A OMS QUER O DOMÍNIO DA SAÚDE E O USO DA CENSURA PARA PROTEGER MUNDIALMENTE OLIGARCAS E ELITES GLOBAIS

Projeto de Tratado em detrimento dos Direitos humanos e das Liberdades fundamentais

Na próxima Assembleia Mundial da Saúde, em 27 de maio, será votado e ratificado o Tratado de Pandemia da ONU: o plano da Organização Mundial de Saúde (OMS) de preparação do mundo para futuras pandemias e crises de saúde pública; de uma maneira geral o tema está a ser calado e censurado pelos Media para deste modo ser mantido fora de qualquer debate político e qualquer análise democrática pública.

Porque pessoas críticas fizeram objeção ao projeto, alguns pontos que gritavam aos céus foram retocados, mas o objetivo de controlar e formatar a população mundial para preparar um fascismo global continua. Naturalmente no tratado também se encontram aspectos positivos, mas atendendo às armadilhas escondidas tornam-se desequilibrados e até prejudiciais em vários sectores!  (Para se verificar isto bastaria observar-se o desenrolar das negociações do Regulamento Sanitário Internacional na mesa de negociação.) O Conselho de Negociação Intergovernamental (INB) da OMS em reunião de emergência em Genebra finaliza o tratado da ONU sobre pandemia antes da Cimeira Mundial da Saúde.

Os cidadãos em geral não devem saber que a OMS quer meter a mão nos bolsos do Estado (dívida soberana) e determinar o que os governos têm que aplicar, e também controlar a informação e a pessoa. O objetivo da recolha centralizada numa indústria de dados (o novo ouro) é criar um controlo permanente e uma identidade digital.

Uma vez transformada a pessoa numa identidade funcional (com o roubo e transformação da própria identidade), então o que passa a valer e a determinar é a Máquina, com maquinistas globais, sem alma nem coração nem pátria (puros Oligarcas) .

Depois do sucesso do experimento da pandemia com o vírus SARS-Cov-2 parece querer passar-se da fase medicinal para a fase política criando condições para declarações de pandemias permanentes planejáveis, que poderia ser sarcasticamente, designada de pandemia política a propagar-se como vírus político que, segundo especialistas mais críticos, poderia levar a usar uma vacina como tipo de arma biológica (mediante uma espécie de lei marcial na medicina para a OMS). No sentido da política da OMS o termo pandemia não se encontra definido podendo alterações climáticas, tabagismo, CO2, etc. serem declaradas como pandémicas e com isto possibilitar medidas dracónicas e antidemocráticas como as criadas durante o “reinado da pandemia covid-19” da OMS. Esperemos que no dia 27 o humanismo vença e o projecto seja reprovado.

Torna-se irracional estar a elaborar-se um acordo em que os 200 países assinam um atestado de incompetência e de incapacidade ao atribuir competências soberanas a uma instituição (OMS) não democrática com poder de declarar o estado de emergência em estados democráticos. Em nome de interesses de ideologias globalistas os nossos governantes atraiçoariam os seus cidadãos e inutilizariam as suas Constituições.

A declaração de uma pandemia não deve ser deixada ao Estado porque de uma doença rara fizeram uma pandemia, como verificam peritos retrospetivamente. A possibilidade de processar a verdade deve partir do indivíduo. Pessoas irresponsáveis a guiar-nos conduzem-nos à ruína. Hoje políticos fazem erros graves e permanecem nos cargos e os perpetradores não dão andamento às investigações e o povo não nota que está a ser ameaçado. O que podemos fazer é aumentar a pressão.

Só assim se poderá evitar que poderes alheios e até inimigos caiam na tentação de provocar um mal em cadeia bastando para isso desencadear um choque, chamar os media e pressionar os políticos para verem o povo a reagir pavorosamente. Trata-se de desenvolver estratégias para evitar “infodemias”.

Um grupo muito pequeno ademocrático fica imune podendo garantir lucros imensos à indústria farmacêutica e organizações cartelistas. Com a nova formulação do acordo, a OMS quer transformar a sua competência de fazer propostas não vinculativas para passar a assumir a competências vinculativos. A voluntariedade é abolida e torna-se uma obrigação. Uma organização internacional torna-se pouco a pouco numa organização supranacional com poder decisivo e de determinar o que devemos acreditar e o que devemos fazer!

Governantes em geral estão tentados a ver em tal mudança mais que a transferência de competências soberanas em detrimento da nação, a transferência de responsabilidade política que os desobriga perante o povo eleitor. “Não havendo justiça, o que são os governos senão um bando de ladrões/malfeitores?”, advertia santo Agostinho.

Um plano contra Deus é um plano contra as pessoas e contra as comunidades. O único defensor sistémico do povo é Deus. Os tempos em que vivemos são de mudança radical (mudança axiológica). Cada pessoa tem que lutar por readquirir a dignidade humana e a democracia. Isso não vem da TV nem de cima. Deus também não vive em cima, mas no meio do povo. Deus dá-lhe dignidade e caráter. Deus é o fundamento da nossa ordem e em tempos de crescente impiedade e luta contra a dignidade humana é importante lembrar que o homem é falível e que existe um espiritual superior.

Tratado em conversação em nota (1); alguns dos elementos mais polêmicos do tratado foram agora adiados.

Beate Bahner, especialista em direito médico, escreveu o livro “OMS – tratado sobre pandemia: o ataque final à liberdade”. Dele apresento em nota a tradução da apresentação do livro na Amazon alemã (2).

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo: https://antonio-justo.eu/?p=9232

 

(1) TRATADO EM CONVERSAÇÃO versão inglesa: https://apps.who.int/gb/inb/pdf_files/inb4/A_INB4_3-en.pdf

Alguns dos elementos mais polêmicos do tratado, incluindo detalhes sobre um “sistema de acesso à patógenos e benefícios”, já foram adiados para discussão posterior, com um prazo de dois anos a partir de agora… – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2024/05/10/tratado-da-oms-sobre-pandemias-nao-deve-ser-finalizado-ate-prazo-inicial-dizem-fontes.htm?cmpid=copiaecola

(2) Tradução da apresentação do livro do link: https://www.amazon.de/WHO-Pandemievertrag-Angriff-Freiheit-unbedingt-sollten/dp/3864459982/?_encoding=UTF8&pd_rd_w=TnPn5&content-id=amzn1.sym.09dd31c9-ca41-478c-8924-c3af80a010cf%3Aamzn1.symc.acc592a4-4352-4855-9385-357337847763&pf_rd_p=09dd31c9-ca41-478c-8924-c3af80a010cf&pf_rd_r=VX3QSQHH5S1HCTDKTM5Y&pd_rd_wg=STgmo&pd_rd_r=dfb3ee25-2d2b-4864-8cca-8e5a6db5d141&ref_=pd_hp_d_btf_ci_mcx_mr_hp_d

para português:

 

Bloqueios, recolher obrigatório, proibições de contacto, encerramento de escolas e empresas, máscaras e testes obrigatórios, quarentena e pressão de vacinação – tudo isto não é nada comparado com os planos que a OMS quer decidir este ano.

A ditadura da saúde está chegando!

À porta fechada e escondidos do público em geral, estão a ser feitos planos obscuros para uma ditadura da saúde global. A OMS deveria poder declarar novas pandemias quase ilimitadas e, portanto, uma “lei marcial médica” e ordenar testes, vacinações obrigatórias e medicação obrigatória. Ao mesmo tempo, deverá entrar em vigor um sistema global de biovigilância através de testes, quarentena e outras medidas. No futuro, as pessoas não vacinadas deverão até ser declaradas “doentes”!

Beate Bahner, especialista em direito médico e autora de best-sellers da Spiegel, responde a muitas perguntas explosivas neste contexto verdadeiramente distópico, tais como:

O que está por trás do sinistro “projeto JITSUVAX” e do “programa Mercury” de Gates e Rockefeller?

Qual o papel que a Alemanha e Lothar Wieler desempenham nos novos planos da OMS?

As pandemias são provocadas “especificamente”?

Quem “é dono” e quem financia a OMS?

Quem realmente tem interesse nas pandemias e quem se beneficia delas?

Por que o globo inteiro deveria ser “genomizado”?

Por que existe um plano para a matança em massa de animais de estimação?

Com base em mais de 900 fontes respeitáveis ​​e documentos originais, Beate Bahner expõe outros “horrores” que a OMS está a planear:

a vacinação permanente de todas as pessoas, incluindo crianças,

Vacinações por causa das “mudanças climáticas”

Aprovações de vacinas em apenas 100 dias,

a expansão massiva de ensaios clínicos em humanos,

a digitalização de toda a humanidade,

a possibilidade de declarar uma “emergência de saúde climática”,

a abolição da autodeterminação médica,

a criminalização dos críticos e dissidentes da vacinação e muito mais.

Estes planos sinistros da OMS mudarão o nosso mundo e a nossa vida quotidiana para sempre. Contudo, os principais responsáveis ​​não podem ser responsabilizados porque gozam de imunidade. Nesta publicação explosiva, descubra todas as informações básicas sobre o maior ataque à nossa liberdade e à integridade dos nossos corpos que já ocorreu. Beate Bahner também mostra o que podemos fazer agora para evitar o pior.”

https://www.amazon.com.br/WHO-Pandemievertrag-Angriff-Freiheit-unbedingt-sollten/dp/3864459982/ref=sr_1_3?dib=eyJ2IjoiMSJ9._yJN_XFIAETM9qdKUeuxvUqP8Nl5Mz1YoGYiTHXFEoXdHjrjpRO67BIVJAGcXxjTht3BldmNEXtm1Tfuci1S_mw_JTD3AnAn5fUHWoAPqX2Ppvw1XkUNbFUzPe7ixyavIvPqMzKx08ycDu6Rxd7K8Q.tnbF7b-gnF1sfaYSnJxSrJBdOaSlQFOFmKWHMSGKb50&dib_tag=se&qid=1715287000&refinements=p_27%3ABeate+Bahner&s=books&sr=1-3#customerReviews

MORAL SECULAR E MORAL CRISTÃ EM DIÁLOGO

Ética e Moral em contexto de Globalismo e Interculturalismo

 Moralidade é a resposta a nível de conduta a princípios, valores e regras de comportamento que orientam o ser humano para o bom viver em sociedade no sentido de alcançar a felicidade. A moralidade pode ser entendida como dimensão do ser humano ou como uma forma de consciência. Implica a capacidade de julgar o que é certo e o que é errado independentemente do código moral jurídico ou religioso porque dependente da consciência individual interna.

A ética (filosofia moral) serve-se das diferentes concepções de moralidade para buscar princípios universais que orientem o comportamento humano, no âmbito do certo e do errado e procura estabelecer padrões e princípios de comportamento do bom viver para todas as pessoas.

A moral é mais pessoal e culturalmente circunstanciada, estabelecendo o seu comportamento no âmbito do bem e do mal; centra-se mais nos valores e nas normas, variando de cultura para cultura e de pessoa para pessoa, podendo ser moldada pela educação, experiência pessoal e influências culturais.

A moral secular situa-se fora das tradições religiosas embora integre delas muitos valores secularizados que em vez de assumirem uma relação com Deus buscam a fonte da sua orientação comportamental apenas na razão, na ciência e na legislação estatal. Valores da ética secular:  solidariedade, justiça, compaixão, cuidado. Serve-se por vezes práticas budistas como meditação secular para adquirir concentração plena e redução de estresse.

A moral cristã baseia os princípios éticos que orientam o comportamento humano em Deus, na tradição, na razão e no agir de Jesus Cristo. As normas morais cristãs, pelo facto de estarem sujeitas à consciência pessoal de cada um não contradizem o caracter universal da moral apesar do código formal que as envolve (no cristianismo a consciência individual é a soberana). Parte de um só Deus como elo comum de toda a humanidade e em que todo o humano tem a mesma dignidade inviolável baseada na filiação divina independentemente de crença ou descrença.

Neste artigo usarei os termos moral e ética de maneira indiferenciada embora a ética se refira aos princípios/valores gerais e a moral se refira a esses valores aplicados que expressam a sua diferenciação nas diferentes religiões e culturas.

Enquanto a moral secular acentua o falar de valores, a moral cristã acentua a virtude (atitudes humanas), isto é, valores aplicados.

Na procura de distinguir o que é certo e errado a moral secular busca princípios éticos fundamentados na razão, na experiência humana, na ciência e na filosofia. Os seus adeptos fundamentam a sua moralidade em princípios racionais, como a busca da felicidade, o bem-estar humano, a justiça, a igualdade, a liberdade e os direitos individuais. Esta moral vai-se adaptando às mudanças sociais e culturais no tempo e orienta o seu agir a partir das consequências que podem causar.

A ética secular geralmente orienta a moralidade pelas consequências das acções praticadas tendo em vista o caracter utilitário delas. O padrão de orientação para a moral correcta verifica-se  nas consequências positivas para a maioria das pessoas.

Na procura de distinguir o que é bem e mal a moral cristã baseia-se nos ensinamentos da Bíblia, na autoridade divina e na tradição da Igreja acompanhada da razão e do Paráclito. Estes fornecem uma base sólida para as normas éticas e dão mais segurança às pessoas e às comunidades por não correrem o perigo de se perderem no abstrato, no geral e no espírito do tempo.

Princípios morais cristãos importantes são o amor a Deus e ao próximo, a justiça, a misericórdia, o perdão, a virtude e a espiritualidade. Jesus Cristo é o movente de toda a vida de um cristão; ele é o protótipo da vida a seguir-se.

Adeptos da moral secular chegam a acusar o cristianismo de ter uma moral absoluta e imutável e como tal não flexível às mudanças do tempo porque baseada nos preceitos da fé. A flexibilidade da moral cristã revela-se no respeito pela consciência individual considerada soberana e pela presença do Espírito Santo como forma de expressar a revelação de Deus a nível individual e no processo histórico. Também a ciência teológica se ocupa das questões de fé ao longo dos tempos em contínuo diálogo com a sociedade e com as diferentes filosofias, servindo-se do instrumento da razão e possibilitando diversidade de interpretações e práticas (a teologia do Espírito Santo possibilita um aferimento de caracter “democrático„ ao desenvolvimento individual e social ao longo da História (a revelação de Deus também através da História).

A moral secular é mais flexível porque mais virada para a mudança reduzindo o espectro da sua ocupação ao utilitário pragmático e funcional sem grande compromisso com o passado sendo orientada para e pelo resultado da acção. Também há muitas sobreposições e influências mútuas entre a moral cristã e a moral secular! Esta surgiu em grande parte daquela. Numa sociedade de caracter globalista e multicultural a moral secular possibilita um diálogo acessível a todas as culturas e biótopos culturais dado empregar a razão na elaboração dos seus princípios. A sua prioridade de acentuação na igualdade, na justiça social e nos direitos individuais fomenta principalmente a igualdade e a justiça social.

As desvantagens visíveis na moral secular devem-se sobretudo à precaridade das suas fundamentações a nível de fontes e de autoridade e a não considerarem a pessoa integral pois deixam fora do seu âmbito questões espirituais e existenciais profundas.  O seu campo limitado ao certo e ao errado, obriga a viver-se num processo dialético de debates contínuos e a uma falta de consenso.

A flexibilidade da moral secular pressupõe como consequência o relativismo moral que conduz à atitude de cada cabeça sua sentença e ao possível descrédito de tudo o que é institucional possibilitando um estado cultural confuso e caótico que só viria a servir a institucionalização de um poder autoritário global anónimo preocupado apenas em seguir o espírito do tempo ou em determiná-lo. Por outra parte, em termos sociais, a moral cristã, na sua tendência    para se fixar sobretudo na tradição, revela uma certa inflexibilidade perante as mudanças sociais dando a impressão de chegar atrasada na história. A moral cristã, ao não seguir o politicamente correcto e o espírito do tempo, dá mais garantia de sustentabilidade histórico-social por prestar mais atenção ao homem integral, precisando assim de mais tempo para tentar perscrutar os sinais dos tempos.

A consciência secular aspira a bens terrenos relativos a espaço e tempo enquanto a moral cristã é orientada por bens transcendentes e absolutos. O cristianismo ao valorizar a consciência individual como actuante em todas as instituições reconhece a energia da relação pessoal como movente de tudo. Descorou, porém, o empenhamento na formação da consciência laica-social que hoje em política é determinante. Disto se aproveita o socialismo marxista que aposta nas massas dirigidas e no Estado enquanto o cristianismo em termos político-sociais se esvai na pessoa e no povo.

Como se torna hoje muito visível nos temas aborto, eutanásia, gender, ativismo LGBT, etc. a moral secular ao seguir o espírito do tempo (e não tanto a racionalidade) cria leis que provocam tensões sociais por entrarem em conflito com a moral cristã.

A sociedade, porém, precisa de instituições alternativas estáveis não só viradas para o presente e deste modo temperem o encanto do novo e do provisório de modo a  garantir mais responsabilidade humana e histórica no desenvolvimento humano.

Mais que fixarmo-nos nas vantagens e desvantagens dos dois sistemas morais importa que se entre num diálogo relacional de complementaridades interinas, pois se a moral secular se baseia na razão e na igualdade, a moral cristã oferece uma base moral sólida e confiável (muito embora mais exigente e idealista). No meio de tudo isto há que ter em conta que a sociedade humana é heterogénea e com diferentes estádios de consciência.

Em termos sociais, ambos os sistemas morais têm suas vantagens e desvantagens e complementam-se. Crenças, valores e contextos individuais e culturais entremeiam-se de maneira a pessoas integrarem elementos de ambos os sistemas no comportamento do seu dia a dia e na própria compreensão da sua moralidade.

A substituição da moral pelas leis tornar-se-ia incongruente porque o direito não tem por natureza algo imanente que o fundamente.

 

Com a industrialização e depois das duas grandes guerras, a Europa viu surgir grande quantidade de mão-de-obra imigrante para dar resposta às necessidades económicas e ao crescimento industrial.

Limitar a consciência às necessidades primárias é deixá-la à mercê dos ventos sem saber para onde nos levam e facilitar a organização de poderes hegemónicos e formatadores de consciência de caracter anónimo. As necessidades meramente corporais e individuais limitam o âmbito das possibilidades e a necessidade aliada à emoção chega a obscurecer o espírito. Não chega o cogito ergo sum até porque também o cogito pode ser irrefletido e limitado. Freud não chegou a compreender o que era a consciência, mas pôde reconhecer que o inconsciente era o seu outro (lado).

Como as pessoas traziam consigo a sua cultura religiosa específica como forma de identificação surgem na sociedade europeia morais religiosas diferentes, lado a lado. Por outro lado, o globalismo e movimentos ateus, e agnósticos aumentam criando na sociedade a necessidade de criar sistema éticos que vinculem todo o cidadão independentemente das suas ligações religiosas ou não religiosas.

Assim surgem tentativas a nível religioso e não religioso de apresentar valores consensuais de referência com validade para uma sociedade querida multicultural e diversa.

Preocupados com a paz social e em estabelecer plataformas mínimas base de entendimento que possibilitem as diferentes religiões a viverem pacificamente na sua convivência cívica, surgiu a necessidade de se moldar a sociedade com um mínimo de princípios éticos comuns. Dedicaram-se a esta tarefa cientistas e teólogos como Hans Küng que criou a Fundação Ética Mundial (Global Ethic Foundation) que defende valores básicos comuns em todo o mundo, baseados em pontos análogos já existentes nas diferentes religiões.  Procuram assim normas e padrões éticos de caracter consensual para um mundo melhor!

As regiões e as culturas andam a diferentes velocidades. Perante a constatação de o Islão se manter por natureza cerrado em si mesmo, surge também a preocupação da criação de um Islão liberal na Europa, missão dificílima atendendo aos condicionalismos impostos pelo Corão + Sharia (preceitos) + os Ahadith ou Ditos e Feitos de Maomé. Em países como a Alemanha criaram-se faculdades de caracter teológico para formação de académicos formados no islão: certamente uma maneira indirecta de formar também imames abertos ao discurso teológico e a uma certa compatibilidade com os valores ocidentais. (Atendendo ao caracter meramente funcional da pessoa no islão, ele é beneficiado pelo socialismo, no discurso público).

Importante é centrarmo-nos na realidade da pessoa humana integral e na situação sociológica do pós-guerra na Europa. Nesse sentido aplicam-se as diferentes disciplinas de antropologia filosófica, a metafísica e disciplinas que dão sentido e complementam com fundamento os diferentes saberes sobre o Homem nos diferentes biótopos culturais, analisando-os   a nível das diferentes perspectivas científicas, sejam elas física ou ciências humanas, como sociologia, teologia, psicologia e medicina. Dar uma resposta numa só perspectiva corresponderia, no experimento de uma sociedade multicultural hodierna, a restringir a realidade.

Um Estado de caracter globalista e secular orientado pela economia e pelo comércio sente a necessidade de criar uma ética secular não baseada na crença em Deus nem na religião e substituir para isso a religião pela ciência e Deus pela razão e o humanismo por um utilitarismo mecanicista. Assim, enquanto a moral cristã faz derivar os princípios éticos do evangelho e da razão, a moral secular apresenta princípios éticos reducionistas baseados na razão e na ciência na esperança de com eles criar um elo comum a toda a humanidade.

A razão procura fundamentar valores como dignidade humana, respeito, justiça, compaixão e empatia, baseando-se no direito abstrato de que todas as pessoas são iguais com iguais chances e direitos perante a lei (de notar que já aqui o direito/lei natural contradiz o direito positivo!).

Assim temos o humanismo cristão fundamentado e resumido na Pessoa de Jesus Cristo e na tradição comunitária eclesial e temos o humanismo secular fundamentado na razão e nos interesses da sociedade. A ética cristã é de caracter relacional pessoal (antropológico) de conotação metafísica e a ética secular é de caracter funcional individual abstrato (sociológico) de conotação materialista (sendo o valor da pessoa concebido em função do colectivo).

Representantes da moral secular acusam a moral cristã (ou religiosa) de fundamentar o seu comportamento no medo do castigo divino indo contra a autonomia individual. Isto corresponderia, porém, a abordar a problemática de um modo reducionista porque se uns teriam medo de serem castigados (medo do pecado) os outros orientar-se-iam pelo medo das penalizações previstas nas leis. Nesta perspectiva apologética, tanto a espiritualidade cristã como o idealismo secular fundamentar-se-iam igualmente no medo: no medo do castigo no além ou no medo de castigo no aquém. Os princípios éticos não podem ser reduzidos nem à religião nem à ideologia política, podendo-se, contudo, expressar em diferentes morais e costumes!

Temos a fonte dos valores morais baseados na fé, no amor ao próximo e a crença secular orientada por princípios racionais relacionados com a justiça, a ciência, a psicologia …

Na moral secular prevalece o caracter social político tendo como fulcro e fundamento de tudo o bem da sociedade, a funcionalidade do colectivo (marxismo dialético) enquanto a moral religiosa cristã se orienta sobretudo para o bem da pessoa integrada na comunidade. Na moral secular o centro é a sociedade e a integridade do cidadão vem da sociedade (o cartão do cidadão indica a pertença nacional) e na moral cristã o centro é a pessoa universal, mas numa relação íntima com a comunidade: modelo trinitário do 1=3). Na moral cristã o soberano é o indivíduo e na moral secular o soberano é o colectivo.  Em nome da comunidade temos mandamentos e regras e em nome da sociedade temos leis e regras (a diferença essencial situa-se no conceito religioso de pessoa como realidade relacional (veja-se o Mistério da Trindade em que comunidade e pessoa são um e como tal a dignidade humana é parte inerente à pessoa humana), e no conceito moral secular o indivíduo é concebido como caracter funcional e como tal um autónomo mas apenas em função do coletivo (sociedade). Daí os valores serem concebidos na moral cristã ad intra enquanto na moral secular serem considerados ad extra (sistema de princípios éticos baseados em valores providentes da razão, orientados pela ciência e controlados pela lei constitucional. A atitude humana é orientada por princípios, por isso se coloca grande valor na tolerância para com os outros autónomos enquanto a ética religiosa coloca valor na relação amorosa (amor ao próximo) entre todo o humano.

A ideia da moral secular de que atitudes éticas constituem elas mesmas a própria recompensa não tem em conta a natureza humana e carece de sentido que vá além das necessidades individuais e sociais (e como tais limitadas a um tipo de sistema ou regime político-social de mero controlo exterior, na lei). O ser humano passa a ser o fim de e em si mesmo, o que contradiz o desenvolvimento aberto da natureza, pois em toda ela se constata que há um sentido e este se processa de baixo para cima, do simples para o complexo; da matéria para o Espírito e a Páscoa une a matéria ao espírito de maneira sublime; de maneira tão sublime que pode equacionar nela o espírito como origem e fim de todas as coisas (processo este também analogicamente transportável para a física quântica)!

A consciência secular aspira a bens terrenos relativos a espaço e tempo enquanto a moral cristã, de pés na terra, é orientada por bens transcendentes e supremos. O cristianismo ao valorizar a consciência individual como actuante em todas as instituições reconhece a energia da relação pessoal como movente de tudo (teologia trinitária). Descorou, porém, o empenhamento na formação da consciência laica-social que hoje em política é determinante. Disto se aproveita o socialismo marxista que aposta nas massas dirigidas de caracter formatado e no Estado enquanto o cristianismo em termos político-sociais se esvai na pessoa e no povo.

Os arquitetos de uma nova sociedade tentam criar uma supraestrutura comum, mas confrontam-se com uma sociedade multicultural com fronteiras culturais e religiosas e com diferentes medidas do que é certo e do que é errado e do que é bem e do que é mal (veja-se cristianismo, islão e materialismo); além disso, uma certa fixação em contextos antigos pode criar problemas de confronto com as novas maneiras de ser e de estar. Caso semelhante se dá nas diferentes maneiras de ver entre gerações e nas diferentes mundivisões laicas.

A ideia do caminho verdadeiro ou dos iluminados (“Iluminação” de quem se sente superior ou senhor da verdade!) pode causar conflitos e promover rigidez, inflexibilidade e medo ou vergonha no convívio social.

No cristianismo a união de fé e razão na base do amor, como elo de toda a relação que se concretiza na atitude de amor ao próximo, é suficiente para superar orgulhos e sobreposições porque o seu suporte é a humildade na base de uma humanidade de irmãos em serviço dos mais carenciados (Esta atitude mal-entendida levou existencialistas ateus a defenderem os mais fortes criando, em contraposição, a ideia do Super-homem (que no conceito de Jean-Paul Sartre se transcende a si mesmo, vivendo num mundo sem sentido e como tal livre de moldar a própria existência).  A Ética cristã supera, porém, os obstáculos que a moral secular lhe quer pôr apresentando-se como superior por pretender dar resposta a uma sociedade pluricultural com a sua moral secular baseada na ideia de razão, empatia, bem-estar e experiência humana. A ética secular apresenta-se como alternativa baseando os princípios morais na razão, na empatia e experiência humana que nas (religiões e mitos foram resumidas em doutrinas. A ética cristã entende toda a realidade como relação e concebe toda a pessoa com dignidade inalienável independentemente da sua origem ou confissão.

O problema poderá surgir no Islão que se considera superior a outras culturas (a nível individual é natural que cada pessoa se identifique com a sua crença seja ela religiosa ou secular). Mas é claro que quer a pessoa secular quer a religiosa tem as suas limitações e riquezas tal como todas as culturas entre si. Para o cristão toda a humanidade é filha de Deus o que se pode verificar na ideia dos cristãos anónimos (os não cristãos) ou dos Cristos abandonados.

A pessoa é mais que a sua convicção ou mundivisão e por isso não pode ser avaliada pela sua simples convicção nem pela sua função social. Os sistematizadores de uma moral secular ficam-se por vezes no abstrato; os princípios que proveem da ética mundana não são consistentes porque se perdem e não geram atitudes, mas ideias ou valores gerais abstratos longe de qualquer comunidade. Em nome de pretender ser uma ética abrangente com princípios racionais para todos numa sociedade de caracter abstrato, julgam-se superiores cometendo o mesmo erro que atribuem aos religiosos com as suas convicções. De facto, a nível objetivo é difícil encontrar-se verdades vinculativas para toda a pessoa dado a certeza pertencer ao âmbito subjectivo.

A ideia da globalização e da moral secular não pode passar por cima dos diferentes “biótopos” culturais nas suas diferentes maneiras de ser, estar, pensar, sentir e agir! Utilizar apenas a razão como medida padrão da pessoa e da sociedade, nas suas inter-relações, seria como querer reduzir as estações do ano a uma só estação e transformar a sociedade como que num planeta com uma só zona climática.

A biodiversidade tem uma correspondência não apenas de caracter analógico na diversidade individual e cultural. A pretensão de querer transformar a sua multiplicidade numa monocultura latifundiária cultural não passaria de um artifício apenas racional com fins utilitários com uma preocupação meramente administrativa. A pessoa humana não pode ser submetida a uma filosofia apenas individualista nem apenas coletivista; a ipseidade é o intermeio das duas.

O fomento da autonomia e da livre vontade, que a moral secular (contraditoriamente) quer ver como propriedade sua, esquece que a pessoa mesmo “autónoma” se define também pelo outro (um tu) e se encontra integrada num meio social e cultural: uma pressupõe a outra. Uma moral secular que diz querer respeitar os valores individuais e suas próprias decisões baseadas no respeito pelos seus próprios valores e convicções, opera de maneira reducionista; fica-se pela confusão do indivíduo com a comunidade sem definir a sua inter-relação constitutiva e transfere apenas o problema da persuasão das comunidades para os indivíduos, mas de maneira a estes em última análise se dissolverem na sociedade como a gota no oceano!

Com a visão unilateral da pessoa humana reduzida à fórmula racional e funcional (mecanicismo) também não resolvem o problema da relação social como acusam a moral religiosa de o não fazer.  Não chega uma monocultura da razão, do colectivo, do humanismo e da liberdade como algo específico quando a religião cristã dá resposta a isso através do livre-arbítrio e da pessoa com valor/dignidade única como imagem de Deus; o mais alto grau da dignidade humana radica na qualidade de filhos de Deus (a súmula de todo o ideal quer religioso quer secular!).

A ética secular assumiu da moral cristã (amor ao próximo, compaixão, felicidade individual) valores que designa de amizade, empatia, compaixão e bem-estar.  A moral cristã dá mais relevo ao aperfeiçoamento da responsabilidade do comportamento individual e à felicidade individual partindo da felicidade individual para a felicidade social, enquanto a ética secular acentua o caminho inverso do bem-estar e da responsabilidade social (o que corresponde à visão marxista que indirectamente legitima os quadros dirigentes ou o Estado em detrimento das bases “proletárias”). Na ideia da filiação divina do humano e no amor ao próximo (dedicação activa) já se encontra o princípio da dignidade humana, do respeito, da empatia e da diaconia social. Contudo também se verifica que o catolicismo não produz tantas pessoas políticas como o protestantismo ou o islão. Este é um défice que o catolicismo terá de tomar mais em conta no sentido de mais se empenhar a nível político no desenho da sociedade futura (embora toda a instituição represente mais fortemente a masculinidade de uma sociedade de matriz masculina, a instituição por muito que se esforce por fazer uma integração a nível de papeis e funções na sociedade não satisfaz porque carece de uma verdadeira integração do princípio da feminilidade na matriz político-social: neste aspecto, embora a Igreja católica seja o lugar da feminilidade ela contradiz-se a si mesma ao persistir em afirmar a masculinidade dominante na sua instituição).

Uma característica essencial de uma comunidade é o sentido de comunidade; este cria a sua conexão (atitude) vital resultante da experiência e da prática individual no grupo.

A ética secular não responde ao caracter da atitude baseada na virtude e na experiência transcendente comunitária. Exemplos de ética secular na prática incluem direitos humanos, ética ambiental e bem-estar animal. Por outro lado, em nome da multiculturalidade a secularidade procura apresentar as deficiências de ajustamento de comunidades religiosas à sociedade multicultural e por outro lado esquece as próprias deficiências provenientes de uma visão meramente mecanicista e utilitária.

A dignidade humana de filhos de Deus (que transcende toda a subjetividade e instituições humanas) é o fundamento da moral cristã (todos são filhos de Deus) que implementou o humanismo de que o movimento secular se apoderou desviando a sua origem para a razão; a moral cristã ultrapassa essa limitação colocando a dignidade humana como algo inerente a ela devido ao caracter divino inerente ao humano integral não podendo, por isso, ser apenas um derivado da razão.

(A assistência social como hoje a conhecemos deu-se devido à secularização da assistência religiosa em instituições do Estado como derivado da prática das instituições da Caritas e da diaconia na tradição das primeiras comunidades cristãs e da Idade Média. Pouco a pouco o Estado foi assumindo ao longo da História o caracter humanitário do cristianismo. A declaração dos direitos humanos embora seja de caracter universal tem diferentes aplicações e interpretações por exemplo numa Europa e numa Arábia.  Não se trata aqui de ver quem descobriu a roda, nem de querer acabar com todos os caminhos anteriores ao pretender tudo coberto pelo alcatrão da razão e da ciência. Dignidade humana, autonomia e comunidade são factores complementares que não se podem colocar uns contra os outros, tal como não se deve afirmar o Estado à custa da religião nem a religião à custa do Estado; a realidade social em que nos encontramos obriga uns e outros a atuarem numa atitude de subsidiariedade e de complementaridade sem se combaterem para assi se iniciar uma cultura de paz.

No cristianismo a dedicação aos precários surge de uma atitude amorosa (caritas) e não apenas da sua dignidade baseada na razão ou em objectivos ligados apenas a sistemas de organização social. O bom trato é independente do status social e se há uma predileção é pelos mais necessitados.

A base da razão e o bem-estar das pessoas não são razões suficientes para dar consistência à moral secular. O razoável mais natural é afirmar a diversidade dos biótopos culturais que na sua realização contribuem para um melhor espelho da felicidade da sociedade e do globo (na natureza e sua paisagem temos um sobreiral ao lado de um pinhal e de um eucaliptal sem que um espaço tenha de negar o outro nem de excluir outros!). No interesse da consistência social e de um futuro diverso e aberto seria de se fomentar a consciência da complementaridade a nível de natureza e das culturas o que corresponderia a ter uma visão a-perspectiva de uma realidade que apesar de tudo caminha na busca do melhor (O cristão diria encontramo-nos com Deus a caminho de Deus). O livre arbítrio pressupõe uma visão não determinista do mundo ao contrário do que certas ciências naturais pretendem.

A razão e o pensamento crítico são instrumentos de grande auxílio nos momentos de se tomarem decisões. Também a ética cristã considera imensos factores, entre eles a razão, na avaliação ou tomada de decisões.  Por exemplo a ética cristã mantem a orientação de não julgar definitivamente alguém: assim não se pode afirmar que um assassino cometeu um pecado mortal porque para o qualificar como tal teria de analisar-se a situação, a gravidade do acto, o motivo, a maturidade psicológica da pessoa e depois de tudo isto o decidir de vontade livre praticar o acto na consciência de querer fazê-lo sabendo que é mau.

Não é fácil aproximar-se de uma análise objetiva. Também há preconceitos individuais e sociais que influenciam os processos de decisão. A razão e o pensamento crítico são pressupostos na tomada de decisões sejam eles pessoas cristãs ou seculares. A razão e a ciência não são propriedades laicas nem podem constituir padrão único de análise da pessoa nem da sociedade. A responsabilidade de uma decisão pressupõe também a análise das consequências a nível individual e comunitário. O facto de empatia e compaixão serem qualidades universais independentemente da convicção não as tornam características base de uma sociedade secular pelo simples facto de possibilitarem uma sociedade justa. Querer fazer derivar o respeito e o reconhecimento da dignidade humana da justiça social seria cair num círculo vicioso dado a justiça partir da dignidade e do respeito.

A substituição da divindade pela ciência, como pretende a moral secular, também não é consistente dado a própria ciência estar sujeita a mudanças e à confirmação de hipóteses. A moral profana necessita do Estado e este revela-se de caracter frágil no decorrer do tempo. Os laços de solidariedade e de justiça social são insuficientes para vincular uma consciência, deixando-a presa ao direito positivo variável, e como tal manca no que respeita à motivação e ao compromisso com a justiça e a solidariedade social. Numa sociedade multicultural, fixar-se na narrativa religiosa ou na secular apresenta sempre um risco atendendo às diferentes morais seculares e às diferentes morais religiosas.

A liberdade iluminista e liberalista prevê o indivíduo livre de qualquer imposição alheia, mas um tal ego desvinculado da comunidade não encontra motivação para a solidariedade e para a justiça (ficando presa à nuvem da fantasia). Também uma moral de deveres não motiva suficientemente para o empenho colectivo até porque a justiça plena é totalmente impossível. A tradição cristã acentua a coesão comunitária e a autonomia individual através do livre-arbítrio e da autoconsciência soberana individual (esta é uma maneira realista da relação de compromisso entre o caracter institucional necessário e o indivíduo soberano!).

Na moral secular a pessoa não é propriamente autónoma porque depende do ditado da sociedade. A pretensão de substituir a autoridade pelo direito positivo também ela não evita a tensão e conflito entre os direitos individuais e o Estado de direito.

A autoridade moral não pode ser preceituada e querer baseá-la em estatísticas seria algo aleatório. Garante de sustentabilidade será de respeitar e aperfeiçoar o que a natureza e a cultura original nos deixou como herança e meio de sobrevivência.

Uma moral secular também não se pode aproveitar da ética ambiental e da responsabilidade pela “nossa casa” comum só pelo facto de hoje ter muita aceitação ou para dar resposta ad hoc a um problema. Nem o biocentrismo nem o antropocentrismo podem dar resposta integral pelo facto de serem por natureza sectoriais e os diferentes valores são de caracter transversal em relação a todo o humano, ganhando expressão própria no biótopo cultural que deve ser respeitado.

Observa-se que uma sociedade ao tornar-se multicultural, para se justificar e autoafirmar inclui nela a luta contra a tradição da maioria e contra a tradição servindo-se para isso de um liberalismo maléfico que conduz ao individualismo deserdado. O espírito contemporâneo utiliza  para isso a filosofia relativista  que privilegia as subculturas minoritárias contra a cultura maioritária (identidade cultural) e contra as suas instituições; nesse sentido afirma-se o relativismo cultural e até o relativismo dos valores em geral e em particular o próprio humanismo; esse relativismo favorece o aparecer de imensos biótopos estranhos ou adversos à cultura maioritária (agendas, ONGs e ideologia marxista); uma vez perdida a cultura perde-se também a sociedade/povo que, na consequência, passaria a ter uma expressão  meramente individualizada, caótica e autoritária.

Também na relação geopolítica se observa um fenómeno estranho, mas talvez coerente em si. A sociedade ocidental que se encontra num estado decadente afirma-se aberta no sentido de abdicar dela mesma para fomentar guetos islâmicos dinâmicos e favorecer a matriz marxista socialista. E a nível de política externa fomenta a instabilidade de Estados, apoiando, contra o poder estabelecido, a rebeldia dos diferentes biótopos culturais dentro do país!

Numa sociedade multicultural permanecem por resolver muitos problemas de fundamentação dos valores e práticas morais ou de justificação de direitos.

O ideal seria cada parte, conforme o seu biótopo (habitat) cultural, atuar de maneira complementar interactiva com contribuições próprias no sentido de aprimorar o entendimento social e o respeito mútuo relativamente aos diferentes valores e direitos. Por natureza da pessoa humana a sociedade multicultural terá de viver sempre em situação de luta e compromisso.  Para se evitarem sociedades paralelas seria de seguir o princípio natural da integração num processo de aculturação e inculturação que substituiria a multiculturalidade pela interculturalidade e por fim conduziria à assimilação.

No experimento de um mundo a tornar-se multipolar, tanto as morais religiosas como as morais seculares terão de empreender uma relação de convívio harmonioso na consciência de que são membros ou especificidades dinâmicas de um só corpo. Se no passado dominavam as morais religiosas, no presente tende a impor-se uma moral à la carte e, a nível de supraestruturas, uma moral secular materialista de conotação marxista e maoista. O globalismo e uma certa política dirigista da ONU deveriam evitar o estabelecimento de uma monocultura humana e respeitar os “ecossistemas” na sua expressão geográfica, bio-tópica, culturo-tópica e de habitat. Nesse sentido seria de se integrar a nível individual e social o Princípio Jesuíno: a Deus o que é de Deus e ao Estado o que é do Estado salvaguardando a soberania da consciência de cada pessoa sem que esta pretenda exercer a soberania sobre o outro. Pressupõe-se, para isso, o reconhecimento recíproco na base do diálogo e do compromisso, na certeza, porém de que a resposta dada pelo cristianismo como modelo abrangente para toda a humanidade tem um caracter de matriz a não perder.

Na competição de civilizações e culturas, no final, a cultura que respeita e mantém a lealdade a uma tradição dinâmica e à base da sua filosofia (religiões e tradições) afirmar-se-á de maneira sustentável (o liberalismo e individualismo agudo de que hoje padecemos não passará de uma constipação provocada pelo exagero do espírito anglo-saxónico iniciado com a reforma. Tudo cresce de baixo para cima na direção do sol e não o contrário. É por isso que a civilização ocidental, sem renunciar ao que foi alcançado, deve reconhecer o pai e a mãe da sua cultura: o judaico-cristão como mãe e o greco-romano como pai.

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

Pegadas do Tempo

MANIFESTAÇÃO ISLAMISTA EM HAMBURGO CONTRA OS VALORES OCIDENTAIS

Reivindicação de Teocracia como Forma de Incursão?

A marcha islâmica de 27 de abril em Hamburgo reuniu mais de 1000 manifestantes com dizeres como: “Alemanha = valores da ditadura” e o „Califado é a solução”(1)!

A disputa contra a ofensiva islamista na Europa encontra os seus limites na própria doutrina islâmica e nos interesses ideológicos partidários empenhados em ganhar clientela e em concretizar agendas contrariadoras da opinião maioritária. Por isso no que toca às palavras dos políticos vale o ditado de Lutero: “Muitas palavras, pouca oração”!

Os governantes, além do mais, não agem porque não se interessam em conhecer a doutrina islâmica que se encontra no Corão + Sharia + Ditos e Feitos de Maomé (os Ahadith) e que impede até os próprios muçulmanos liberais de se insurgirem em público contra o extremismo islâmico.

Embora precisemos da alteridade e do estranho para moldar o nosso eu, não precisamos de abrir mão do nosso nós para fazer isso. A agenda anglo-saxónica, que nos domina também através de agendas provindas da ONU onde se esconde a intenção de desconstruir a cultura ocidental e em especial o catolicismo (na qualidade de instituição global), favorece agendas políticas sob a orientação de minorias contra qualquer consenso. A democracia está a ser querida ao serviço das minorias contra a maioria, segundo o padrão de pensamento do mundo anglo-saxónico secundado pelo socialismo. A Alemanha mostra isto de modo exemplar principalmente com a aplicação da ideologia dos Verdes no programa da coligação governamental. Também no que diz respeito à manifestação islamista se mostram coniventes ao renunciarem a participar em aconselhamento interpartidário sobre medidas a tomar contra os atuantes na manifestação.

Numa altura em que os muçulmanos pretendem que nas cidades alemãs haja iluminações das ruas das cidades no tempo do Ramadão, tal como acontece na cultura cristã na época do Natal, estas e outras actividades islamistas desacreditam as autoridades camarárias que já determinaram haver iluminação no tempo do Ramadão.

Muçulmanos que se sentem moralmente superiores não hesitam em defender a luta contra a ordem básica democrática livre e contra o estado constitucional. Segundo sondagens feitas num dos Estados da RFA, 49% dos alunos islâmicos preferem o Califado = teocracia ao sistema de valores europeus (2)! Embora tendo razões factuais para serem críticos perante o sistema ocidental, como cidadãos dele, é incoerente repeli-lo.

Na Europa e em especial na Alemanha assiste-se à infiltração de associações de mesquitas como Ditib nas instituições escolares para que o fascismo islâmico seja garantido de maneira sustentável. O regime político usa dois pesos e duas medidas no trato de partidos concorrentes ao poder político e no trato de movimentos ou instituições islâmicas adversas à cultura ocidental. O islão é favorecido pelas elites por constituir um movimento que ajuda a abater uma sociedade maioritária baseada nos valores tradicionais ocidentais. O islão serve os interesses delas pelo facto de a pessoa no islão não ter valor próprio, mas apenas na medida em que funciona em benefício do sistema, do colectivo. Neste sentido torna-se incompreensível que Höcke do partido AfD seja levado a tribunal por expressar slogans nazis e, por outro lado, islâmicos que exigem a abolição da ordem constitucional da República Federal da Alemanha e a queiram ver substituída pela desumana lei Sharia sejam tolerados por governantes e pelos Media.

O Movimento Califado está proibido de operar na Alemanha desde 2003, mas age através de plataformas online como a “Muslim Interaktiv”. O Califado desde a morte de Maomé em 632 é um sistema baseado na lei islâmica (Sharia). O Califa é como que o deputado (substituto) de Maomé e não conhece distinção entre poder religioso e poder secular.

Do partido FDP surgiram vozes apelando para que apoiantes do Califado (teocracia) sejam deportados do país (mas também este apelo é em vão dado muitos dos manifestantes terem nacionalidade alemã ou dupla: a maioria são jovens).

Uma realidade que os políticos não quererem reconhecer é o facto de a radicalização dos muçulmanos ser protegida e baseada no Corão, na Sahria (preceitos) e nos Ahadith (ditos e feitos de Maomé) que são ao mesmo tempo direito religioso e direito civil e constituem a base da orientação dos muçulmanos no mundo. Este sistema político sob forma religiosa é tão coerente e eficiente em si que mesmo passados séculos são formadas monoculturas islâmicas ou independências políticas como aconteceu no Kosovo e na Albânia que no século XV começou a ser islamizada aquando da invasão turca).

O Islamismo está a espalhar-se pela Europa e não se limita à determinação do vestuário nem à imposição de hábitos alimentares nas instituições públicas; ele consegue já determinar o que pode ou não ter espaço na cabeça das pessoas e tem grande influência política exagerada dado ter uma representação desproporcional nas instituições políticas e sociais.

Os manifestantes não podem ser expulsos porque já nasceram na Alemanha tendo por isso um passaporte alemão ou possuem dupla nacionalidade.

A ameaça dos islamistas é negligenciada porque a luta contra o antissemitismo e contra o extremismo de direita é considerada uma prioridade no interesse do negócio partidário. A vontade política é outra. Quando vozes críticas contra os islamitas não se enquadram no cenário político estas passam a ser difamadas ou a não ser levadas a sério. Há extremistas cuja luta vale politicamente a pena combater, como a AfD porque o combate a ela (indevidamente identificada com os conservadores), reverte em benefício dos partidos do arco do poder. A movimentação das manifestações de massas populares foi implementada por governantes.

Sharia é a doutrina islâmica de normas constituinte da ética islâmica de um muçulmano frequentador da mesquita. Vemos isto no Irão e no Afeganistão, onde a sharia se aplica. O debate sobre isto é consensualmente indesejado política e mediaticamente. Um aspecto positivo do sistema muçulmano no meio das massas europeias será o fazer acordar a Europa para os seus valores de caracter universal.

Urge uma política que respeite toda a pessoa, seja ela muçulmana, cristã, budista, etc., e que respeite os direitos da maioria e assuma responsabilidade no que toca à defesa da cultura ocidental que deu origem aos direitos humanos expressos também na democracia aberta. O pensar politicamente correcto explora a contradição ao inverter a realidade dando primazia a grupos minoritários e desrespeitando as maiorias populacionais (inverte a ordem das coisas ao colocar a excepção em primeiro lugar e a regra em segundo. A tolerância, o bom gosto e o critério querem-se reversíveis e transversais!

António CD Justo

Pegadas do Tempo

(1)  https://www-ndr-de.translate.goog/nachrichten/hamburg/Nach-Islamisten-Demo-in-Hamburg-Forderungen-nach-Konsequenzen,musliminteraktiv102.html?_x_tr_sl=de&_x_tr_tl=pt&_x_tr_hl=pt-PT&_x_tr_pto=sc

(2) https://www.youtube.com/watch?v=orlsR_v_jBw

1° DE MAIO DIA DO TRABALHADOR

Trabalho é também uma forma de valorização e de emancipação social.
A luta dos trabalhadores conseguiu restituir-lhes mais dignidade e estatuto na sua maneira de estar em sociedade.
Também o trabalho formal foi o que, socialmente, proporcionou às mulheres independência económica a nível familiar e social, de maneira a equilibrar a distância social entre homem e mulher! Essa distância era marcante pelo facto de a sociedade fazer discriminação entre as diferentes formas de trabalho!
Na jerarquia social, a forma de trabalho ainda se revela como configuração determinante de diferenciação social: Citação de https://antonio-justo.eu/?p=7395
No futuro, a luta sindical deveria preocupar-se também com a devida remuneração e dignificação do trabalho maternal. As mães deveriam ter direito a um salário digno pelo trabalho que prestam à sociedade nos primeiros três anos de cuidados com o bebé. Os anos de dedicação deveriam ser considerados como anos de contribuições para a reforma!

António CD Justo

REVANCHISMO DA HISTÓRIA EM PLENA ACÇÃO CONTRA O OCIDENTE

O Presidente Rebelo de Sousa juntou-lhe o seu Pó de Mostarda

Segundo noticiou a Reuters, Rebelo de Sousa declarou a correspondentes estrangeiros, nas vésperas da comemoração do 50° aniversário do 25 de Abril, que Portugal era responsável pelos crimes cometidos durante a escravidão transatlântica e a era colonial, e sugeriu que havia necessidade de reparações. Portugal “assume total responsabilidade” pelos erros do passado e que esses crimes, incluindo massacres coloniais, tiveram “custos” e que “temos que pagar os custos”. “Há ações que não foram punidas e os responsáveis não foram presos? Há bens que foram saqueados e não foram devolvidos? Vamos ver como podemos reparar isso”, disse irresponsável e levianamente o Presidente. Reparar o quê, devolver o quê e a quem? Não será que Rebelo de Sousa não se terá deixado levar pelos gases da ideologia que se juntaram no tecto das comemorações do 25 de Abril? Que finalidade há em andar a querer desenterrar os mortos? O Presidente da República, com a sua conversa inoportuna meteu o pé na poça!

Como pode um país assumir reparações em relação ao colonialismo do passado se nem sequer os políticos de hoje são responsabilizados perante o país a nível de legislação por possíveis medidas e actos que, por vezes, praticam em desfavor do país e contra o seu povo ou por ações nefastas noutros países através das suas empresas e intervenções?

Numa altura em que precisaríamos de medidas que fomentassem a harmonia entre povos levantam-se os espíritos malignos do revanchismo sendo todos eles, sintomaticamente, contra a civilização ocidental. A era colonial não precisa de ser arvorada em fonte de orgulho excessivo e menos ainda ser motivo para revanchismo.

Por outro lado, conversa fiada para se julgar no pelotão moral da frente poderia tornar-se num eufemismo de sentimentos de caracter saudosista quando não imperialista, além de fomentadora de reivindicações disparatadas por parte de manipuladores da História!

Há falta de realismo e de lógica no assunto das reparações pela escravatura. É preciso reconhecer os erros do passado e o abominável mal feito, mas não reactivá-lo de modo a provocar um incêndio internacional de que nenhuma nação ou povo estaria isento. Isto só serviria os activistas de ideologias empenhadas na desmontagem da sociedade europeia.

O mesmo olhar crítico expresso em relação ao passado seria necessário para acautelar o actuar dos governantes de hoje para precaverem as consequências das suas medidas em relação ao futuro. É legítimo assumir responsabilidade moral para que os actuais e futuros governos ajam de forma responsável e humana. Cada pessoa, cada povo tem os seus pais e a sua história que os forma. Responsabilidade é de assumir agora pelo presente e por um futuro mais justo e equilibrado.

Os Romanos também levaram o ouro e a prata do território onde hoje é Portugal. Deixaram-nos a riqueza da sua língua latina, o seu Direito, estradas, a sua civilização e o cristianismo! Independentemente de relações mais ou menos justas há sempre um dar e receber!

O facto de algum familiar de Rebelo de Sousa ter estado envolvido em responsabilidades coloniais não justificam as palavras do Presidente no estrangeiro. Esta matéria ganha relevância e deveria preocupar-nos em relação ao atuar económico-político-militar de hoje em relação aos vindouros! O mesmo se diga em relação à “soberana” Dívida Nacional que hipoteca as próximas gerações não lhes permitindo agir livremente devido ao débito que os políticos de hoje irresponsavelmente postergam nelas.

Num contexto de revanchismo contra a Europa surgem perguntas ao senhor presidente: 

Queremos começar agora a exigir da França pelos roubos e crimes cometidos contra as populações portuguesas durante as invasões francesas?

Vamos exigir da Espanha a restituição de Olivença?

Quem fala do milhão de escravas e escravos europeus feita pelo corso muçulmano norte-africano na Europa?

Vai-se pedir indemnização ao 25 de Abril por portugueses mortos devido ao abandono dos portugueses deixados ao Deus dará em África? E a questão esquecida dos retornados e dos soldados mortos em serviço do país?

Será que queremos ter direito a reaver Cabo Verde e São Tomé e Príncipe povoados pelos portugueses?

Que reparações terão de fazer os países colonizados pelos espólios deixados pelos colonos bem como pelos serviços prestados a essas culturas?

Deve o dinheiro dos impostos do cidadão de hoje ser utilizado por erros de políticos de outrora? Será que as retribuições terão de ser pagas pelas classes políticas dirigentes de outrora e seus continuadores no presente?

Será que Portugal quer introduzir o princípio da justiça na História tendo para isso ter de ser posto a leilão? Não seria a aplicação de tal princípio a causa de novas guerras? Que interesses legitimam políticos a declarar uma culpa colectiva a um povo?

Ao serviço de quem se encontram os revanchistas e desconstrutores do passado europeu?

Não seria de falar, em termos actuais do que fazem em menor escala empresas multinacionais em África e em Portugal enriquecendo accionistas à custa dos nativos com ordenados de miséria?

Que reparação será exigida a políticos e capitalistas por usufruírem ou que usufruem dos serviços de trabalhadores com salários indignos que os impossibilitam de viver uma vida culturalmente digna e humana?

O colonialismo nórdico teve outras dimensões de caracter estrutural e tem interesses actuais de outra natureza e categoria nas regiões das antigas colónias não comparáveis com o dos portugueses pelo que não poderão ser tomados como exemplo nas suas iniciativas de reparações. Quanto à devolução de espólio trazido a museus dos países colonizados seria uma atitude de boa vontade a realizar desde que haja condições adequadas e de intercâmbio para o fazer.

Erros passado não se podem “pagar”, o máximo é sofrê-los e reconhecer os motivos que se encontram por trás deles.  A culpa só se poderia herdar no sentido de Adão!

Não se trata aqui de criticar uma visão fundamentalista com outra visão fundamentalista, mas sim de refletirmos sobre um assunto que poderia ser oportuno e assim impedirmos de se substituir o velho colonialismo por um imperialismo moralista.

Não podemos mudar o passado, o que podemos e devemos é ajudar a história no sentido de uma boa mudança de direção.

Encarar e reconhecer o passado com responsabilidade será a melhor maneira de preparar um presente e um futuro responsável; neste sentido poderá a História ser mestra da vida!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo