Direitos Humanos – Valores Universais

Dia um de Dezembro foi o dia dos direitos humanos! Um dia desapercebido?

Os direitos civis e políticos precisam de ser fomentados em todo o mundo com a mesma intensidade como o são as redes de estradas e auto-estradas na Europa. Estas são um símbolo e um meio de comunicação e de interrelacionamento. Sem a intercomunicação cultural o mundo continuará a repetir o passado.

Guerras, pena de morte, perseguição, tortura, mobilização de crianças soldados, rapto de pessoas, refugiados, tudo são exemplos do desrespeito da dignidade humana, são ataques perpetrados contra os direitos humanos.

O diálogo dos direitos humanos entre as nações e as culturas terá de se tornar um segmento importante duma política que trabalhe para a globalidade.

Os direitos humanos constituem a base do desenvolvimento e da segurança. O reconhecimento da sua validade global ainda se encontra a dar os primeiros passos.

Uma coisa é clara: os direitos humanos são incompatíveis com a discriminação, com o racismo e com a intolerância. Eles deverão tornar-se indivisíveis independentemente das culturas. O direito cultural ou religioso não deve ser exercido à custa do direito individual.

A sua defesa nas relações bilaterais e internacionais deveria tornar-se parte essencial das missões de todos os ministros dos negócios estrangeiros, a exemplo do que parece praticar o ministro dos negócios estrangeiros da Alemanha.

Os valores precisam duma base sólida e alargada para se possibilitar a sua articulação nas sociedades. Para uma maior eficiência e possibilitação dos direitos humanos é óbvia, em cada sociedade, a implementação duma camada social média forte onde os direitos humanos possam fermentar e possibilitar uma consciência social própria. As sociedades bipolares com uma pequena elite exploradora e com o resto dependente são, por sua natureza, contra os direitos humanos. O desenvolvimento da consciência democrática anda ligado a uma burguesia alargada.

A Internet é já um meio que permite a informação universal: Precisam-se as infraestruturas.

A nível mundial, torna-se urgente a criação dum tribunal mundial para defesa dos direitos humanos à semelhança do Tribunal Europeu para os Direitos Humanos. Neste embora com muitas deficiências estão pendentes 80.000 processos o que demonstra a sua importância.

Immanuel Kant na “Grudlegung zur Metaphysik der Sitten” afirma como resumo da mundivisão cristã da dignidade humana: “O homem existe como fim em si mesmo, não apenas como meio para qualquer uso desta ou daquela vontade”. Este valor faz parte da consciência ocidental e dele se deixam deduzir os outros. Os direitos humanos não são concedidos pelo Estado nem podem ser tirados por ele.

Também o combate ao terrorismo, sintoma do estado doentio da humanidade, não pode ser motivo para o domínio do Estado sobre o indivíduo. Já Benjamim Franklin dizia: “Quem cede liberdade para ganhar segurança perde as duas”. Em nome do combate ao terrorismo desrespeitam-se por todo o mundo o ser humano. Estados islâmicos, regimes ateus e Guantanamo têm-se revelado contra os direitos humanos. Os inimigos dos direitos humanos tornam-se os inimigos da humanidade e da paz.

Consequentemente, os exércitos deveriam ser transformados em soldados da paz para que a sua dignidade humana não lhe seja roubada nem os estados abusem deles e passem a ser construtores da paz para toda a humanidade. Para isso será necessário transpor as muralhas das nações e das culturas e restituir à humanidade e ao ser humano a dignidade roubada.

António Justo

António da Cunha Duarte Justo

Social:

Cristianismo – O grupo religioso mais perseguido no mundo!

Sob a capa da religião comete-se muita violência e escondem-se muitos conflitos e mazelas…

200 milhões de cristãos são actualmente discriminados ou perseguidos em 50 dos 200 Estados do mundo. Segundo estatísticas sérias a perseguição religiosa aumenta cada vez mais. 80% dos perseguidos ou discriminados são cristãos, partindo-se ultimamente mesmo de 90%. (Nesta exposição refiro-me aos cristãos por serem os mais perseguidos).

A perseguição é mais dura em estados muçulmanos, porque esta religião aspira à hegemonia universal, e em estados ateístas ou comunistas como é o caso da Coreia do Norte e da China que consideram o cristianismo como perigo para o Estado. Estes estados de cunho marxista não aceitam a soberania autónoma do indivíduo, reduzem o indivíduo a súbdito, a mero instrumento da colectividade de que o Estado é o senhor absoluto e pode dispor. O socialismo marxista sempre considerou o cristianismo como o seu inimigo figadal atendendo a que este considera a pessoa como intocável na sua dignidade humana enquanto que o socialismo põe a tónica no colectivo vendo o indivíduo como objecto em função do colectivo. Na China muitos são obrigados a viver escondidos na ilegalidade das igrejas caseiras.

Na ditadura ateia da Coreia do Norte, nos últimos quatro anos desapareceram, sem deixar rasto mais de 2.000 comunidades cristãs com 300.000 cristãos (segundo o que informou a Deputada Erika Steinbach, no seu relatório no Parlamento alemão). Tem-se informação de excussões nesse regime de terror e da existência de campos de concentração para educação forçada onde cristãos são aprisionados. Os cristãos são vistos como risco de segurança para o estado, vendo-se muitos obrigados a abandonar a religião ou a fugir.

A Declaração dos Direitos Humanos da Organização da Conferência Islâmica do Cairo questiona os direitos religiosos subjugando-os à scharia (Lei islâmica). Esta, além da discriminação para com outras religiões, determina a pena de morte para quem abjure do Islão…

A situação dos cristãos e dos alevitas na Turquia é dramática. Nos últimos 90 anos a percentagem dos cristãos reduziu-se, através de perseguição e do genocídio, de 30% para 0,2% da população turca. Mesmo onde há leis que proíbem a perseguição, a discriminação continua através dum ambiente totalmente intolerante. Em Fevereiro passado foi aí assassinado o padre católico Andrea Santoro. O problema é que nem sequer o Papa pode levantar a voz na defesa dos cristãos porque automaticamente estes seriam expostos a maiores perseguições.

Também os hindus na Índia perseguem os cristãos violando freiras mesmo em grupo e matando padres. O que é mais estranho baseiam a sua atitude em Gandhi que era contra a missionação dizendo que os missionários deviam deixar a Índia. Ele não podia aceitar que os hindus que se convertiam ao cristianismo deixassem de ser vegetarianos e vestissem à moda europeia até com chapéu.

No século XX houve mais cristãos mártires do que nos primeiros dois mil anos da sua existência. As perseguições muçulmanas e dos ateus marxistas contra os cristãos foram extremas. Em muitas nações continua a ser dramática a sua situação sem que haja solidariedade para com eles, mesmo da parte dos países ocidentais. O Ocidente interessado apenas na exploração e expansão económica cala ou põe à disposição a própria cultura. Tudo o que não é mercadoria estorva. Por outro lado o terceiro mundo considera o ocidente cristão, identificando a sua exploração com o Cristianismo. Uma situação complicada!…

A liberdade religiosa é um direito humano individual que se baseia na dignidade humana. Nas relações diplomáticas e comerciais os direitos humanos não têm feito parte das convenções bilaterais. Prefere-se dar asilo a perseguidos e assim manter a influência nos grupos estabelecidos nesses países, do que pressionar uma relação humana de justiça entre eles.
Ainda há pouco no Afeganistão foi condenado à morte Abdul Rahman pelo facto de se ter convertido ao cristianismo. A Itália concedeu-lhe porém asilo.

Na Nigéria, no sul do país vivem sobretudo cristãos que se dedicam à agricultura. Os muçulmanos vivem do comércio e da criação de gado, o que lhes possibilita melhor vida do que aos cristãos. As tenções entre muçulmanos e cristãos acentuaram-se pelo facto da agricultura ter piorado devido à falta de água para a cultura intensiva e devido ao facto dos bens de consumo que os muçulmanos vendem se terem tornado muitíssimo caros. Além disso emigraram muitos nigerianos muçulmanos do norte para o sul do país. O Estado não resolve os conflitos surgidos e os políticos de um e outro grupo aproveitam-se da situação para agitar os grupos atribuindo cada um a culpa à outra religião. Mais de 1.000 pessoas perderam a vida sendo incendiadas igrejas e mesquitas. Entretanto entraram em diálogo chegando à conclusao que o problema não era religioso e chegaram a compromissos. Este é um exemplo de como os conflitos surgem e de como a religião é aproveitada para os explicar!

O direito à liberdade de religião é fundamental porque toca e informa muitos outros valores como a vida, o sentido, protecção, arte e cultura. Uma religião que estreite os horizontes, coacte, que meta medo, que fomente a violência e conduza à guerra não merece esse nome!

As religiões são parte essencial das culturas pelo que foram e são envolvidas na guerra. Dá-se um uso abusivo de Deus. O Deus dos cristãos ao ser o Deus criador de todo o género humano não permite o abuso de qualquer ser humano atendendo a que este é todo irmão, filho do mesmo pai independentemente de crença ou não crença. Os que vivem da guerra e os Estados não querem limites ao seu poder sobre o ser humano. Não o querem soberano, querem-no súbdito, querem-no inteiro. Para melhor o dominarem servem-se e abusam da religião porque sabem que esta mexe com todo o ser. Reduzir a religião ao mutismo ou instrumentalizá-la é a alternativa que escolhem.

A razão de tanta perseguição ao cristianismo tem a ver com uma força inerente a todo o regime absolutista, com a dialéctica entre os regimes mais baseados no respeito pelos direitos individuais e a forma de estado colectivista que pela sua essência não suporta nem a pessoa soberana nem Deus, o rival!

Na Europa, devido ao socialismo marxista militante contra o cristianismo e à influência maçónica nos governos não há solidariedade para com os cristãos perseguidos. A política, nas suas relações bilaterais não toma em conta o aspecto cultural religioso, nem o equilíbrio nestas relações, o que explica a expansão das mesquitas islâmicas na Europa e a proibição de construção de igrejas em estados de população islâmica como é o caso da Turquia. A indiferença dos conservadores neste sector e o fanatismo secularista contra a religião cristã na Europa têm tirado bons dividendos na sua estratégia do “divide et impera”! Assim se compreende que não haja solidariedade com os cristãos perseguidos, sendo ignorada a sua situacao na opinião pública. Os judeus foram muito perseguidos e os cristãos são-no também por serem portadores duma vida exigente que questiona o satus quo, sendo, por isso tidos como uma ameaça!
António Justo

António da Cunha Duarte Justo
Social:

Natal também para os animais

Dignidade Partilhada

O Natal e a Páscoa são mais que rituais religiosos; eles remetem-nos para o fundamento da nossa noção de valores, para os critérios base da nossa cultura.

Natal é o tempo da dignidade partilhada. Nele se juntam a divindade, a humanidade e os animais para celebrar a Vida. Na precária gruta de Belém, lá se juntam todos, os representantes das culturas nos reis magos e os representantes dos animais na vaca e no burro: Dignidade Partilhada!

Os animais testemunham, com a sua presença, a sua saudade da eternidade, põem-se também eles na fila salvante. Aqui afirmam que o seu desejo de eternidade não se realiza apenas na procriação. Também eles querem participar no acto da redenção; também eles querem participar activamente no processo libertador. Querem recordar o processo da evolução e da vida, o espírito comum nela presente. Como o ser humano, também eles se sentem processo e não mero produto acabado.

A vaca suplica, não quer viver em eterna prisão! No seu triste olhar revela os gritos sufocados, até agora não ouvidos de todos os irmãos. Também ela aspira por uma vida que a não reduza a vaca leiteira ou a bocado de carne mal comida! A sua presença é silenciosa, é a expressão dos sem voz! Do desenvolvimento do homem, da sua evolução consciente está dependente também a libertação animal.

A dor paciente dos animais ofendidos olha, através do olhar do burro, o mal dos outros suportado, é um leve queixume da compaixão ausente. No olhar fixo asinino está presente a miséria da vida animal alienada. Aquela presença meditativa, aquele olhar mais não é que o apelo ao homem para que se lembre das barbaridades que faz contra os animais e do que há de comum entre estes e o ser humano. A humilhação, o sofrimento por este praticada é incomensurável e só poderá por ele ser remida, quando acordar para a consciência do seu verdadeiro ser. Como o menino do presépio está para a libertação da humanidade e da natureza, assim o ser humano deve estar para a libertação dos animais… Porque não começar por evitar a dor evitável? A compaixão é sofrimento, é identificação com todo o ser. A sua dor é demasiado cara para ser desbaratada como é. A dor dos irmãos animais não é tida em conta, ainda não faz parte do nosso consciente… Natal é o tempo de recordar para presencializar a vida pacífica e fraterna já vivida no paraíso terreal. No novo paraíso não se poderá viver com a recordação dos animais maltratados se já no terreal vivíamos com eles em harmonia!

Francisco de Assis, consciente, lembrou-se disso e tomou os animais no coração falando com eles a linguagem da religião, a linguagem da irmandade dos seres… Ele dava graças com o irmão sol com a irmã lua, com a irmã vaca… Este louvor não partia dum sentimento meramente romântico, ele era sim o testemunho duma consciência já muito desenvolvida que tinha percebido, a realidade, o cristianismo na sua essência.

Contra todas as perspectivas Jesus veio nascer numa guarida de animais, num curral. Ele, a divindade quebra com todas as convenções, com todas as certezas humanas; ele quer mais que uma visão uma vivência aperspectivista da realidade. Com o seu nascimento na gruta onde os animais viviam ele vem alargar a perspectiva humana para a dignidade dos outros seres, a dignidade dos animais e das plantas. Ele vem acabar com as dicotomias para acentuar o seu carácter polar complementar. Vem demonstrar o impossível, a unidade da matéria e do espírito: ele mesmo se tornou a expressão do aparentemente impossível sendo ao mesmo tempo a dimensão material do mundo e a espiritual, num só ser, num mesmo processo. Esta realidade é depois materializada no dogma da trindade que é ao mesmo tempo a realidade e fórmula do processo polar reconciliado e dinâmico do existir, que também a Física na teoria da relatividade e dos quanta ajuda a compreender, experimentar.

Na vida de fora tudo é analogia, metáfora. O sol ilumina e dá vida ao sistema solar, o cérebro dá vida e ilumina o nosso ser, e o Espírito informa o universo sendo dele o seu respirar, o seu oxigénio. A vida torna-se símbolo e processo, nela ressoa o antes e o depois, é acontecer. A minha imaginação, o meu sonhar e aspirar são as sombras duma outra realidade. Duma outra realidade não, da mesma realidade vista duma outra perspectiva, que em mim ressoa e o mundo anima.

Sonho ou realidade, tudo é um processo, um acordar para uma nova consciência nas estufas do desenvolvimento da “realidade”…

Pegadas do Espírito irreconhecidas
No “tempo” do paraíso o Homem era o protector da terra irmanada pelo mesmo respirar de Deus. O seu respirar é o animar divino, sustentador da vida. Depois de Cristo essa respiração divina que informa o homem e a natureza é chamada Espírito Santo. “O que fizestes ao mais pequeno a mim o fizestes”. Também neles está o gene divino, também os animais têm a saudade do Espírito, tal como já dizia Tomás de Aquino. Toda a natureza espera pela salvação, lembra-nos Paulo no Novo Testamento.

Com o advento cristão, o avanço qualitativo da consciência humana, acabam-se os sacrifícios de animais no templo ritual: “Vós fazeis da casa de meu pai um covil de ladroes assassinos”. Também já na velha aliança se começou a desdenhar o correr do sangue. Hoje só conhecemos o cão e o gato, o resto é bife, é chouriço, pegadas do espírito tornadas irreconhecíveis… Os antigos pediam desculpa ao espírito do animal antes de o matarem e de o comerem, hoje como lhe podemos pedir desculpa se o não reconhecemos?

No animal porém jorra também o amor, o hálito da vida, já mais reconhecível. Chega que nos tornemos culpados na sua morte evitando ser banais que não reconhecem o destino comum neste reino de Deus. A obra redentora parece ainda não ter chegado aos animais!…

Inocente, a irmã vaca venerada no presépio testemunha a vida por esses prados fora. Os animais testemunham o nascimento mas não a morte porque desta não se tinham tornado cúmplices…Eles serão remidos por cada um de nós acompanhando-nos. No respeito por eles e na coexistência pacífica não precisamos de viver na rivalidade. O respeito pela vida comum abrir-nos-á os olhos para as fábricas da morte, matadouros onde jorra o sangue económico do mau trato animal. O desrespeito pela dignidade da vida, o desrespeito pelo espírito. Muitos de nós, mais brutos que os inocentes animais, só temos a percepção da realidade materializada, faltando-nos os tentáculos sensitivos da diferenciação entre espírito e suas diferentes materializações da realidade. A experiência milenária da Índia, de que só o vegetarismo consegue dar mais pão para mais bocas, levou-a instintivamente a considerar a vaca como animal sagrado. Esse conhecimento conduziu a um preceito religioso mais perto da vida.

Só a dignidade partilhada oferece garantias de futuro.
O antropocentrismo de toda a criação defendido pela cristandade foi um grande factor na defesa dos direitos humanos; não poupou porém certos exageros no desrespeito para com os animais. Neste ponto a cristandade terá de aprender do Hinduísmo e do Budismo a relação com os animais e reatar a consciência à espiritualidade Franciscana na realidade do presépio. A dignidade humana não deve ofuscar o resto da natureza. Todos deverão viver na solidariedade da dignidade partilhada. Para isso o rei da criação terá que dar grandes passos no desenvolvimento da sua consciência. Também o desenvolvimento da ciência não pode continuar a justificar uma experimentação desumana como é praticada.

A ressurreição de Cristo encontra-se em processo em toda a natureza no palco do tempo. Toda a criação geme as dores do parto e toda ela se encontra em processo de salvação a caminho da realização do corpo místico, de tudo em todos (em linguagem teológica: natureza em processo de ressurreição).

O antropocentrismo cristão ainda não conseguiu respeitar e alargar a dignidade humana a toda a humanidade, mais lhe falta ainda para conseguir a coexistência pacífica e dialógica entre o Homem, os animais e as plantas. Sim, também a planta, o animal tem uma dignidade divina a respeitar. Os seres vivos chegaram à individuação do espírito comum no Homem: este encontra-se num processo aberto e progressivo de consciência. Esta culminará na consciência da experiência do Cristo, da divindade em nós. Quando chegarmos à consciência trinitária restituiremos a dignidade a todo o ser, seja ele átomo, planta, animal ou ser humano e experimentar-nos-emos na unidade do ser trinitário na comunhão do Espírito.
António Justo
Teólogo

António da Cunha Duarte Justo
Social:

Natal – As dores do parto universal em nós!

Quem viu a luz crê na realidade do bem!

Nas pegadas da luz queremos ousar um mundo melhor! Um mundo com lugar digno para todos, para lá dos credos e dos domínios! Conscientes de que cada nascimento, como tudo no reino do ser, do estar espacio-temporal, conduz à transitoriedade, realizamos o Natal, como crentes da vida no seguimento da luz.

O Advento é o tempo da gravidez, a noite à espera da luz, da luz que na dor irrompe em nós.
Natal é o esforço contra a entropia, uma vontade resistente à treva. Na gruta do nosso coração brilha a luz do novo dia. A crusta do hábito e o nevoeiro cerrado do instinto encobrem-na, daí o esforço subjacente.

Natal acontece no dia a dia, é dar à luz o novo, a luz, o bem. Para isso pressupõe-se o estado de gravidez. Na abertura do encontro, ao sermos tocados pelo gene divino, pelo outro, surge a luz, a luz duma nova ideia, duma nova intuição, dum encontro com o outro, duma nova vida, dum novo ser. Daí o desejo de que algo nasça em nós, de que algo se modifique. Então tornar-nos-emos a mãe de nós próprios. O processo natalício consta em tornar-se mãe de si mesmo/a.

A noite da comercialização de todos os sectores da vida torna o Natal mais difícil ou mesmo impossível, afastando-nos da vivência de nós mesmos, dos outros, do abismo do solo da nossa alma onde o sol do espírito brilha, para lá das nuvens dos nossos sentimentos e afectos, para lá do dia a dia de todos nós.

Para lá das nuvens encontram-se as forças vivas que se regeneram na frieza invernal para surgirem renovadas no sol da primavera que mais não é do que a esperança, o anúncio do mesmo espírito que corre na natureza e que circula em nós. Como nós, também a natureza sonha e vive a esperança do sol do meio-dia.

Na natureza, em nós, por todo o lado, no meio do nevoeiro serrado da vida, tudo olha para uma luz distante mas cintilante.

Tudo quer geral algo, tudo se encontra nas dores do parto espacio-temporal.

Terra, corpo, natal, primavera, luz, a noite, o dia, tudo são metáforas da mesma realidade: a natureza, o ser a caminho, a matéria, a morte, a treva, a dor e a noite em diálogo a dar à luz.

Tudo canta, soa com a sua voz em tom maior ou bemol na mesma sinfonia do concerto universal.

Natal é também convite a entraremos na ressonância do canto universal em que tudo tem sentido no natal gerador: natal individual no natal universal!

António da Cunha Duarte Justo

Social:

Bilinguismo – A Vantagem de Ser Diferente

De crianças binacionais a pessoas biculturais / interculturais

Muitas vezes as crianças filhas de imigrantes são intituladas e definidas na subcategoria de “Estrangeiras”. Vivem numa situação discriminatória e coerciva entre os outros, a maioria, com consequências determinantes no seu processo de aprendizagem, na sua biografia. Esta situação arrast-se por geraões e manifesta-se, por vezes, em sintomas de fobia e em irregularidades na vivência do dia a dia.

Na minha actividade profissional com crianças bilingues conheço casos de recusa e até de mutismo. Referir-me-ei (1) mais à realidade luso-alemã, dado ser este o meu campo de acção (professor de crianças e jovens bilingues de origem portuguesa, brasileira, angolana, etc.).

A heterogeneidade demográfica da Alemanha, onde aproximadamente 9% da população é estrangeira, não tem sido suficientemente tida em conta no processo educativo. De notar que o comportamento da população estrangeira em relação à alemã é muito diferenciado. Dois extremos: a população portuguesa tende não só a integrar-se mas até a deixar-se assimilar totalmente pela população ambiente. Já no que se refere à população turca ou em geral muçulmana observa-se o extremo contrário. Esta reage negativamente, duma maneira geral, a qualquer tentativa de integração preferindo viver no ghetto formando mesmo uma sociedade paralela nas grandes cidades. Naturalmente que esta realidade não tem explicação monocausal.

A atitude quer dos autóctones quer dos imigrantes em relação ao outro é determinante no sucesso ou insucesso da criança estrangeira. A carga étnico-cultural aliada à carga da camada social em que se nasce condiciona, ainda hoje, determinantemente o ser e estar social da pessoa humana…

O fenómeno do bilinguismo é de tal forma complexo e diferenciado que seria irresponsável tirar-se conclusões generalizadas e generalizantes a partir de qualquer investigação por mais científica que ela seja.

Definição de crianças Bilingues
A ciência não é unânime na definição de bilingue (pessoa crescida em duas culturas). Na investigação alguns definem bilinguismo em relação ao começo da aprendizagem. Este pode ser mínimo em relação à segunda língua. Outros, como Bloomfeld, pressupõem que as duas línguas não só se dominem como línguas maternas mas que a criança tenha convivido com as duas línguas desde o nascimento. Para aqueles que partem principalmente do critério de eficiência linguística acentuando mais a tradição estruturalista da psicolinguística considera-se relevante o emprego das duas línguas em diferentes contextos sociais.

Outros distinguem o bilinguismo em “natural”, “ aditivo” e “ subtractivo”. No bilinguismo natural pai e mãe falam cada um o seu idioma com a criança; no bilinguismo aditivo uma pessoa apropria-se duma segunda língua mantendo as capacidades da sua língua materna ou alargando-as; fala-se de bilinguismo subtractivo quando a competência da língua materna é influenciada negativamente através da aprendizagem duma segunda língua. (Isto acontece muitas vezes nos filhos de trabalhadores imigrantes).

Segundo a minha experiência importante é a aquisição da língua duma forma autêntica envolvida numa cultura segundo o princípio “uma pessoa uma língua”. Determinante é que as duas línguas funcionem independentemente uma da outra não havendo necessidade de recorrer à tradução.

O areal cerebral da língua materna e paterna
É importantíssimo que a criança oiça e fale as duas línguas até aos três anos porque, especialmente até aí, o cérebro elabora um espaço (areal) específico próprio onde localiza a língua materna (ou paterna e materna) possibilitando uma diferenciação das línguas aprendidas não havendo assim interferência delas. Este sector cerebral da (s) língua (s) materna (s) começa-se a fechar a partir dos três anos. A Ressonância Magnética Nuclear (NMR) funcional mostra que a partir dos três anos já são englobadas outras partes do cérebro na função de gravar e de produzir a língua.

A confrontação das crianças com as duas línguas constitui um treino fisiológico do cérebro: capacidade da identificação da diferenciada fonética, etc. No primeiro ano de vida o bebé é muito sensível à melodia e muito receptivo à variedade de sons registando-os na malha cerebral onde os sons se registam. A dificuldade que muitas pessoas têm na exactidão da fonética deve-se a terem ouvido só mais tarde determinados sons. A partir dos 7 anos o centro cerebral onde se localizam as línguas maternas encerra-se passando a aprendizagem a ser assumida por outras zonas cerebrais, as línguas aprendem-se então com se aprendem outras coisas.

Também é possível a aprendizagem duma terceira língua. Importante é que o falante seja original, isto é, que a língua que fala seja a língua do coração, isto é uma espécie de língua materna.

Problematização da Educação bilingue
Há investigadores que problematizam o ensino bilingue como um conflito a acrescentar aos que a criança já tem no seu desenvolvimento normal. Estes defendem que a criança deve ser iniciada apenas numa língua materna, só assim poderiam atingir um desenvolvimento máximo da sua personalidade e das suas capacidades linguísticas e cognitivas. Afirmam que a aprendizagem simultânea de duas línguas constitui uma exigência demasiada para a criança conduzindo a um atraso no desenvolvimento de cada uma das línguas. Esta visão foi ultrapassada e refutada por uma investigação moderna mais séria, salvo em casos em que as duas línguas faladas em casa se processem sem nível nem estrutura.

A realidade ensina que a aprendizagem da língua e o desenvolvimento da personalidade é individualmente muito diferenciado de pessoa para pessoa independentemente do aprendente ser bilingue ou monolingue. As investigações científicas têm mostrado que os bilingues se movimentam dentro do âmbito da norma da aprendizagem uma vez comparados com os monolingues. O problema da opção por uma língua materna como ponto de partida vantajoso para a aprendizagem carece de base científica atendendo a que há muitos outros factores que fogem às investigações científicas ou melhor, que não são integrados nelas. Muitas crianças crescem em meios deficitários a nível de língua e cultura: emigração muitas vezes falando linguagem familiar.

Na literatura sobre bilinguismo domina a opinião de que a aprendizagem simultânea de duas línguas não prejudica a aprendizagem nem a socialização da criança. As pesquisas mostram que há vários ritmos de aprendizagem dependendo ele de criança para criança independentemente do ser bilingue ou monolingue. Bilingues misturam por vezes os idiomas mas logo que se encontram num ambiente monolingue já não o fazem. Eu mesmo pude observar esse fenómeno na escola. Problemática é a situação daquelas crianças que crescem num meio onde se fala uma mistura espontânea de duas línguas ou um português e um alemão macarrónicos. As crianças, neste caso, correm o perigo de semilinguismo não falando nenhuma língua bem, passando a interferência linguística a ser regra nas duas línguas. As desvantagens que poderão aparecer são geralmente devidas ao estatuto social familiar em que vive a criança e ao ambiente mais ou menos refractário a ela ou à sua cultura. O prestígio ou desprestígio da língua desempenha um grande papel na aquisição bilingue.
Possíveis deficiências linguísticas, num caso ou noutro, inerentes à aprendizagem recuperam-se no ensino secundário. Pelo que pude observar nos meus alunos a aprendizagem da língua portuguesa deu-se de forma muitíssimo gratificante até ao sexto ano. Do 7° ao 9° manifesta-se mais a concorrência do ensino alemão em desvantagem do português, voltando este a ter grande relevância do 9°. ao 13°. ano. Nesta fase Portugal e a cultura portuguesa fascina-os. O resultado da educação bilingue depende sempre da maneira de educar dos pais e da reacção do meio ambiente envolvente ao bilinguismo.

Experiência e Estratégias
Em casa a minha esposa que é alemã fala sempre alemão com os filhos e eu falo o português, desde o nascimento da primeira filha… O princípio “uma pessoa uma língua” revela-se importantíssimo para a estabilização das línguas. Isto é indispensável para que a criança desenvolva um mecanismo e uma orientação automática.

Tivemos quatro filhos a que demos educação bilingue: a Graciette, a Sonnya, o Elias e o David. Interessante foi ter observado diferentes comportamentos deles a partir do momento em que entraram no Jardim-de-infância. Enquanto que o David a partir daí se negou a falar o Português comigo os outros continuaram a falá-lo. Pude ver esta experiência repetida em alunos provenientes de casamentos mistos em que um parceiro falava português e o outro alemão. As crianças falavam sempre, entre elas, o alemão.

Até à entrada no jardim-de-infância a criança responde automaticamente em português ao pai e em alemão à mãe ou apenas em português no caso dos dois parceiros falarem o português.

A partir da entrada da criança para o Jardim-de-infância são necessárias estratégias especiais para que a “língua fraca” não sofra porque a língua dominante tende a excluir a outra. Neste caso pode recorrer-se à funcionalidade escolhendo determinados meios onde ela se fale e estratégias adequadas. No caso de pais estrangeiros é óbvio que em casa se fale sistematicamente o português apesar da possível resistência por parte da criança. Além disso torna-se necessário planear encontros regulares gratificantes onde se fale a língua em maioria. É relevante falar-se uma língua com bom nível e com vocabulário rico. Aqui pode ajudar o recurso à leitura de livros.

Pude constatar que os meus alunos duma maneira geral falam o português em casa com os pais e alemão fora de casa com os outros interlocutores. Da actividade com os meus alunos posso concluir que aqueles onde os pais falam o alemão em casa ou uma mistura espontânea sem método, esses alunos têm muita dificuldade em aprender o português e exprimem-se como se tratasse duma língua estrangeira. Geralmente estes têm dificuldades também na disciplina de alemão.

Uma constante: geralmente os pais falam consequentemente o português em casa enquanto que muitas mães, a partir do momento em que o filho entra no jardim infantil ou na escola, procuram falar alemão com os filhos ou misturam. Talvez na tentativa de aperfeiçoarem o seu alemão ou até para serem corrigidas. Isto é muito problemático. É natural que a criança que entra na escola ofereça resistência e queira falar o alemão em casa porque não nota a sua relevância no meio em que vive.
Há crianças que se negam a falar a língua materna, chegando até ao mutismo. Se a criança recusa falar o português não a devemos forçar. Mesmo assim o pai e a mãe (no caso de serem os dois de língua portuguesa) deveriam falar com ela só português.

Vantagens que as crianças bilingues têm
Duma maneira geral as crianças bilingues são mais inteligentes.

Em relação aos monolingues, os bilingues chegam a apresentar maior nível de competência social e emocional-cognitiva. As capacidades empáticas e a abertura ao novo tornam-se normalidade.
Efectivamente, a actividade cerebral da criança bilingue foi já cedo confrontada com processos mais complexos na sua aprendizagem.

A ciência nas suas investigações regista uma relação positiva entre inteligência e bilinguismo.
Investigadores provaram que bilingues aprendem mais facilmente o inglês. Na parte cerebral que elabora a língua também se encontra o areal cerebral para a memória do trabalho e o areal para a solução de problemas. Com o treino das línguas estes areais também são abrangidos e treinados. Uma outra vantagem é o facto de bilingues reagirem mais depressa e activarem mais a capacidade de reflectir criticamente. Crianças com educação bilingue conseguem, depois da escola primária, melhores resultados na leitura, dado se concentrarem mais no sentido do que no som (fonética). Aprendem com mais facilidade línguas estrangeiras e desenvolvem as capacidades intelectuais e de abstracção desenvolvendo várias estratégias de aprendizagem. Desenvolvem as capacidades de empatia, tolerância e de interpretação, não sendo de menosprezar maior competência intercultural e de diplomacia. Enquanto que a formação do pensamento do monolingue acontece numa relação directa com um objecto, um meio homogéneo o bilingue torna-se menos formal, mais relacional. É mais processual atendendo a que a „tabula rasa” era dinâmica.

Como educar uma criança bilingue
Para o linguista Jean Petit a aprendizagem bilingue assenta em dois princípios fundamentais: bilinguismo desenvolve-se tanto mais natural quanto mais cedo começar a educação correspondente. Ela é experimentada de forma directa como meio de comunicação e não com conteúdo de aprendizagem. Segundo ele os dois idiomas devem ser apresentados por dois educadores ou professores diferentes.

A aprendizagem simultânea das duas línguas traz muitas vantagens. Até aos três anos de idade o cérebro da criança é como uma esponja, muitíssimo receptivo. A aprendizagem da língua transmite não só informações, mas sentimentos, cultura e outros conteúdos não verbais. Importante é que quem fala a língua não fale uma língua estrangeira mas uma língua do coração. Língua do coração é aquela em que amamos, rogamos pragas e fazemos contas (língua materna ou apadrinhada!).
É muito importante que as crianças aprendam as línguas brincando.

O prestígio da língua da cultura é determinante para o processo da sua aprendizagem. Aqui tornam-se muito importantes os testemunhos da mesma: o papel dos pais e dos educadores. O carácter e relação dos multiplicadores ir-se-á projectar na maneira como a criança valorizará ou desvalorizará inconscientemente a determinada língua ou cultura.

Necessita-se por isso da criação de espaços protegidos para a criança onde esta possa experimentar a mais valia da sua situação. Não se trata de aprendermos a ser portugueses, brasileiros ou alemães, mas de aprendermos a tornar-nos seres humanos abertos.

A criança e as suas culturas precisam de ser defendidas e positivamente apreciadas pelo ambiente, pormenor a que os educadores deverão prestar atenção especial.
É também relevante, para a eficiência do processo de aprendizagem, a posição dos pais no que respeita às vantagens ou desvantagens da educação bicultural. Se um parceiro é do parecer que a aprendizagem de duas línguas é prejudicial à criança, esse facto torna-se por ele mesmo um factor negativo da aprendizagem.

A reacção apropriada à renúncia duma criança por um determinado idioma deve ser uma atitude compreensiva e ter como consequência uma maior dedicação afectiva à criança. Mesmo no caso de divórcio a criança não deve ser privada dos seus vínculos culturais e afectivos.

A oferta de duas línguas à criança desde o princípio são factores muito positivos parta o desenvolvimento psicológico e escolar como têm provado as investigações científicas dos últimos anos.

Processo especial de Ensino Bilingue e sua inserção
O sistema educativo é um processo genérico de integração da criança no anonimato social. Os nossos sistemas de ensino partem dum modelo estático de ensino que como tal não comporta o específico e como tal o bilinguismo.

Até 1989, a nível de investigação, o bilingue era sempre enquadrado no sistema de ensino monolingue vigente que reduzia o bilingue a mero objecto de comparação com o monolingue. Os trabalhos de Grojean apresentaram então a exigência de se tratar o bilinguismo como independente. Viu-se a necessidade de não considerar o bilingue como dois monolingues numa mesma pessoa. O bilinguismo constitui uma realidade própria que exigiria outros processos de diagnose próprios que possibilitem uma pedagogia específica. Neste sentido seria de fomentar mais processos especiais de ensino.

A sociedade deveria partir dos recursos que os bilingues são portadores e fomentá-los. Na Alemanha há vários modelos de resposta ao problema. A maioria deles porém parte duma visão monolingue do ensino. A normalidade no ensino regular oferece a aprendizagem da língua como idioma estrangeiro, havendo nalgumas escolas o ensino de língua e cultura portuguesas para emigrantes. Há também as escolas europeias e certas iniciativas privadas com grande gama de modelos pedagógicos mais ou menos eficientes. O procedimento de integração de crianças bilingues que frequentam as escolas europeias ou certas escolas internacionais é mais eficiente mas normalmente para privilegiados.

Há modelos de jardins infantis que aplicam 13 horas Francês / 13 horas Alemão na semana. Durante dois dias é responsável uma pedagoga e nos outros dois a outra. Os dois professores possibilitam a aprendizagem e identificação das duas línguas em diferentes situações. É importante que o idioma se aprenda num ambiente natural de jogo com outras crianças.

Em Berlim, Frankfurt e Munique há iniciativas (associações de brasileiros, portugueses e alemães) tendentes a fomentarem uma educação bilingue a nível pré-escolar. Isto exige grande competência e consciência cultural.
Em algumas zonas onde lecciono observo, entre mães mais novas a consciência da necessidade de organizar e criar iniciativas onde se joga, canta e dança à portuguesa. Movidas apenas pela necessidade e pela boa vontade não são apoiadas. Estas iniciativas individuais não deixarão rasto porque depois do quarto ano as forças adversas e alheias se tornam demasiado fortes na falta duma estrutura sólida apoiante.

Integração Social
Quanto ao processo e aos diferentes procedimentos de inserção social, esta é uma questão muito bicuda. De facto, no que respeita aos filhos de emigrantes trabalhadores, em geral estes não têm as mesmas chances que as crianças dos países de acolhimento, atendendo à sua autobiografia condicionada a um ambiente muitas vezes precário e distante dos valores culturais. Por outro lado a integração das crianças na escola é insuficiente devido a uma politica escolar orientada para o monolinguismo. Muito prejudicial para crianças de certas etnias torna-se o facto da sua demarcação perante a sociedade de acolhimento.
Na Alemanha, uma grande percentagem das crianças estrangeiras, depois do 9° e 10° ano, não se encontra preparada para ingressar numa formação profissional, segundo os resultados PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos). Principalmente a maior parte das crianças turcas vivem em Getto tornando-se vítimas da vida familiar e política vivendo num isolamento em grande parte querido, o que fomenta a existência de sociedades paralelas e atitudes agressivas.

Com os portugueses observa-se o fenómeno contrário. Assimilam-se sem deixar rasto, o que também não é bom. (O Português embora consciente de si tem uma tendência a considerar o que é estrangeiro melhor que o nacional. Isto tem a ver com a experiência inter-cultural e com a tradição migratória dum povo sempre obrigado a emigrar. Nesse sentido seria interessante fazer-se um estudo relativamente a maneiras de dizer portuguesas que manifestam um certo antagonismo entre admiração e menosprezo pelo nacional, e uma consciência internacionalista, como se pode ver em: “Ver-se grego”, “isto é chinês”, “trabalhar como um mouro”, “isso é uma americanice”, “é como o espanhol” mexe no que não deve, “é para inglês ver”, “vive à grande e à francesa”, no regatear “é pior que os marroquinos”…E se a coisa corre mal “é à portuguesa”).

O nível escolar e social das crianças migrantes em geral é fraco com uma grande taxa de insucesso escolar.

Quanto às crianças portuguesas da região em que ensino desde há 27 anos, seria levado a afirmar que o nível do seu sucesso escolar e social corresponde à média dos alunos alemães. Atendendo às circunstancias ambientais de proveniência é uma situação excepcional.
Na Alemanha observa-se contudo grande interesse pela frequência da língua materna ao contrário do que acontece na França. As próprias crianças portuguesas comentam a triste figura que as crianças filhas de portugueses residentes na França fazem nas férias em Portugal. Estas, em geral, não podem comunicar na língua de seus pais. Um problema cultural e de política de língua! Aqui há muito a fazer. Tendo-me dado conta desta problemática, desde o início, e aproveitando do grande interesse dos portugueses pelos seus filhos procurei motivar através de reuniões e iniciativas a forças latentes nos encarregados de educação. A política do EPE (ensino português no estrangeiro) esteve sempre demasiadamente orientada para os interesses duma administração autista incapaz de captar as necessidades reais da comunidade portuguesa e dos luso-descendentes.

As associações portuguesas, que na emigração portuguesa para a Europa foram tão importantes como pontos de referência, cada vez se tornam mais precárias e raras. Urgem novas onde se proporcione o encontro de crianças e jovens portugueses. O mesmo se diga sobre a incrementação de associações bilingues e grupos pré-escolares onde se promova o intercâmbio intercultural. A precariedade financeira de iniciativas e projectos deveria ser compensada também pelo estado português e pelos departamentos de cultura, conselhos de estrangeiros, etc.

Dado a melhor altura para a aprendizagem automática da língua e cultura ser, segundo a minha experiência, até ao sexto ano de escolaridade é óbvia a criação de espaços, de lugares naturais da língua e cultura portuguesas. Também depois são importantes locais onde se aprenda a língua portuguesa por imersão. Grupos consumidores conscientes de cultura deveriam incitar esforços no sentido de criarem centros de língua portuguesa integrados por participantes dos vários países de língua portuguesa.

No centro de qualquer iniciativa terá que se ter presente a importância de possibilitar à criança tornar-se ela mesma. O incentivo terá que ter em conta a sua vontade e gostos. Se o ambiente é natural não haverá problemas. A língua é primeiramente relação e comunicação. Quem não tiver intuído isto dificultará o processo de aprendizagem.

No caso dos casamentos mistos os dois pólos culturais deverão estar em situação de igualdade e ser apreendidos pela criança numa atmosfera de respeito numa relação bicultural consciente entre os dois parceiros. As duas culturas são assim as duas traves mestras, as duas colunas que suportam o projecto educativo bicultural. Uma cultura tem características específicas, um espírito, uma alma que a outra não tem. As duas são imprescindíveis.

Se uma cultura não for bem tratada e bem considerada, a criança poderá passar a mancar pela vida fora “envergonhando-se” duma parte do seu ser de cidadão.
Também a frequência do Ensino do Português se torna essencial para o alargamento e complementação cultural para filhos de casamentos mistos ou de imigrantes.

Resumindo
Uma educação adaptada às crianças em situação bicultural terá que ter em conta já antes do nascimento do bebé uma preparação e uma preocupação especial dos progenitores. Relativamente à educação da criança bilingue seria importantíssimo proporcionar-se o mais possível a aquisição das línguas por imersão, a nível pré-escolar e escolar e para-escolar. (2)
Pais bilingues deverão começar a falar, desde o nascimento do bebé, os dois idiomas segundo o princípio: “Uma pessoa – uma língua”. É importantíssimo o aspecto emocional dos representantes das línguas, no seu dia a dia, entre si e com as crianças.

Não se deve obrigar uma criança a falar. Pode recorrer-se a processos indirectos de a interessar, não desistindo de falar a língua mesmo que a criança se negue a falá-la.

A língua falada, diferente da língua ambiental geral, deve ter espaços próprios onde seja experimentada em ambiente de maioria com as características culturais próprias, como jogo, danças, músicas, futebol, filmes, e outras referências culturais. É necessário o fomento de instituições com crianças bilingues. (3)

António da Cunha Duarte Justo
Pedagogo
“Pegadas do Tempo”

(1) Nota Prévia: Depois de ter lido imensos autores que investigam o fenómeno bilingue verifiquei um problema subjacente ao sistema de sociedade defendida pelo investigador, confirmando os resultados das correspondentes investigações a ideologia dominante. Se para uns dominava o espírito nacionalista, outros correm o perigo de colocarem a sua investigação ao serviço dum multiculturalismo superficial. Um outro problema tem a ver com A investigação feita na época em que se dava grande importância à defesa da raça privilegia só uma língua materna sendo os resultados das suas investigações negativas em relação aos bilingues. Nas sociedades inter-culturais os resultados são positivos em relação aos bilingues. Um outro problema da investigação é a existência de muitos casos que descrevem a experiência bilingue de famílias isoladas. Outras investigações analisam situações escolares em que a população escolar provêm duma camada social em que a cultura como tal não é apreciada. Investigações com crianças bilingues provenientes de elites apresentam resultados muitíssimo positivos da educação bilingue.
Para não me ilibar de subjectividades devo declarar que baseio as minhas posições na longa experiência de família bilingue e de professor de bilingues, podendo estar subjacente o que escrevo, embora inconscientemente ao facto de ser defensor do inerculturalismo e não do multiculturalismo.

(2) Teria muito mais a dizer, mas fica aqui um desafio para me envolverem na promoção desta realidade que é o bilinguismo, ainda não presente na consciência dos mais responsáveis.

(3) Ler também o meu artigo em: http://blog.comunidades.net/justo
no Arquivo de Outubro número 2, 2005 e o artigo no mesmo blog colocado em Novembro passado sob o título “Bilinguismo.

António da Cunha Duarte Justo

Social: