SOB A BURKA NO ESTRANHO DA DIFERENÇA

 

É proibido proibir

das costeletas grelhadas o odor

das burcas engradeadas o suor

 

É proibido proibir

as carnes ostentadas

nas carnes tapadas

 

É proibido proibir

a presença da ausência

na ausência presente

no convívio do viver

 

É proibido proibir

a experiência do estranho

no estranho do existir

 

É proibido proibir

a diferença manifesta

no sentido do viver

 

 

É proibido proibir

a proibição de proibir

 

É proibido proibir

a permissão de permitir

 

Tolerância é viver

no estranho da diferença.

António da Cunha Duarte Justo

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *