BRASIDOS DE ABRIL

 SOU O SER NO ESTAR A ACONTECER

Agarrados ao momento na tentativa de ser o “estar aqui”, o ser (existência) absorve-nos no seu eterno retorno, num esforço de mudar o que somos.

25 DE ABRIL

Sou o estar aqui do desejo

Aquele anseio de querer ser

o ser daquilo que não é tempo.

 

Sou o rio da liberdade a correr

Em margens feitas de espaço e tempo.

 

Sou a sombra da liberdade

A pousar na cor de um cravo

de um cravo que não é cor!

 

António da Cunha Duarte Justo

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *