GUTERRES E A SOLIDARIEDADE COM MUÇULMANOS – DOIS PESOS E DUAS MEDIADAS

 

Será o medo da violência criador de respeito político?

António Justo

Guterres foi à mesquita de Nova Iorque, na sexta-feira passada, mostrar solidariedade com muçulmanos, o que demonstra um gesto nobre e louvável. O que chama, porém, a atenção é a diferente atitude da política oficial no que toca ao trato do islamismo e do cristianismo.

O chefe da ONU nunca fez nem fará tal gesto quando muçulmanos atacaram ou atacam cristãos orantes em igrejas cristãs. “A santidade de todos os locais de oração e a segurança de todos os fiéis” que Guterres justamente apregoa não merece a sua presença quando se trata de ataques a Igrejas cristãs. Isto por mais que muçulmanos ataquem cristãos como tem sido o caso dos ataques a cristãos reunidos em Igrejas no Egipto, África e até em França!

Também não se veem autoridades muçulmanas suprarregionais manifestarem a sua solidariedade com os cristãos nem tão-pouco políticos em geral (estes, quando muito dirigem-se às famílias dos assassinados). Dá a impressão que fogem do cristianismo como o diabo da cruz. São usados descaradamente dois pesos e duas medidas. Dá nas vistas, mas os políticos sabem-se protegidos pelo escudo do politicamente correcto que leva o povo a não notar.

Guterres não mostra solidariedade com os cristãos porque isso não faz parte da agenda da ONU. Além do mais, muitos na ONU parecem ter um pouco de inveja de esta não se ter tornado ainda, uma espécie de “instituição católica”, a sua rival intestina!

O católico Guterres compromete-se unilateralmente com o islão como é próprio, em geral, da esquerda, o que faz surgir um natural sentimento de imparcialidade, injustiça e desonestidade, a quem está atento ao que acontece a nível mundial.

António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do tempo

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Política, Religião. ligação permanente.

15 Responses to GUTERRES E A SOLIDARIEDADE COM MUÇULMANOS – DOIS PESOS E DUAS MEDIADAS

  1. Hare Barros diz:

    Ta ai quando digo que nao me meto em coisas que nao entendo,,,religiao, politica e futebol,,,tudo isso so gero conflitos entre os homens ,,,eu estou fora.
    Hare Barros
    FB

  2. Seria bom que entrasse na política. Assim passaria a influir e e talvez a melhorar a acção política.

  3. Hare Barros diz:

    Amigo para se ser politico ,,,necessariamente teria que ser um bom orador(aldrabrao),,sao coisas ou louzas, que me quero manter afastado,,,nunca teria coragem de pisar em alguem para subir,,,quero morrer pobre com dignidade no verdadeiro sentido da palavra,,,so serei engano se eu quizer dar-me a esse luxo
    are Barros

  4. Precisamente quem não quer pisar em ninguém é que deveria inscrever-se nos partidos; se fossem muitos assim os partidos tornar-se-iam diferentes, mas para isso precisam de mais gente interessada sobretudo em trabalhar para o bem-comum.

  5. Alaya Torga diz:

    Apenas um tapetinho fofo da onu…serve para ser usado,cumpre ordens
    Alaya Torga

  6. Manuel Henriques diz:

    Pessoa e cargo mais inútil e para quem vão grandes e chorudas mordomias às nossas custas!
    Manuel Henriques

  7. Muitas ONGs de que se queixam muitas pessoas hoje (Gender, etc.) agem sob o manto da ONU. Influenciam mais do que parece, no sentido de implantar uma cultura antiocidental.

  8. Joaquim Simões diz:

    Citando versos de um poema de Mário Cesariny: “Gente tão recomplicada / tão bielo-cosida / que já consegue chorar / com certa sinceridade / lágrimas cem por cento hipócritas”.
    Joaquim Simões

  9. Francisco H. Da Silva diz:

    Faço eco das suas preocupações, meu caro António Cunha Duarte Justo e sem procurar ser repetitivo permita-me duas perguntas muito simples: Será que o SG da ONU mostra igualmente solidariedade aos milhares e milhares de vítimas de atentados jihadistas e aos cristãos perseguidos em todo o mundo? Ou estamos, mais uma vez, perante uma manifesta duplicidade de critérios?
    Francisco H. Da Silva

  10. Caro embaixador Francisco H. Da Silva, a questão da duplicidade dos critérios e da política unilateral da ONU são os tabus de que a opinião publicada não está interessada em apresentar ao público. De uma maneira geral, os Media não informam equitativamente devido aos interesses e às influências a que estão sujeitos. A morte de cristãos é silenciada pela imprensa sempre que muçulmanos matam centenas de cristãos; o terrorismo muçulmano é visto como coisa natural. O assassínio sistemático de cristãos na Nigéria é silenciado enquanto todo o mundo se mexe perante um acto isolado de um louco não muçulmano na Nova Zelândia. Desde os princípios de março, na Nigéria, o número de mortos cristãos por muçulmanos já terão atingido os 100. Boko Haram, e imames muçulmanos Fulani mataram milhares de cristãos no centro da Nigeria em 2018 (Cf. Lista Mundial de Vigilância 2019 de Open Doors USA) e ninguém quer notar! Enquanto extremismos muçulmanos continuarem a ser cobertos principalmente pela esquerda, não haverá oportunidade para se fazerem passos no sentido do diálogo e da paz! A paz, a tolerância da diferença, o bom convívio de esquerda e direita e das religiões são pressupostos necessários para um mundo mais humano.

  11. Francisco H. Da Silva diz:

    NIGÉRIA – MASSACRES DE CRISTÃOS

    Será que o Secretário-geral da ONU, António Guterres, se inteirou deste problema ou assobiou para o lado? Ou só se interessa pelos actos de violência e atrocidades cometidas contra muçulmanos? Nesta matéria, não pode, por forma alguma e sob risco de forte contradição com os nossos princípios e os que estão inscritos na Carta das Nações Unidas,, que se implemente a política dos dois pesos e duas medidas.

    #NIGÉRIA #CRISTÃOS #GUTERRES #ONU
    https://pleno.news/mundo/em-3-semanas-120-cristaos-sao-assassinados-na-nigeria.html?fbclid=IwAR1fJqe8MfhUlzTGx485GBpngwn92xy0b6HXUHZzAqB8pBFe2nFjryoxmZ8
    Francisco H. Da Silva

  12. Grupos extremistas islâmicos tentam fazer do Iraque um país só islâmico. Misturam os sentimentos antiocidentais (como anticristãos) para legitimarem a hegemonia muçulmana. Tribos e clãs hostilizam cristãos de origem muçulmana e cristãos de etnias não árabes. É generalizado o assalto a casa cristãs e ocupações ilegais. No centro e sul do Iraque, os cristãos muitas vezes não exibem símbolos cristãos, para não serem discriminados também em edifícios governamentais.

    Crime organizado e corrupção: os raptos, os resgates e as apreensões ilegais de casas cristãs são generalizados. A corrupção é normal em todos os níveis da sociedade. Os cristãos de origem muçulmana experimentam a maior pressão da sua (grande) família e muitas vezes mantêm a sua fé em segredo porque correm o risco de serem ameaçados por membros da família, líderes de clãs e pela sociedade que os rodeia.
    “Três igrejas ou edifícios cristãos, incluindo cemitérios, foram atacados. No final de novembro de 2017, um cemitério cristão foi profanado e uma escola cristã na aldeia de Inshke, perto de Dohuk, nas áreas curdas, foi saqueada. Em julho de 2018, uma unidade de serviço secreto do exército iraquiano atacou o centro cristão da Igreja de St. Gorgis na aldeia cristã de Bartella sob falsas alegações. Segundo uma reportagem de 18 de novembro de 2018 da Independent Catholic News, “pelo menos 350 casas de cristãos que fugiram do IS foram ilegalmente ocupadas por novos moradores que aproveitaram sua ausência e usaram documentos falsificados, dificultando muito a retomada das casas”. Também o caso de cristãs raptadas e não encontradas

  13. Mario Santos diz:

    Como Católico Devoto, essa batalha está há muito tempo ganha..

    Guterres, durante parte da sua adolescência foi eximio, a ler brilhantemente passagens da biblia a velhinhas extasiadas lá para os lados do Fundão.

    Pelos vistos não perdeu a mão e o jeito lá pelas assembleias da ONU.

    Durante o percurso universitário nunca se envolveu na oposição estudantil ao regime que nos governava, não e cumpriu também o serviço militar!

    Nos tempos conturbados da 2ª metade da década de 60, manteve-se sempre à parte da agitação, nunca participando nas manifestações estudantis.

    Quer dizer que nunca pisou o risco em tempos do Estado Novo; isto é que foi coragem…

    Em 1971,após licenciatura no IST, passa a regente da disciplina de Teoria Sistemas e Sinais de Telecomunicações que abandonou em 72 para se dedicar de corpo e alma à politica…! Para quê tanto trabalho a lecionar….

    È fácil fingir e enganar quem não nos conhece.
    Mario Santos
    FB

  14. Eu cheguei a votar nele num congresso socialista em lisboa porque me parecia pertencer à ala conservadora do PS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *