A PAZ SOCIAL DEPENDE DA JUSTIÇA

Pregava o Pe. António Vieira: “Abraçaram-se a justiça e a paz, e foi a justiça a primeira que concorreu para este abraço. Porque não é a justiça que depende da paz (como alguns tomam por escusa) senão a paz da justiça” (Sermão ao Enterro dos Ossos dos Enforcados).
Hoje fumega e cheira a guerra por todo o lado! Os poderosos fazem a guerra e a pequenada é levada atrás dela!
De momento ganha-se a impressão que também na guerra da informação, quem lança os foguetes da guerra para o ar, nos quer ver reduzidos a simples catraios a correr atrás das canas! O brilho dos foguetes da guerra é alucinante e impede-nos de desenvolver estratégias e táticas de paz no sentido de se estabelecer uma justiça equitativa.
A paz pressupõe a libertação do desejo de ganhar que se encontra subjacente ao desejo de mandar. A natureza dotou-nos deste instinto, o problema começa quando nos afirmamaos contra os outros. A demonização, seja de Putin seja de Biden, é a expressão dos “demónios” em nós!
Paz é serenidade e empenha-se pela estabilidade física e emocional de todos. A paz interior, hoje em perigo, é como o fundo do mar que suporta as marés e as ondas sem as extinguir!
Um bom dia de paz da justiça para todos
António da Cunha Duarte  Justo
Pegadas do Tempo
Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.