempo

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *