PENÍNSULA IBÉRICA (AL ANDALUZ) DECLARADA LUGAR DE RECONQUISTA PARA O ISLÃO

O Mito da Tolerância e da Paz multicultural medieval em Al Andaluz

Por António Justo

Um dos objectivos do terrorismo internacional é desestabilizar a Península Ibérica (“Al Andaluz”). Esta é “a terra da guerra”, como anunciava já o médico Ayman Al-Sawahiri (vice-chefe da organização terrorista Al Quaida em 2006 ao declarar a guerra santa contra Al-Andaluz (Península Ibérica), especificando: “O objetivo da jihad é libertar os territórios que já foram a terra do islão, desde Al-Andalus até ao Iraque.”

Há duas semanas, antes do atentado de Barcelona (1), a milícia Estado Islâmico (EI) apelava nos seus sites à “reconquista de Al-Andalus” (HNA,19.08.2017) e anunciava um atentado nos próximos dias, chegando a usar, em 29 de julho passado, a expressão “fogo sobre Al Andaluz”; Al Andaluz era a expressão usada pelos árabes quando se referiam à Península Ibérica, dominada pelos mouros (desde 711 a 1249 a zona de Portugal e desde 711 a 1492 grandes zonas de Espanha).

A tradição islâmica (sharia) divide o planeta em fronteiras religiosas: a “terra da paz” (Dar el Islam) que são as regiões onde os muçulmanos dominam, e a “terra da guerra” (Dar al-Harb), as terras onde o islão ainda não domina. O sonho “árabe” é a reconquista de Espanha; reconquistar o que os invasores muçulmanos tinham conquistado aos cristãos da Península Ibérica.

.

O Mito de Al Andaluz: estímulo para uns e força alienadora para outros

 

A região da Catalunha (província de Barcelona) é uma terra preferida por radicais muçulmanos para aí viverem. Na Espanha há 800 mesquitas e na sua sombra há também “mesquitas de garagem” onde a pregação do ódio produz frutos. O dia 22 de agosto seria, para já, uma data propícia para mais atentados!

A lembrança da era dourada muçulmana em Espanha (Al Andaluz) é um mito para os muçulmanos no seu sonho de voltar ao fulgor da sua Idade de ouro e, para não muçulmanos, é o mito da suposta era de paz e tolerância entre o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. O sonho árabe corresponde às suas coordenadas de religião política e ao sonho de um império a realizar; da parte europeia, o desejo mitificado de um tempo de paz e tolerância que provem de um trauma de séculos de convívio e de relações frustradas com o vizinho muçulmano – temos, sociologicamente, a experiência dolorosa de uma humilhação, ainda no inconsciente, a procurar refugiar-se na ilusão de uma sublimação.

Os muçulmanos estão na origem, de facto, de um grande desenvolvimento na Península ibérica e na Europa, através da filosofia como tradutores/comentadores das obras dos clássicos gregos (os escritos gregos da antiguidade foram traduzidos para árabe, hebraico e latim em Córdoba), das ciências da medicina (Albucasis, Averróis), das novas técnicas de agricultura, da concentração em aglomerados citadinos e da sua arquitetura própria.

Uma certa tolerância dos potentados muçulmanos do Al Andaluz, foi conseguida então pelo facto de não terem posto em prática o que a doutrina islâmica exigia (Corão, Ditos do Profeta e Sharia). Então como hoje surgiram movimentos de radicalismo (jihadistas) que pretendem pôr em prática o que a doutrina muçulmana e o exemplo de Maomé requer.

O filósofo judeu Moisés Maimonides de Córdoba, propôs uma interpretação alegórica das passagens da Tora de maneira a, nas Escrituras sagradas, termos uma verdade simbólica para os filósofos e teólogos e uma verdade física para o povo (verdade literal!)

O sistema muçulmano perseguiu o seu grande filósofo Averróis que foi um luzeiro na medicina e na filosofia, na qualidade de comentador de Aristóteles. A sua acentuação da razão e a interpretação alegórica dos textos sagrados (semelhante a Maimonides) não agradavam nem aos senhores muçulmanos nem aos senhores cristãos, tendo sido desterrado pelo soberano muçulmano.

O Medievalista Francisco Garcia Fitz, constata que  „a tolerância na Espanha muçulmana“ , em que as três culturas se respeitavam mutuamente, não passa de um „mito multicultural“ e não corresponde à verdade histórica. Cristãos e Judeus eram tidos como inferiores e eram marginalizados, embora considerados minorias protegidas (“dhimmis”). Na Espanha, como ainda hoje na Turquia, estavam impedidos de obter tarefas de liderança no exército ou na administração política.

As relações entre grupos religiosos eram caracterizadas por conflitos religiosos, políticos e de raça como conclui Darío Fernández-Morera no ensaio The Myth of the Andalusian Paradise, e que “nos melhores tempos só podia ser controlado através do poder tirânico dos governantes”.

 

A outra parte da realidade muçulmana em Espanha

 

Tanto a demonização como a divinização de uma época ou cultura estão ao serviço da guerra das corporações e da estupidificação de espíritos indiferenciados.

Nesta época, Al Andaluz era um centro de muita criatividade e de alto nível científico e intelectual. O sistema económico era favorável à formação de elites.

Os não-muçulmanos (ahl al Dhimma) eram discriminados e oprimidos. O historiador Bernard Lewis constata: «As sociedades islâmicas nunca reconheceram a igualdade nem fingiram fazê-lo […] Sempre houve discriminação, de modo permanente e naturalmente necessário, como algo inerente ao sistema e institucionalizado pela lei e pela prática

Cristãos e judeus pagavam impostos específicos – um imposto individual e um imposto sobre a terra – que eram muito mais opressivos do que os impostos aos muçulmanos. As comunidades cristã e judaica estavam proibidas de exercer a sua religião em público, não podiam construir novas igrejas nem expressar em público as suas opiniões sobre religião. Muhammad I (823–886) mandou destruir todas as igrejas construídas depois de 711. Judeus e cristãos tinham de usar vestes que os distinguiam dos muçulmanos; nos séculos XI e XII houve também conversões forçadas, deportações e emigrações maciças de refugiados para a Espanha cristã.

O historiador Francisco Garcia Fitz:  “As operações militares do governante Almanzor no século X e as expedições jihad dos Almorávidas e Almohitas no século XII, contra os territórios cristãos, eram uma correspondência às cruzadas cristãs na luta contra o Islão”. Neste pano de fundo, continua o historiador: “a ideia idílica de uma Espanha muçulmana como local de encontro para três culturas parece mais ser a resposta a uma necessidade atual. Os modelos de relações interculturais que a nossa sociedade precisa, não devem ser buscados na Idade Média. Porque o que lá se encontra é o outro lado da realidade: política de exclusão, que culminou em violência e expulsão”. “A tolerância na espanha muçulmana é um mito” .

No fim do califado em 1031, a convivência deteriora-se, chegando a haver um pogrom contra os judeus de Granada, onde milhares foram assassinados. Muitos judeus, entre eles Moisés Maimonides, refugaram-se em áreas mais tolerantes no Mediterrâneo oriental ou nos reinos cristãos emergentes no oeste da Espanha.

O domínio muçulmano terminou como começou…. Rivalidades, no século VIII, entre cristãos tinham facilitado a entrada dos muçulmanos na Península Ibérica e rivalidades, no século XIII, entre muçulmanos facilitaram a reconquista cristã. Em 1492 o último rei Abu Abdalá (Boabdil), capitulou perante os Reis Católicos, Fernando e Isabel.

Com este contributo não quero justificar preconceitos com preconceitos. Saber é luz que vai iluminado também os nossos mais obscuros recônditos!  Importante é estarmos na disposição de descobrir e servir o espírito da luz, mas sempre conscientes das próprias trevas.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo (Português e História)

Pegadas do Tempo,

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Esta entrada foi publicada em Arte, Cultura, Economia, Migração, Política, Religião. ligação permanente.

15 respostas a PENÍNSULA IBÉRICA (AL ANDALUZ) DECLARADA LUGAR DE RECONQUISTA PARA O ISLÃO

  1. Emanuel Fronteira diz:

    Sera só uma ameaça ou vamos ter situações idênticas a Barcelona ?
    Emanuel Fronteira
    FB

  2. São expressões extremadas de aspirações mantidas no silêncio do espírito colectivo do povo muçulmano.
    A sua realização ou não realização depende de muitos factores, mas a ideia é como a semente que germina.
    Creio, porém, que o que se passa são os sinais de uma religião árabe a estrebuchar com as últimas forças que tem e uma civilização ocidental envelhecida e desorientada que não tem a consciência do que é nem do que tem e por isso desperdiça o maior ideal que a humanidade produziu: a dignidade inviolável humana e a irmandade livre universal.
    Dos muçulmanos poderíamos reaprender o espírito de família e a consciência de ser, aquilo que perdemos e nos fez grandes. Na constelação da história das civilizações uma civilização, como a ocidental que abdique da sua identidade e do passado que a fez para se fixar apenas nos valores do dinheiro e do comércio (consumo) não tem futuro se não redescobrir os fundamentos culturais que lhe deram o ser.

  3. Ana Salazar diz:

    Como me assusta o que acabou de escrever e que eu já tinha ouvido e lido antes. A Península Ibérica está na mira deles sim. Quem me dera estar enganada e que os meus receios sejam só isso mesmo…receios. :-(…..
    Ana Salazar
    FB

  4. Apenas procuro transmitir fontes de informação para que todos nos tornemos mais conscientes do que se passa e não reduzamos a nossa visão a uma mera opinião de sim ou não como querem os terroristas e como esperam os governantes dos povos. A diferenciação e o pensar faz doer, mas na dor é que se dá à luz algo de novo e talvez melhor. De resto, medo para nós que vivemos agora, não há que ter. O que acontece agora são expressões de uma época a dar à luz uma nova época; a História processa-se em centenas de anos e por vezes a rapidez do momento que vivemos – a nossa curta vida – é demasiado rápida para notar o que realmente está a acontecer.

  5. Paulo Terra Nosolhos diz:

    espero que os árabes saibam de história mais que os espanholinhos, porque se não é assi, imos aviados.
    Paulo Terra Nosolhos
    FB

  6. Xico Lopes diz:

    Livra-se então a Gallaecia. Em tempo dos mouros a PI era dividida em Al-andaluz e Gallaecia.
    Xico Lopes
    FB

  7. O verde do Norte aliado à coragem nortenha amedrontaram os mouros habituados a terras mais áridas! Os castelhanos, cada vez mais abertos, também chegarão a valorizar ainda mais o grande valor das regiões e culturas que a Península Ibérica tem.

  8. Manuel Gonçalves Gonçalves diz:

    Castelhanos abertos? Castelhanos a valorizar outra cultura que não seja a deles? Onde ficam esses? Devem ficar muito bem escondidos!!
    Manuel Gonçalves Gonçalves
    FB

  9. Se assim fosse, então teriam aprendido muito da mentalidade árabe!

  10. Carlos Portugal diz:

    O projecto multiculturalista da UE falhou e falhou redondamente.
    Não sou de tentar denegrir a imagem de uma cultura que não a minha só por não pertencer nela, mas sejamos sinceros, a cultura árabe é uma cultura retrógrada e super misóginista (engraçado que não vejo feministas a apontar o dedo ao Islão, pelo contrário).
    A existência de uma nova Gallaecia era algo do qual me ia orgulhar muito, pois sabia que era a união de povos que nunca deveriam ter sido separados, mas a questão Islâmica (e até mesmo a questão da emigração em massa para o continente Europeu) ultrapassa esta Gallaecia com a qual todos nós, se me permitirem a expressão, sonhamos. No meu entender, estas questões são do nosso interesse pelo simples facto de sermos Europeus e é pela Europa que nós devemos, primariamente, lutar. Quanto à Gallaecia, falamos sobre isso assim que os mouros estiverem fora daqui…
    Carlos Portugal
    FB

  11. Marco Tiago Ferreira diz:

    Concordo contigo inteiramente. A inversão demográfica e essas vindas de refugiados escondem vis propósitos.
    Marco Tiago Ferreira
    FB

  12. Carlos Portugal diz:

    Infelizmente nem toda a gente consegue ter o discernimento em pensar de forma objectiva sobre a situação. Porque é que 90% dos refugiados são homens entre os 18 e os 40 anos? Porque é que a maioria desses “refugiados” vêm de países sem guerra? Porque é que os media espalharam a imagem de um menino sírio morto na praia mas evitam espalhar a imagem das vítimas nos atentados em solo europeu? Porque é que existem organizações destinadas ao salvamento de barcos com refugiados e que são pagas por corporações europeias? E porque é que essas organizações, em vez de os trazerem para solo europeu, não os devolvem ao país de origem? A maior parte desses barcos andam à deriva no golfo de Gabes e a organização de resgate quer logo trazê-los para a ilha da Sicília… e o maior problema é que isto não vem nas notícias.
    Carlos Portugal
    FB
    Carlos Portugal

    Read more at: http://antonio-justo.eu/?p=4462&cpage=1#comment-162565

  13. O projecto multicultural falhou porque partiu de pressupostos errados: uma política europeia de portas abertas, sem quaisquer exigências em relação à formação dos muçulmanos nos fundamentos da democracia europeia nem de compromisso com as leis e modos europeus (à terra onde fores ter faz como vires fazer, característica muito portuguesa!) e uma política árabe do gueto, não conduzem ao compromisso. Em vez de multicultura (afirmação de sociedades paralelas) teria sido importante apostar na intercultura. A palavra multicultura neste contexto é um conceito negativo baseado em trâmites de matrizes de muros culturais ao contrário da osmose necessária nas relações culturais de modo a criarem intercultura.

    Quanto à Galiza (da original zona galaico-portuguesa) seria um grande legado cultural a defender numa região que sem se fechar ao mundo soube ser ela, tendo sido a alma do que é hoje Portugal e a Galiza. Portugal anda desorientado, sem norte nem rumo, ao saber dos vários ventos e atrelado em grande parte ao turbocapitalismo europeu e às ideologias marxistas de antanho em vez de reencontrar de novo o Norte que a levou a ser uma nação que deu “novos mundos ao mundo” porque guardava nela o espírito da Galiza e o sangue lusitano.
    Sim, Carlos Portugal, também comungo do seu sonho de uma nova Gallaecia; este não é um sonho vão nem retrógrado, porque, para a Europa encontrar de novo um sentido teleológico, não pode reduzir-se ao molde do capital-consumo-mercado das elites da polis, mas voltar-se para a província, para o povo que une em si a terra e o céu.
    As elites muçulmanas sabem o que querem e têm um objectivo cultural em vista (o que não é de reprovar vendo a questão sob a sua perspectiva), acreditam que ainda são novos demais para aceitarem o fim da História, enquanto as nossas elites, sem sentido nem missão perderam o fio à meada, limitando-se, a arrecadar e comer no presente o futuro em que não acreditam e por isso administram apenas a miséria do dia-a-dia.

  14. Emanuel Fronteira diz:

    Uma pergunta, onde estao essas aspiracoes, a destruir o passado de um a civilizacao, caso da Siria, de assassinar sem razoes evidentes pessoas inocentes, de sacrificar animais em nome de uma religiao desde seculos apos a queda do Imperio Romano na Europa e Norte de Africa ? E que especie de religiao se deixa utilizar para espalhar o terror mesmo dentro da propria comunidade ? E isso uma religiao ?
    Emanuel Fronteira
    FB

  15. As religiões sempre foram instrumentalizadas para vários fins ao longo da História.

    O Homem não só é religioso, mas também portador de outras potencialidades. A nível islâmico temos os interesses dos países sunitas contra os países xiitas e vice-versa a lutar pela hegemonia na região como no século XVI tínhamos católicos e protestantes uns contra os outros! Os interesses políticos e económicos apostam nuns e noutros.

    O maior erro, depois da invasão do Iraque e da destruição do da Líbia foi o apoio pelo ocidente aos rebeldes da Síria destruindo uma sociedade multicultural; deste modo desestabilizaram estas sociedades e prestaram um desserviço à precária instabilidade de todo o norte de África. O Ocidente não está consciente da matriz antropológica nem sociológica da civilização árabe. Esta precisa ainda de caudilhos a governá-los ou governos militares para manterem uma certa estabilidade. O nosso zelo jacobino de querer a democracia em todo o lado torna-se numa ideologia ao serviço de um imperialismo mitigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *