SEMANA SANTA – O TEMPO DO ENCONTRO COM A REALIDADE

O Encontro profundo com o Outro transforma-nos

António Justo

Nos textos de Terça-feira santa, Jo 13,21-38, assistimos à cena em que Jesus apresenta o seu amigo traidor. “Um de vós me há-de atraiçoar.” Precisamente aquela pessoa em que Ele tanto confiava, Judas Iscariotes, o tesoureiro do grupo. Ele era quem mais tinha as ideias de Jesus na cabeça mas que andava com a revolução no coração. Judas um homem inteligente e bom deixa entrar em si as trevas. Abandona a Luz e não volta mais.

Tal como em situações do nosso dia-a-dia, logo se levanta um outro amigo, Pedro, manifestando o seu escândalo pelo que se está a passar! Jesus que o ama e conhece a essência da realidade humana e da natureza responde-lhe com doçura: Pedro, hoje mesmo, “antes que o galo cante, tu me negarás.” De facto, Pedro, como cada um de nós, negou a Luz três vezes, mas depois reconhecendo-se luz também voltou a ela.

Dois encontros com o Mestre de Israel, dois encontros com a Vida. Duas maneiras de estarmos na vida! Judas e Pedro negam Jesus. Em Judas Iscariotes e em Pedro manifestam-se partes da nossa identidade individual. Trazemos em cada um de nós João o amoroso, Madalena a confiante, Pedro o testemunhador e Judas o traidor, como os textos da Semana Santa nos mostram. Tudo fazendo parte duma realidade que se quer boa.

Judas não quer aceitar que Jesus aposte apenas na transformação individual como fundamento e meio de chegar à paz social. Não quer perder tempo investindo em processos de mudança que só, a longo prazo, prometem a paz e a justiça. Quer a justiça já e, segundo ele, esta adquire-se mediante insurreições populares. Judas, ao contrário de Jesus, acreditava na revolução violenta, na revolução lá fora, no levantamento do povo contra os romanos. Desconhece que o impulso que o guia é o mesmo que tem levado os povos, de revolução em revolução, a adiar a Humanidade e a protelar o desenvolvimento da História.

Desiludido de Jesus, Judas abandona o grupo dos discípulos, durante a noite. Na noite da vida, este homem bom, que só quer o bem do povo, ao afastar-se da luz passa a ser dominado pela lei das trevas. Nela, o amor e a compreensão dão lugar à hora do ódio e da vingança. Com Judas procuramos a via da solução que leva ao beco sem saída, como podemos ver no Iraque, no Afeganistão, na Líbia e na nossa maneira de governar e construir relações. Judas é a alternativa da vida que nos leva ao beco da guerra; encontram-se sempre muitas razões intelectuais para a fazer.

O encontro com o outro (Jesus), com o ser profundo das coisas, muda a vida a uma pessoa. O encontro verdadeiro muda-nos no sentido da luz ou da treva.

Uma vida no desencontro é uma vida em segunda mão. O desencontro acarreta más consequências, como nos mostra o texto de quarta-feira da paixão (Mt. 26,14-16).

Jesus pregou, consolou, curou mas o seu acto de salvação foi por ele sofrido, era um processo am mesmo tempo interior e exterior. Foi atraiçoado, vendido, crucificado. Não procurava fora o que não estava dentro dele. Neste processo realiza-se salvação. Não há soluções fora, a solução é a realização, e esta é processo vivencial e não uma solução que se vai buscar ao sótão das ideias!…

Na sua paixão, que é, em parte, a nossa paixão, torna-se visível a nossa parte escura, a nossa crueldade barbárica, de ontem e de hoje. A paixão de Jesus continua hoje no Afeganistão, na Líbia, no Japão, no meu país, na tua casa e na minha. Ontem como hoje sobressai em mim uma das personalidades: Pedro ou Judas.

Aquele que foi condenado e executado às portas de Jerusalém – é o nosso rei (rei dos Judeus). Ele morreu segundo a lei.  A lei possibilita a produção de armas com que outros são mortos, segundo a lei pessoas são perseguidas ou impedidas de viver.

Somos mais que espectadores da vida. Também Jesus não tinha ninguém que o defendesse. Todos o abandonam; na sua fuga seguem o medo das próprias sombras.

Maria unge Jesus com bálsamo em Betânia (Jo 12,1-11) e enxuga-lhe os pés com os seus cabelos. Com este gesto quer honrá-lo realizando o acto de unção como era costume na sagração dos reis e dos ungidos de Deus.

Maria, uma mulher, assume a função de coroar. Em representação da humanidade e da natureza, realiza este rito, como uma sacerdotisa, que reconhece, de antemão, a morte e ressurreição da vida em Jesus.

António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

www.antonio-justo.eu

Futebol e Política a passar Rasteira à Nação


2:1 para o Porto e Zero para Portugal

António Justo

3 de Abril foi o dia em que o FC Porto se afirmou campeão, contra o FC Benfica. Dois, para o Porto e zero, para a nação.


Neste dia, nós, que vivemos no estrangeiro, sentimos o nosso rosto corar-se de vergonha, tivemos uma fraca imagem de Portugal. Vimos a alma do povo a ferver e a aproveitar-se do futebol como ventile.


No princípio do jogo muitos “benfiquistas” atacaram a polícia. No fim do jogo, na festa do FC Porto, o Benfica, ao desligar a iluminação e activar o sistema de rega do estádio, revelou-se mau jogador e pior perdedor.


Portugal, cada vez mais perdido, não parece ter lugar para vencedores nem para perdedores. Um país inocente, em contínua campanha ideológica depois do 25 de Abril, tende a radicalizar-se socialmente. Criou-se um país de adversários com políticos que não distinguem entre período de eleições e período governamental. Como no despique Benfica – Porto, o país vive, continuamente, de cenas e encenações; vive de cenas antes do jogo, durante o jogo e depois do jogo!

No ar respira-se uma atmosfera de retaliação. Um país brando de costumes foi levado pelos governantes a uma população de ânimos acesos. O povo, distraído, dispara toda a pólvora em disparos de ânimos contra o acidental e não chega a atingir o fulcro da questão. Portugal anda enganado a viver do engano; um paraíso para oportunistas e bons chalreadores. No dirigismo político português, tal como no futebol, reina a rivalidade do artifício cultivada. Não importa a coisa em si, a sua lógica, o que interessa é o falar, só o falar dela! Para chegar a primeiro-ministro, mesmo num país de espertos, basta a retórica. Esta tem um poder feiticeiro que leva, em Portugal, um homem que levou o país à bancarrota a recandidatar-se a 1° ministro! Pobres socialistas, pobre Portugal!

A política dorme na cama com quem quer, sabe que no país a “culpa morreu solteira” e os bordéis da justiça estão ao alcance de quem sabe e pode. A política tornou-se, numa prostituta virgem, sem filhos, só com enteados. Talvez, por isso, se encontre tanta gente deserdada a correr atrás de clubes e partidos, na ânsia duma perspectiva que lhes sublime a vida e vingue a sua situação social. Neste clima o político aproveita-se do bónus do candidato num palco que recebe aplauso só pelo facto de fazer guerra ao adversário.


No futebol da democracia primária, o jogo não é reconhecido nos jogadores mas nos directores. Um dirigismo político nacional desedificante conduziu a nação a uma mentalidade do ”vale tudo” e a uma situação de “rei nem roque nem o diabo que lhe toque”.

Quem está fora de jogo é sempre o outro! Além disso, políticos falhados, economia instável, cultura social fraca levam à impunidade. Em consequência surge a raiva que leva ao desapreço de tudo e de todos, a um povo de lábios mordidos sempre a morder nos outros!…


Portugal vive num estado de ânimo de passar rasteira. A mediocridade invejosa prefere o jogo do gozo do “eu não ganho mas tu também não”! Se ganhas és ladrão e apanhas!

De resto, vinga a inércia do “não te metas nisso” do “senão és apelidado de labrego”.


A política é como o peixe: começa a cheirar mal pela cabeça.

Todos, transformados, vamos construir um país novo digno de Portugal e do mundo!


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

www.antonio-justo.eu

KADHAFI SERÁ O VENCEDOR DA GUERRA CIVIL


O Povo europeu irá pagar caro a sua má Política

António Justo

Os perdedores deste conflito são já claros: a Europa, a população líbia e a civilização. O Estado cairá nas mãos do diabo ou de Belzebu. Desde que o Islão acordou, quem perderá será o Ocidente e as populações maometanas, como tem acontecido nas guerras com as suas populações!


O Ocidente perde em todo o caso. Perde, se apoiar as tribos rebeldes do Leste líbio, porque assim ajudará o extremismo muçulmano a estabelecer-se na Líbia e não só. O Leste, onde a resistência contra Kadhafi se expressa com vigor, é também o centro de recrutamento do terrorismo internacional de Al-Qaida. A Europa perde com o acolhimento de refugiados (que terá de aceitar por razões humanitárias) pois estes irão engrossar os herméticos guetos muçulmanos na Europa, facilitando-lhes assim a sua estratégia de guerrilha, a partir da sociedade europeia. A Europa perderá também ao reprimir as forças de Kadhafi; este ver-se-á obrigado a incendiar os centros petrolíferos. A Europa perderá também no caso de Gadhafi ganhar a guerra civil, porque este não aceitará mais ser o bastião da Europa, em terra líbia, contra refugiados e terrorismo de Al-Qaida. Quem terá vantagens com a guerra civil será o islamismo extremista. Já se pode prever a guerra civil como na Somália.

NÚVENS NEGRAS LÍBIAS VERSUS EUROPA

Um raio de sol tardio roçou as margens africanas do Mediterrâneo. Uma Primavera no Outono, que, apesar de tudo, faz pulsar corações amantes de liberdade. Nas águas líbias o vermelho dum pôr de sol triste mistura-se com nuvens sombrias a toldar o Mediterrâneo.


Kadhafi lança bombas sobre a população. 150.000 líbios encontram-se em fuga. A liga para os Direitos Humanos(FIDH) fala de 3.000 mortos na Líbia até hoje. Kadhafi será acusado no Tribunal Internacional (IStGH) por crimes cometidos contra a humanidade.


Alguns cabecilhas da zona rebelde do Leste da Síria que antes eram contra a intervenção internacional pedem agora apoio militar internacional para que se proíbam os voos aéreos militares sobre a Líbia. A cedência a tal pedido significaria um ataque à soberania dum Estado e o apoio à oposição com consequências e responsabilidades logísticas semelhantes às do Kosovo. Se a UNO ou o Conselho de Segurança determinar a proibição de voos militares na Líbia, aceita implicitamente o próximo passo para a força internacional intervir. No caso de Kadhafi usar aviões militares, transgride a regra legitimando assim a intervenção internacional tal como aconteceu contra a Sérvia em 1992/93.


Agora que a Líbia quer tomar o destino nas suas mãos já os países fortes se preocupam, querendo até intervir, como se já não tivessem interferido antes. A realização dum tal intento, só revelaria que se não aprendeu nada da História, e que se continuaria a colonização camuflada sob o manto duma dupla moral de humanismo e de interesses económicos. Uma intervenção internacional na Líbia corresponderia mais uma vez ao adiamento da História. A colonização externa impediu a colonização interna da luta entre tribos e serviu-se da rivalidade entre as tribos para conseguir trunfos.


O primeiro passo a dar para a Paz terá de ser a Nível de Filosofias e de Povos

O mundo moderno ocidental – sedentário – nunca compreendeu o mundo árabe – nómada, nem este compreende aquele. São duas formas de estar no mundo: Duas filosofias, duas antropologias, duas sociologias e duas religiões! Depois das invasões dos povos bárbaros, que com o tempo se sedentarizaram, a Europa apenas tinha tido, no seu seio, a experiência cigana, que nunca tomou a sério. Também não tem tomando a sério a cultura árabe interpretando-a mal, projectando nela desejos de libertação não realizada. A sede europeia de dinheiro tem-na levado a negar-se a si mesma e assim impedido também o desenvolvimento dum islão europeu; um islão sedentário.


Embora o mundo ocidental não queira ouvir a sua mensagem, o povo do Magrebe é claro nas suas aspirações. Diz que não quer “nem ocidente nem oriente”; quer ser ele, só ele e a sua cultura! Um povo em marcha não se contenta com a perspectiva do paraíso, quer um futuro mais luminoso com empregos e sem fome, e este encontra-se na “terra prometida”, na Europa. Aqui cai o maná do céu, muito dele trazido pelos ventos vindo de África.


A sua insatisfação, consigo mesmos, com os seus líderes, com o estrangeiro, é natural, numa civilização tipo nómada, entregue às forças da natureza, dada à inércia, cativa de si mesma, explorada pelos próprios líderes e por estrangeiros a eles unidos, vivendo sempre na miragem de encontrar um oásis, um lugar onde colocar uma tenda..


Neste momento a hora da população não é mais que a hora da rua, até que novos tiranos ocupem o Estado e façam dele a sua tenda. Há muita gente boa no Ocidente que vê as manifestações da rua como expressão dum desejo de liberdade. Esta porém será uma liberdade cativa. Os ocidentais, habituados a viver em paisagens culturais lameirentas, junto aos rios, não têm a mínima ideia do que são as paisagens da alma dos povos do deserto e da realidade que expressam!


Esta civilização sustentada por rivalidades tribais, dirigida por déspotas, controlada por “irmandades” e unificada sob uma matriz religiosa omnipotente, não deixa espaço para a autonomia individual e, consequentemente, não tem espaço para a cidadania; quando muito, tem lugar para o homem crente.

Daí a sua impossibilidade momentânea de produzir cidadãos e de gerar “povo” no sentido ocidental. (De notar que também o Ocidente se encontra ainda a princípio duma caminhada que possibilite o crescermos juntos). Ao povo árabe, falta-lhe o sentir sedentário no seu ideário, falta-lhe a experiência de que religião se quer “como o sal na comida”; Sal a mais estraga tudo, torna tudo intragável. Falta-lhe a consciência de “dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”.


Enquanto a civilização árabe não reconhecer factor geográfico do seu antigo pensar, o seu povo continuará, a ser vítima. Continuará a não ser povo, continuará apenas a ser população a viver na /da queixa. Enquanto continuarem a construir as tendas do gueto onde chegam não se encontram preparados para passarem da mentalidade nómada para a mentalidade sedentária. Só depois de experimentarem a fertilidade da mãe terra estarão preparados para aceitar a mulher para então se tornarem Povo e não ser apenas a população de Maomé guiada por “patriarcas”!.


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

in www.antonio-justo.eu

PRÓXIMO DESAFIO: OS REFUGIADOS


Não há Vítimas! Somos todos Criminosos!

António Justo

Na Idade Média, a Europa construía as muralhas em torno das suas cidades para se defender dos povos bárbaros invasores. Hoje fecha as suas fronteiras para impedir os fugitivos da pobreza e da perseguição. Se então os bárbaros brutalizavam a cultura e as populações por onde passavam, o mesmo não se dá com os novos “bárbaros”. A Europa actual só defende o seu bem-estar. Em vez de fomentar uma nova política para criar perspectivas nos países pobres da emigração, queixa-se da iminente invasão.

A Europa constrói muralhas para impedir que os pobres se sentem à sua mesa; e os pobres árabes que vêm constroem as suas muralhas culturais tornando-se impermeáveis aos outros. Cada um olha o próximo do mirante do seu orgulho. Muralha contra muralha. Lutadores dum lado e lutadores do outro. Tudo berra e reclama mas sem razão. Cada um se afirma contra o outro, cada um a seu nível, ou com palavras, ou com armas, ou com a opinião. São muros cerrados, feitos de culpa e de razão; tudo a lutar na mesma construção.

Os refugiados políticos e económicos não atacam por atacar; apenas fogem à perseguição de regimes barbáricos por nós apoiados. Uma vez cá precisam também eles dos seus guetos cerrados com minaretes bem altos para, para lá do muro, saciarem o longe da saudade.

Os melhores braços necessários para o enriquecimento do país saem sem possibilidade de trabalho para passarem a viver da assistência social.

Que política caricata! Em breve virão pedir asilo os apoiantes de Kadhafi. E nós, humanitários, iremos receber os perseguidores dos movimentos de libertação. Exploradores da exploração e exploradores da população, de mãos dadas, entre embargo e desembargo, na injustiça se dão!

Isto mostra a complexidade da política de asilo e revela a necessidade duma nova política de apoio aos pobres e aos perseguidos nos seus países. Uma política de fomento às bases contra toda a exploração.

Doutro modo, continuaremos a política hipócrita ajudando, política e economicamente, os exploradores para podermos explorar mais à vontade.

O ano passado, apesar do controlo das fronteiras líbias por Kadhafi, o fluxo de refugiados continuou e morreram 500 pessoas afogadas ao tentar atravessar o Mediterrâneo. A Líbia é usada como país de trânsito por perseguidos na Eritreia e no Sudão e também por fugitivos da pobreza e da opressão. O ano passado a Itália acolheu 6.000 refugiados, a Alemanha 41.000 e a Suécia 30.000.

Peritos apresentam o crescimento da população africana como o factor principal do empobrecimento.

A União Europeia treme perante o surto de analfabetos (só o Egipto tem cerca de 30% de analfabetos) e pobres que por isso saem duma pobreza para entrar noutra (pobres da assistência social). O ministro alemão das finanças, Schäuble, já deu a ideia de se criar uma cooperação de migração circular em que fugitivos sejam acolhidos por cerca de três a quatro anos, lhes seja ensinada uma profissão e depois voltem ao país para o fomentarem.

Enquanto continuamos a apoiar ditadores, centenas de milhares fugirão à fome e à opressão (exemplo do Sudão). O problema maior é que só foge quem pode, quem pode arrecadar alguns milhares de Dólares para entregar às organizações transportadoras. De facto, fugitivos pagam milhares de dólares a bandos organizados que lhes possibilitam a saída para a Europa.

Na Europa deparam com uma sociedade, momentaneamente refractária pelo facto dos pobres de cá se verem em concorrência com os de lá.

A Europa, apesar das suas contradições, terá que continuar a funcionar como lugar da misericórdia e da solidariedade, terá que entrar em colaboração económica com os países pobres, com a promoção de projectos económico e parcerias e com Fundações que fomentem a cultura popular e democrática a partir das bases. Precisa-se de solidariedade especialmente com o povo e não apenas com as instituições.

Naturalmente, não pode ser negado que a experiência europeia com migrantes de cultura árabe tem sido má; Nos últimos 60 anos de estadia não se conseguiu a integração. O problema é quase insolúvel porque são dois sistemas culturais por enquanto incompatíveis. Se os ocidentais aspiram à hegemonia económica os árabes e turcos aspiram à hegemonia cultural. No meio desta realidade a xenofobia crescerá. Aqui não há vítimas, somos todos criminosos.

Uma nova política de refugiados terá que saber combinar razão e misericórdia. Também tem ser claro que fomentar democracia significa tornar as fronteiras mais abertas.

Necessita-se duma política humanitária e de solidariedade com base em critérios humanos cristãos. Buscamos as riquezas do petróleo e as preciosidades do solo, mas, em contrapartida, deveríamos deixar algo visível para o povo, sempre que os políticos o não façam: construção de escolas, pontes, pequenas empresas, iniciativas populares de ajudá-los a ajudar-se, organização de mesas redondas.… Uma política que reserva a um sector a exploração e ao outro o benfazejo é perversa. Uma economia humana e democrática terá que dizer a e b ao mesmo tempo, não se reservando para si a exploração do homem pelo homem deixando a caridade ao Estado, às igrejas e outras instituições filantrópicas. Se colocarmos democracia e direitos humanos no centro da política e da economia surgirá automaticamente uma nova ordem, sensível à questão da culpa e da justiça. A desculpa de que ditadores são suportados pelo povo transfere a ética para uma situação abstracta e anti-humana. Num futuro de consciência mais desenvolvida, as empresas económicas terão de criar centros de formação escolar e profissional e outros apoios sociais e culturais ao povo, nas zonas onde se radicam e actuam. Esta seria a melhor política de fomento. Doutro modo continuará a política a não querer saber o que a economia e as finanças causam.

António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

www.antonio-justo.eu

NORTE DE ÁFRICA À PROCURA DE SI MESMA

Rebelião ou Revolução em África

NOVA ESTRATÉGIA da EU E USA: APOIO AOS MOVIMENTOS CÍVICOS

António Justo

Movimentos sociais em colectividades muçulmanas reduziam-se, até agora,  a manifestações contra os outros (América, cristãos, curdos, judeus, etc..) apelando ao seu papel de vítima. O levantamento popular jovem na Tunísia, no Egipto e noutras regiões árabes parece ter uma outra qualidade e ganhar, assim, contornos de “revolução” do mundo árabe. De facto, pelo que se nota, os manifestantes já não procuram fora a causa do próprio mal; revoltam-se contra os seus, à margem da ideologia comandada de Al-Qaida que, paralisada, não consegue perceber o que está a acontecer no meio dum povo, até agora habituado a ser guiado por arautos da ideologia. Agora o grito é outro. É a fome da liberdade e da dignidade humana que desce por si à rua. A revolta é contra os seus. Uma chama da liberdade é transmitida de terra em terra como o fogo dos jogos olímpicos. O seu pior inimigo são as estruturas culturais internas.

Neste processo, um dos factores mais importantes desta revolta talvez se encontre na Internet e em fenómenos como Facebook, WikiLeaks e outros Media. Eles possibilitam conhecimento, diálogo e uma nova consciência pessoal.

A luta pela liberdade vai-se organizando de forma inteligente. Da má experiência com ditadores e regimes autoritários, levantou-se na Sérvia um movimento de cidadania pacífica destinado a tornar tais regimes inseguros. Em Belgrado surgiu uma escola “Canvas” (Centro para aplicação de acções e estratégias pacíficas) onde revolucionários, ou candidatos a tal, aprendem os utensílios e estratégias a serem usados na preparação e execução duma subversão ou revolução pacífica contra líderes autoritários ou regimes ditatoriais. No dizer dum seu fundador, Srdja Popovic, desde 2004 já lá frequentaram seminários, pessoas de 37 nações. Nas manifestações árabes em curso, já se encontram pessoas que frequentaram seminários dessa escola.

As forças humanistas árabes e seus apoiantes não podem esperar que a cultura árabe dê, por ela mesma, um passo em frente. Maomé deu um passo, o povo tem que ir dando os outros! Por isso a estratégia terá de ser: mudar as circunstâncias para possibilitar a interpretação crítica do Corão e assim tornar a cultura dinâmica.

A Europa e a América reagem, senão com entusiasmo, pelo menos, com admiração com o que se está a passar no Norte de África. Sente-se o seu acordar para uma nova política com perspectivas de futuro e por isso orientada para o povo: uma política de projectos apoiantes de grupos interessados na cidadania.

Obama apoiou a revolução popular do Egipto, manifestando assim uma nova estratégia de estabilidade a ser baseada no povo e não em ditadores. A classe militar ficou, a princípio, decepcionada, mas logo começou a compreender a necessidade da nova estratégia. A mudança da política dos USA em relação ao Norte de África pressupõe que seja o povo a vencer mas a partir dele. No futuro, um acordo entre povos talvez se revele mais estável que o acordo feito entre Estados, como acontecia até aqui! O povo fica e o Estado muda. O Ocidente, ao apoiar os movimentos populares fomenta a democracia.

Os USA anunciaram, no dia 15 de Fevereiro, um programa de milhões de dólares para ajudar a geração Facebook, Twitter e You Tube para que esta consiga fugir aos bloqueios de Internet feitos por regimes ditatoriais, como China e outros. Trata-se duma estratégia moderna e inteligente: menos ajuda militar e mais ajuda civil. Fomentar projectos de democracia para abrir, com tolerância, um caminho entre militares e religião, considerando como único aliado o povo. Trata-se de agir à maneira dos cristãos em relação ao império romano, pondo-se ao lado dos escravos, que eram 90% da população; de restituir a dignidade roubada ao povo e assim possibilitar a complementaridade de religiosidade e civilidade! Uma intervenção dos USA no Líbano prejudicaria o clima social no Egipto e noutras zonas. Importante é considerar a necessidade do povo e não continuar a apostar em caudilhos que garantem o cumprimento de acordos internacionais e usam desse privilégio lucrativo para oprimir o povo, em nome da estabilidade.

A Alemanha apoia o movimento de base, na região, através da Fundação Adenauer (ligada ao CDU) que discute na sociedade sobre a liberdade religiosa e sobre a relação de fé e estado em seminários tanto com os “irmãos islâmicos” como com o clero copta, com Imames, etc. A Fundação Friedrich-Ebert (ligada á SPD) discute os temas sindicatos e direito do trabalho. A fundação Naumann (FDP) dialoga sobre o destino do liberalismo nos Estados árabes.

Os ocidentais, ao apoiarem os movimentos democráticos in loco, também contribuem para a mudança de mentalidade da população imigrante. O movimento em curso no Norte de África entusiasma já partes dos seus emigrantes no estrangeiro. Os muçulmanos europeus poderão dar um grande contributo para um islão aberto e assim criar melhores perspectivas para a cultura árabe.

A “União para o Mediterrâneo” (UPM) ganhou uma nova oportunidade. Seria do interesse dos povos ao lado do mediterrâneo criarem uma zona de cooperação especial em torno dele. Em vez de sanções será necessário levantar obstáculos ao comércio de produtos agrários, para que a população possa sobreviver sem ter de emigrar para a Europa. O fomento directo de iniciativas de grupos civis torna-se imprescindível

A democratização da sociedade árabe e o pluralismo de organizações civis enfraqueceriam o terrorismo, a única força que até agora se encontra organizada, ao lado do Estado com a religião. Na fase actual será importante impedir que Al Qaida se apodere da revolta. Esta não é a sua revolução, porque em vez do terror usa a demonstração pacífica. Não pretende uma teocracia. Os povos árabes fazem, pela primeira vez a experiência de que a manifestação pacífica consegue mais que o terrorismo. Independentemente do problema palestiniano o mundo árabe avança. O povo desmascara o satu quo da política até agora seguida na palestina, uma política que favorecia os que vivem das estratégias, os grupos dirigentes dum lado e do outro. Em vez do ódio e palavras ocas manifesta-se a necessidade de liberdade como necessidade legítima.

Às solidariedades dos ditadores e governantes entre si acrescenta-se uma nova solidariedade, a solidariedade de indivíduos no chão duma virtualidade que conduz à realidade.

A China e outras ditaduras tremem de medo perante o fenómeno que está a acontecer numa sociedade tão afinada e hermética como a árabe, onde, apesar disso, o povo se levanta… A sociedade árabe, com 300 milhões de habitantes, que tem sido o maior alfobre de ditadores, mostra, pela primeira vez, um novo rosto ao mundo, o rosto do povo. Isto atemoriza as ditaduras.

O grande requisito da nova geração árabe será modernizar o Islão. O tempo do fascismo, da cleptocracia, da corrupção já é posto em questão na rua.

As nozes mais duras de quebrar são a união de estado e religião, a subjugação da mulher, enquadrados pela religião. Introduzir uma cultura da discussão só se tornará séria quando a análise histórico-critica puder ser aplicada também ao Islão. Este torna inconstitucional o direito à emancipação, à individualidade e à libertação.

O grande meio capaz de tornar consciente a nova geração Facebook será a intercomunicação através da Internet. Esta será a fonte de próximas revoluções em sociedades autoritárias e de contestação nas sociedades democráticas.

No Egipto, os militares, ao colocarem-se ao lado dos manifestantes, salvaram a própria imagem conseguindo assim maior continuidade do velho regime. O facto da sua proveniência, da classe média, rivalizar com o clã de Mubarak, pode abrir perspectivas para inovações. Tudo dependerá, agora, da maneira como os militares apoiarão o movimento popular introduzindo o espírito democrático na Constituição. De esperar será o iniciar de sucessivas rebeliões que com os anos se poderão tornar em revolução.

Até agora, numa sociedade islâmica, só os militares da Turquia conseguiram instaurar uma certa cultura civil. Para isso tiveram de assumir e defender a ideologia (de Ataturk) que se contrapunha à tradição árabe do islão. O problema da relação fé e estado constituirá o cadinho da democracia a ser discutida.


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

www.antonio-justo.eu