IMPORTAÇÃO DE CARROS USADOS

Provedor da Justiça gratuito em caso de conflito com autoridades

António Justo

Já em 2016 o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE)” condenara Portugal, relativamente à matéria de importação de carros do Espaço Europeu. Este ano  a EU advertiu novamente Portugal para que cumpra a lei europeia.

A sobrecarga, que o Estado Português impõe a emigrantes ou a quem importa carros usados da EU, revela-se como uma exploração do próprio povo e maltrata os direitos dos portugueses no espaço económico europeu!

Pode ler sobre isto no Expesso de 27.11.2019 (link em nota 1)

Muitos portugueses não reagem e o Estado vai adiando a solução do problema. A imprensa portuguesa também só tematiza o assunto superficialmente.

Pessoas lesadas deveriam colocar a questão no Provedor de Justiça Europeia; a queixa é gratuita (2); por exemplo, no Google em Provedor de Justiça Europeia (3).

O recurso ao provedor da justiça seja ele o europeu ou o português é premiado pelo interesse da autoridade em esclarecer o assunto e na intervenção que faz.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

LARANJAS,  TORAJAS  E MANDARINAS ENVENENADAS

O insecticida clorpirifos a provocar a diminuição do cérebro

António Justo

A imprensa alemã e a EU alertam para o caso de laranjas, toranjas e mandarinas contaminados com resíduos de inseticidas.

O uso do insecticida clorpirifos torna-se num perigo para o cérebro e encontram-se resíduos dele nos referidos citrinos e no cérebro de pessoas.

Estudos mostram indicações que já a mínima quantidade de clorpirifos mudam o cérebro;  de facto, áreas importantes do córtex cerebral diminuem e os limites fixados pela  UE não são suficientes para evitar danos.

Por isso, a partir de hoje,  representantes dos Estados-Membros da EU encontram-se em Bruxelas para proibir o uso do insecticida; o problema para tal é que tem de haver unanimidade na decisão e países que exportam citrinos poderão impedir a proibição. O lóbi agrícola está a exercer pressão para que o clorpirifos não seja proibido, informa a HNA de hoje. Também outra fruta se encontra  contaminada.

Estudos independentes (não financiados pelas empresas que vendem os citrinos) provaram que mesmo a menor quantidade de clorpirifos pode causar danos cerebrais. A autoridade reguladora da UE (EPSA) apoiou, para já, a proibição do uso do clorpirifos.

Segundo estudos ,uma em três toranjas e uma em quatro toranjas bem como em laranjas estão contaminadas.

Desde 2005 o uso do clorpirifos foi permitido em partes da EU e encontra-se prolongado até 31 de Janeiro de 2020.; na Alemanha é proibido mas mesmo assim citrinos vendidos na Alemanha acusam restos de clorpirifos. Cientístas da USA já descobriram danos no cérebro de crianças no útero.

Por isso muitas pessoas, com posse,  já compram “produtos biológicos”. Quanto ao consumo dos produtos é importante verificar-se os países de onde provêm. Na Europa há países que não proibiram o uso do insecticida por razões meramente económicas. Neste caso seria necessário consultar-se, na etiqueta ajunta ao produto, a origem dele e informar-se se nesse país  está proibido o uso desse insecticida!

António da Cunha Duarte Justo

In Pegadas do Tempo

REGIÕES ADMINISTRATIVAS AO SERVIÇO DAS REGIÕES OU DE BOYS?

O Centralismo vive à Custa do Empobrecimento das Regiões

 

Alguns políticos querem a criação de Regiões administrativas.

Só a criação de uma taxa de solidariedade sobre o rendimento nacional (PIB) e a ser distribuída pelas regiões defraudadas do país poderá obstar aos malefícios criados por um centralismo irracional.

A exigência da descentralização seria muito oportuna e legítima se impedisse a hidrocefalia da capital portuguesa e obrigasse a política a ter uma acção responsável também em relação a tudo o que não é Lisboa, mas não na condição de vir a criar mais tachos para boys de partidos.

A oligarquia de Lisboa e o jornalismo da capital não têm estado interessados em empenharem-se pela casa toda que é Portugal.

Aos políticos tem-lhes bastado uma boa sala de visitas (Lisboa) para receber e deslumbrar os seus amigos estrangeiros e ao mesmo tempo encobrir misérias.

Uma política com responsabilidade para as regiões preocupar-se-ia também com o interior de Portugal e teria de transferir algumas instituições do Estado centralizadas em Lisboa, para regiões desfavorecidas.

No contexto político em que nos encontramos e atendendo a vir a proposta de onde vem, antes da reforma administrativa urgiria a criação de uma sobretaxa de solidariedade europeia e ao mesmo tempo um subsídio de solidariedade fiscal em relação às regiões portuguesas depauperadas; para tal seria necessária uma reforma administrativa que ultrapassasse um certo pensamento jacobino europeu (2) poderia vir depois.

Pelo que me é dado observar, uma reforma administrativa, no contexto da mentalidade que domina os nossos governantes seria também ela mais uma medida de abuso no sentido de açaimar o Estado português aos interesses de alguns!

Continuação do tema em Centralismo Versus Regionalismo (1): https://antonio-justo.eu/?p=4557 ou http://correioluso.de/archive/10331

ver mais artigos em https://bomdia.uk/criacao-de-uma-sobretaxa-de-solidariedade-europeia/

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

Notas:

 

VIVA O 25 DE NOVEMBRO

ESTE FOI O DIA EM QUE O 25 DE ABRIL PASSOU A SER DE TODOS OS PORTUGUESES

Com o 25 de Abril tínhamos um regime comunista e com o 25 de Novembro passamos a ter um regime democrático. O 25 de Abril devido ao 25 de Novembro passou a ser de todos.

A partir do 25 de Novembro de 1975  os cravos em Portugal passaram a não ter só a cor vermelha e o Sol começou a brilhar também para outros cravos! Se ficássemos só no 25 de Abril teríamos uma guerra civil!

Alguns saudosistas reivindicam um 25 de Abril só vermelho, só da sua cor e por isso são contra a comemoração do 25 de Novembro! Deste modo querem dividir o povo português. Não notam sequer que continuam a ser os beneficiados da sociedade portuguesa a nível de Constituição e dos publicistas da capital! Por isso Portugal continua a ter a esquerda menos evoluída da Europa (ao lado da espanhola).

Enquanto a esquerda portuguesa continuar alheia ao povo e à economia produtiva, não acompanhando a evolução da esquerda europeia, Portugal continuará a ser defraudado nas suas possibilidades de maior desenvolvimento!

No 25 de Novembro, Ramalho Eanes e Jaime Neves salvaram a liberdade ameaçada!

António da Cunha Duarte Justo

In Pegadas do Tempo

 


António da Cunha Duarte Justo
In Pegadas do Tempo

O ABUSO DA EMOÇÃO ESTÁ A DESTRUIR A NOSSA CULTURA OCIDENTAL

«Viva a Emoção. Abaixo a Razão»

Li um texto do Prof. Dr. António Bento que é muito oportuno e esclarecedor de muita baixeza moral que se passa na comunicação social. Ele explica o porquê do abuso sistemático da emotividade usada por “profissionais” da opinião.
São usados títulos de notícias ou fotos emocionais com a intenção de levar as pessoas a chafurdar só nos sentimentos e de maneira a excluírem a própria razão.
A mensagem apelativa é dirigida apenas à parte instintiva ou emotiva da pessoa.
Todos os domínios da sociedade e da pessoa são intencionalmente abordados e apresentados de maneira a produzir reacções emocionais que se reduzem a duas tomadas de posição: agrado ou desagrado. O mecanismo é tão eficiente que muitas pessoas até ficam com a impressão que têm opinião fundamentada!
António Bento diz: “Na verdade, qualquer um dos variados âmbitos da actividade humana tende hoje a ser abordado a partir de uma perspectiva fundamentalmente ou exclusivamente emocional. Um slogan simplificador capaz de dar conta desta nova situação moral crítica em que nos encontramos poderia ser o seguinte: «Viva a Emoção. Abaixo a Razão». O seu pressuposto obscurantista é mais ou menos o seguinte: “Se as próprias neurociências nos permitiram recentemente descobrir que as emoções comandam tanto a vida privada como a vida pública, e se a razão é efectivamente escrava das paixões, então abandonemo-nos inteiramente às emoções e entreguemo-nos a todo o tipo de experiências garantidas pelo grande mercado político das emoções. Active-se, em cada indivíduo, a sua fibra mais passional. Abandone-se o raciocínio. Vá-se directamente ao coração. Emocionarmo-nos é bom. Raciocinarmos é mau”.
Uma sociedade em que se menospreze a razão passa a ser decadente porque produz um desequilíbrio entre inteligência emocional e inteligência racional em desfavor desta prevalecendo uma emocionalidade orientadora do agir que  proporciona uma moral de costumes doentia.
António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo