1°. de Maio – Uma tradicao a preservar – Apesar dos vícios do sindicalismo…

1°. de Maio – Uma tradicao a preservar – Apesar dos vícios do sindicalismo…
2006-04-29

O 1° de Maio é uma boa tradição. Hoje mais do que nunca se precisa de gente empenhada. Numa época em que a dignidade da pessoa se encontra em perigo porque o trabalho já não protege da pobreza e em que a pessoa é cada vez mais funcionalizada são preciso rituais que despertem e apontem para a realidade.
A comemoração deste dia tem o sentido de manter a recordação e de sensibilizar as pessoas para os direitos do trabalhador. O seu sentido provem do facto de se terem de fazer esforço por empregar pessoas e por melhorar as condições de trabalho.
Os sindicatos encontram-se apesar de tudo em crise, porque também elas estão em alguns sectores combalidas pelo mesmo vírus que corrói e corrompe instituições e sociedade. Os sindicatos são o reflexo da nossa sociedade e da economia que a domina. Antigamente o trabalho era determinado pela indústria, as grandes empresas e uma ligação vitalícia no mesmo trabalho e profissão. Hoje as pessoas trabalham em pequenas indústrias, no sector de serviços e em trabalhos dependentes inseguros ou mesmo em sectores de salários mínimos.Os sindicatos não conseguem atingir muitos destes trabalhadores ou encontram-se mesmo em concorrência com eles. Atravessamos tempos em que a luta parece ser entre os que têm um lugar de trabalho e aqueles que não têm nenhum.
Em tempos da globalização e de redução de salários é difícil para um sindicato impor tabelas de salário gerais para um país inteiro. O neoliberalismo quer dar mais direitos ao mercado à custa dos direitos do trabalhador. Em tempos da globalização porém seria importante que os sindicatos adquirissem tabelas salariais mais globais. Contra isto falam aspectos acima referidos, nacionalismos concorrentes e o próprio egoísmo dos altos funcionários dos sindicatos que constituem por vezes uma classe própria com interesses específicos e em situações privilegiadas desligadas dos filiados. (Eu mesmo posso testemunhar isto. Fui o fundador, com mais dois colegas, da secção alemã do sindicato dos professores no estrangeiro SPE / FENPROF e pude posteriormente verificar a politização partidária progressiva unilateral de pessoal mais activo e o aproveitamento político do sindicato que atraiçoou os interesses do ensino de português no estrangeiro à troca de postos administrativos para os seus funcionários mais oportunistas.) Há demasiada conivência entre funcionários sindicais e políticos. A mentalidade táctica e a estratégia de ocupação dos postos da administração pública com pessoal de dupla filiação (partidária e sindical) é um grande mal e prejudica substancialmente o bem comum e Portugal. Por vezes é mais seguida uma política de corredor proveitosa para políticos e funcionários sindicais mas prejudicial para os sócios em geral e para o bem comum. (Abandonei o SPE / FENPROF na procura dum sindicato mais dedicado à objectividade e aos interesses comuns e entrei no SNPL onde verifico ineficiência, desinteresse e inactividade).
Apesar de tudo precisamos de sindicatos, de sindicatos renovados. Antigamente um trabalhador podia exercer a sua profissão durante toda a vida. Hoje isso quase já não é possível. As pessoas são obrigadas à flexibilidade, têm que mudar várias vezes de empresa. As qualificações adquiridas já não chegam para toda a vida profissional o que terá como consequência a exigência duma nova política de qualificação. Hoje exige-se formação contínua e a vontade de aprender durante toda a vida.
As instituições padecem de falta de rectidão e de humanidade. Há situações tão aberrantes mas são cobertas pelos que vivem do sistema e os Média encontram-se demasiadamente acomodados ou encostados e dependentes.
Urge uma sociedade que ouse ser humana!

António Justo
Alemanha

Publicado em Comunidades:

http://web.archive.org/web/20080430103308/http://blog.comunidades.net/justo/index.php?op=arquivo&mmes=04&anon=2006

António da Cunha Duarte Justo


Adicionar comentário
Comentários:

– – – 2006-05-04
A situação e a experiência que apresenta é parecida com a minha.
As instituições vivem para elas mesmas.
Continue. A crítica é sinal de que ainda acredita.
Um leitor de passagem
AMCL

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *