CONSEGUIMOS PRODUZIR RICOS MAS SOMOS INCAPAZES DE ENRIQUECER COMO POVO!

Veja-se o que se passa:  em média, um trabalhador português solteiro só tem um rendimento anual líquido de 14 mil euros e o empregador, por outro lado, tem de pagar 24 mil euros ao Estado!

Aqui neste gráfico da ECO falam os factos e não a conversa política que parece tudo embrulhar!

Constata-se que Portugal continua a afirmar-se na Europa à custa da carência da grande parte do povo português!
Somos um povo que consegue produzir ricos mas não consegue enriquecer!
Nenhuma descrição de foto disponível.
Passo a citar a ECO: “Portugal é o país da Europa Ocidental com os salários mais baixos. 14 mil euros é o rendimento líquido que, em média, um trabalhador solteiro sem filhos leva para casa no final de um ano de trabalho em Portugal.
O empregador, por outro lado, tem de pagar 24 mil euros, porque 41% deste valor vai direto para o Estado, através de impostos sobre o trabalho e contribuições para a segurança social. É a sétima carga fiscal sobre o trabalho mais elevada da Europa Ocidental, a par com a Finlândia, um país cujo rendimento líquido (após equiparar os custos de vida) é 60% superior ao português e gera 50% mais de riqueza por habitante”.

De facto, o fosso entre ricos e pobres vê-se sempre a aumentar e a posição económica de Portugal continua a ser,  no regime político atual, em termos comparativos europeus, igual à que era no tempo do regime anterior!

O problema português é estrutural e de mentalidade! Adaptamos um sistema democrático, mas continuamos com uma mentalidade corporativista que apenas conhece a solidariedade entre as instituições! Daí encontrarmo-nos num beco sem saída,  também porque o povo adopta os governantes, (os “superiores”) como familiares!

António CD Justo
Pegadas do Tempo
Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

11 comentários em “CONSEGUIMOS PRODUZIR RICOS MAS SOMOS INCAPAZES DE ENRIQUECER COMO POVO!”

  1. Penso que não é o povo que produz ricos.
    É a Justiça que não funciona e muitos acham que afinal o crime compensa.
    Os roubos são de tal ordem e o sistema judiciário é tão lento e deficiente, deliberadamente ou não, que ainda que tenham de pagar cauções, indemnizações, honorários, etc., os criminosos vip apenas ficam um pouco menos ricos, continuando em liberdade e a viver à grande.
    O povo em geral, com um nível salarial tão baixo e a carregar um custo de vida tão elevado, dir-se-ia que não faz parte da UE. Esforça-se, na esperança de um Portugal melhor e
    merece esse abraço solidário.

  2. É verdade Mafalda F.Pereira; penso, que o problema da Justiça vem do facto de ela, no seu estruturamento e nomeações estar dependente de nomeações e de beneces governamentais (partidárias) e ao facto de parlamentares e instituições serem forjados num espírito não democrático mas sim institucional corporativista em que a solidariedade se limita à relação entre as instituições e nesse sentido muito distanciadas da população! O povo com a sua esperança dá sustentabilidade à expressão de Portugal! Ele mesmo do pouco que ganha tem de pagar impostos que em países não são tirados à boca dos pobres. Um pobre tanto como um novpo rico precisa de satisfazer as suas necessidades primárias só que estas são sobrecarregadas de impostos iguais para todos. Como pode viver um viúvo ou uma viúva com uma reforma de 300 a 400 euros? Além da injustiça social há a pobreza envergonhada que repartições sociais fomentam quando, ao receber os pobres, lhes exigem que justifiquem o ter o próprio carro, quando ele o mantém renunciando ir ao teatro ou a fazer férias…

  3. Subject: RE: [Forum Elos.A C Justo: autor]PORTUGAL CONSEGUE PRODUZIR RICOS MAS É INCAPAZ DE ENRIQUECER + JUVENTUDE OPTIMISTA + ATITUDES NA VIDA

    É o que acontece aqui só que em escala maior.. Até um aposentado paga Imposto de Renda que é altíssimo comparado ao que pagam os milionários. Um empregador paga tão altos tributos por um empregado que este sai pelo dobro do seu salário. Nós também temos muitos ricos para um povo muito pobre.

  4. Caríssimo Justo

    Achei muito interessantes estes assuntos, fiquei surpreendida por informares que “os portugueses têm um rendimento anual líquido de 14 mil euros” e que o empregador paga 24 mil euros por ele ao Estado! Não imaginava tantos impostos! Parece um absurdo!

    Não entendi o que queres dizer com a frase de que nos portugueses “O povo adota os políticos como familiares”.

  5. Obrigado pelo Feedback, caríssima amiga,
    os dados sobre os ordenados líquidos e o que os patrões descontam são exactos a nível europeu; daí se pode ver benefícios e encargos e compreender porque é que empresas escolhem um país e não outro para se instalarem; por outro lado pode verificar-se comparativamente como um Estado trata melhor ou pior o seu povo. No artigo tentei apontar para as razões dessa diferença! A opinião pública portuguesa prefere ocupar-se e distrair o povo falando sobretudo de questiúnculas politicamente personalizadas em vez de tratar mais de assuntos apelativos à diferenciação e a factos. Por outro lado os resquícios marxistas ainda muito presentes na nossa política estão interessados em que os patrões sejam observados apenas por uma lupa negativa; assim o socialismo é automaticamente justificado sem que tenha de ser analisado nas barbaridades que também ele faz!

    Com a frase de que o povo português “adopta os políticos como familiares” queria dizer que segundo o que tenho podido observar, o povo português que não observa o actuar dos políticos com a distância que seria de esperar num país com uma certa cidadania adulta, isso não acontece, a nível popular (educado para seguir e obedecer) porque este identifica inconscientemente a sua pessoa com personalidades públicas e por outro lado identifica as personalidades públicas com o Estado, o que impede uma análise crítica dessas “personalidades” e de suas acções, porque uma crítica a uma personalidade do sistema é tida como um ataque a Portugal! Assim até uma crítica construtiva a actividades governamentais ou a uma “personalidade” não é aceite devido a tais projecções; deste modo as ditas “personalidades” e seus actos governamentais são cobertos por esta mentalidade que é o resultado final de um paternalismo obscurantista! Isto justifica a situação de nos encontrarmos cada vez mais na mesma a nível de povo!Inconscientemente a população trata os seus superiores com uma deferência familiar!

  6. Ironizando.
    Não contem comigo. Estou fora desse grupo.Por essa ordem de pensamento, contribuí com 6, sendo que 4 são netos. E como estou fora do grupo dos idosos, pode-se contar 7 !!!!!

  7. Uma grande parte do que o povo compra para comer e viver vai parar ao estado via impostos e o povo pouco usufrui deles. Creio que falta uma política económica séria produtora de riqueza nacional! Importante é investigar as razões da nossa Justiça não funcionar.

  8. Vivemos numa ditadura travestida de democracia(!). Um dos efeitos mais trágicos: o fosso entre ricos e pobres que é cada vez maior(!). São os pobres que, efectivamente, geram grande parte da riqueza e não usufruem dela.
    Podemos perguntar: mas como dar volta a isto? Como iniciar uma política de redistribuição justa da riqueza? Alguém sabe, perante o caos em que se encontra o mundo empestado de corrupção a todos os níveis? Enquanto o povo ( aquele que trabalha ) aceitar e fechar os olhos à corrupção, tudo continuará na mesma ou pior(!).

    Sempre acreditei que tudo vai melhorar com as crianças que ainda não nasceram de pais não corruptos…. e numa Escola livre que dê iguais oportunidades a todas essas crianças ….desde a pré-escola até à Universidade, inclusive.

    Mas…o nosso sistema educativo em Portugal é, desde há muito, especializado em desperdiçar talentos. Formatam-se as crianças para que não aprendam a pensar. A escola mata a espontaneidade, a imaginação, a criatividade da criança. Tudo converge para o facilitismo (o aborto ortográfico/90 é bem a prova disso), para a mediocridade, para o vazio mental. A Filosofia, que é tão importante para ensinar a pensar, foi praticamente banida das Universidades. Há uma verdadeira praga de cursos de Gestão e Tecnologias. E porque continua Portugal a ser tão mal gerido? É proibido usar a inteligência. É proibido pensar.

    Saudações
    Idalete Giga
    Forum Elos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *