TRUMP UM INCÓMODO PARA A ESQUERDA E UMA INSEGURANÇA PARA A DIREITA

Trump mete medo às elites do poder favorecidas pela unidade de opinião

António Justo
São mais as vozes que as nozes! O discurso de Trump abriu-nos uma panorâmica a preto e branco! Assistimos ao irromper de uma era histórica da privatização e emocionalização da política e ao bulevardismo do poder mediático.

O que está em jogo?

Trump manifestou-se contra as elites que vivem encostadas ao Estado, quer iniciar o proteccionismo económico e assim opor-se principalmente à concorrência chinesa, não pretende a guerra fria com a Rússia,quer responsabilizar mais os membros da Nato, quer destruir as bases do “Estado Islâmico „na Síria e no Iraque, põe em questão a causa das alterações climáticas, é contra a imigração ilegal, considera o islão como “potencial de risco” querendo proibir a imigração de muçulmanos, é também contra o aborto e contra o casamento homossexual que hoje são legais nos EUA.

De momento encontram-se dois poderes em luta na opinião pública: a dos que defendem os interesses do estabelecimento político e a dos que alegam a defesa do povo mais precário ou em derrocada: num extremo os que vivem melhor da ideologia e no outro os que vivem pior do trabalho.

Contra uma cultura da abertura que favorece as culturas fechadas

Os EUA são de todos: de republicanos e de democratas; a Europa é de todos: de conservadores e de progressistas, de religiosos e ateus; neste contexto é óbvia a moderação e o equilíbrio e o reconhecimento da intercultura provocada pela imigração que vai mudando o rosto americano.

O trunfo Trump assusta principalmente as elites que vivem em torno do poder estabelecido habituado à unidade de opinião pública de timbre vermelho e numa política do continue-se assim! Uma grande parte da população na América e na Europa não têm nada a perder, pelo que, qualquer experimentação no palco da política não a levará a pior.

Os apoiantes de Trump, tal como parte do povo europeu, contesta a prática política de uma cultura aberta desenfreada que tem beneficiado a afirmação das culturas fechadas (privilegiando mesmo a formação de guetos com mais força de organização e afirmação do que o povo precário nativo) e consequentemente o ressurgir do proteccionismo e do nacionalismo. A Europa tem fomentado a abertura da própria cultura e a formação de guetos cerrados no seu meio: uma contradição!

Esta onda irrita de sobremaneira uma certa elite do poder europeu que tinha apostado na desestabilização económica da classe média e da própria cultura em favor da globalização e do rejuvenescimento social através da imigração e da afirmação do islão, mais adequado à execução da sua ideologia e interesses.

Compromisso: Primeiro América e os americanos

O aparecimento súbito de um homem representante de valores machistas a dizer “Primeiro América e os americanos” desperta esperanças naquela parte da população que se sente há muito como alma penada da nação e como tal a sapata de um regime político que a leva a julgar-se estrangeira no próprio país. Segundo a revista Forbes nos últimos quarenta anos os salários dos gestores cresceu mil por cento e o dos trabalhadores onze por cento.

A vitalidade das nações pode medir-se pelo crescimento sustentável do seu pib (produto interno bruto). O crescimento do pib previsto para este ano nos USA é de 1,5% e na China é de 6,6 %. Isto mete medo a Trum que quer manter de maneira sustentável a economia norte-americana à frente do mundo sem pensar que os outros países também trabalham no seu sentido. Em 2016 o pib americano foi de 17,9 biliões de dólares e o pib da China foi de 10,9 biliões.

Nesta perspectiva a América não é Europa e a Nato também não; esta mensagem de Trump, aliada à intenção de proteccionismo económico, mete medo a uma UE habituada a viver encostada aos EUA e que se abriu tanto em nome do capitalismo e do socialismo liberal que se encontra mergulhada em problemas sem fim.

O proteccionismo da economia nacional e a introdução de direitos comerciais aduaneiros significaria o fim da globalização e prejudicaria sobretudo nações exportadoras como a Alemanha que são beneficiadas pela globalização.

Trump quer poupar na Nato para investir nas infraestruturas

Trump quer restringir a política externa e o planeamento militar e para isso reduzir os lugares de inserção e operações militares. Os EUA gastam com a defesa 600 mil milhões de dólares por ano (tanto como a China, a Rússia, o Reino Unido e a França juntos) e têm um exército com 1,5 milhões de empregados. A tesoura entre ricos e pobres é maior que noutros países industriais. O topo da população americana (0,1%) ganha em média seis milhões de euros por ano, enquanto 90% da população ganha em média apenas 33.000 dólares por ano. A expectativa de vida dos norte-americanos desceu há dois anos de 78,9 anos para 78,8. Vinte e nove milhões de norte-americanos não têm seguro de saúde; as infraestruturas do estado, estradas e electricidade, são piores que as europeias.

Enquanto os gastos com a Nato em 2016 corresponeram a 3,61% do pib dos EUA, na Alemanha corresponderam a 1,19%, na França a 1,78% e no Reino Unido a 2,21%. O objectivo da NATO combinado em 2002 para os seus membros tinha sido 2%.

Só a aragem de Trump talvez obrigue a Europa a unir-se e a estender a mão à Rússia, seu natural e vocacionado vizinho, se não quiser perder-se em gastos imensos de armamento.

Uma elite do poder renitente

O medo do terror dependurado no pescoço americano (desde11.11.2001) legitima o governo a tornar-se mais autoritário. Na Turquia que, se encontra perto e dentro da Europa, o fascismo e a ditadura afirmam-se sem manifestações públicas nem medidas da EU que considerem isso perigoso embora 60% dos turcos na Alemanha apoiem Erdogan.

O poder estabelecido treme já só em ouvir o soar da trompeta de Trump. Há muito a perder de um lado e talvez algo a ganhar do outro. Em democracia os interesses revezam-se no poder e, como a sociedade está dividida, reveza-se também na dor. Muitos cidadãos não se se dão bem com a bipolaridade da realidade colocando a verdade num só polo esquecendo que partido é parte e, como tal, representa apenas uma parte da verdade e dos interesses populacionais.

Independentemente dos Erros de Trump, é triste o facto de uma Europa com uma consciência política semelhante à das elites do partido democrático americano não se aproveitar da lição da eleição de Trump para se virar para o povo e analisar o que realmente faz de mal.

Do nosso lado temos a soberana dívida, o Brexit que questiona a EU e a que se soma uma taxa de desmprego nos paíse europeus horrenda de desemprego (de 23,1% a 7,6%: média europeia 9,8%), um capitalismo feroz que tomou conta da política e a crise dos refugiados.

Uma Europa aberta mas de patriotismo envergonhado e pródiga em relação ao esbanjamento de interesses económicos arma-se em tribunal da sociedade americana dividida que agora vê ganhar a parte instável em Trump. Em vez de análise da situação ouve-se por todo o lado uma indignação arrogante de uma opinião pública massificada que se arroga o direito do monopólio da interpretação, como se em democracia só tivesse uma facção razão e a verdade fosse determinada pelo barulho da rua ou dos Média. Trump não gosta dos jornalistas e os jornalistas não gostam dele. O poeta e dramaturgo Bertold Brecht (1898-1956) alertava para a cegueira do quotidiano e da opinião pública publicada dizendo: ”Não aceitem o habitual como coisa natural, pois em tempos de confusao organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural. Nada deve parecer impossível de mudar”.

Talvez o exagero de Trump ajude a Europa a mais realismo e, com o tempo, a menos ideologia política de modo a poder voltar à Europa a política económica social de mercado e o respeito pelos interesses da sua população desprotegida ou mantida à mão da esmola do Estado. Esta, estruturalmente desdignificada e desonrada, cada vez se sente mais como peso morto num Estado sem sol para ela e que lhe não oferece perspectivas.

Islão como factor de risco

A eleição de Trump alerta também para o facto do preço da abertura da Europa ter sido proveitoso para as elites que participam do poder e prejudicial para a camada social desprotegida, com mais concorrência e mais negação da própria cultura em favor da árabe: esta dá-nos petróleo e imigrantes em troca da expansão da sua religião. Trump tocou também este ponto sensível ao considerar o islão como “potencial de risco” sem diferenciar entre islão como ordem social e muitos muçulmanos que a nível individual distinguem entre poder religioso e poder secular.

Temos uma classe política europeia cúmplice, crítica em relação ao cristianismo, fraudulenta no que toca ao futuro da juventude e implementadora do islão por razões económicas e estratégicas. Enigmático na política da EU, que se preocupa tanto com a defesa dos valores ocidentais permanece o facto de nunca um governo ocidental ter defendido os perseguidos cristãos nos países islâmicos e por outro lado os políticos virem para a praça pública dizer que o islão pertence à nação e que o sistema dos países islâmicos e o terrorismo islâmico não têm nada a ver com o islão. Em vez de se procurarem medidas para resolver os problemas de maneira equilibrada e bilateral, assiste-se também aqui a uma política semelhante à seguida nas dívidas soberanas que apenas se juntam e aumentam à custa da insegurança das gerações futuras. Nos USA há 5 milhões de muçulmanos, na Alemanha vivem 4,02 milhões.

Na hora dos malcomportados

Trump, tal como Costa em Portugal, conseguiu assumir ao governo embora o partido adversário tenha reunido mais votos (Clinton 61 milhões e Trump 60).

Nestas eleições reúnem-se os malcomportados: Trump que não respeita a classe dominante nem as minorias; Obama que vai contra a tradição fazendo um discurso de despedida contra o da tomada de posse de Trump e dirigido ao eleitorado dos democratas; na rua, vencidos revoltam-se contra vencedores como se não tivesse havido eleições; tudo isto parece dar vida à democracia que não quer ver todos os cidadãos reunidos debaixo das suas saias: ela vive da disputa de valores e interesses. Trump poder-se-ia vingar em parte do “estabelecimento político” que, há cinco anos, através de Obama, o humilhou publicamente. Tal atitude prejudicaria o restabelecimento da unidade nacional. Naturalmente Trump não governa sozinho; ele tem a seu lado instituições democráticas que o não deixam isolar-se.

Penso que o que está aqui em jogo é a volta dos nacionalismos e correspondentes proteccionismos dado também a política europeia das portas abertas ter falhado e ser um perigo para um continente dividido que não tem os mesmos pressupostos históricos nem a independência política que podem ter os EUA. Penso que a situação da esquerda e da direita é tão novelada em torno de um polo e do outro que, de momento, domina demasiadamente o medo e um espírito político carnavalesco.

Trump quer governar o mundo como se este pudesse ser governado tal como se gere uma empresa; neste sentido parece equacionar o mundo em termos de cálculo de custo e de utilidade (lucro). Por outro lado personaliza e privatiza a política conotando-a mais de povo. A um extremo seguido até agora segue-se talvez um outro, num movimento pendular de épocas, ideologias e tempos.

No reino das projecções e das sombras

A indignação exagerada ou uma fixação na crítica contra Trump ou contra outra personalidade pode ser indício de caracter fraco e correr o perigo de procurar e combater inconscientemente fora de si os defeitos que traz dentro de si e consequentemente vê-os (projecta-os) como sombras em Trump ou em alguém que odeia. Muitas das pessoas que odeiam deixam-se reduzir a meras portadoras de sombras. Exigem que os outros sejam exemplos de luz, portadores da luz que corresponde à sombra que não reconhecem em si mesmos. A América sempre serviu de espaço da sombra para a esquerda europeia e para os nacionalistas.

Este é um conceito de C.G. Jung que tudo o que não aceitamos (vícios) em nós, o oprimimos e banimos para as sombras que são o nosso inconsciente. Então inquieta-nos o que não queremos admitir em nós para o combatermos nos outros. Quando nos irritamos muito com algum defeito nos outros isso é um sinal de que esse defeito é algo que faz parte da nossa sombra invisível (combatemos fora os próprios defeitos oprimidos!).

No sentido do pensar positivo americano

Uma vantagem da América e da Rússia sobre a Europa na qualidade de povo e nação vem do facto de darem importância à religião cristã como factor de substrato nacional e de identificação. Trump é um aviso à esquerda materialista dominante na sociedade para que se torne mais humilde e não tão determinante e poder-se-ia tornar também num apelo aos americanos de cima para que se comportem de modo responsável para com os de baixo.

Concedamos-lhe 100 dias para governar e então saberemos mais! De resto, até agora, pelo que pude observar, Trump tem a vantagem de ser um homem igual a si mesmo! Quanto ao resto, os factos o dirão.
© António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo,

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

13 comentários em “TRUMP UM INCÓMODO PARA A ESQUERDA E UMA INSEGURANÇA PARA A DIREITA”

  1. Acabei de ler o artigo do Justo e, mais uma vez, fiquei encantado com a sua profundidade , para além do belíssimo português que o suporta.
    Este Justo não tem “emenda”: é inteligente, é profundo, é sério, é corajoso e todos temos orgulho em ter sido seus condiscípulos.
    Ninguém gosta do Trump, mas eu sempre disse que a culpa de haver Trump era dos políticos ocidentais, aliados a uma comunicação social servil ao poder e aliada ao mesmo.
    O que Trump está a fazer assusta, particularmente na área ambiental, mas não deixa de ser um sino a tocar a rebate, sendo que em muitas coisas tem razão.
    Nos primórdios da globalização, há 20 e muitos anos, eu e muitos industriais verberamos e alertamos intensamente para o problema de se fazer uma globalização, feita à medida de uma centena de magnates mundiais.
    Não era preciso ir para a faculdade para se saber que uma globalização feita sem regras e sem acautelar requisitos mínimos como segurança social, direitos humanos, ambiente e regras laborais, a globalização iria destruir o Status Social ocidental, criado essencialmente no seu auto-desenvolvimento.
    Para onde flui o dinheiro senão para onde há criação de riqueza? indústria, agricultura e pescas são quem comanda o riqueza que tem que gerar Segurança Social das populações e garantir o seu elevado nível de vida.
    Com a globalização feita sem nenhumas das regras básicas a indústria, factor nº 1 da riqueza, desinstalou-se dos países europeus e foi instalar-se no médio e extremo oriente, pois era impossível às indústrias ocidentais competir com produtos cuja matéria prima para os fabricar lhes chegava mais cara do que o preço do produto final.
    E Isto não é história porque há 30 anos, mais de 25 empresa portuguesas faziam a feira internacional de Frankfurt (Feira AMBIENTE) juntamente com a Metalúrgica: eram todas empresas com sucesso e alta capacidade de exportação: com a globalização dessas 25 restam 5 ou 6, já que os preços vindos da china as liquidaram rapidamente todas as outras.
    Este ocidente, cheio de bem estar e alto nível de vida, não entendeu que o seu bem estar estava garantido pela indústria europeia e ocidental, que já morreu, na sua maioria, asfixiada pela globalização: era impossível pagar salários 4 e 5 vezes superiores aos da china e , trabalhando 40 horas semanais contra as 80 horas da china onde não existia segurança social (TSU), ambiente (custo alto para a empresas).
    Com isso a China cresceu anos consecutivos 2 dígitos enquanto a Europa gerou desemprego, crescimento anémico e manteve o seu status social fazendo dívidas para seus filhos e netos pagarem, sendo que hoje se fala abertamente de que no futuro não haverá aposentadorias garantidas…
    A maioria dos políticos nunca trabalhou e não posso aceitar que sejam sérios não denunciados o abismo em que este país se está a meter: qualquer dona de casa sabe que se receber 90 não pode consumir 100. Mas sobretudo qualquer pai que se preze não vive à fartazana fazendo dívidas para seus filhos pagar: isto é o que os políticos de hoje estão a fazer.
    Que povo é este feliz com o País sabendo que a sua dívida externa cresce 42 milhões de euros por dia? Como é possível alguém de bom senso, estando a viver à custa de empréstimos externos, falar de mais férias, repor feriados e baixar para 35 horas o horário semanal.
    Recordo-me daquele meu amigo que, no dia, me mandou um e-mail dizendo:
    – “Trabalha, Agostinho, que tu está velho mas precisas porque a partir de hoje já estás a pagar mais 400 dias de borla…”
    – Como 400 dias de borla? – inqueri.
    – Então nãos tem 100 colaboradores? – perguntou ele
    – Tenha 126! – respondi
    – Então está melhor só vais pagar 504 dias de borla: é uma oferta da Geringonça publicada hoje – tornou ele.
    Caí em mim e multipliquei por milhões de Portugueses no ócio…
    Que Deus nos ajude e dê muita paciência.
    Um abraço
    Agostinho S

  2. NO PRAVDA
    Trump: Um incómodo para a Esquerda, uma insegurança para a Direita
    25.01.2017 | Fonte de informações:
    Pravda.ru
    – See more at:
    Trump: Um incómodo para a Esquerda, uma insegurança para a Direita
    São mais as vozes que as nozes! O discurso de Trump abriu-nos uma panorâmica a preto e branco!…
    port.pravda.ru

  3. Notícias em alemão têm transmitido opiniões de psicólogos e de psiquiatras sobre Trump. Entre outras:
    Sintomas de exagerada autoestima, impulsividade, hipersensibilidade, incapacidade para distinguir fantasia da realidade,
    instabilidade psíquica, mas o mais grave é “bösartiger Narzissmus”.

    Também li a análise de uma grafóloga sobre a assinatura dele e que veio num artigo do Daily Mail (mas eu li em alemão):
    Observação da última letra – esta costuma terminar abruptamente ou prolonga-se para fora. o que mostra diplomacia, abertura
    aos outros. Enquanto que a letra p de Trump em vez de ser para baixo, é um arco para cima e para trás – mostra que está
    totalmente voltado para si próprio. Toda a assinatura denota “Eu primeiro!” “Tudo para mim”. A assinatura revela ainda que
    ele decide sozinho, só confia em si próprio, está convencido do que pensa e do que faz. Não desiste facilmente, não busca ajuda.

  4. Ronald Trump sempre foi o que é: o tipo 8 do Eneagrama. O aspecto neurótico dele tem a ver com a extroversão e a vingança. Quando assistia com a Carola (versada em análise de comportamento segundo o sistema Eneagrama) logo verificamos que Trump pertencia à personalidade tipo oito (autoritário, desafiador da realidade, realizador, amigo da verdade, luxúria, avareza, vingança, etc.). Para mim o conhecimento profundo dos eneatipos torna-se muitíssimo importante para o autoconhecimento e para ajudar a compreender o comportamento dos outros e ajudar no trato com o próximo. Esta é uma tipologia complexa que começa pela análise introspectiva e deste modo acautelando para a tendência que temos, de projectar as próprias sombras nos outros tal como faz Trump e em grande parte os seus adversários. Se te dedicares ao estudo dos tipos das personalidades do eneagrama certamente terás uma grande ajuda não só para ajudar a ordenar o funcionar das geringonças mas especialmente para ver, de uma maneira abreviada onde se fundam atitudes e comportamentos!
    Narcisismo é certamente o vício mais característico da sociedade do nosso tempo. Domina totalmente o mundo artista e em grande parte o mundo político que reflecte o espírito do tempo e a consciência colectiva. Vivemos a era do narcisismo e Trump é um dos seus mais fortes exponentes (Sócrates também é característico!). Trump mostra ao vivo as sombras (aspectos sombrios) da nossa sociedade e como tal (independentemente dos problemas que cria) revolta a sociedade que tem o mesmo problema mas o recalca. Querida Manuela, nestas coisas importante, embora tenhamos a nossa posição e análise é não nos deixarmos envolver afectivamente no problema porque então tornamo-nos parte do problema. Tu como cristã empenhada tens vantagem da empatia e de sofrer com os problemas numa atitude de compaixão, nada te sendo indiferente.

  5. É mais fácil saber os motivos de elas desejarem certas companhias, do que compreender o motivo da propaganda Ocidental relacionada com o Trump e Putin .
    Francisco Barbosa Velho
    FB

  6. Neste aspecto creio que a propaganda europeia também está ela envolvida no post-facto que critica ao não apresentar argumentação coesa nem factos suficientemente analisados para poder tirar conclusões. Andamos a ser embrulhados por uma imprensa com a exigência de ser séria mas não tem coragem de descer ao terreno de uma realidade apresentanda com argumentos sólidos e com factos analisados. Populismo contra populismo com os seguidores de um ou do outro lado.

  7. António Justo tem toda a razão, o mesmo digo eu, a imprensa tenta embrulhar-nos e ás vezes até consegue. Eu fico sempre admirado como é possível que canais de radio e televisão andem sempre em guerra uns com os outros sobre a taxa de visão e audição dos seus programas, e quando chega á hora dos noticiários são todos 100% identicos!! casualidade?? de certeza que não! eu chamo-lhe manipulação do ouvinte.
    Toni Horta
    FB

  8. Seguramente,cada caso é um caso,com contornos próprios : mas o padrão existe e é muito perturbador . Os eleitorados demostram um enorme mal-estar,que projectam sobre as instituições,os grupos e os compromissos que lhes parecem longínquos ou estranhos . Exigem respostas simples para questões complexas e medidas imediatas e parcelares para acudir a problemas que são sistémicos . A emoção tende a prevalecer , levando as pessoas a qudar-se pela expressão radical do protesto e desarmdo-as face aos demagogos . O medo e revolta que a globalização desregulada,a mudança tecnológica,a competição internacional ilimitada,a automatização dos processos,a ameaça terrorista e a erosão do serviço público provocam nas pessoas comuns situações que as levam a pensar que a salvação está nos partidos que há uma década eram invisiveis.

  9. A impotência sentida pela camada média da sociedade, ao verificar que o Estado se torna cada vez mais advogado das elites financeiras e apoiante da indústria financeira à custa do cidadão que paga impostos, leva à emocionalização do discurso público. A camada média nota a ausência de uma imprensa investigativa e e um discurso público não orientado para a argumentacao e factos, constata que a opinião pública não se orienta já pela exigência da verdade mas pelo sentimento da verdade.

  10. Sim, caro Alcino Francisco! A questão é realmente complicada e os interesses económicos e estratégicos são os decisivos na competição e configuração das regiões. Que a Inglaterra sempre vivia numa certa geminação com os EUA é bem conhecido. Os EUA já há muitos anos que admoestavam a Europa da nato para se empenharem mais e não confiar tanto no apoio económico dos EUA, chegavam-nos a acusar também de retrógrados e de socialistas, criticando os nossos estados como paternalistas. Naturalmente a rivalidade e inveja é notória embora os sistemmas EU e EUA não sejam comparáveis. A moral da História seria, no meu entender, como já escrevo há dezenas de anos (desde a queda da Uião Soviética) que a EU se aproximasse da Rússia e que embora a NATO seja paralelamente necessária, a união natural seria Europa-Rússia; assim poderíamos assegurar a paz para sempre na Europa. Os EUA podem permitir-se uma política divisionista porque vivem num continente que é como uma ilha! A EU aquando da queda da União Soviética e a Rússia parecia interessada a pertencer à NATO, comportou-se muito mal. Encostou-se aos interesses americanos de então provocando a Rússia ao alargar a NATO aos países limítrofes russos: uma provocação. Uma EU realista deveria concentrar-se à estabilização duradoura da Europa e esta implica uma política de amizade com a Rússia na ponderação de interesses. Quando na sociedade alemã se discutia se seria ou não oportuna passar a capital Bonn para Berlin eu fui um dos defensores na discussão do SPD alemão que a capital passasse para Berlim e a minha ideia fundamento era a defesa de que temos mais cedo ou mais tarde de nos unir à rússia se não nos queremos deitar à insignificância num mundo que se afirmará cada vez mais como blocos!

  11. USA foi especialista em fazer a confusão fora do seu território. A Europa tem falhado em muitas coisas e uma delas é precisamente essa de não obedecer ao natural. O mapa é bem claro em relação a blocos. Depois vêm os políticos e estragam tudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *