VIOLÊNCIA DOMÉSTICA MASCULINA E FEMININA !

 
 
O gabinete criminal federal alemão informou que, em 2018 em toda a Alemanha, 26.000 homens foram vítimas de violência doméstica e, ao mesmo tempo, 111.400 mulheres foram vítimas do crime doméstico.
É importante que desde o início de violência física se tomem iniciativas imediatas contra. O mal tem de ser cortado pela raiz não podendo ser mantido no segredo; doutro modo até a vítima se torna corresponsável pelo que acontece!
Tanto a “maldade” como a “bondade” que se podem notar no princípio de uma relação, se não for consciencializada nem tematizada, com o tempo poderão  transformar-se em vício!
 
Se a polícia tomar conhecimento de violência doméstica (por exemplo, através de chamadas telefónicas de vizinhos), deve iniciar uma investigação ex officio.
 
A violência psiquica é também muito comum mas mais difícil de constatar.
António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

13 comentários em “VIOLÊNCIA DOMÉSTICA MASCULINA E FEMININA !”

  1. Verdade, hoje existe mais violência doméstica a homens que a mulheres…só que, têm vergonha de divulgar.

  2. Por educação os homens foram, de uma maneira geral, habituados a não mostrar na sociedade os seus sentimentos e por isso haverá muitos que não se queixam. Segundo Estudos que li há bastante tempo a agressividade física é mais generalizada nos homens (como se pode ver confirmado na estatística alemã) e a psíquica mais nas mulheres!

  3. Já fiz essa análise e concluo como certo sua partilha…o problema é que os homens não conseguem sair dessa situação com a mesma abertura com que as mulheres o fazem… quantos deles por causa de uma sociedade injusta vivem momentos de dor em silêncio

  4. O problema de muitos homens é que são mais distraídos (muitas vezes não olham ao pormenor!) e também guardam tudo para si (o que pode provocar “engarrafamento” de sentimentos…) ; não vão contar nada dos próprios problemas a amigos ou familiares. Muitas mulheres são mais espontâneas e têm uma necessidade natural de contar os problemas aos próprios amigos/as e deste modo podem sentir-se compreendidas e mais aliviadas. Muitas vezes esses contactos actuam como uma pastilha contra as dores de cabeça mas se não houver reflexão mesmo com as amigas também pode acontecer que uma parte da causa dos problemas ainda seja acentuada. Importante é que individualmente e na relação haja boa vontade, abertura e respeito mútuo! A violência não é uma questão de género, mas uma questão de seres humanos.

  5. As mulheres de valor guardam sentimentos inimagináveis, amigo! Refiro me a mulheres, não a mulherzinhas. Quanto a violência doméstica sempre existiu o que demonstra a má formação e falta de carácter de certas pessoas que continua igual ao tempo primitivo .

  6. Eu conheço violência doméstica com um homem. Mas, não denuncio. Ainda me batem também.
    Céu Almeida
    FB

  7. Essa é uma situação muito bicuda. Mas uma pessoa deveria arranjar modo de ajudar a outra pessoa ou a si própria de maneira velada! Costuma-se dizer que a culpa não é só de um; mas há culpas que se podem tornar indeléveis e estragar mesmo a vida de uma pessoa (nestas questões não há diferenças devidas ao status das pessoas). Embora seja muito difícil, há sempre a possibilidade de se construir uma vida própria. Procurar amigos compreensivos que ajudem sem julgarem logo à primeira vista, que oiçam sem quererem dar logo resposta; importante é que se encontre alguém pronto a acompanhar a vítima e mostrar formas de ajudar.
    Penso, quando se ajuda, ser importante que essa pessoa seja autêntica consigo mesma e tenha uma atitude aberta de benevolência perante si e perante o outro.
    Ficar no silêncio é adiar a vida. Se não se ajuda ou se não denuncia logo de princípio então fica o caldo entornado para toda a vida. Se não houver outra possibilidade, que se salve pelo menos a vida de um! Mas compreendo e sinto que muitas vezes estamos demasiadamente amarrados pelas circunstâncias que temos ou nos rodeiam! A rotina, o hábito e o medo
    Primeiro será preciso começar por não se enganar a si mesmo (e não enganar os outros), aceitar-se como se é; só assim está dado o primeiro passo para a ajuda e mudança própria e dos outros. Dizê-lo é fácil: o problema bicudo é quando uma pessoa se encontra enredado ou na teia. Penso que o mais importante será criar laços, criar relações que possibilitam uma mudança mais fácil.
    Por vezes, uma pessoa que ouse um estilo de vida mais livre acarreta a incompreensão e a ira dos outros numa sociedade patriarcal. Nas sociedades patriarcais os homens são muitas vezes solidários nas injustiças e machismos que aplicam na definição das mulheres (coisa semelhante se dá no meio de grupos extremamente feministas que também só deixam imperar o sentimento (hipersensibilidade) não dando oportunidade a uma vista distanciada e o mais objetiva possível da questão). Muita gente está habituada a um pensamento que arruma as pessoas e coisas em gavetas, sem dar espaço nem a possibilidade para reflexão e empatia. Há grupos que se empenham pelo fim da violência contra as mulheres e raparigas e que são pela igualdade; eles podem ser elementos de ajuda, tal como serviços de emergência (associações); na Alemanha, há os centros de aconselhamento do “Anel Branco” e as Casas de Mulheres (com auxílio também económico). Também se pode fazer comunicação à polícia exigindo que se guarde segredo do denunciante. Em casos de violência, injustiça e desrespeito da pessoa humana não se pode hesitar em agir e intervir.

  8. Mas sabes há médicas que favorecem o ciber-crime, que nos destruíam-se a vida e dinheiro e tudo, porque quando as pessoas tem poder financeiro, podem matar, esfolar, usar, abusar, incriminar e o q interessa é seitas, dinheiro q entre e mais nada—e destruir vidas. há pessoas que criam virus com o nome da pessoa, outros trojans e lixam o software do pc, e contaminam e destroem a nossa vida. e depois com o dinheiro, corrompem tudo. eu posso dizer quem me fez mal, e depois uma médica, meter outro nome e outra empresa e pior eu dizer, não quero isto escrito e ela armar-se em esperta e meter-me contra a uma empresa, que eu, nunca tive contra a ela. uma coisa eu sei, existe abusos,a quem nunca fez um único crime nesta vida, em 12 anos, manipulam, invejam e tramam e tiram-nos tudo. nem eu sabia, o mal que me desejavam e me fizeram. mas um dia empregadas de uma residência que quiseram tramar a chefe e a mim tramaram-me roubando, mais que uma vez, elas terão infinitamente todas as torturas, crimes, abusos, destruição financeira, de familia, de tudo, na sua vida, porque eu nunca fiz mal e a mania de trabalharem para o Estado, destruirem a nossa vida, a quem nunca fez mal, é demais, mas tudo, sofri elas vão ter. a Deus do Infinito, ninguém engana, a inveja das pessoas e ciúmes, é o pior cancro do mundo. tudo tem retorno. sempre fui querida e amável e serei sempre a quem prometi proteger, mas não aceito abusos, em me destruir em tudo.
    Lénia Flor
    FB

  9. Lénia, com a maior carga aguentarão sempre as pessoas de boa vontade! O uso da Internet como arma do crime será cada vez mais ampla. O mesmo se dará na corrida ao controlo da informação. Quem controlar a informação tem todo o poder na mão! O globalismo traz consigo além de algum bem, muitos perigos como vemos na luta internacional contra a civilização ocidental, que é aquela que teria ainda mais poder para resistir ao estabelecimento de uma Troica (troica no sentido soviético) universal em relativamente poucas mãos. Importante no nosso empenho, é que se salve o humanismo e a dignidade humana, isto e, no sentido de uma filosofia cristã que o ser humano, a pessoa seja sempre o soberano e nenhum poder alheio se instale como soberano que não respeite a liberdade e o livre arbítrio de cada um.
    Atendendo ao que está a acontecer na Venezuela e não se dá notícia disso, já podemos ver para onde estamos caminhando! Tenho a impressão que tudo se está preparando para instalar-se, através de agendas ideológicas e económicas para se justificar um regime como o da China em que 80 milhões de filiados comunistas controlam a vida toda de mais de mil milhões de chineses. Na China temos reunidos os interesses do Turbo-capitalismo e do socialismo marxista e maoista!
    Há uma expressão popular portuguesa que nos quer alertar para a demasiada confiança popular; ele adverte “fia-te na Virgem e não corras! Isto é cada um de nós tem de agir no sentido dos objetivos que tem sem confiar demasiado.
    Vamos fazendo todos por, apesar de tudo, não perdermos a esperança para podermos continuar a trabalhar no sentido do bem.

  10. A violencia domestica exercida sobre os homens (tendencialmente psicologica) e absolutamente ignorada pelas autoridades. O mesmo acontece sobre a mesma violencia de pais contra filhos enquanto a inversa e tambem ela ignorada

  11. Na Alemanha, como reacçãoaos justos protestos das mulheres e grupos de mulheres, começaram-se a organizar grupos de hoens e assim a sociologia e a opinião pública começou também a interessar-se por equacionar os problemas dos homens. Neste sentido há jáa muitas investigações. Em tribunal as mulheres são nos últimos tempos favorecidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *