A POLÓNIA QUER QUE A ALEMANHA PAGUE 1,3 BILIÃO (TRILHÃO) DE EUROS EM REPARAÇÕES PELOS DANOS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

A invasão alemã da Polónia foi há 83 anos, a 1 de setembro (início da Segunda Guerra Mundial). A gigantesca soma de 1,3 trilhão de euros é o resultado de um relatório de peritos polacos. A Polónia pretende exigir reparações. De acordo com o relatório, 5,2 milhões de pessoas perderam a vida durante a ocupação alemã e mais de 2,1 milhões de homens e mulheres foram deportados como trabalhadores forçados.

Segundo informação do HNA de 2.09, o 1,3 trilhão resulta das “perdas para a economia nacional causadas pelos rendimentos já não gerados pelos mortos e que a comissão de inquérito avalia em 919 mil milhões de euros”. A estes somam-se os “danos materiais causados pelo ataque e ocupação alemães avaliados em 170 mil milhões de euros. Além disso, há bens culturais e arte no valor de quatro mil milhões de euros que foram destruídos”.

Para o governo alemão, a questão já não é relevante e teria sido resolvida em 1990 com o Tratado 2+4. O Tratado 2+4 (1) é um tratado de estado entre a República Federal da Alemanha e a RDA, mas também entre as potências ocupantes França, EUA, Grã-Bretanha e a União Soviética. O tratado clarificou aspectos de política externa e condições internas para a reunificação da Alemanha.

O problema é que tudo tem sido combinado entre as potências ocupantes e estas decidiram por si sem a participação directa dos países vítimas; no caso do tratado 2+4 em que estavam presentes os dois estados alemães e os 4 ocupantes (USA, União Soviética, França e Reino Unido) não foi referida a questão das reparações (no caso da Alemanha unida). Facto é que estados ocupados pela Alemanha como a Grécia e a Polónia não foram envolvidos nas conversações!

A exigência actual da Polónia, embora atrasada, torna-se oportuna, precisamente, numa altura em que a Alemanha disponibiliza tantos milhares de milhões para o investimento na guerra. Uma Alemanha que até 2022 seguia uma política empenhada no fomento da faz quebra com o passado pós-guerra tornando-se em promotora de guerra.

Quem tem tanto dinheiro disponível para uma guerra fora de casa deveria ter maiores verbas disponíveis para reparar tantos prejuízos e mortes causadas por iniciativa própria.

O empenho no investimento em armamento e guerras reduz o empenho em medidas construtoras de paz!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

(1) Tratado 2+4: https://www.bundestag.de/resource/blob/579362/47b6ac2d55fcb4c12dfcce3cedc0e7d0/WD-2-149-07-pdf-data.pdf

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

14 comentários em “A POLÓNIA QUER QUE A ALEMANHA PAGUE 1,3 BILIÃO (TRILHÃO) DE EUROS EM REPARAÇÕES PELOS DANOS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL”

  1. Porquê esta questão já não é relevante para o governo alemão? Se podia ter sido resolvida com o tratado 2+4 em 1990, porque não foi?
    Mais um foco de conflito na UE…

  2. Mafalda Freitas Pereira, põe uma questão muito importante! A Alemanha aceitou as condições postas pelos estados vencedores! O problema é que tudo tem sido combinado entre as potências ocupantes e estas decidiram por si sem a participação directa dos países vítimas; no caso do tratado 2+4 em que estavam presentes os dois estados alemães e o 4 ocupantes (USA, União Sovviética, França e Reino Unido) não foi referida a questão das reparações (no caso da Alemanha unida). Facto é que estados ocupados pela Alemanha como a Grécia e a Polónia não foram envolvidos nas conversações! Prevê-se que coisa semelhante acontecerá com a Ucrânia (embora a situação seja um pouco diferente; neste caso quem terá o voto decisivo serão os actores da guerra USA-Rússia e OTAN (penso eu); a Ucrânia terá um papel secundário, quanto às decisões! Aqueles é que enviarão as suas empresas para uma eventual reconstrução da Ucrânia. Estes é que investiram no negócio da guerra!

  3. Ricardo Nuno Costa, muito obrigado pela achega! De facto é assim mas como a grande parte dos meus artigos são lidos no Brasil tenho muitas dificuldades na decisão da escolha! Para que leitores portugueses tivessem melhor ideia dos números diferenciei o trilhão em milhares de milhões. O mesmo se dá quanto à referência midia e media. Neste caso opto por media!

  4. Estranho é que não peçam uma indenização pelos massacres russos e pelo domínio soviético desde a II guerra até à queda do comunismo.

  5. osé Luís Caldeira Fernandes a exigência da Polónia é uma exigência controversa entre os peritos. De resto, os dois blocos poderosos têm tanto sangue nas próprias mãos que os leva a serem tolerantes com o adversário! Nós como somos pequenos, qualquer dia vão-nos exigir a nós indemnizações pelo facto do colonialismo!

  6. Tanto quanto sei, mercê do Pacto Germano-Soviético, a Polónia foi também invadida em 1939 pela então União Soviética e os russos não pagam nada?

  7. Jorge Rodrigues, quem decidiu das reparações a fazer foram os vencedores (depois ocupantes da Alemanha): EUA, União Soviética, Reino Unido e França. As grandes potências colocam-se em muitos casos sobre o direito comum e o direito internacional ou não o reconhecem ou não lhe ligam. Nas conversações relativamente às reparações os outros países lesados não foram admitidos.

  8. Jorge Rodrigues preocupe-se com os 21 milhoes de russos mortos e a destruicao causada pela invasao alema.

  9. Artur Malta, isso foi depois da invasão da Polónia. Claro que me preocupo com essas vitimas na Russia, mas antes destruiram a Polonia juntamente com os alemães e é bom não esquecer nem ocultar, pois isso originou infelizmente a II guerra Mundial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.