BARBARIDADES CONTRA A LÍNGUA PORTUGUESA

Brasileiros pretendem acabar com o “h” no princípio das palavras e substituir o “ch” pelo “x”

António Justo
A actual discussão no Senado brasileiro sobre a simplificação da ortografia revela-se contra-produtiva em relação ao acordo ortográfico. A crença de Ernani Pimentel e do ‘Movimento Simplificando a Ortografia’ de que “a simplificação ortográfica é a porta para a eliminação do analfabetismo”, revela-se como despiste ou desorientação. A iniciativa pretende inverter o desenvolvimento linguístico ao copulá-lo com a camada social menos desenvolvida; enfim, uma posição decadente tendente a que as árvores passem a ter a rama na terra e as raízes no céu.

Os Diálogos Lusófonos, tal como outros meios de comunicação brasileiros têm vindo a referir que o senador Cyro Miranda, presidente da Comissão de Educação, lidera um projecto da Comissão conducente à simplificação da ortografia da língua portuguesa. O projeto “propõe a extinção da letra “h” no início das palavras e a troca de todas as expressões com “ch” pelo “x”, passando palavras, tais como ‘homem e hoje’, a serem escritas com a grafia ‘omem e oje’ e palavras como ‘macho’ a serem escritas ‘maxo’. Exemplos das intenções em vista: Flecha Flexa, Analisar Analizar, Blusa Bluza, Exigente Ezigente, Exame Ezame, Amassar Amasar, Açúcar Asúcar, Moço Moso, Deuses Deuzes.

Segundo intenções dos mentores do projecto, este poderia ser aplicado em 2016, após consulta aos países de língua portuguesa.

É estranho que Brasileiros queiram fazer equivaler a língua escrita à língua oral quando escrevem dia e pronuncia dʒja ou dja. A língua não pode ser posta à disposição arbitrária de ideologias (socialismo mal-entendido) nem de lógicas a que falta a supervisão racional abrangente. Sem respeito pela linguística, atacam a ortografia, a etimologia, a conexão entre palavras cognatas.

Depois do tão discutido acordo ortográfico da língua portuguesa, aprovado em 16 de Dezembro de 1990, que pretende criar uma ortografia unificada e em vigor desde 2009, parecem forças radicais quererem colocar-nos na fase antes dele; na realidade pretendem o desacordo agora incentivado em nome de uma massa anónima ‘não consumidora de cultura’.

Ainda o criticado acordo ortográfico não se encontra aplicado e já surgem novas propostas de tendências partidárias e nacionalistas a pretender novas mudanças em nome de uma democracia que quer ver a inclusão social dos seus povos à custa de simplificações arbitrárias e desaferidas, como se a produção intelectual, artística e científica se devesse orientar, pelo princípio do menor esforço, como parece pretender o ‘Movimento Simplificando a Ortografia’. Pretende um nível simplista que evite o analfabetismo e que reduza o tempo de ensino da ortografia e impedir reprovações no currículo de aprendizagem. Esquece que as suas razões de liberdade, igualdade e economia teriam como consequência mais lógica a extinção da educação e das escolas ou a emigração de grupos mais conscientes para o ensino particular. Na sequência ter-se-ia de acabar com o estudo da História e de muitas coisas mais; sim, até porque, na realidade, em termos imediatos cultura não enche barriga.

Querer motivar a mutilação do português, com argumentos de que grande parte do povo brasileiro tem dificuldade em “escolher a letra adequada entre x/ch, j/g, s/x/z, s/ç/c/ss/sc/sç/xc/xç, presença/ausência de h inicial”, seria desconhecer a história e a lógica da língua e desqualificar o ensino brasileiro e a capacidade de aprendizagem de um povo que é tão inteligente como outros países lusófonos que parecem ter menos dificuldades com a ortografia da língua.

Por trás da problemática em torno da ortografia, esconde-se também uma falta de sistemática na aprendizagem da língua e de um ensino que domine os rudimentos da língua mãe (o latim).

Não é certamente por falta de tinta mas talvez por protagonismo político de interesses ideológicos que se equivoca ao qualificar rigor de qualidade intelectual como “alienação do povo” . Por trás de uma identificação com os interesses da pretensa massa popular esconde-se a atitude paternalista de que o povo simples deve ser poupado de elucubrações complexas querendo apresentar a língua como produto fácil e barato à altura do porta-moedas de um mercado orientado pelo poder da oferta e do mais barato.

A questão da língua não pode ser equacionada em perspectivas meramente políticas, geralmente de vistas reduzidas a mentalidades condicionadas a períodos eleitorais quatrienais ou quinquenais e a ideologias de massa anónima sem consideração pelos processos de individuação e diferenciação inerentes à evolução individual e colectiva.

A evolução da língua também não pode ser abandonada a pessoas, talvez de boa vontade mas que não têm a mínima ideia do assunto nem o respeito advindo do conhecimento do evoluir da língua.

Para trás anda o caranguejo!

A iniciativa é absurda e prejudicial porque para corresponder às necessidades imediatas de gente simples, opta por cortar os ramos frondosos da árvore linguística pelo facto de se estar com o sentido na sua madeira ou porque se quer fazer da árvore um arbusto para que qualquer gaiato possa subir a ela sem o mínimo de esforço ou dificuldade. Deixem-na continuar a ser uma grande árvore, uma casa grande onde todas as espécies de pássaros, grandes e pequenos, possam fazer o seu ninho, segundo as suas capacidades e potenciais. Seria disparate cortar as asas às aves grandes para que todas possam viver nos primeiros ramos da árvore. Se a natureza e o desenvolvimento se deixassem reger apenas por princípios de massa ou democráticos não teria produzido a humanidade, ter-nos-ia mantido  na igualdade do estádio das amoebas ou das medusas.

A estratégia de comunicação anunciada pelo senador, de tencionar chegar a acordo com os outros países lusófonos, através de videoconferências, é testemunho de método manipulador de quem quer forçar a sua ideia de legitimação dúbia, fruto do arbitrário, para evitar a discussão nas legítimas instituições científicas competentes para a língua. Nestas coisas precisa-se tempo, calma, independência e ponderação para se evitar confundir um pirilampo com uma estrela. A iniciativa não passa de uma tentativa de desorganização e de desinformação no sentido de desviar as energias do último acordo ortográfico.

A reforma da língua é assunto para linguistas e disciplinas afins, atentas às massas e aos diferentes interesses dos países lusófonos, longe de qualquer interesse hegemónico ou de estratégica particular. O resto corresponde a uma perspectiva minimalista e míope de que sofre em grande parte o nosso sistema democrático. O nivelamento da cultura por baixo tem sido um facto tendente a desacreditar e banalizar a democracia (de interesse comum a um capitalismo e a um socialismo radical); a democracia não deveria merecer tal desconsideração. Imaginemos que, para acabar com o racismo, os brasileiros  determinavam manipular o gene da sua pele, de modo a todos os brasileiros conseguirem uma cor neutra para os seus habitantes! A intenção que se encontraria por trás do objectivo pareceria boa mas a estratégia e os meios para o alcançar seria inadequada, indiferenciada e de consequências catastróficos. A ideologia, por muito potente que seja, não deve desprezar as leis da evolução nem a variedade da realidade integral. Para trás anda o caranguejo!

A ignorância e a precaridade não podem constituir motivo de desenvolvimento cultural nem linguístico. Os programas correctores de língua em via na internet serão um grande serviço para aqueles que confundem o ‘ch’ com o ‘x’ e para os que querem poupar no ensino.

A língua portuguesa não existe isolada no mundo e, também por isso, não deve ser avaliada por critérios proletários simplistas nem pela dimensão populacional de uma nação! É óbvio que se mantenham os critérios de qualidade. O seu desenvolvimento não pode ignorar a riqueza atingida pelas línguas latinas nem o seu rico contexto. Tão-pouco poderá ser critério da afirmação de identidade de um país a negação da História nem o estádio cultural de um grupo social. Tal proposta, como o emprego de energia unilateral e exagerada na integração do galego no mundo lusófono só complica e ajuda a desmotivar a reflexão e a aplicação do acordo ortográfico em via.

O Português não é uma língua difícil. É uma língua muito rica e como tal complexa, com moradas para todos os estados do desenvolvimento social e intelectual até hoje possível e conseguido. Na riqueza de uma língua e na sua complexidade se reflecte o desenvolvimento de um povo e das pessoas que este engloba.

Tentar aniquilar as leis da evolução pode ser democrático mas não natural nem razoável. A existência de favelas e de casas sem jardim não pode ser o motivo para se destruir os palácios e os jardins. O objectivo será construir acesso, para todos, aos jardins e aos palácios.

Sem querer negar a luta de classes e de interesses, precisamos primeiramente de sociedades adultas que discutam os problemas do seu desenvolvimento e daquilo que constitui a sua identidade, com realismo, sem complexos de superioridade nem de inferioridade.
António da Cunha Duarte Justo
www.antonio-justo.eu

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

9 comentários em “BARBARIDADES CONTRA A LÍNGUA PORTUGUESA”

  1. Caro amigo:
    Não podia estar mais de acordo com este seu brilhante e pedagógico post.
    Bem haja!
    Abraço.
    JPR

  2. Querido Dr. Justo,
    Abençoado artigo sobre a língua portuguesa.
    Oxalá que ele tenha o máximo de divulgação.
    Muito interessante a ideia de “querer nivelar por baixo”.
    Também a imagem de reduzir a cor da pele a um modelo indefinido.
    Valha-nos Deus perante tanta “preguiça” de aprender Português.
    Saudações
    PAG

  3. Ridículo o que esses senadores pretendem fazer querendo uma nova reforma ortográfica, nivelando por baixo. Já não basta essa nova moda de abreviação das palavras nós bate-papos pela internet?

  4. Senhor Doutor,

    Até que em fim … Com os meus amigos tenho conversado sobre este tema, designadamente por que razão ch =x, pronunciar z e escrever s, porque não oje e não hoje, homem e não omem, etc… Parabéns … até parece que fui ouvido!
    Os meus respeitosos cumprimentos,

  5. Impressionante!
    Desconhecia que isso estivesse acontecendo. É realmente lastimável. Mostra a pobreza de representatividade que temos. Mostra a hipocrisia de representatividade que temos. Por isso é que não só o sistema econômico caminha a passos largos para seu fim (e inicio de outro … em outras bases) e também o sistema de representação política (este, há muito tempo viciado).
    Saudações aos participantes, saudações ao sr. Antônio Justo,
    Vilson

  6. Caro Antônio Justo,
    Tristemente o ensino aqui no Brasil, principalmente nas escolas públicas, vai de mal a pior. Nossos governantes acham mais fácil levar o estudo ao nível dos alunos, rebaixando a qualidade, do que melhorar a qualidade elevando os alunos ao seu nível.
    Particularmente acredito que a questão é uma só: quem se informa pensa, quem pensa contesta e isso não interessa a eles.

    Um abraço,

  7. Resposta a algumas observações ao texto “BARBARIDADES CONTRA A LÍNGUA PORTUGUESA”

    O tom que emana do texto poderia ser enquadrado na secção de metáforas e analogias, para se poder então ultrapassar a sonância e reflectir sobre os argumentos apresentados nele; de facto, o artigo procura contestar argumentos em voga na comunicação social e apontar para a complexidade da questão. Interessante na discussão será a argumentação e a contra-argumentação.
    O argumento da variedade linguística é muito válido para justificar diferenciações mas deve ser especificado para que dele se tornem perceptíveis os fins a atingir e estratégicas a encetar. A língua latina (latim) também foi tão rica que deu origem às línguas novilatinas ou romanas morrendo nas fronteiras criadas por elas (o português, o espanhol, o italiano, o francês e o romeno que por sua vez albergam muitos dialectos e creolos).
    Naturalmente, um país, com características de continente e com vários estados, terá preocupações muito distintas em relação ao fomento e conservação da língua. Não pode porém deixar de se posicionar em termos de comunidade linguística e de relacionamento interactivo com outras comunidades de língua sem ter em conta as tendências de “colonizações internas”, de caracter linguístico, dentro do próprio país. A perspectiva do português como língua, diria universal, pode chegar a apresentar até paradoxos de interesses legítimos.
    Na discussão seria óbvio evitar o autoritarismo de instituições mas reconhecer ao mesmo tempo a necessidade de definição para se possibilitar identidade (não só a nível de embrião indefinido mas de sujeito). O argumento antiditactorial em favor da multiplicidade democrática e o medo hegemónico não deverá subestimar princípios ordenadores (no sentido da evolução natural para uma ordem identitária). Aquele será de usar cum grano salis, doutro modo poderia tornar-se em empecilho para o desenvolvimento da comunidade linguística dos falantes do português para se dispersar num tribalismo/partidarismo de perspectivas restritas.
    A necessária afirmação da lusofonia implica a tensão vivificante proporcionadora de evolução tal como acontece com os órgãos de um corpo ou com os diferentes interesses e dinâmicas subjacentes a uma sociedade, que, para subsistir na dialética (de afirmação-negação) das comunidades linguísticas, não despreze o valor da unidade. Uma discussão restrita ao nível dos “órgãos” poderá revelar-se como muito democrática ou social mas pecaria por não ter em conta o corpo.
    Ninguém puxa orelhas a ninguém. Poder-se-ia argumentar com objectividade que não deveria generalizar o assunto. Neste sentido o texto original em http://www.antonio-justo.eu não peca tanto como o que enviei, um pouco pontuado nalgum título para despertar interesse pela argumentação apresentada. O meu posicionamento é aberto e pretende ser colocado em contexto da lusofonia que não só tem amigos como adversários (Os adversários esgotam-se, por vezes, em termos de ideologias de massa). Naturalmente, no processo evolutivo, toda a argumentação tem o seu intuito e sentido, sendo de respeitar. O princípio da afirmação da evolução através do mais forte será mais bem lusófono se se afirmar a sua unidade e identidade através do princípio da colaboração de todos.
    Saudações cordiais.
    António da Cunha Duarte Justo

  8. Aqui junto algumas reacções ao texto BARBARIDADES… Re: [REDELUSO] BARBARIDADES CONTRA A LÍNGUA PORTUGUESA by “Liana Márcia Justen” lianamarcia_justen
    Mensagem
    1.1
    Re: [REDELUSO] BARBARIDADES CONTRA A LÍNGUA PORTUGUESA
    Qui, 21 de Ago de 2014 1:28 pm . Enviado por:
    “Liana Márcia Justen” lianamarcia_justen
    Mi,

    senador Cyro Miranda é o cara, ou o gajo, se quiserem,
    rs. A língua falada no Brasil se tornou um português
    diferenciado, devido à pluralidade cultural que torna este
    país tão fantástico. Não temos mais que receber
    puxões de orelha da metrópole, estamos no século
    21… porém o tema precisa ser discutido por todos. A
    língua é uma construção e reconstrução
    coletivas, sociais, culturais… agradeço à lusofonia,
    gosto de ser lusofalante, que bom que somos tantos e tão
    diversos. A diversidade nos salvará sempre. Trata-se de um
    dos princípios básicos da EA! bjs Liana
    De: RedeLusofona@yahoogrupos.com.br
    Enviada: Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014 21:21
    Para: RedeLusofona@yahoogrupos.com.br
    Assunto: [REDELUSO] BARBARIDADES CONTRA A LÍNGUA PORTUGUESA

    eu não questionei o tal prof, questionei o tom
    agressivo do txt enviado! mas agradeço as
    manifestações recebidas claudia, grata pela boa mensagem e
    ânimo! suas msg chegam à lista sim! valeu li
    abraços

    *.*

    *

    Michèle Sato
    * michelesato@gmail.com

    Cuiabá, MT – BRASIL ☎ 55 65 3615 8443

    Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e
    Arte – GPEA

    Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT

    * Remtea
    * Redeluso
    * Nerea

    * Fórum de Direitos Humanos e da Terra, FDHT-MT

    mimi by imara quadros

    2014-08-20 14:38 GMT-03:00 Liana Márcia Justen
    lianajusten@uol.com.br

    [RedeLusofona] <RedeLusofona@yahoogrupos.com.br

    >:

    Mi querida,

    veja isto:
    http://simplificandoaortografia.com/index.php/entenda-o-projeto/
    Não sei se já tramita no senado, mas existe o
    projeto sim de simplificação da ortografia da língua
    portuguesa e tem grande aceitação. O autor da proposta é
    um professor de português. bjs Liana
    De: RedeLusofona@yahoogrupos.com.br

    Enviada: Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014 11:57
    Para: RedeLusofona@yahoogrupos.com.br

    ,carloshato@gmail.com

    Assunto: [REDELUSO] BARBARIDADES CONTRA A LÍNGUA PORTUGUESA
    – Movimernto brasileiro pretende acabar com o “h”
    no princípio das palavras e substituir o “ch”
    pelo “x”

    aqui no brasil este movimento é desconhecido, e em
    uma pesquisa rápida no google, não encontrei nada que
    esteja a ser aprovado pelo senado brasileiro. o texto escrito,
    assim, torna-se um alarde agressivo e genérico ao povo
    brasileiro, já que a autoria deve ser de um prof ou um
    pequeno grupo, não sei. é preciso cuidado
    diplomático ao escrever e generalizar a cultura de um
    país! aproveito a mensagem para dizer que a
    arrogância colonialista poderia refletir também no nome
    da nossa rede LUSÓFONA. Parece que a CPLP é melhor
    compreendida neste âmbito da democracia e independência
    dos países que fala, cada qual a sua maneira, seu próprio
    idioma. por vezes sinto que falamos BRASILEIRO no Brasil, uma
    variação afroindígena da raiz linguística
    portuguesa. Muito bonita, por sinal que eu gosto muito.
    respeitosamente, um abraço de DEScolonialidade.

    *.*

    *

    Michèle Sato
    * michelesato@gmail.com

    Cuiabá, MT – BRASIL ☎ 55 65 3615 8443

    Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e
    Arte – GPEA

    Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT

    * Remtea
    * Redeluso
    * Nerea

    * Fórum de Direitos Humanos e da Terra, FDHT-MT

    mimi by imara quadros

  9. Como brasileiro fico indignado com esse tema imbecíl que os políticos desse infame PT, ( partido dos trabalhadores ) que considero o câncer social no Brasil , procuram debater, à sra Dilma manipulada pelo sr.lula e os seus ,procuram instaurar medidas populares para se perpetuarem no poder transformando a população brasileira em analfabetos. ,tentar elevar o grau de falta de cultura ao invés de melhora-lo é no mínimo um acinte.seria nivelar um povo por baixo.
    Melhorar o ensino público é necessário ,levar cultura ,civismo e mostrar para os menos afortunados socialmente que só um ensino de qualidade poderá lhes proporcionar uma vida melhor com possibilidades.
    Espero que essa medida nunca seja aceita pela maioria da sociedade esclarecida BRASILEIRA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.